terça-feira, 30 de setembro de 2014

No Dia Mundial do Coração um caso de sucesso

Na imagem uma das sessões de exercício físico do PEG orientada pelo Miguel Costa

A Julieta tem 52 anos e foi referenciada para a consulta de nutrição, pela médica de família, em Fevereiro passado uma vez que apresentava obesidade de grau I, hipertensão e colesterol elevado. Tomava medicação para ajudar a controlar estas duas patologias. Propus-lhe a participação no Programa de Emagrecimento em Grupo (PEG) iniciado em Janeiro de 2014, tendo a Julieta aceitado de imediato. 

O PEG é um projecto destinado a adultos com excesso de peso e obesidade que tem como objectivo a perda de, pelo menos, 5% do peso através de mudanças comportamentais visando a alimentação equilibrada e a prática regular de exercício físico. Ao longo do programa os utentes participam em sessões de educação para a saúde com nutricionistas, médicos e psicólogos, workshops de confecção saudável dos alimentos com chefes de cozinha e praticam actividade física ao ar livre orientada pelo nosso Personal Trainer Miguel Costa.

Iniciou o programa com o peso de 75,6 kg, o que para  a sua altura de 1,56 m era demasiado (IMC=31,1 kg^m2). Sentia-se pesada e cansava-se com facilidade a subir uma ladeira ou apenas meia dúzia de degraus.Passaram sete meses e a Julieta apresenta 65 kg, o que significa uma perda de 13,2% do peso inicial. Os benefícios na sua saúde estão à vista de quem a conhece. No que se refere à gordura localizada no tronco passou de 17,3 kg para 8,9 kg, o que faz toda a diferença. De facto, a tensão arterial da Julieta voltou aos valores normais ao mesmo tempo que o colesterol baixou. A sua médica de família retirou-lhe  a medicação e deu-lhe os parabéns!

Este é, sem dúvida, um exemplo a seguir. O percurso que a Julieta estava condenada a seguir é o mesmo de  milhares e milhares de mulheres a partir dos 40 anos. Com o excesso de peso, vem a hipertensão, o colesterol elevado, a diabetes, as patologias cardíacas e uma série de medicamentos para tratar tudo isto.

A lição que tiramos do caso de sucesso da Julieta e de todas as mulheres que estão a participar no PEG é que os melhores medicamentos, ao alcance de todos nós, são a alimentação equilibrada e o exercício físico. Mas é preciso dispormo-nos a mudar de vida apostando na prevenção. A menopausa e a idade não servem de desculpa. Pensem nisto!   


quarta-feira, 24 de setembro de 2014

RECOMENDAÇÕES ALIMENTARES E NUTRICIONAIS PARA DOENTES COM CANCRO


Felizmente que o cancro é cada vez mais uma doença crónica e os doentes vivem muitos anos devendo ter cuidados redobrados com a alimentação.

Os doentes com cancro devem, dentro do possível, fazer uma alimentação saudável e equilibrada, praticar exercício físico e manter as rotinas diárias. Quanto à alimentação, esta pode ser um problema na fase do tratamento intensivo devido aos efeitos secundários, como a falta de apetite, náuseas, vómitos ou feridas na boca. Deixo aqui algumas recomendações alimentares e nutricionais e alguns exemplos de refeições nutritivas, boas opções para esta fase mais difícil.

Nota: Estas recomendações não substituem uma consulta individual com um nutricionista especializado em nutrição oncológica.

Recomendações alimentares e nutricionais para doentes com cancro:

No momento em que a doença é diagnosticada, os doentes podem apresentar perda de peso e uma desnutrição considerada moderada ou severa. Uma intervenção nutricional precoce e individualizada revela-se essencial para controlar a perda de peso, melhorar a resposta aos tratamentos, diminuir as complicações e melhorar a qualidade de vida. Os doentes apresentam muitas vezes alterações nos valores de glicemia e este dado tem que ser tomado em consideração na elaboração do plano alimentar.

Recomendações:

- Vigiar a glicemia
- Ter em conta as preferências alimentares do doente;
- Os alimentos escolhidos devem assegurar um aporte energético e proteico adequado;
- A dieta deve ser fraccionada em refeições de pequeno volume e muito nutritivas aproveitando os momentos de maior apetite do doente;
- Devem ser fornecidos frutas e legumes crus, cozidos ou assados;
- Se o doente estiver em tratamento com quimioterapia, deve fazer refeições de confecção simples (evitando cheiros intensos), atractivas e do seu agrado;
- Para prevenir náuseas e vómitos, recomenda-se ingerir alimentos frios com o objectivo de diminuir o sabor e aroma;
- Evitar a exposição a odores de comida penetrante ou desagradáveis, bem como aqueles alimentos que por si só podem produzir náuseas como é o caso dos fritos ou alimentos excessivamente condimentados;
- Nos períodos de náuseas evitar os pratos preferidos do doente para que não desenvolvam aversão a alimentos que serão úteis para o nutrir em fases assintomáticas;
- Evitar beber líquidos às refeições. Beber fora da refeição e em pequenas quantidades. As bebidas com gás (carbonatadas) podem ser úteis para diminuir distensão gástrica;
- Enriquecer nutricionalmente pratos como purés ou sopas utilizando a clara de ovo, queijo ralado, manteiga, nata, tapioca ou molhos tipo bechamel;


Exemplos de refeições nutritivas

- Sopa de legumes variados à qual se pode adicionar a carne, peixe ou ovo, se o doente apresentar falta de apetite. Adicionar uma mão de leguminosas (feijão, grão ou ervilhas) e aumentar a quantidade de azeite.
No caso do doente ter repulsa pela carne ou alimentos proteicos deve considerar-se a hipótese de adicionar à sopa um suplemento modular. Neste caso, pedir o conselho de um nutricionista.

- Acompanhar a refeição com pão ou broa;

- Açorda ou farinha de pau de peixe, carne ou ovo escalfado;

- Batidos de fruta com leite ou iogurte e cerelac ou bolacha maria (no caso de não haver alterações no valor da glicemia);

- Leite creme, arroz doce ou aletria (no caso de não haver alterações no valor da glicemia);

- Papas lacteas (Cerelac), Nestum ou no caso de haver alterações no valor da glicemia (hiperglicémia) pode optar-se por Nestum de arroz ou papas de aveia;

- Frutos oleaginosos (nozes, amêndoas, amedoins, avelãs, cajús, etc.) podem fazer parte das saladas, por exemplo, ou ingeridos em qualquer refeição;

- A gelatina é normalmente bem tolerada;

- Sumos de fruta, sumos 100% e néctares;


Sites consultados

http://oncologiaynutricion.com/archivos/soporte_nutricional/sn_print_E.pdf (29.10.13)

http://www.inca.gov.br/inca/arquivos/publicacoes/consenso_nutricao_internet.pdf (29.10.13)

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

ESTUDO SUGERE QUE ADOÇANTES ARTIFICIAIS CONTRIBUIRAM PARA EPIDEMIA MUNDIAL DA OBESIDADE

Notícia do jornal Público por Ana Gerschenfeld:
Milhões de pessoas no mundo deixaram de pôr açúcar no café e passaram a consumir, por razões de saúde, aspartame, sacarina ou outros adoçantes artificiais. A indústria alimentar utiliza-os para reduzir as calorias dos seus produtos. Porém, eles nem sempre são eficazes para perder peso – um enigma ainda por resolver. E apesar de um sem fim de estudos terem sido realizados desde a sua introdução na nossa dieta há mais de um século, os seus eventuais benefícios ou perigos continuam por avaliar.


Agora, uma equipa de investigadores em Israel descobriu um efeito tangível dos adoçantes sobre a nossa fisiologia. Mais precisamente, que o consumo de adoçantes é capaz, tanto no ratinho como no ser humano, de provocar desequilíbrios da flora intestinal – os milhões de milhões de bactérias que vivem no nosso intestino e nos ajudam a digerir os alimentos. E que, por sua vez, esses desequilíbrios podem fazer aumentar perigosamente os níveis de açúcar no sangue – ou seja, precisamente o que se pretendia evitar ao substituir o açúcar natural por adoçantes. Apesar de serem muito preliminares, os seus resultados, que foram publicados esta quarta-feira na revista Nature, levam estes autores a concluir que “a utilização em massa destes aditivos alimentares deve ser reavaliada” e que "os adoçantes poderão ter contribuído directamente para exacerbar precisamente a epidemia [de obesidade] que se destinavam a combater".
Para continuar a ler clique aqui.


Razão tenho eu quando digo nas consultas que não quero que troquem açúcar por adoçante. Ensino a reduzir gradualmente o açúcar que colocam habitualmente nas bebidas, pois o objectivo é educar o paladar para menos doce. 

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

CORANTES COMESTÍVEIS A PARTIR DE FRUTAS E LEGUMES

Sempre que tenho uma festa de aniversário cá em casa, socorro-me dos vídeos do youtube Dulce Delight da brasileira Raiza Costa, que ensina a fazer bolos e sobremesas deliciosos e com um aspeto super atrativo. Partilho este vídeo sobre corantes comestíveis naturais em que ela nos ensina a extrair a cor das frutas e legumes. Deixem-se seduzir pela Raiza Costa em Dulce Delight, mas aviso, o canal dela pode fazer engordar. Assistam e percebam porquê ;)


sexta-feira, 12 de setembro de 2014

É URGENTE REDUZIR O SAL DA ALIMENTAÇÃO DAS CRIANÇAS


Um relatório recentemente publicado pelo Center for Disease Control and Prevention , refere que 9 em cada 10 crianças nos Estados Unidos comem mais sódio do que o recomendado. A maioria deste sódio está nos alimentos processados.

Sabemos que o perigo de uma dieta rica em sódio é que este faz aumentar a pressão arterial e a prova disso é que, como podemos ler no relatório, 1 em cada 6 crianças americanas com idades entre os 8 e os 17 anos têm pressão arterial elevada.

A pressão arterial elevada é um importante factor de risco para doença cardíaca e derrame.

A redução de sódio na dieta das crianças de hoje pode ajudar a prevenir as doenças cardíacas de amanhã especialmente para aqueles que também têm sobrepeso.

O gosto pelo sal é estabelecido, muito cedo, através da alimentação. Os pais e encarregados de educação têm aqui um papel essencial podendo ajudar a diminuir o sódio influenciando a forma como os alimentos são produzidos, vendidos, preparados e servidos.

É fundamental previlegiar refeições mais ricas em legumes e fruta, confeccionadas em casa e servir lanches preparados com alimentos simples como leite ou iogurte, pão e fruta.

quinta-feira, 11 de setembro de 2014

SOPA SEM BATATA PASSO A PASSO / SOUP STEP-BY-STEP

INGREDIENTES: para 2 a 3 litros de sopa:


CONFECÇÃO:
Descascam-se e preparam-se os legumes. Coloca-se um pouco de azeite no fundo da panela e adiciona-se os alhos esmagados, a cebola e o alho francês partidos grosseiramente. Por-se a ferver o azeite até a cebola ficar transparente e adiciona-se um bom copo de água. Juntam-se as cenouras, a courgete e o sal e acrescenta-se água até meio da panela. Deixa-se cozer cerca de meia hora. 

Depois de verificarmos se a cenoura está  bem cozida, passa-se tudo com a varinha até ficar um puré fino. Acerta-se a água e adicionam-se os espinafres. 

Mais cinco minutos de cozedura
( os espinafres cozem rápido) e...
A sopa está pronta! 



terça-feira, 9 de setembro de 2014

PROPRIEDADES MEDICINAIS DA SOPA

O que é a sopa?
A sopa é um alimento milenar que consiste num caldo à base de legumes que se come habitualmente no início das principais refeições. É um alimento de baixo custo, de confecção simples e de digestão fácil. Do ponto de vista nutricional é um alimento inigualável! 

Que nutrientes contém a sopa?
A sopa é composta maioritariamente por nutrientes reguladores como a água, fibras, vitaminas, minerais e numerosos fitoquímicos, alguns com acção antioxidante, que fazem dela um verdadeiro harmonizador metabólico. O nosso organismo funciona melhor quando comemos sopa!

Para além dos micronutrientes reguladores, a sopa contém hidratos de carbono complexos, gordura (a melhor é o azeite com alto teor de ácidos gordos monoinsaturados) e terá quantidades consideráveis de proteína vegetal se se incluírem leguminosas como feijão, grão, ervilhas, lentilhas ou favas ou proteína animal se se introduzir pescado ou carne.

Propriedades medicinais da sopa e longevidade
Os nutrientes reguladores contidos na sopa promovem o bom funcionamento do intestino, a diurese, a saciedade e a perda de peso. Podemos dizer que as características nutricionais únicas e inigualáveis da sopa ajudam a prevenir, por exemplo, as doenças cardiovasculares e o cancro só para referir as duas doenças que mais vítimas fazem em todo no mundo. De facto, comer sopa todos os dias no inicio das duas principais refeições ajuda a melhorar os valores do colesterol e triglicerídeos e os doentes diabéticos controlam melhor a sua glicémia. Por outro lado, comer sopa diariamente permite restringir calorias sem sacrifício e está provado que a restrição calórica aumenta a longevidade por diminuir os radicais livres, os marcadores inflamatórios e os danos oxidativos do DNA o que proporciona um envelhecimento celular mais lento.  

Quem come sopa, come saúde
Um prato (200 mL) de sopa de legumes fornece cerca de 80 a 120 kcal sendo um alimento com baixa densidade energética, isto é, um grande volume de alimento com poucas calorias. Comer sopa todos os dias promove o emagrecimento, a saúde e a longevidade. É caso para dizer: quem come sopa, come saúde! 

Como fazer uma deliciosa sopa sem batata, no próximo post. Não perca! 

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

MANTEIGA OU MARGARINA?

O que devo comer manteiga ou margarina? Esta dúvida assalta certamente a maioria dos consumidores na hora de comprar um produto para barrar o pão. A variedade de margarinas e manteigas que existem actualmente no mercado e a publicidade dos respectivos fabricantes deixa confuso o comum dos mortais. O factor que mais influencia a escolha é, certamente, a preocupação de não aumentar ou, se possível, reduzir o colesterol. Vamos então aos factos:

A margarina foi inventada em 1869 por um químico francês, Hipollyte Mergé-Mouriès, que fez uma mistura à base de sebo, leite e úbere de vaca. Por ser uma gordura mais económica do que a manteiga depressa se tornou popular em toda a Europa. Mas o sebo das vacas europeias logo se tornou insuficiente para a expansão da indústria e, em 1907, fez-se a primeira experiência de hidrogenação dos óleos que consiste na saturação das duplas ligações dos ácidos gordos insaturados por átomos de hidrogénio, que faz a gordura solidificar. A primeira gordura utilizada neste processo foi o óleo de palma. Surgiram então as primeiras margarinas vegetais. A sua matéria prima são os óleos vegetais, ricos em ácidos gordos polinsaturados (como apregoa a indústria!), mas que se tornam saturados durante o processo de fabrico, por hidrogenação, formando as chamadas gorduras trans. Estas gorduras trans, ou gorduras hidrogenadas, comportam-se como gorduras saturadas no organismo, tendo efeitos ainda mais prejudiciais do que as gorduras saturadas naturais. 

Outros pontos desfavoráveis às margarinas são o sabor e o enorme conteúdo em aditivos químicos. De facto, durante o seu fabrico são-lhes adicionados emulsionantes, estabilizantes, aromatizantes (pretende-se imitar o sabor da manteiga), espessantes, corantes, conservantes e antioxidantes, entre outras substâncias.

Por seu lado, a manteiga é uma gordura natural de produção milenar que se obtém batendo a nata do leite. Trata-se de um alimento bastante rico em vitamina A. Recentemente surgiu no mercado e tornou-se popular a "manteiga magra". Tem teores mais baixos de gordura do que a manteiga usual, mas, tal como a margarina, está impregnada de aditivos químicos (basta ler o rótulo...) e por isso, a meu ver, tem muito pouco interesse do ponto de vista nutricional e da saúde.

A aura de vilã que a manteiga tem ganho nas últimas décadas deve-se ao facto de ser uma gordura saturada (as gorduras saturadas são sólidas à temperatura ambiente) e por conter colesterol. Por seu lado, a margarina vegetal não contém nenhum colesterol, mas faz subir o colesterol por ser saturada artificialmente. Então a escolha é entre duas gorduras saturadas, uma natural de sabor tradicional e rica em vitamina A - a manteiga- , e a outra artificial,com pior sabor e rica em aditivos químicos - a margarina.

A manteiga consumida com moderação (não mais do que um pacote de 10 gramas por dia) por pessoas saudáveis, adultos ou crianças, é melhor do que a margarina. Ninguém resolve o problema do colesterol elevado ao trocar a manteiga por margarina. Antes pelo contrário. Seria bem melhor se a trocasse, por exemplo, por azeite, mas sempre com muita moderação.

Paracelso, o famoso químico e médico do Renascimento escreveu uma frase muito acertada: "Todas as substâncias são venenos, é tudo uma questão de dose". E é por isso que devemos pensar duas vezes antes de comprar alimentos de consumo diário carregados de aditivos químicos.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O MEU ALMOÇO SEGUNDA SEM CARNE / MY MEATLESS MONDAY LUNCH

Hoje, dia de segunda sem carne, fiz para o almoço esta deliciosa pizza de vegetais e queijo. Comprei a base da pizza e acrescentei tomate triturado, pimentos, courgetes, cogumelos frescos, azeitonas e duas variedades de queijo: chèvre e gorgonzola (italiano). 

De volta ao blogue

Setembro é mês de recomeço. Os adultos voltam ao trabalho, as crianças regressam à Escola e eu retomo o meu blogue. C'est la rentrée! 
Aqui no blogue falaremos da rentrée nutricional e de muitos temas interessantes. Em Setembro, curiosamente, tenho sempre um aumento da procura das minhas consultas. Participem mais no blogue. Coloquem as vossas questões. 
Boa rentrée!