Pular para o conteúdo principal

Q&R # 7: Qual a dieta para tratar o fígado gordo?

Q - "Tenho 31 anos, 1,60m e 80kg e a médica na semana passada diagnosticou-me fígado gordo e deu-me medicação para baixar o colestrol e os triglicerideos. Estou muito desorientada e preciso de ajuda porque não sei bem o que posso e o que não posso comer por causa do fígado."

R - Tal como esta leitora, um número crescente de portugueses sofre de fígado gordo não alcoólico (FGNA), uma doença identificada pela inflamação do fígado devido à acumulação de gordura nas células hepáticas. É mais frequente em indivíduos obesos, com diabetes, sobretudo diabetes tipo II, e que têm hiperlipidemia (valores elevados do colesterol e triglicerídeos no sangue).  

Para tratar ou prevenir o FGNA é necessário alterar os hábitos alimentares para uma dieta saudável e equilibrada e iniciar actividade física regular com vista ao emagrecimento.

Dieta e Nutrição para tratar o FGNA:

Frutas e Vegetais
Coma mais vegetais apostando muito na sopa. Não me canso de dizer que a sopa é um alimento inigualável quer no que se refere ao conteúdo em fibras, quer em nutrientes antioxidantes que combatem os radicais livres preservando a saúde das células. A sopa é a maior aliada de um fígado em forma, mas as saladas cruas também são benéficas para perder peso e gordura. Quanto às frutas, as menos doces, como morangos, mirtilos, kiwis, maracujás e framboesas, são mais vantajosas pois a frutose em excesso faz aumentar a gordura no fígado. Optar por uma dieta mais rica em vegetais faz perder peso ao longo do tempo.

Gorduras Saudáveis
A alimentação deve ser pobre em gorduras. Para cozinhar e temperar deve usar o azeite, a gordura mais saudável pelo seu conteúdo em ácidos gordos monoinsaturados. Mas atenção à quantidade: o azeite é saudável, mas deve ser usado com muita moderação, pois não deixa de ser uma gordura.

A manteiga é a única gordura saturada natural que devemos escolher para barrar o pão ou confeccionar um bolo. As margarinas vegetais são saturadas artificialmente e está provado que são as mais prejudiciais, apesar da publicidade apregoar o contrário.

Privilegie os alimentos que contenham ácidos gordos ómega-3 pois ajudam a reduzir a inflamação, o que é desejável para uma situação de fígado gordo. .Estas gorduras estão presentes no salmão, sardinha, cavala, atum, arenque, frutos secos e ovos.

Evite as margarinas, mesmo as vegetais, e os alimentos processados como bolachas, massas folhadas, algumas refeições prontas, carnes fumadas e fast-food porque contêm gorduras prejudiciais.

Carnes Magras, Peixe e Proteínas
Coma uma porção de carne magra por dia, de frango, peru ou porco (as partes magras). Para a outra refeição o salmão, a cavala ou a sardinha são óptimas escolhas, pois contêm ácidos gordos ómega-3. 
Para os vegetarianos a fonte de proteína está nos ovos, nas leguminosas e seus derivados, como grão-de-bico, feijão, soja e tofu.

Carboidratos
Os carboidratos são os principais responsáveis pelo fígado gordo. Evite alimentos com açúcar ou com carboidratos de alto índice glicémico pois são fácil e rapidamente convertidos em açúcar durante o processo digestivo e o excesso é posteriormente transformado em gordura que se fixa no fígado e no tecido adiposo. Incluem-se aqui os refrigerantes, pão de forma e outros pães ​feitos com farinha branca, doces com açúcar refinado, cereais de pequeno-almoço (incluindo os corn-flakes), o arroz branco, a batata e todos os alimentos que contenham muito amido. Troque-os por alimentos integrais como pão integral, arroz e massa integrais. Quanto aos cereais de pequeno-almoço os melhores são os flocos integrais de aveia, de centeio ou de cevada ou uma mistura do tipo muesli, mas sem açúcar, nem frutos desidratados.

Hidratação
Hidratação também é essencial. Beba de seis a oito copos de água ou de uma infusão sem açúcar, por dia.

Cuidado com o álcool. Se está preocupada com o seu fígado, elimine totalmente o seu consumo ou então beba-o com muita moderação. E não beba refrigerantes. Têm quantidades excessivas de açúcar e frutose!


Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…