Pular para o conteúdo principal

ALIMENTAÇÃO E DIABETES # 2: Índice glicémico dos alimentos


A alimentação desempenha um papel fundamental no tratamento da diabetes mellitus. O regime alimentar do diabético pode e deve ser variado, saboroso e até pode incluir, de vez em quando, um doce. Para isso é preciso conhecer melhor alguns factores que atrasam a subida dos níveis de açúcar no sangue (glicémia).

O Índice Glicémico (IG) é um parâmetro que permite avaliar o efeito que cada alimento fornecedor de hidratos de carbono (HC) tem sobre a glicemia (concentração de glicose no sangue). O IG é expresso em percentagem, sendo 100 o valor atribuido à glicose: um IG de 50, por exemplo, significa que o alimento eleva a glicemia a um ritmo que é metade da da glicose.

Existem tabelas de IG que têm a glicose como referência, mas também se encontram na literatura científica tabelas em que a referência é o pão branco por este ser um alimento que aparece mais na realidade quotidiana. Estas tabelas foram feitas inicialmente para ajudar os diabéticos a controlar a doença, mas actualmente são também usadas nos programas de controlo do peso.

Devido à sua diferente composição, alimentos com a mesma quantidade de HC podem levar a subidas glicémicas diferentes. Para um diabético são mais aconselháveis os alimentos que façam subir a glicémia mais lentamente, que são os de IG baixo. Alimentos integrais (arroz integral, pão integral, flocos de aveia), leguminosas (feijão, lentilhas, favas, tremoços, grão de bico) e legumes têm um IG baixo porque contêm muitas fibras e poucos HC de assimilação rápida. Pelo contrário, alimentos e bebidas açucaradas como o açúcar, o mel, o sumo de laranja, o ice-tea e outros refrigerantes, cornflakes, pão-de-forma e pão branco causam uma rápida subida da glicose no sangue, o seu IG é alto, porque contêm muitos HC de absorção rápida e uma quantidade de fibras reduzida. 

Apesar do que foi dito para os alimentos de IG alto, este pode ser alterado se os combinarmos com outros alimentos. A subida do nível de açúcar no sangue é retardada pela presença de uma concentração elevada de fibras e também pela gordura presente na respectiva refeição. Por exemplo, um copo de sumo de laranja leva a uma subida mais rápida da glicémia do que uma laranja sólida. A explicação é simples: a laranja é o fruto na sua forma integral e contém, por isso, mais fibras do que o sumo espremido.

A questão que agora se coloca é a seguinte:Então o diabético não pode beber sumo de laranja? Pode, mas, é bom ter em atenção o seguinte: primeiro, o sumo deverá ser feito apenas com uma laranja (uma laranja fornece, em média, cerca de 14 gramas de açúcar, pelo que o açúcar de duas laranjas será, para a maioria dos diabéticos, excessivo); segundo, deverá acompanhar o sumo da laranja com uma fatia de pão integral rico em fibras com queijo ou ligeiramente barrado com manteiga. Com esta acção, isto é, aumentando fibras e um pouco de gordura na refeição, retardamos a subida da glicémia evitando os chamados picos glicémicos. Este é um dos grandes objectivos da alimentação do diabético.

Recomendo a leitura deste e deste post sobre o modo de confeccionar os alimentos de modo a conseguir Índices Glicémicos mais baixos de alguns dos alimentos que comemos habitualmente cozinhados.

Nota: Os conselhos aqui divulgados não substituem uma visita a um profissional qualificado que aconselhará um plano alimentar personalizado que tenha em atenção os níveis de glicémia, dos triglicerídeos e do colesterol, assim como o peso, a actividade física e as preferências alimentares do diabético. 
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…