Pular para o conteúdo principal

SALA DE CONSULTA #22: Depois do AVC...

O João, um amigo que conheço desde a infância sofreu um acidente vascular cerebral (AVC) há cerca de um mês. Em consequência disso ficou com o lado direito do corpo paralisado e dificuldades na fala. Ele tem 50 anos, é culto, inteligente e é um homem de negócios muito activo e trabalhador. Luta agora pela sua recuperação com a precisosa ajuda de profissionais, que muito elogia, do Centro de Medicina e Reabilitação de Alcoitão. Os AVCs têm tudo a ver com vida sedentária, má alimentação, tabaco, stress e pouco exercício físico. Fica aqui o seu testemunho:


Testemunho


"Eu sou um ignorante, um aprendiz de ignorante. Não sabia que o sistema cardiovascular, ao contrário do sistema músculo-esquelético, nunca se renova. Desde que nascemos até morrermos ele vai-se degradando. Pensei sempre que um dia iria deixar de fazer loucuras, passaria a ter uma vida regrada e que recuperaria em parte o que estivesse mal. Fumei, fumei muito, demais, cheguei aos 70 cigarros por dia e só um susto me fez parar. Pensamos sempre, "sim, é causa de cancro, mas eu vou safar-me". E estatisticamente é verdade, a grande maioria dos fumadores não tem um. Mas ignorava que estava a jogar outro jogo. Tudo o que fumava degradava irremediavelmente os meus vasos capilares, e foi um que me tramou pois ao ficar fechado deixou de irrigar uma parte importante do meu tronco cerebral, especificamente a protuberância. E a somar a isto há a hipertensão, diabetes, colesterol e triglicerídeos em níveis anormais. Tudo factores que ampliam o risco de danificar o meu sistema de "irrigação". E eu não fazia nada para os controlar num jogo em que só há perdedores, uma inconsciência! Agora percebi que posso diminuir a velocidade deste processo, mas o que foi mal feito mal feito ficou. A minha esperança de vida mudou, o prémio do seguro vai confirmar-me a teoria, mas posso viver ainda muitos anos numa vida controlada por fármacos que não poderei falhar. 
Fica o meu testemunho, o prémio não compensa o risco, vivam saudavelmente. :)"
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…