quinta-feira, 28 de março de 2013

Q&R #8: A obstipação engorda?

Q - Olá! Tenho uma dúvida há bastante tempo: -o mau funcionamento do intestino pode engordar?

R - A obstipação não está directamente relacionada com o aumento de gordura corporal, mas pode ser indiciadora de maus hábitos alimentares.

Para combater a obstipação deve ingerir-se mais água e alimentos ricos em fibra tais como legumes, frutas (com casca sempre que possível), saladas, cereais integrais. A sopa é um bom alimento para combater a obstipação pela quantidade de água e fibras que contém.

Alguns alimentos como o leite, por exemplo, podem ser potenciadores da obstipação e por isso devem ser evitados.

Alguns exercícios físicos como a caminhada e a corrida também ajudam a combater o intestino preguiçoso. Os movimentos do corpo quando caminhamos ou corremos ajudam a motilidade intestinal. 


TESTES À INTOLERÂNCIA ALIMENTAR?

No jornal "I "de hoje (aproveito para dizer que o "I" é um jornal de formato curioso que vale sempre a pena ler) a jornalista Marta Reis, que se tem especializado em assuntos de ciência, dedica um pequeno espaço a um assunto que já abordei neste blogue: os pseudo-testes a intolerâncias alimentares. De facto, vende-se por aí, a este respeito, muito gato por lebre. Transcrevo a nota dela:

"O QUE POSSO COMER

Testes à intolerância alimentar.
São outro fenómeno da medicina popular. embora não exista qualquer recomendação clínica. Nos últimos meses houve um boom, de campanhas em torno de testes de intolerância alimentar, com sites de promoções como o Groupon a oferecerem diariamente promoções de mais de 70% e preços na ordem dos 30 euros. Prometem perceber qual o melhor regime alimentar num regime indolor, capaz de testar centenas de alimentos. Alguns médicos têm alertado para a baixa fiabilidade desses testes."

E algumas nutricionistas também. Ler aqui o que escrevi sobre o assunto.

Parem de comer iogurtes gregos se não querem engordar

Esta semana, nas consultas, voltei a detectar um número considerável de pessoas (mais mulheres do que homens) que consomem iogurtes gregos na maior descontracção. Lembro mais uma vez que os iogurtes gregos têm muita nata (gordura) e açúcar. São muito saborosos, não há duvida. O problema é que o preço a pagar por tanta cremosidade e prazer vê-se, em pouco tempo, na balança. Lembram-se a história da Beatriz? Parem de comer iogurtes gregos, se não querem engordar.
Não digam que não avisei!

quarta-feira, 27 de março de 2013

Manual do genoma humano relaciona composição genética com o estilo de vida



A medicina personalizada em que os tratamentos serão adaptados de acordo com a informação genética do paciente são o futuro da nossa saúde. Após o sequenciamento do genoma humano foi, recentemente, dado mais um passo neste sentido.

O novo manual de instruções para o genoma humano ajuda a compreender a relação entre composição genética do indivíduo e o seu estilo de vida. O objetivo deste manual é mostrar porque os indivíduos reagem diferentemente a factores ambientais como dieta ou medicação.

O trabalho, que envolveu cientistas de Manchester, Cambridge, Edimburgo, Reykjavik, San Diego, Berlim entre outras instituições de renome, mapeou 65 diferentes tipos de células humanas e metade das 2,6 mil enzimas que são conhecidos alvos de fármacos, a fim de produzir um modelo desta rede.

"Este estudo é uma segunda importante etapa na nossa compreensão do genoma humano. Se o sequenciamento do genoma nos forneceu uma lista dos elementos biológicos, este trabalho explica como essas partes funcionam dentro de indivíduos diferentes," afirma Pedro Mendes, um dos autores do estudo e professor da University of Manchester's School of Computer Science.

"O modelo é um grande passo no caminho da " medicina personalizada" , em que os tratamentos são adaptados de acordo com a informação genética do paciente,"
completa Mendes.

"Para entender o comportamento de um sistema é preciso ter um modelo. Ao converter o nosso conhecimento biológico num formato de modelo matemático, criamos uma ferramenta de acesso livre que vai oferecer uma compreensão aprofundada do metabolismo humano e seu papel fundamental em muitas das principais doenças. E este estudo oferece o modelo mais completo da rede metabólica humana disponível até agora para ajudar a analisar e testar previsões sobre as propriedades fisiológicas e bioquímicas das células humanas," afirma Douglas Kell, co-autor do estudo.

CARNE DE CAVALO: Comissão Europeia quer reforçar sistema de segurança alimentar

A Comissão Europeia pretende reforçar as sanções e o nível de controlo do sistema de segurança alimentar, bem como estudar a possibilidade de rotulagem obrigatória quanto ao país de origem, na sequência do escândalo da carne de cavalo.
"A confiança do público foi muito perturbada devido ao caso da substituição da carne de vaca por carne de cavalo em refeições ultracongeladas e é necessário encontrar formas de responder imediatamente, com os instrumentos apropriados, a esse problema", afirmou o comissário europeu da Saúde, Tonio Borg, durante um debate na sessão plenária do Parlamento Europeu, em Estrasburgo, França.

Tonio Borg afirmou ainda que a substituição da carne de vaca por carne de cavalo continua a ser um "problema de fraude na rotulagem" e não "um problema de segurança alimentar", reiterando que a União Europeia tem um dos sistemas de segurança alimentar mais seguros do mundo.
No entanto, ressalvou, "o facto de termos um dos sistemas mais seguros do mundo, não significa que não possa ser melhorado".

Ler mais aqui.

terça-feira, 26 de março de 2013

Páscoa e chocolate


Boas notícias para os amantes de chocolate:
Um estudo publicado na revista Neurology mostra, pela primeira vez, como o chocolate afecta os vasos sanguíneos. Investigadores da Universidade de Glasgow mediram a velocidade do sangue que flui através da maior artéria do cérebro, em pessoas que comiam o chocolate deitadas e concluíram que o fluxo de sangue melhorou. Este facto teve um impacto positivo nas células cerebrais. 
O professor Matthew Walters, que liderou o estudo, disse que “o consumo de uma barra de chocolate foi associado com uma mudança na rigidez dos vasos sanguíneos. Pensamos que a redução no risco de AVC é devida à mudança no comportamento do fluxo sanguíneo”. 

quinta-feira, 21 de março de 2013

RECEITAS # 13: Gelatina Natural de Manga e Laranja

As gelatinas são sobremesas doces permitidas em dieta. Esta receita é à base de fruta, sem adição de açúcar, mais agar agar, uma gelatina marinha natural 100% vegetal. Este agar agar é extraído da alga Gelidium na costa atlântica da Galiza, Espanha.

E nós, com a melhor costa atlântica da Europa, andamos de costas viradas para o mar. Então não podíamos extrair estas e outras algas para consumo humano?

Ingredientes
1 lata de polpa de manga
sumo de quatro laranjas
água q.b.
2 colheres de sopa de agar agar

Mistura-se a polpa de manga (uma lata contém cerca de 700mL) com o sumo de laranja (cerca de 200 mL)e acrescenta-se água até prefazer um litro. Adicionam-se duas colheres de sopa de agar agar (comprei na loja Celeiro, mas já vi à venda na parte dos dietéticos do supermercado).
Leva-se ao lume e deixa-se ferver cerca de 8 minutos. Despeja-se na forma, ou em formas pequenas, e vai ao frigorífico. Ao fim de três horas está pronta. É uma delícia!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Bebidas açucaradas causam 180 mil mortes por ano em todo o mundo

Quando leio notícias, como esta, sobre os malefícios dos refrigerantes não hesito em partilhar aqui no comerbemateaos100:
Bebidas açucaradas como refrigerantes e isotónicos podem estar a causar cerca de 180 mil mortes por ano no mundo, de acordo com o estudo realizado na Harvard School of Public Health, nos Estados Unidos da América.

Os investigadores usaram dados do 2010 Global Burden Disease Study para calcular o número de mortes associadas ao consumo de refrigerantes e outras bebidas açucaradas. Os resultados sugerem que esse tipo de bebida pode ser responsável por 133 mil mortes por diabetes, 44 mil mortes por doenças cardíacas e 6 mil mortes por cancro.

Embora não se possa provar a relação causal, as bebidas adoçadas com açúcar contribuem para o excesso de peso, o que aumenta o risco de diabetes, doenças cardíacas e alguns cancros.

Fonte
isaude.net

segunda-feira, 18 de março de 2013

Café e chá verde diminuem o risco de derrame cerebral

Café e chá verde podem ajudar a reduzir o risco de uma pessoa sofrer um acidente vascular cerebral (AVC), especialmente se forem consumidos regularmente, concluiu um novo estudo feito no Japão. O estudo mostrou, por exemplo, que beber uma chávena de café por dia já é suficiente para diminuir em 20% a hipótese de ter um derrame cerebral. O trabalho completo foi publicado na semana passada na revista Stroke, da Associação Americana do Coração.

sexta-feira, 15 de março de 2013

O segredo de Beyoncé para emagrecer depois do parto

A cantora Beyoncé afirma ter perdido o peso a mais que ganhou durante a gravidez em apenas três meses. Ela surge na capa de uma revista de saúde com uma figura invejável e revela que o segredo é só um: dançar.
 

Q&R # 7: Qual a dieta para tratar o fígado gordo?

Q - "Tenho 31 anos, 1,60m e 80kg e a médica na semana passada diagnosticou-me fígado gordo e deu-me medicação para baixar o colestrol e os triglicerideos. Estou muito desorientada e preciso de ajuda porque não sei bem o que posso e o que não posso comer por causa do fígado."

R - Tal como esta leitora, um número crescente de portugueses sofre de fígado gordo não alcoólico (FGNA), uma doença identificada pela inflamação do fígado devido à acumulação de gordura nas células hepáticas. É mais frequente em indivíduos obesos, com diabetes, sobretudo diabetes tipo II, e que têm hiperlipidemia (valores elevados do colesterol e triglicerídeos no sangue).  

Para tratar ou prevenir o FGNA é necessário alterar os hábitos alimentares para uma dieta saudável e equilibrada e iniciar actividade física regular com vista ao emagrecimento.

Dieta e Nutrição para tratar o FGNA:

Frutas e Vegetais
Coma mais vegetais apostando muito na sopa. Não me canso de dizer que a sopa é um alimento inigualável quer no que se refere ao conteúdo em fibras, quer em nutrientes antioxidantes que combatem os radicais livres preservando a saúde das células. A sopa é a maior aliada de um fígado em forma, mas as saladas cruas também são benéficas para perder peso e gordura. Quanto às frutas, as menos doces, como morangos, mirtilos, kiwis, maracujás e framboesas, são mais vantajosas pois a frutose em excesso faz aumentar a gordura no fígado. Optar por uma dieta mais rica em vegetais faz perder peso ao longo do tempo.

Gorduras Saudáveis
A alimentação deve ser pobre em gorduras. Para cozinhar e temperar deve usar o azeite, a gordura mais saudável pelo seu conteúdo em ácidos gordos monoinsaturados. Mas atenção à quantidade: o azeite é saudável, mas deve ser usado com muita moderação, pois não deixa de ser uma gordura.

A manteiga é a única gordura saturada natural que devemos escolher para barrar o pão ou confeccionar um bolo. As margarinas vegetais são saturadas artificialmente e está provado que são as mais prejudiciais, apesar da publicidade apregoar o contrário.

Privilegie os alimentos que contenham ácidos gordos ómega-3 pois ajudam a reduzir a inflamação, o que é desejável para uma situação de fígado gordo. .Estas gorduras estão presentes no salmão, sardinha, cavala, atum, arenque, frutos secos e ovos.

Evite as margarinas, mesmo as vegetais, e os alimentos processados como bolachas, massas folhadas, algumas refeições prontas, carnes fumadas e fast-food porque contêm gorduras prejudiciais.

Carnes Magras, Peixe e Proteínas
Coma uma porção de carne magra por dia, de frango, peru ou porco (as partes magras). Para a outra refeição o salmão, a cavala ou a sardinha são óptimas escolhas, pois contêm ácidos gordos ómega-3. 
Para os vegetarianos a fonte de proteína está nos ovos, nas leguminosas e seus derivados, como grão-de-bico, feijão, soja e tofu.

Carboidratos
Os carboidratos são os principais responsáveis pelo fígado gordo. Evite alimentos com açúcar ou com carboidratos de alto índice glicémico pois são fácil e rapidamente convertidos em açúcar durante o processo digestivo e o excesso é posteriormente transformado em gordura que se fixa no fígado e no tecido adiposo. Incluem-se aqui os refrigerantes, pão de forma e outros pães ​feitos com farinha branca, doces com açúcar refinado, cereais de pequeno-almoço (incluindo os corn-flakes), o arroz branco, a batata e todos os alimentos que contenham muito amido. Troque-os por alimentos integrais como pão integral, arroz e massa integrais. Quanto aos cereais de pequeno-almoço os melhores são os flocos integrais de aveia, de centeio ou de cevada ou uma mistura do tipo muesli, mas sem açúcar, nem frutos desidratados.

Hidratação
Hidratação também é essencial. Beba de seis a oito copos de água ou de uma infusão sem açúcar, por dia.

Cuidado com o álcool. Se está preocupada com o seu fígado, elimine totalmente o seu consumo ou então beba-o com muita moderação. E não beba refrigerantes. Têm quantidades excessivas de açúcar e frutose!


quinta-feira, 14 de março de 2013

Consumo diário de carne processada associada a morte prematura


Um estudo europeu relaciona o consumo de carnes processadas, como salsicha, presunto, salame e bacon, a um aumento do risco de morte prematura. Para cada aumento de 50 gramas no consumo diário de carnes processadas, o risco de morte prematura aumenta 18%. Os riscos de morte por cancro e doenças cardiovasculares também aumentaram: 11% para cancro e 30% para doenças cardiovasculares. Os resultados foram publicados no BMC Medicine.

De acordo com os autores, uma dieta que envolve o consumo de uma grande quantidade de carne processada está relacionada com outras escolhas pouco saudáveis. Os dados mostram que as pessoas que consomem mais desse tipo de carne ingerem menos frutas e verduras e são mais propensas ao tabagismo. No caso dos homens, o consumo elevado de carnes processadas está relacionado com maior ingestão de bebidas alcoólicas.

quarta-feira, 13 de março de 2013

Novo tratamento contra a enxaqueca é eficaz em 90% dos Casos

Boas notícias para quem, como eu, sofre de enxaqueca:

Investigadores do Capio Hospital Geral da Catalunha, em Espanha, demonstraram que o tratamento com a enzima diamnina oxidase (DAO) é capaz de prevenir e até mesmo tratar 90% dos casos de enxaquecas.

As enxaquecas provocam fortes dores de cabeça e distúrbios visuais e auditivos. Elas afectam 12% da população e em 90% dos casos está relacionada com um déficit da enzima DAO.


A DAO tem a função de degradar a histamina, molécula que se encontra em diversos alimentos, principalmente nos derivados do leite e citrinos, e que é eliminada através da urina. Quem tem défice da enzima não consegue eliminar a histamina. Esta passa para o sangue, acumulando-se no plasma e provocando enxaquecas e transtornos gastrointestinais.
O tratamento consiste em ingerir, antes das refeições, uma cápsula com a enzima DAO que não provoca vício nem efeitos secundários já que é um alimento funcional e não um medicamento.

Fonte
isaude.net

Obesos sofrem de dores nos membros inferiores devido a alterações osteoarticulares


Um estudo realizado na Universidade de S. Paulo, no Brasil, mostra que a dor nos membros inferiores induzida pela obesidade grave leva à incapacidade funcional.

Obesos graves sofrem de dores nos membros inferiores devido a alterações na estrutura óssea e articulações dos joelhos e pés.

A avaliação de imagens radiográficas do pé mostrou existir aplanação do arco plantar, com diferentes graus, em 100% dos doentes. O excesso de peso força o arco plantar em direcção ao chão.

Os testes relativos à presença de osteoartrite dos joelhos mostraram que 81,5% dos pacientes apresentavam a degeneração nas articulações, em diferentes níveis.

Verifico frequentemente esta situação na minha sala de consulta também em pessoas com excesso de peso, mas não obesas, com mais idade. Esta situação limita muito a actividade física o que representa um grande entrave à perda de peso necessária.

Fonteisaude.net

Pacemaker cerebral testado para tratar anorexia


Um grupo de pacientes, no Canadá, recebeu um novo tratamento contra a anorexia nervosa: o implante de um pacemaker cerebral que envia impulsos eléctricos a regiões do cérebro responsáveis pelo prazer e pela ansiedade.

As seis voluntárias, com idade entre 24 e 57 anos, tinham uma forma crónica da anorexia. Cinco delas já tinham sido internadas em unidades de terapia intensiva e quatro já tinham sido alimentadas por sonda em instituições hospitalares.

É uma nova esperança para esta patologia dramática de difícil tratamento. O tratamento habitual combina psicoterapia, medicação e orientação nutricional.

Fonte
http://www1.folha.uol.com.br

terça-feira, 12 de março de 2013

Q&R # 6: O requeijão é bom ou mau para o colesterol?

Q- "Drª Ana: Como a minha área é totalmente diferente das relacionadas com a saúde física, procuro ter uma informação condensada que seja fidedigna. Foi assim que já há algum tempo (creio que anos mesmo) sigo o seu blog e leio todas as sugestões.

(,,,) Bem, para ir directo ao assunto: uma das minhas estratégia é a de reunir o máximo de informação possível sobre os alimentos. Não é, como sabe, tarefa simples já que há demasiada informação e muitas das vezes contraditória. Um dos alimentos que tenho pesquisado e não tenho encontrado respostas é o requeijão. Raramente como queijo (menos em alturas como o Natal em que compro dos melhores queijos da serra, que os adoro, com vinho), mas compro algumas vezes requeijão (preferencialmente de cabra) ou queijos frescos que misturo com saladas. Mas não faço ideia se o requeijão é um alimento a evitar devido ao colesterol.

R - Optei por responder no blog à questão deste leitor pois ela interessa certamente a outros. O valor do colesterol total já não é hoje tão valorizado. É mais importante saber os valores das fracções do colesterol (HDL e LDL).:

O requeijão é um sub-produto do fabrico do queijo que resulta da coagulação das proteínas do soro (lactoalbumina e lactoglobulina) por acção do calor. Há requeijão obtido a partir do leite de vaca, ovelha, cabra ou da mistura destes. Quando existe tendência para o colesterol elevado, a preocupação deve estar na quantidade e no tipo de gorduras consumidas. De acordo com a Tabela de Composição de Alimentos, 100 g de requeijão (porção recomendada) fornecem cerca de 11 g de gordura, cerca de dois terços constituída por ácidos gordos saturados e um terço constituída por ácidos gordos monoinsaturados. Comer uma porção de requeijão por dia pode ser aceitável, do ponto de vista do colesterol, se houver o cuidado de evitar outras gorduras saturadas. Fazendo as contas à quantidade total de gordura que deve ser consumida num dia, de acordo com um plano alimentar de 2000 quilocalorias, são cerca de 66 g. Destas, a maioria devem ser constituídas por ácidos gordos monoinsaturados presentes, por exemplo, no azeite. Concluindo: na minha opinião, o requeijão pode ser consumido com alguma regularidade sendo preferível a qualquer outro queijo. Deve ter atenção à quantidade, que não deverá ultrapassar a recomendada. Quanto ao queijo da serra, é muito saboroso, mas só o devemos consumir em dias de festa (cinco a seis vezes por ano, no  máximo), devido ao seu elevado teor de gordura saturada e de sal.

segunda-feira, 11 de março de 2013

"5 ao dia" Coimbra

Acabei de colocar no youtube este vídeo que agora partilho do programa "5 ao Dia" que realizamos no Mercado Abastecedor de Coimbra. Recebeu o premio de melhor vídeo no I Simpósio sobre Alimentação e Nutrição dos 0 aos 18 que se realizou na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa no dia 1 de Março de 2013. O valor monetário do prémio irá servir para adquirirmos material para fazermos mais e melhor "5 ao dia". Inscreva a sua escola no programa "5 ao dia".

sexta-feira, 8 de março de 2013

No dia Internacional da Mulher a Associação Portuguesa dos Nutricionistas lança E-book: Introdução à Alimentação Vegetariana e à Alimentação Macrobiótica



Hoje, dia 8 de Março, celebra-se o Dia Internacional da Mulher e de forma a realçar a importância desta data, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas lança, em parceria com a Yoonic, o E-book “Introdução à Alimentação Vegetariana e à Alimentação Macrobiótica”.

Estes dois padrões alimentares têm ganho importância na actualidade e, assim, este E-book pretende esclarecer alguns conceitos relacionados com o tema e mostrar que tanto a alimentação vegetariana como a macrobiótica podem ser uma opção interessante no âmbito de uma alimentação saudável.

DGS lança manual "Alimentação Inteligente - Coma melhor, Poupe mais"

Alimentação Inteligente – Coma Melhor, Poupe Mais é o título do manual, lançado esta semana em Lisboa, com o apoio da Edenred Portugal, através do Food Program, e da Direcção-Geral da Saúde (DGS).

O manual tem como objectivo ajudar o consumidor a ter uma alimentação saudável ensinando a escolher alimentos saudáveis, a poupar, a conserva-los e as melhores técnicas para os cozinhar.

Faça o download do manual aqui.

quinta-feira, 7 de março de 2013

Q&R # 5: Que quantidade de azeite podemos ingerir por dia?

Q - "Olá!!!
Adorei o blog, e já assinei pra receber as newsletters.
Gostaria de saber qual é a quantidade recomendável para a ingestão de azeite por dia?
Obrigada
Nina Maria Flor "

R - O consumo diário de azeite deve ser mínimo. De acordo com as recomendações nutricionais da Roda dos Alimentos devemos ingerir entre uma e três porções de gordura por dia, sendo que podemos considerar em termos gerais, que uma porção será para crianças, duas porções para mulheres moderamente activas e três porções para homens fisicamente activos.
No caso do azeite, cada porção equivale a 10 g o que corresponde a uma colher de sopa de azeite.

Nina, aconselho-a a não ingerir mais do que os dez gramas de azeite por dia, pois a outra porção a que "tem direito" por ser mulher acaba por consumi-la em outros alimentos, como o leite, queijo, iogurtes, carne, peixe e ovos.

SALA DE CONSULTA # 27: Nódulos na tiróide e o tipo de sal

A presença de um ou mais nódulos na tiróide é uma situação relativamente comum em mulheres. Hoje, no consultório, esteve uma rapariga, a Rafaela,  preocupada por lhe ter sido detectado um nódulo cujo tamanho tem aumentado. Tranquilizei-a pois todos os exames que fez e que trazia consigo diziam tratar-se de uma situação benigna, que não afectava o normal funcionamento da tiróide


Aproveitei a ocasião para lhe falar do sal. Expliquei-lhe que a qualidade do sal que consumimos é importante para a saúde e que parece haver uma relação entre a pobreza nutritiva do sal que consumimos e o aumento do número de casos de nódulos na tiróide. Em 2006, após ter feito um trabalho sobre o sal  a pedido da Universidade de Aveiro,  passei a prestar mais atenção ao sal e adoptei em minha casa o sal marinho tradicional. 



Perante alguma admiração da Rafaela, esclareci-a melhor. Acontece que o sal que se consome hoje em Portugal é processado industrialmente. O processo de lavagem a que é sujeito elimina boas fontes naturais de cálcio, iodo, magnésio e zinco presentes no plâncton, krill (pequeno camarão invisível) e restos de pequenos animais marinhos.  Adicionam-se depois produtos químicos de compensação, em quantidades não fisiológicas, que se estão a revelar prejudiciais à saúde. Este sal tem a seu favor o baixo preço e a sua boa aparência (é seco, muito branco e formado por cristais de tamanho semelhante).  


O sal mais rico e equilibrado do ponto de vista nutritivo é o sal marinho tradicional. Na sua composição estão presentes, além do cloreto de sódio,  compostos químicos como cloreto de magnésio, sulfato de magnésio, sulfato de cálcio, sulfato de potássio, cloreto de potássio, carbonato de cálcio, brometo de magnésio, iodeto de potássio.  É um pouco mais caro e tem aspecto menos atractivo (é húmido,  branco acinzentado e formado por cristais de vários tamanhos). O sal marinho tradicional tem sabor mais intenso, isto é, salga mais, o que é uma vantagem porque obtemos mais sabor com menos quantidade. 

Estou convicta que a Rafaela vai passar a usar, como eu,  sal marinho tradicional, um produto artesanal português que deixámos de consumir com eventual prejuízo da nossa saúde.


quarta-feira, 6 de março de 2013

SALA DE CONSULTA # 26: Quatro casos de sucesso

O meu dia de consultas não podia ter terminado de melhor forma: as últimas quatro pessoas que vi tiveram resultados espectaculares. Duas irmãs, ambas na casa dos quarenta, um rapaz de 15 anos que julgava um caso muito difícil e um miúdo de 7 anos, que também julgava difícil, fizeram com que me sentisse bem. Vou contar a história  de cada um deles, tentando ser breve.

A primeira das duas irmãs foi a Camila. Tem 41 anos, é enfermeira, e estava, em Novembro passado, com excesso de peso de cerca de oito quilos. Tinha nessa altura o colesterol elevado e cansava-se facilmente a subir as escadas de casa. Dei-lhe um plano alimentar adaptado aos turnos do seu trabalho no hospital com recomendações alimentares para baixar o colesterol. Perdeu no primeiro mês quatro quilos, pelo que facilmente convenceu a irmã, Catarina, 44 anos, a marcar uma consulta. Hoje a  Camila está com o peso ideal. Vi a Catarina  pela primeira vez em meados de Janeiro. Agora, na segunda consulta, começou por me dizer que se sentia mais magra, apesar de não  se ter pesado em casa. Disse-me que nunca comeu tanta sopa nem tantos legumes como no último mês e meio. Em resultado, a Catarina perdeu quase quatro quilos, tendo deixado de ser obesa. Expliquei-lhe que todas as suas alterações alimentares devem ser mantidas porque só assim continuará a emagrecer e a ganhar saúde. As duas irmãs estão de parabéns.

O Hugo tem 15 anos. Começou as consultas comigo em Setembro de 2012 e teve pouco sucesso na perda de peso, com altos e baixos, apesar de ter mudado alguns dos seus hábitos alimentares. Um dos seus problemas era o desinteresse pelo desporto. Ao longo das consultas expliquei, a ele e ao pai, a importância da actividade física para obter sucesso mais rápido e consistente na perda de peso. A conversa que tive com os dois em Janeiro sobre este assunto teve efeitos. O pai arregaçou as mangas para, finalmente, ajudar o filho:  passou a tirá-lo do sofá três vezes por semana para caminhar e correr. O Hugo conseguiu perder três quilos de gordura, pelo que  hoje parece outro. Já corre dez minutos seguidos e está entusiasmadíssimo. Gostei de o ver. Parabéns ao pai, que foi a chave do êxito do seu filho..

O Paulinho tem sete anos, é obeso e também tem tido altos e baixos na perda de peso. De facto, na infância e na adolescência são comuns os casos ioiô na perda de peso. A  mãe disse-me logo na primeira consulta que só ali estava por indicação do médico de família porque não queria que que o filho emagrecesse muito. "- Doutora, eu gosto dele assim gordinho!" São poucos os casos em que isto acontece, ou melhor, nunca nenhuma mãe me tinha dito isto. Optei por lhe dizer que não se trata de uma questão de estética, mas  de saúde. E o Paulinho continuou a vir às consultas. A mãe ía fazendo, mais ou menos, o que eu recomendava. Em finais de Janeiro, uma sessão para pais, sobre obesidade infantil, que realizei na escola do Paulinho, fez a mãe mudar de atitude. Ela ouviu tudo o que eu disse com muita atenção. Mostrei fragmentos do filme "Muito além do peso", e reparei que se impressionou com o testemunho de uma menina que ficou diabética e dependente de insulina. Disse-me hoje que inscreveu o filho em aulas de actividade física para crianças, que passou a preparar sobremesas doces apenas ao domingo, dando preferência à gelatina. Reduziu-lhe o chocolate no leite e passou a dar-lhe pão, em vez de bolachas de chocolate, para o lanche escolar. O Paulinho apareceu-me feliz e muito conversador. Antes de sair, estendeu-me a mão e disse-me: "-Dá cá mais cinco!"      

terça-feira, 5 de março de 2013

Q&R # 4 - O que fazer quando precisamos de um doce?

Q - "Doutora, há dias em que me apetece desalmadamente um doce, mas tenho medo de engordar. O que de devo fazer?"

R - "Há coisas que não se levam para casa!" 

Repito esta frase muitas vezes nas minhas consultas referindo-me aos alimentos, ou melhor, às "tentações" que se comem ao fim da tarde e que  fazem engordar com grande facilidade. Tal come esta leitora, numerosas pessoas, principalmente mulheres, afirmam que há dias em que têm necessidade de um doce. O que fazer numa situação deste tipo? 

Os doces não são totalmente proibidos a quem quer emagrecer, mas não podem ser consumidos nem diariamente, nem em grandes quantidades. Recomendo por isso que, quando surge uma grande vontade de comer qualquer coisa doce, o melhor é ir a pé ao supermercado, à pastelaria ou ao café e voltar também a pé. O objectivo é gastar algumas, ou mesmo todas, as calorias do doce nesse exercício físico. Em casa não deve haver stocks de chocolates, gelados, bolos, bolachas ou croissants.  Quem quiser comer doces terá sempre de os ir buscar a pé!

segunda-feira, 4 de março de 2013

SALA DE CONSULTA # 25: Diabetes tipo 2 na infância

O Sebastião tem sete anos e frequenta a minha consulta de obesidade há quase um ano. É uma criança obesa que não tem conseguido perder peso de modo consistente. Já não o via desde Novembro e na semana passada medi-lhe um aumento de peso de 2,9 quilos. Como só cresceu um centímetro, o seu IMC passou de 24,3 kg/m2 para 25,8 kg/m2. A sua obesidade agravou-se e custou-me vê-lo com uma respiração ofegante e cansado só do pequeno esforço que é desapertar os sapatos.

Como tem familiares diabéticos (pai, avó e uma prima direita), resolvi desta vez avaliar-lhe a glicémia. O Sebastião tinha lanchado um copo de leite e um pão com fiambre, cerca de duas horas antes de vir à consulta. Se tudo estivesse bem, a glicémia deveria apresentar um valor aproximado de 120 mg/dL. Tive uma surpresa:  o valor era 188 mg/dL. Podia ser um indício de diabetes, pelo que aconselhei a mãe a medir-lhe a glicémia na manhã seguinte em jejum e a levá-lo ao médico para que lhe fosse feita, entre outros exames, a prova de tolerância à glicose oral (PTGO). Esta prova, cujo objectivo é a detecção da resistência à insulina, consiste no doseamento laboratorial da glicémia com várias colheitas de sangue: a primeira em jejum e as seguintes passadas sucessivas meias horas após a ingestão de uma solução de glicose.

A diabetes resulta de uma combinação de suscetibilidade genética e factores ambientais, como actividade física reduzida e consumo regular  e excessivo de alimentos com uma elevada densidade calórica. O Sebastião parecia ter a combinação propícia à diabetes. Acabo, porém, de saber que, felizmente, ele não é diabético. Mas foi avisado também pelo médico que pode ficar com essa doença se não mudar o seu estilo de vida. Oxalá os familiares ajudem...

Alimentação, Genética e "Química do amor e do sexo" em debate na Universidade Católica do Porto

O Ciclo de Conferências de Biotecnologia, iniciativa da Escola Superior de Biotecnologia (ESB) da Universidade Católica do Porto, regressa hoje. As quatro sessões que compõem o programa estão agendadas para as segundas-feiras do mês, sempre às 17h00, e abordam os universos da alimentação, da genética e o papel da química nas emoções, no amor e no sexo.
As conversas, com duração aproximada de uma hora, são conduzidas por especialistas convidados pela universidade.

Hoje, no encontro inaugural, subordinado ao tema «O admirável mundo novo do RNA: ribonucleases e controlo da expressão génica», a bióloga Cecília Arraiano (Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa) explica qual o papel reservado às moléculas de RNA existentes nas células.

A sessão de 11 de Março debruça-se sobre a história da alimentação portuguesa. José Pedro Lima Reis, dirigente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade e da Sociedade Portuguesa de Ciências da Nutrição e Alimentação, é o orador convidado do encontro «Alimentação - da Fundação ao Terramoto de 1755», propondo uma viagem até às raízes da alimentação portuguesa.

Uma semana depois, dia 18, todos aqueles que desejem descobrir os fenónemos, moléculas e aspectos associados às grandes emoções humanas, estão convidados para participar na sessão «Amor e sexo são (também) Química…».

O último encontro, marcado para 25 de Março, mostra como na última década o papel da epigenética vem sendo reconhecido na génese e progressão do cancro. Revela ainda como a compreensão permitiu desenvolver estratégias de detecção, diagnóstico e predição de resposta terapêutica. O convidado de «A Epigenética aplicada à Oncologia» será o médico Rui Henrique (Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar e Instituto Português de Oncologia do Porto).

Os encontros decorrem no Campus Asprela da instituição e têm entrada livre. Estarão disponíveis certificados de presença. Os interessados podem ter acesso a todas as informações através de www.esb.ucp.pt/cicloconferenciasESB.

Fonte
ciênciahoje.pt

sexta-feira, 1 de março de 2013

CONHEÇA A SUA LONGEVIDADE

Baseia-se em estatística e não será muito científico, mas um algoritmo simples permite saber quantos anos cada um de nós vai viver. Basta clicar aqui. Mas lembre-se que uma alimentação equilibrada e a prática de exercício físico pode dar-lhe mais anos de vida.