Pular para o conteúdo principal

O NATAL À MESA

O Natal está à porta! 
No dia 24 de Dezembro, as famílias portuguesas reúnem-se à volta da mesa de jantar para a consoada. Segundo o dicionário Houaiss da língua portuguesa, consoada é uma "leve refeição nocturna, sem carne, que se toma em dia de jejum" ou "ceia familiar da noite de Natal". Poucos saberão que, de acordo com a tradição católica, a véspera de Natal é dia de jejum e só após a “missa do Galo” a família procura “consolo” à mesa. Não há tradição mais portuguesa do que o bacalhau cozido com batatas, ovo e couve penca, regado com o melhor azeite novo, na noite de consoada. É provavelmente o modo mais saudável de ingerir o "fiel amigo". Mas há regiões do país em que o costume é diferente: por exemplo, na região entre Minho e Douro diz-se que “se não houver polvo a consoada não tem o mesmo sabor”.

Vindos de vários cantos do país e mesmo do mundo, os familiares recordam também, na consoada, os sabores da infância e da tradição de algumas iguarias postas numa mesa pródiga de sobremesas que arregalam os olhos: rabanadas, filhoses, fritas de abóbora, velhozes, broinhas, aletria, arroz doce, mexidos, formigos, azevias, sonhos, coscorões,... sem esquecer o bolo-rei, de tradição originária de França, que os adultos gostam de acompanhar com um cálice de vinho do Porto.
No dia seguinte, na mesa de almoço de Natal onde não faltam os frutos secos e cristalizados, já se come carne: peru recheado,  leitão assado,  cabrito ou  galo capão, devidamente guarnecidos com batata assada e salada ou esparregado. A mesa das sobremesas mantém-se, mas recomenda-se acrescentar frutas frescas que desenjoam e ajudam a digestão. O desconforto digestivo pode acontecer nestas ocasiões de maior ingestão alimentar. Um chá ou uma infusão quente tomado após a refeição ajudarão, nesse caso, a melhorar a digestão e a eliminar a sensação de enfartamento.
Os dias de festa devem ser vistos como um parêntesis na rotina que deve ser desfrutado. Contudo, se não quiser ganhar peso, uma vez concluído o período excepcional, convém retomar o mais cedo possível o ritmo das refeições normais.
A partir do dia 26 resista a comer o que sobrou, em especial as sobremesas. Congele os restos porque corre o risco de prolongar demasiado os excessos gastronómicos. Sobretudo resista às guloseimas do Natal e volte à sopa, à fruta, às saladas e aos legumes. Beba mais água e retome a prática da actividade física. A contenção só vai durar uma semana. No dia de Ano Novo a festa está de volta. 

Desejo a todos os que nos visitam, dos quatro cantos do mundo, um FELIZ NATAL e um BOM ANO NOVO!

Ana Carvalhas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…