Pular para o conteúdo principal

Jogar futebol melhora a saúde do coração em diabéticos tipo 2

Um novo estudo realizado no Copenhagen Centre for Team Sport and Health, na Dinamarca, demonstrou que o treino de futebol melhora a função cardíaca, reduz a pressão arterial e eleva a capacidade de exercício em pacientes com diabetes tipo 2. O estudo mostrou ainda que jogar futebol reduz a necessidade de medicação nestes pacientes.

O estudo foi publicado na revista Medicine & Science in Sports and Exercise.

A equipa de cientistas investigou os efeitos do treino de futebol em 21 homens com diabetes tipo 2, com idades que variaram entre 37 e 60 anos.

"Descobrimos que o futebol melhorou significativamente a flexibilidade do coração e, além disso, tornou o músculo cardíaco capaz de trabalhar 29% mais rápido. Isto significa que após três meses de treino, o coração tornou-se 10 anos mais jovem", explica Jakob Friis Schmidt.

Muitos pacientes com diabetes tipo 2 têm o músculo cardíaco menos flexível, o que é, muitas vezes, um dos primeiros sinais do efeito da diabetes sobre a função do coração, aumentando o risco de insuficiência cardíaca.

A ecografia avançada do coração também demonstrou que a fase de contração do coração foi melhorada e que a capacidade do coração para se encolher foi 23% melhor, resultado que não tinha sido relatado com outros tipos de actividade física.

No início do estudo, 60% dos participantes tinham pressão alta e tomavam um ou mais medicamentos para a reduzir. O treino de futebol reduziu a pressão arterial sistólica e diastólica em 8 mmHg, efeito idêntico ao alcançado pelos medicamentos que controlam a pressão arterial elevada e daí que a necessidade de medicação também foi reduzida.

"Os resultados do estudo, juntamente com o interesse dos participantes em continuar a jogar depois do estudo, mostram que o futebol tem um grande potencial para ajudar os pacientes diabéticos", conclui o pesquisador Jens Bangsbo.

Referência
Friis Schmidt J, Rostgaard Andersen T, Horton J, Brix J, Tarnow L, Krustrup P, Juel Andersen L, Bangsbo J, Riis Hansen P. Soccer Training Improves Cardiac Function in Men with Type 2 Diabetes. Med Sci Sports Exerc., 2013, May 10
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…