Pular para o conteúdo principal

TESTEMUNHO DE QUEM JÁ PERDEU 40 QUILOS

A Rita (nome fictício) perdeu 40 quilos em 15 meses. É um caso de  sucesso no tratamento da obesidade mórbida que mostra que, quando há motivação, não há necessidade de recorrer a cirurgia. Eis o depoimento dela sobre o seu caso:

"O incêndio na Serra do Caramulo, que consumiu completamente a minha aldeia natal e deixou isolada a população durante uma noite e um dia, fez-me perceber que tinha que mudar. O cansaço e a dificuldade em respirar naquele ambiente tão poluído demonstraram-me que os meus 130 quilos me estavam a “sufocar”.

Claro que dar o primeiro passo nunca é fácil, até porque os hábitos de uma vida – já fui uma criança 'gordinha' – são muito difíceis de mudar. Levei algum tempo a mentalizar-me e, cerca de cinco meses depois do incêndio, em março de 2014, resolvi pedir ajuda e marquei consulta no Centro de Saúde de Eiras. Devo dizer que tive uma motivação adicional – o meu marido tinha deixado de fumar. Assisti à sua luta e pensei que a minha vida, a dele e a da nossa filha, também merecia semelhante esforço da minha parte.

Tinha então 130 quilos e 37 anos.

Hoje, cerca de 39 quilos mais leve, até me custa a acreditar que estou a conseguir. E sublinho estou porque hoje consigo ter noção de que esta nunca será uma batalha terminada. Tenho perfeita consciência de que se não for rigorosa com a alimentação e comigo mesma, a determinação que me tem feito perder sempre peso nestes cerca de 15 meses de pouco adiantará.

Mas, acima de tudo, tenho perfeita noção de que consigo viver perfeitamente sem batatas, arroz, massas e afins. Com a Dr. Ana Carvalhas, mudei de hábitos alimentares. Eliminei praticamente os hidratos de carbono da minha alimentação e como essencialmente carne e peixe, acompanhados de legumes. Limitar o consumo de pão continua a ser o mais difícil mas, como as opções são muitas, habituei-me a comprar pão integral e/ou escuro.

Cozinho da mesma forma que antes, com alguns cuidados que me foram dados nas consultas, e na hora de servir apenas excluo da minha refeição os hidratos de carbono.

Aprendi também que não preciso de ser “escrava” da dieta. Em dias festivos ou eventos sociais esqueço as limitações e sirvo-me do que me apetecer. Sei que o meu organismo não vai aceitar nem metade do que aceitava antes mas, mesmo assim, sei que estou a dar-lhe mais do que devia. No dia seguinte procurarei corrigir os erros cometidos.

Uma das minhas grandes conquistas é essa. Saber que posso desfrutar do prazer da comida sem me sentir culpada. Consegui educar a minha mente e, pela primeira vez – depois de tantas tentativas de dieta em que perdi 10 e ganhei 11 -, consciencializei-me de que não estou de dieta. Esta é a alimentação e o estilo de vida que tenho que manter sempre, pela minha saúde e qualidade de vida.


Hoje sinto-me nova, com mais autoestima e com mais energia. Portanto, só tenho a agradecer - a mim mesma pela determinação, ao meu marido e filha que sempre me estimularam e se mostram orgulhosos do meu esforço e à Dr. Ana que me tem acompanhado sempre e festeja comigo cada um destes quilos perdidos."
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…