Pular para o conteúdo principal

SALA DE CONSULTA #18: Ser gordinho e ser saudável

Os dois homens mais pesados que ja passaram pela minha consulta, o Pedro e o Manuel, ambos com algumas dezenas de quilos acima dos 100 kg, deixaram-me surpreendida porque ao contrário do que seria de esperar estão com baixo risco relativamente ao índice aterogénico. O Índice Aterogénico calcula-se  dividindo o colesterol total pelo HDL-colesterol. O resultado deverá ser, idealmente, inferior a 5 e ambos estão bastante abaixo do valor referido.

Têm uma aparência saudável, não têm diabetes, nem hipertensão e apenas estão descontentes com o cansaço fácil e uma dor ou outra nas articulações dos membros inferiores.

Questionados por mim acerca dos seus hábitos alimentares verifiquei que tinham em comum preferirem o peixe à carne, não consumirem bebidas alcoólicas (apenas socialmente), nem refrigerantes e gostarem e comerem sopa diariamente em ambas as refeições principais. O principal erro, no entanto, que ambos cometiam era no número de refeições: o Pedro comia apenas duas vezes por dia: o almoço e o jantar, e o Manuel, menos mal, fazia três refeições por dia: pequeno-almoço, almoço e jantar.

Cheguei à conclusão que a obesidade destas dois homens devia-se, obviamente, a alguns excessos alimentares, mas principalmente à total inactividade física. Ambos na casa dos 40 anos, tinham praticado muito desporto quando mais jovens e ainda estudantes. O início da vida profissional, aos vinte e poucos anos, com uma paragem quase radical de praticar exercício físico, mas habituados a comer bem para sustentar a exigência do desporto, ditou o início do ganho de peso que os levou à obesidade.

 O tratamento prescrito foi simples e já está a dar resultados: organizamos as suas refeições em cinco por dia, reduzimos a quantidade nas refeições principais e ambos retomaram o exercício físico. Já experimentaram a redução do peso e, apesar de estarem longe da meta e de saberem que ainda terão que me "visitar" durante mais algum tempo, estão entusiasmados. O Pedro dizia-me na última consulta:"-Fazia falta na minha vida o desporto e eu não sabia. Sinto-me outro e com o dobro da energia!

Acredito que estes dois homens, graças aos seus hábitos e gostos alimentares, são, pelo menos do ponto de vista cardiovascular, mais saudáveis do que outros com menos peso. Lembro que o peixe, principalmente os chamados peixes gordos, fornecem ácidos gordos insaturados do tipo ómega-3, como o eicosapentanóico (EPA) e o docosahexanóico (DHA), que conferem protecção cardiovascular. São também boa fonte de vitamina D, que se encontra dissolvida na gordura, fundamental para a saúde dos ossos. Esta vitamina tem vindo, nos últimos anos, a ganhar relevância como factor fundamental na prevenção e tratamento de várias doenças como as cardiovasculares, hipertensão, cancro, diabetes e a obesidade.

Costumo dizer que é mais saudável um gordinho que se alimente correctamente e que faça exercício físico do que um magrinho que, por não engordar, come sem regra e nem se preocupa em fazer qualquer exercício fisico. Todos precisamos de cuidar da alimentação e de nos mexer mais.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…