Pular para o conteúdo principal

Q&R #3


A dúvida se devemos ou não tomar leite depois de adultos é recorrente. Recebi vários mails a solicitar um post sobre o assunto. Seleccionei a questão colocada por uma mãe que se sente perdida na decisão sobre se deve ou não dar leite ao seu filho:

Q- Segundo a dieta macrobiótica e a dieta do Paleolítico nós não deveríamos consumir produtos lácteos. A minha pergunta é então: onde vamos colher o cálcio de que necessitamos? E a dúvida agrava-se no que toca a crianças e bébés porque a sua alimentação é baseada no leite, papas com leite, iogurte... O que fazer nesta situação?

P- Não concordo com a ideia de que não devemos consumir produtos lácteos com o argumento de que o homem é o único animal que os toma depois da infância. O ser humano pode ser o único animal que toma leite depois do desmame, mas é também o único animal que tem conhecimento e sabe que este é um alimento com um valor alimentar e nutricional inigualável. Deve ser consumido na infância, na adolescência, na idade adulta e na velhice, desde que não existam intolerâncias. Sabe-se que uma grande percentagem da população adulta portuguesa possui alguma incapacidade de digestão da lactose. As pessoas que se encontrem nesta situação devem procurar alimentos alternativos como iogurte, requeijão, queijo ou bebida de soja.

Quem toma leite sem ter problemas digestivos pode tirar daí vantagens para a saúde pois o leite é uma boa fonte de vitamina A e é a fonte de cálcio com a melhor biodisponibilidade, isto é, o cálcio do leite é melhor absorvido e utilizado pelo organismo do que o proveniente de alguns vegetais considerados boas fontes de cálcio. A biodisponibilidade de um nutriente é "a eficiência com que um componente de dieta é utilizado sistematicamente através das via metabólicas normais". Ainda relativamente ao cálcio, é preciso saber que, apesar de alguns vegetais serem bons fornecedores do mineral, nalguns casos seria necessário consumir quantidades exorbitantes desses vegetais para obter os mesmos 300 mg fornecidos por uma caneca de leite meio gordo.

Termino com a referência à importância do leite como fonte de proteínas na alimentação de idosos com dificuldades de deglutição e/ou de mastigação e que, devido a essa incapacidade, não conseguem comer nem carne nem peixe. Quem trabalha com idosos sabe que a desnutrição proteico-calórica é um distúrbio nutricional comum  associado ao aumento da mortalidade e infecções que diminuem a qualidade de vida. Um leite creme ou um arroz doce podem, nestes casos, constituir boas alternativas para uma das refeições principais.

Numa época de crise como a que vivemos, prescindir do leite, uma fonte de proteínas relativamente barata, com base em argumentos pouco consistentes como os defendidos pelos macrobióticos oupelos "paleolíticos", não tem qualquer cabimento.
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…