Cientistas curam diabetes tipo 1 em cães


Investigadores da Universidade Autónoma de Barcelona, dirigidos por Fàtima Bosh, conseguiram curar a diabetes em cães com só um tratamento de terapia genética. O estudo, publicado na revista Diabetes, refere que depois de um só tratamento, os animais recuperaram o seu estado de saúde, deixando de ter sintomas da doença.

O acompanhamento foi realizado ao longo de mais quatro anos e em nenhum dos casos, a enfermidade voltou a aparecer. “A terapia é muito pouco invasiva. Consiste em uma só sessão de diversas injecções nas patas traseiras do animal”, explicam os investigadores.

Com as injecções são introduzidos vectores de terapia genética com um duplo objectivo: a expressão genética da insulina e da glicoquinase. Esta última é uma enzima que actua como regulador da captação da glicose do sangue. Quando ambos os genes actuam simultaneamente funcionam como um “sensor de glicose”, conseguindo a regulação automática da captação da glicose e reduzindo assim a hiperglicemia (excesso de açúcar associado à doença).

“O estudo é a primeira demonstração de cura da diabetes a longo prazo num modelo animal grande, através da terapia genética”, sublinha Bosh. Este tipo de tratamento já tinha sido testado em ratinhos pelo mesmo grupo de investigadores. Mas os “excelentes resultados” obtidos agora com animais maiores podem ser uma base para futuras aplicações em humanos.

O estudo disponibiliza bastantes dados que certificam a segurança e a eficácia do tratamento com esta terapia genética. Esta baseia-se na transferência de dois genes para o músculo de animais adultos utilizando uma nova geração de vectores adeno-associados, que derivam de um vírus não patogénicos amplamente utilizados em terapia genética e que já demonstraram eficiência no tratamento de outras doenças.

Fonte
ciênciahoje.pt
Postar um comentário

Postagens mais visitadas