Pular para o conteúdo principal

MANUAL DO CAMINHEIRO


A Gradiva acaba de publicar mais um dos seus interessantes livros. O "Manual do Caminheiro" do canadiano Jean-Claude Rodet preenche uma função em Portugal, um país onde começa a ser popular o gosto pelas caminhadas (e aliás onde, desde há muito, são comuns as peregrinações a Fátima).  O subtítulo esclarece ao que vem o livro "Equipar-se, alimentar-se e cuidar de si... naturalmente". Caminhar serve para atingir ou manter a boa forma física assim como serve para uma pessoa se sentir bem no seio da Natureza (isto quando não serve também intuitos religiosos). Mas essa actividade não deve ser feito sem alguns cuidados mínimos, indicados neste livro, que em nada é prejudicado pelo facto de ter sido escrito e publicado originalmente no Canadá pois caminhar exige os mesmos cuidados aqui ou noutro sítio (já agora, louvo aqui a tradução do francês, exemplar da autoria de Maria de Fátima Carmo e Isabel Lopes).

A 1.ª parte do livro trata dos preparativos e do equipamento do caminheiro. A 2.ª parte foi para mim a mais interessante, pois toda ela é dedicada à nutrição do caminheiro: bebidas, alimentação, suplementos).  A 3.ª parte é específica sobre peregrinações. Finalmente, a 4.ª e última parte é sobre questões de saúde de quem caminha, por exemplo problemas nos pés.

Da segunda parte destaco a necessidade de hidratação. O caminheiro tem de beber água. Quanta?

"Alguns nutricionistas desportivos sugerem 1 ml por caloria ingerida, ou seja 3000 ml de líquido por um dia activo ao ar livre, e asseguram mesmo que são necessários 4500 a 6000 ml de água se a actividade for intensa e prolongada, ou se decorre  em condições extremas de calor ou de altitude.

Deve-se consumir regularmente e em pequenos goles (150 a 200 ml a cada 15 a 20 minutos, por exemplo) para optimizar a hidratação do organismo."

O autor diz o pior possível das colas. E eu assino por baixo.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…