Pular para o conteúdo principal

SALA DE CONSULTA # 27: Nódulos na tiróide e o tipo de sal

A presença de um ou mais nódulos na tiróide é uma situação relativamente comum em mulheres. Hoje, no consultório, esteve uma rapariga, a Rafaela,  preocupada por lhe ter sido detectado um nódulo cujo tamanho tem aumentado. Tranquilizei-a pois todos os exames que fez e que trazia consigo diziam tratar-se de uma situação benigna, que não afectava o normal funcionamento da tiróide


Aproveitei a ocasião para lhe falar do sal. Expliquei-lhe que a qualidade do sal que consumimos é importante para a saúde e que parece haver uma relação entre a pobreza nutritiva do sal que consumimos e o aumento do número de casos de nódulos na tiróide. Em 2006, após ter feito um trabalho sobre o sal  a pedido da Universidade de Aveiro,  passei a prestar mais atenção ao sal e adoptei em minha casa o sal marinho tradicional. 



Perante alguma admiração da Rafaela, esclareci-a melhor. Acontece que o sal que se consome hoje em Portugal é processado industrialmente. O processo de lavagem a que é sujeito elimina boas fontes naturais de cálcio, iodo, magnésio e zinco presentes no plâncton, krill (pequeno camarão invisível) e restos de pequenos animais marinhos.  Adicionam-se depois produtos químicos de compensação, em quantidades não fisiológicas, que se estão a revelar prejudiciais à saúde. Este sal tem a seu favor o baixo preço e a sua boa aparência (é seco, muito branco e formado por cristais de tamanho semelhante).  


O sal mais rico e equilibrado do ponto de vista nutritivo é o sal marinho tradicional. Na sua composição estão presentes, além do cloreto de sódio,  compostos químicos como cloreto de magnésio, sulfato de magnésio, sulfato de cálcio, sulfato de potássio, cloreto de potássio, carbonato de cálcio, brometo de magnésio, iodeto de potássio.  É um pouco mais caro e tem aspecto menos atractivo (é húmido,  branco acinzentado e formado por cristais de vários tamanhos). O sal marinho tradicional tem sabor mais intenso, isto é, salga mais, o que é uma vantagem porque obtemos mais sabor com menos quantidade. 

Estou convicta que a Rafaela vai passar a usar, como eu,  sal marinho tradicional, um produto artesanal português que deixámos de consumir com eventual prejuízo da nossa saúde.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…