Pular para o conteúdo principal

Ácido úrico elevado? Vigie a ingestão de açúcares


O ácido úrico é um composto químico produzido no nosso organismo, a partir de proteínas chamadas purinas, por acção de uma enzima chamada xantina oxidase. As purinas existem nalguns alimentos tais como carnes novas, caça, vísceras, frutos do mar, sardinha, salmão, feijão seco, ervilhas e também nalgumas bebidas como a cerveja. A maior parte do nosso ácido úrico é expelido pelos rins através da urina. Quando, por qualquer motivo, o organismo produz demasiado ácido úrico ou não consegue eliminá-lo eficazmente, aumenta o ácido úrico no sangue. Chama-se a este fenómeno hiperuricemia, que é um factor de risco para doenças articulares, renais e cardiovasculares. Uma das recomendações dietéticas para tratar a hiperuricemia tem sido evitar ou banir a ingestão dos alimentos e bebidas ricos em purinas.

Recentemente descobriu-se, porém, que a ingestão excessiva de frutose também faz aumentar o ácido úrico, principalmente em indivíduos hipertensos. O aumento dramático do consumo de açúcar, em particular nas bebidas e alimentos processados, permitiu que se notasse uma relação entre o elevado consumo de frutose (usada como adoçante alimentar ou como parte da constituição do açúcar) e o aumento do ácido úrico no sangue. De facto, embora as bebidas açucaradas e muitos alimentos doces contenham baixos níveis de purinas, eles possuem grandes quantidades de frutose, que é o hidrato de carbono capaz de aumentar os níveis de ácido úrico. Este aumento decorre provavelmente do aumento do catabolismo dos nucleotídeos (processamento da matéria orgânica para obtenção de energia) no fígado ou pelo aumento da síntese de purinas.

Portanto, se lhe foi diagnosticado ácido úrico elevado, evite a ingestão de carnes novas, caça, vísceras, frutos do mar, sardinha, salmão, feijão seco, ervilhas e cerveja, mas vigie também a ingestão de açúcares. Exemplos de alimentos comummente consumidos que contêm, na sua maioria, elevadas quantidades de açúcar são os refrigerantes, os iogurtes e os cereais de pequeno-almoço. Leia os rótulos!


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…