Pular para o conteúdo principal

MANTEIGA OU MARGARINA?

O que devo comer manteiga ou margarina? Esta dúvida assalta certamente a maioria dos consumidores na hora de comprar um produto para barrar o pão. A variedade de margarinas e manteigas que existem actualmente no mercado e a publicidade dos respectivos fabricantes deixa confuso o comum dos mortais. O factor que mais influencia a escolha é, certamente, a preocupação de não aumentar ou, se possível, reduzir o colesterol. Vamos então aos factos:

A margarina foi inventada em 1869 por um químico francês, Hipollyte Mergé-Mouriès, que fez uma mistura à base de sebo, leite e úbere de vaca. Por ser uma gordura mais económica do que a manteiga depressa se tornou popular em toda a Europa. Mas o sebo das vacas europeias logo se tornou insuficiente para a expansão da indústria e, em 1907, fez-se a primeira experiência de hidrogenação dos óleos que consiste na saturação das duplas ligações dos ácidos gordos insaturados por átomos de hidrogénio, que faz a gordura solidificar. A primeira gordura utilizada neste processo foi o óleo de palma. Surgiram então as primeiras margarinas vegetais. A sua matéria prima são os óleos vegetais, ricos em ácidos gordos polinsaturados (como apregoa a indústria!), mas que se tornam saturados durante o processo de fabrico, por hidrogenação, formando as chamadas gorduras trans. Estas gorduras trans, ou gorduras hidrogenadas, comportam-se como gorduras saturadas no organismo, tendo efeitos ainda mais prejudiciais do que as gorduras saturadas naturais. 

Outros pontos desfavoráveis às margarinas são o sabor e o enorme conteúdo em aditivos químicos. De facto, durante o seu fabrico são-lhes adicionados emulsionantes, estabilizantes, aromatizantes (pretende-se imitar o sabor da manteiga), espessantes, corantes, conservantes e antioxidantes, entre outras substâncias.

Por seu lado, a manteiga é uma gordura natural de produção milenar que se obtém batendo a nata do leite. Trata-se de um alimento bastante rico em vitamina A. Recentemente surgiu no mercado e tornou-se popular a "manteiga magra". Tem teores mais baixos de gordura do que a manteiga usual, mas, tal como a margarina, está impregnada de aditivos químicos (basta ler o rótulo...) e por isso, a meu ver, tem muito pouco interesse do ponto de vista nutricional e da saúde.

A aura de vilã que a manteiga tem ganho nas últimas décadas deve-se ao facto de ser uma gordura saturada (as gorduras saturadas são sólidas à temperatura ambiente) e por conter colesterol. Por seu lado, a margarina vegetal não contém nenhum colesterol, mas faz subir o colesterol por ser saturada artificialmente. Então a escolha é entre duas gorduras saturadas, uma natural de sabor tradicional e rica em vitamina A - a manteiga- , e a outra artificial,com pior sabor e rica em aditivos químicos - a margarina.

A manteiga consumida com moderação (não mais do que um pacote de 10 gramas por dia) por pessoas saudáveis, adultos ou crianças, é melhor do que a margarina. Ninguém resolve o problema do colesterol elevado ao trocar a manteiga por margarina. Antes pelo contrário. Seria bem melhor se a trocasse, por exemplo, por azeite, mas sempre com muita moderação.

Paracelso, o famoso químico e médico do Renascimento escreveu uma frase muito acertada: "Todas as substâncias são venenos, é tudo uma questão de dose". E é por isso que devemos pensar duas vezes antes de comprar alimentos de consumo diário carregados de aditivos químicos.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…