Pular para o conteúdo principal

Já é Natal para as grandes verduras portuguesas: os belos brócolos, os ditosos grelos e a nobilíssima couve portuguesa

Texto de Miguel Esteves Cardoso publicado no jornal Público. Depois de o ler apeteceu-me fazer uns brócolos verdíssimos para o jantar...
"Nos restaurantes é bom pedir para ver os bróculos crus. Não há nada tão bom como os cozidos no momento e servidos a fumegar, assim como não há nada tão mau como bróculos requentados, descoloridos e insípidos, a desfazerem-se de tão torturados.
É grande pena que tantos portugueses façam com os bróculos, grelos e, sobretudo, com a couve portuguesa, o que fazem com o vinho do Porto: guardam-no para o Natal.
Não é verdade que a época destas excelsas verduras seja o princípio do Inverno, quando vem "o frio". Já estamos na época dos bróculos, dos grelos de nabo e de couve e, sublinhe-se, da couve portuguesa.
De que estamos à espera?
Esta semana, no dia 12 de Novembro, comemos um cruzamento dramático e delicioso. Para acompanhar uns salmonetes de Sesimbra comemos um feijão verde de saída e uns bróculos a entrar. Despediram-se uns dos outros. O feijão verde deve ter sido o último bom do ano e os bróculos eram dos primeiros.
O cruzamento até foi triplo porque conseguimos comprar dois tomates maduros que ainda não tinham sido informados que o Verão já acabou. A salada de tomate pedia um dia mais quente mas, mesmo assim, caíu muito bem: só lá para Agosto de 2014 é que voltaremos a encontrar tomates comme il faut.
Comer simultaneamente o que está a acabar e o que está a começar pode ser épico e melancólico, assinalando um render da guarda, de uma verdura para a outra.
Gosto sempre de acompanhar o peixe com duas verduras em vez de uma só, como é hábito.
Nos restaurantes é sempre bom desconfiar das verduras salteadas. O alho e o azeite servem para esconder a velhice e o estado de segunda-mão das verduras.
A couve portuguesa é a mais tragicamente esquecida pelos restaurantes. Não se percebe porquê. Quando é tenrinha, coze-se em pouco mais de quinze minutos. De onde veio a ideia de que só acompanha bem polvo e bacalhau? Fica bem com quase tudo.
Passeia-se pelo país e só se vêem couves portuguesas abandonadas ao vento. São gigantescas e rijas como cornos. Até as lagartas fogem delas, sabendo que gastam mais calorias a digeri-las do que ganham por comê-las. Que mal fizeram estas couves portuguesas? Porque é que não as apanharam quando eram novas e tenrinhas?
Também não percebo porque é que cozemos sempre as verduras em água. Quando se vai a um bom restaurante chinês (como o Mandarim no Casino Estoril-Sol) ou japonês (como o Tomo em Algés) fica-se deslumbrado com a frescura das hortaliças, matematicamente cozidas no vapor, sem diluir as qualidades gustativas.
Há restaurantes portugueses onde é preferível comer a água onde cozeram as couves ou os grelos - sempre dão um simples mas saboroso caldinho - do que os vegetais cozidos até à exaustão que emergiram dela, sabe-se lá há quanto tempo.
A nossa cultura gastronómica, aliás, é comer estas verduras como elemento principal ou único de uma refeição. Qualquer peixinho ou carne, em dose pequena, é que serve de acompanhamento.
Comer sem respeitar as épocas e os lugares é como andar desnorteado. Ainda por cima é fácil saber quando as hortaliças e as frutas estão na época: é quando há fartura delas. Não só são melhores do que as importadas ou aldrabadas como são muitíssimo mais baratas.
No entanto comportamo-nos exactamente ao contrário. Comemos as frutas e as hortaliças e os peixes cedo ou tarde de mais, quando são mais caros.
Só nos princípios de Novembro é que a sardinha atingiu o primor. Comemo-las cruas em sashimi e assadas à portuguesa. Estavam tão gordas que sobrava pouco espaço para a cabeça. Tinham os olhos quase em cima da boca. Mas quem é quer sardinhas em Novembro, quando passou o Verão a comê-las magras, pequenas, importadas e caríssimas?
Temos todos de sintonizar as nossas cabeças e as nossas bocas com a natureza à nossa volta. Para voltarmos a comer bem e a bom preço, antes que seja tarde de mais."
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…