Pular para o conteúdo principal

DIETA PARA SEDENTÁRIOS: O MELHOR TRATAMENTO PARA A DIABETES

Todos os dias me chegam à consulta pessoas com diabetes tipo 2 (DT2) mal controlada. O que faço é instituir-lhes um plano alimentar reduzido em hidratos de carbono (HC), como a Dieta para Sedentários e os resultados melhoram em pouco tempo. Este tratamento dietético permite controlar melhor a DT2, reduzindo a medicação (metformina e/ou insulina) e o apetite. Conto no meu livro um caso, mas podia contar dezenas deles. A única coisa de que os diabéticos precisam é de motivação para mudar os seus hábitos alimentares e seguir o plano alimentar para 21 dias que está no meu livro. 

"Conto aqui, a título de exemplo, um caso recente do Senhor Joaquim (mais uma vez nome fictício) na casa dos 60 anos, que chegou à minha consulta com um quadro de diabetes tipo 2 recentemente diagnosticado.  Os valores das análises revelaram uma glicemia em jejum de 296 mg/dL (os valores de referência situam-se entre 70 e 110 mg/dL) e uma hemoglobina glicada de 9,4% (os valores de referência estão entre 4 e 5,6%), o que deixou o seu médico sem dúvidas quanto ao diagnóstico. Receitou-lhe metformina e disse-lhe que deveria iniciar a administração de insulina uma vez por dia.

O Joaquim, apanhado duplamente de surpresa, primeiro com a diabetes e depois com a necessidade de tomar insulina, perguntou ao médico se não poderia consultar um/uma nutricionista e tentar, durante uns meses, pela via da alimentação, controlar os valores das suas análises. O médico concordou, embora um bocadinho reticente, adiando a introdução da insulina, mas mantendo a prescrição da metformina. Expliquei ao Joaquim que, para tratar a sua diabetes tipo 2, era essencial cortar drasticamente com a ingestão dos hidratos de carbono e ele mostrou-se totalmente determinado a fazer isso.


Preparei-lhe então um plano adequado aos seus hábitos, horários e preferências alimentares e acompanhei-o semanalmente, ao longo do primeiro mês de revisão alimentar. As primeiras semanas, confessou ele mais tarde, foram as mais difíceis, uma vez que sentiu fome. Contudo, com a progressiva aquisição dos novos hábitos, o Joaquim foi-se sentindo cada vez melhor. Quatro meses após ter iniciado o plano alimentar muito restritivo em hidratos de carbono, voltou meses volvidos a fazer análises. Resultados: glicemia em jejum 94 mg/dL; hemoglobina glicada 6%. O médico de família decidiu manter o Joaquim medicado com metformina mais algum tempo, mas foi dizendo que, se continuasse a melhorar, provavelmente deixaria de ser necessária a medicação. O plano alimentar irá ser mantido, pelo menos, por dois anos."

                                                                            Ana Carvalhas, Dieta para Sedentários, Gradiva 2016
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…