Pular para o conteúdo principal

Coca-Cola cria novos anúncios e joga à defesa na questão da obesidade

Notícia do jornal Público:
Que a Coca-Cola contém açúcar, não é novidade para ninguém, apesar de a marca ter passado a maioria do mais de cem anos de existência a negar os efeitos prejudiciais do seu consumo para a saúde. Agora, porém, quando há debates nos Estados Unido e no Reino Unido sobre a relação directa entre o consumo de refrigerantes e a obesidade, e em França se criam medidas de controlo e prevenção, a gigante americana apostou em novos anúncios em que admite poder ter um pequeno problema com o açúcar, mas mostra querer ser parte da solução.

Os anúncios da Coca-Cola são um marco na história da publicidade, desde a representação do Pai Natal nos anos 1930 aos mais recentes ursos-polares que brindam com uma garrafa bem gelada. O novo anúncio pode também vir a fazer parte da história, por ser o primeiro, em 126 anos, em que a marca refere a palavra “obesidade”.

Chama-se Coming Together e, em dois minutos, a marca mostra que pode ser parte da solução para o problema que está a preocupar os norte-americanos, em que dois terços da população sofrem de obesidade e em que as bebidas açucaradas são a maior fonte de calorias. “Entre mais de 180 bebidas, nós agora oferecemos 180 opções… com baixas ou nenhumas calorias”, ouve-se no anúncio, transmitido desde a semana passada nos Estados Unidos.

Já em 1961 a marca se autoproclamava como uma bebida diet: “Não há preocupações de linha com Cola, já sabe”, dizia num anúncio. Muitos especialistas discordavam com a publicidade e lembravam que para o sabor da bebida que “primeiro se estranha e depois se entranha” contribuem alguns ingredientes menos positivos: além de açúcar, aditivos, cafeína, ácidos que provocam o apodrecimento dos dentes e cocaína. Em 1903, depois da denúncia de um jornal da Geórgia, a marca teve mesmo de admitir que a bebida continha grandes quantidades de cocaína - cerca de nove miligramas de cocaína por 20 centilitros – e foi obrigada a alterar a sua fórmula.

Em comunicado, a empresa disse que o objectivo do novo anúncio era “evidenciar algumas das especificações do compromisso da empresa em distribuir mais opções de bebidas, incluindo com baixas ou nenhumas calorias”, cita o britânico The Guardian.

O consumo de bebidas açucaradas tem sido objecto de reflexão em vários países, preocupados com a obesidade. Em Nova Iorque, nos Estados Unidos, deverá entrar em vigor em Março uma medida – que o prefeito da cidade, Michael Bloomberg, considerou “o maior passo para diminuir a obesidade” – que proíbe a venda de refrigerantes com mais de 47 centilitros em cinemas, cafés e restaurantes. De fora desta proibição ficam os sumos de fruta, as bebidas diet e alcoólicas. O primeiro-ministro britânico, David Cameron, considera igualmente “um grande desafio” conseguir fazer com que as crianças parem de beber tanta Coca-Cola. Na Dinamarca foi aplicado um imposto sobre produtos com gordura saturada e em França é proibida a venda de produtos com alto teor de gordura, açúcar e sal que não sejam taxados e identificados como prejudiciais para a saúde, havendo igualmente medidas de controlo nas escolas.
Por estes motivos, o novo anúncio da Coca-Cola pode surgir como uma jogada à defesa da marca que inventou a fórmula mágica que tornou milhares de pessoas viciadas e adopta, agora, uma postura mais educativa, alertando o consumidor que “quando come ou bebe mais calorias do que o seu corpo consegue queimar, ganha peso”.

“Há um importante debate sobre a obesidade. Queremos fazer parte dele”, disse Stuart Kronauge, da Coca-Cola nos Estados Unidos, ao Guardian.

Seguindo esta lógica, além deste anúncio, a Coca-Cola lançou outra campanha publicitária – Be OK – em que “deixa perfeitamente claro que uma lata de Coca-Cola tem 140 calorias. Esta publicidade também encoraja as pessoas a divertirem-se enquanto queimam essas calorias”, escreveu a empresa em comunicado, citado pelo Yahoo News.

De uma forma positiva, a marca olha para essas 140 calorias, como "140 calorias felizes para gastar em actividades extrafelizes", como a dança de vitória no final de um jogo de bowling ou 25 minutos de corrida com o cão, e tenta uma aproximação no combate à obesidade.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…