Pular para o conteúdo principal

A enxaqueca

A crise de enxaqueca que tive esta semana só terminou no hospital levando-me, pela primeira vez, a querer saber mais sobre esta doença que não tenho levado a sério apesar de sofrer com ela desde criança. Descobri, por exemplo, um artigo intitulado "A enxaqueca", revista Pro Teste nº141 de Outubro de 1994, que começa assim:
"O que é que há de comum entre Júlio César, Lincoln, Darwin, Chopin, Wagner e Tchaikovsky? Resposta: todos eles sofriam de enxaqueca."  

Apesar do artigo ter quase vinte anos, aprendi algumas coisas ao lê-lo partilhando aqui pequenos fragmentos. Uma das coisas que não sabia é que em determinadas alturas a dor já não passa com comprimidos, apenas com o medicamento injectável. Este foi o motivo que me fez ir ao hospital. Eram três e vinte da madrugada e o comprimido tomado à uma não tinha proporcionado nehuma melhoria. Eis a explicação:
"...o estômago fica quase em inactividade durante a crise. Esta é a razão que explica o facto de o tratamento oral ser muitas vezes ineficaz: ou porque o estômago inerte não absorve os comprimidos, ou porque os faz voltar à boca ."

Quanto aos alimentos que podem ser desencadeadores de uma crise de enxaqueca diz:
"Certos alimentos são apontados como causadores de enxaquecas. Ou seja, 15% das crises seriam devidas à ingestão de álcool (mesmo em pequenas quantidades), de chocolate ou de café. O queijo e os citrinos também são muitas vezes apontados. Se as pessoas sensíveis a estes alimentos os eliminarem do seu regime alimentar as crises talvez não desapareçam totalmente, mas serão, em todo o caso mais espaçadas." 

A wikipédia refere como factores dietéticos desencadeadores de uma crise de enxaqueca o glutamato monossódico (aditivo alimentar utilizado pela indústria alimentar como intensificador de sabor), os nitratos (presentes em salsichas e salames), o aspartame, a cafeína (presente no café, chá, Coca-Cola e bebidas energéticas), o álcool e o jejum.  
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…