Pular para o conteúdo principal

"Relógio biológico" e nutrição

Quando andava na net à procura de informação sobre a melhor hora do dia para a prática de exercício físico encontrei, entre outros, este texto interessante do meu colega nutricionista Victor Hugo Teixeira intitulado "Cronobiologia e Nutrição". Partilho-o aqui convosco porque dá resposta algumas questões que me colocam frequentemente:

Cronobiologia e Nutrição
"Já alguma vez se questionou sobre a razão de acordarmos frequentemente antes de o despertador tocar? Ou de sentirmos fome a determinadas horas do dia mesmo sem termos visto alimentos? Estes são exemplos de comportamentos que se manifestam por indicação do nosso "relógio biológico", o núcleo supraquiasmático.
 
Esta pequena estrutura cerebral dita o ritmo dos processos fisiológicos e comportamentais. A duração de cada ciclo é circadiana (ou seja, cerca de um dia), pelo que o núcleo supraquiasmático precisa de receber informação das células ganglionares da retina para "acertar o relógio" às 24 horas.

Desta forma, o sincronizador mais potente do nosso "relógio biológico" é, sem dúvida, a luz solar. A evolução deste mecanismo foi fundamental para a adaptação do organismo ao movimento de rotação da Terra, permitindo organizar temporalmente as tarefas biológicas em função das necessidades.

O núcleo supraquiasmático integra a informação ambiente e comunica, por via neuronal ou hormonal, com os tecidos periféricos ritmando e sincronizando a sua função.

O relógio circadiano controla vários processos biológicos, tais como os ciclos de sono, a actividade cardiovascular, o sistema endócrino, a temperatura corporal, a actividade renal, a fisiologia do tracto gastrointestinal e o metabolismo hepático. Os níveis mais elevados de pressão arterial, frequência cardíaca e vasoconstrição, por exemplo, são atingidos no segundo quarto do dia (6h-12h), o que pode explicar a maior taxa de mortalidade cardiovascular neste período. Esta conjuntura levantou algumas questões quanto ao melhor momento para a administração de fármacos para a redução do risco cardiovascular. Noutro contexto, há alguma investigação em humanos que indica que o risco de recidiva tumoral é 2,5 vezes maior quando a quimioterapia é feita de manhã do que à noite.(...)"

Ler mais aqui.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…