quinta-feira, 7 de março de 2013

SALA DE CONSULTA # 27: Nódulos na tiróide e o tipo de sal

A presença de um ou mais nódulos na tiróide é uma situação relativamente comum em mulheres. Hoje, no consultório, esteve uma rapariga, a Rafaela,  preocupada por lhe ter sido detectado um nódulo cujo tamanho tem aumentado. Tranquilizei-a pois todos os exames que fez e que trazia consigo diziam tratar-se de uma situação benigna, que não afectava o normal funcionamento da tiróide


Aproveitei a ocasião para lhe falar do sal. Expliquei-lhe que a qualidade do sal que consumimos é importante para a saúde e que parece haver uma relação entre a pobreza nutritiva do sal que consumimos e o aumento do número de casos de nódulos na tiróide. Em 2006, após ter feito um trabalho sobre o sal  a pedido da Universidade de Aveiro,  passei a prestar mais atenção ao sal e adoptei em minha casa o sal marinho tradicional. 



Perante alguma admiração da Rafaela, esclareci-a melhor. Acontece que o sal que se consome hoje em Portugal é processado industrialmente. O processo de lavagem a que é sujeito elimina boas fontes naturais de cálcio, iodo, magnésio e zinco presentes no plâncton, krill (pequeno camarão invisível) e restos de pequenos animais marinhos.  Adicionam-se depois produtos químicos de compensação, em quantidades não fisiológicas, que se estão a revelar prejudiciais à saúde. Este sal tem a seu favor o baixo preço e a sua boa aparência (é seco, muito branco e formado por cristais de tamanho semelhante).  


O sal mais rico e equilibrado do ponto de vista nutritivo é o sal marinho tradicional. Na sua composição estão presentes, além do cloreto de sódio,  compostos químicos como cloreto de magnésio, sulfato de magnésio, sulfato de cálcio, sulfato de potássio, cloreto de potássio, carbonato de cálcio, brometo de magnésio, iodeto de potássio.  É um pouco mais caro e tem aspecto menos atractivo (é húmido,  branco acinzentado e formado por cristais de vários tamanhos). O sal marinho tradicional tem sabor mais intenso, isto é, salga mais, o que é uma vantagem porque obtemos mais sabor com menos quantidade. 

Estou convicta que a Rafaela vai passar a usar, como eu,  sal marinho tradicional, um produto artesanal português que deixámos de consumir com eventual prejuízo da nossa saúde.


Postar um comentário