quarta-feira, 31 de outubro de 2012

SALA DE CONSULTA # 10: As castanhas têm açúcar?

"-Ó Doutora as castanhas têm açúcar?" Esta foi a pergunta que a Lígia, uma diabética tipo 1 adquirida recentemente, me fez quando entrou na minha sala. "-é que ontem comi castanhas ao jantar até ficar consoladinha, mas quando me fui deitar sentia-me esquisita e fui medir a glicémia. Assustei-me, porque estava muito aumentada, quase nos 400mg/dL."

As castanhas não têm açúcar, mas têm amido, muito amido. Chegam a ter duas vezes mais amido do que as batatas. Por isso os diabéticos têm que ter evitar comer muitas. Os diabéticos lucram em saber que, quanto ao teor de hidratos de carbono, seis castanhas equivalem a um pão. Não devem comê-las sem mais. Nem devem cozinhá-las demasiado para que o amido não fique todo pronto a ser assimilado. Por exemplo, as castanhas assadas que se vendem na rua, são mais encruadas e, portanto, têm um índice glicémico mais baixo, isto é, não fazem subir tanto a glicémia.

Foi isto que expliquei à Lígia, e ela ficou pensativa, certamente a fazer as contas a quantos pães, em equivalência, teria comido na véspera.

NOTA: Os casos aqui contados na rubrica "Sala de Consulta" baseiam-se em casos reais, mas todos os nomes são trocados, assim como alguns pormenores são alterados, para garantir a absoluta privacidade dos doentes.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Crianças obesas têm paladar menos sensível


Crianças obesas têm papilas gustativas menos sensíveis e é justamente a menor percepção dos cinco sabores que faz com que comam mais. A descoberta é da Universidade Charité Hospital de Berlim, na Alemanha. Os dados foram divulgados, entre outros, pelo jornal inglês Daily Mail.

Os cientistas analisaram cerca de duas centenas de voluntários com idades entre 6 e 18 anos, sendo 94 de peso normal e 99 obesos. Todos tinham saúde e não tomavam medicamentos que pudessem afectar o paladar e o olfacto. A sensibilidade ao gosto foi testada com tiras gustativas na língua, que abrangiam  cinco sabores em quatro intensidades.

Verificou-se que, apesar dos pequenos obesos terem uma capacidade semelhante aos outros de saborear o doce, apresentaram menor sensibilidade a outros tipos de gosto. Com o tempo, os participantes do grupo de controlo melhoraram a capacidade de diferenciar as sensações, o que não ocorreu nos obesos.

O motivo exacto para essas diferenças não foi identificado. Os investigadores acreditam que genes, hormonas, cultura e exposição a diferentes gostos no início da vida desempenham um papel importante.

Fonte: Saude.terra.br

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

COGUMELOS SILVESTRES: NÃO ARRISQUE!

A associação micológica EcoFungos alerta que "o consumo de cogumelos silvestres pode provocar a morte, ou consequências futuras de insuficiência renal ou hepática. Pode provocar gastroenterites graves e desidratações igualmente graves. Não arrisque!”. A associação dava assim um esclarecimento sobre a ingestão de cogumelos silvestres tóxicos.

Este esclarecimento surge após a recente morte de três elementos de uma família de Vila Real, os pais e um filho de 42 anos por ingestão de cogumelos do género amanita-phalloides (na imagem). O amanita-phalloides é uma espécie muito venenosa e normalmente fatal. Trata-se de um dos cogumelos que mais confunde quem os apanha porque possui cores muito comuns a outros fungos comestíveis. Este fungo venenoso possui um chapéu côncavo, de cor amarelado esverdeado, possui lâminas por baixo e tem um pé rectilíneo e direito e uma base redonda e grossa. 

Se gosta de apanhar cogumelos silvestres, abundantes nesta altura do ano em Portugal, mas não tem cem por cento de certeza de identificar a espécie que pretende consumir, não arrisque!

Consulte a lista de cogumelos mortais clicando aqui, na Wikipédia.

Pôr ou não no lixo um alimento fora de validade

Em Portugal, não encontramos nas lojas alimentos com o prazo de validade expirado. Mas em nossas casas acontece por vezes que não consumimos os alimentos dentro do prazo inscrito na embalagem, ficando com pena de pôr no lixo alguns que ainda parecem estar bons.  É importante então sabermos mais sobre a rotulagem alimentar: 

O prazo de validade inscrito nas embalagens é estabelecido pelo produtor e pode ser apresentado de duas formas:
  • Data limite de consumo, que é apenas utilizada para produtos que facilmente se deterioram, sendo a expressão utilizada "Consumir até…" seguida da indicação do dia e do mês;
  • Data de durabilidade mínima, que é aplicada as todos os outros géneros alimentícios através das expressões "Consumir de preferência antes de …" , indicando a data o dia (por exemplo: manteiga, leite UHT, …) ou "Consumir preferencialmente antes do fim de", seguida da indicação do mês e ano, para alimentos com uma duração entre 3 e 18 meses (por exemplo: congelados, arroz, feijão seco, côco ralado, etc.), ou, simplesmente, a indicação do ano para alimentos com uma duração superior a 18 meses (exemplo: enlatados, mel, etc.).
No primeiro caso, o consumo após a data indicada poderá trazer riscos para a saúde porque se trata de alimentos que se deterioram fácil e rapidamente como, por exemplo, peixe fresco, carne picada, salsichas frescas, queijo fresco, leite do dia, bolos com creme, etc. Ao comer estes alimentos fora do prazo corre-se o risco de toxinfecção alimentar. 

No segundo caso, pode haver alteração das características dos alimentos, como, por exemplo, alteração da cor ou da textura, mas tal não acarreta nenhum risco para a saúde.

Lembro que a data colocada na embalagem é definida pelo produtor e este, para não correr riscos que ponham em causa a qualidade do seu produto, coloca uma determinada data sabendo que o produto se manterá em perfeitas condições de consumo durante muito mais tempo sem se deteriorar. Para evitarmos o desperdício de alimentos que estão bons, mas que já estão fora do prazo de validade, aconselho a abrir a embalagem e verificar a cor, o aspecto, a existência de bolores e o cheiro. Segundo dados da FAO (Agência para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas), a quantidade de alimentos desperdiçados na Europa e nos Estados Unidos é de 95 a 115 quilos per capita por ano!

O leitor encontra mais informação sobre Legislação Alimentar, Rotulagem e Nutrição em: http://www.gpp.pt/RegAlimentar/Legis/RN.html

PRAZO DE VALIDADE DOS ALIMENTOS

Depois da Grécia ter anunciado que os supermercados vão poder vender alimentos fora do prazo de validade a preços mais baixos, é importante lembrar que nem todos os alimentos fora de prazo representam riscos para a saúde.

Baseada numa notícia saída hoje no jornal Público, estou a preparar um post acerca da informação necessária antes de decidir deitar fora um alimento que tenha o prazo de validade expirado.

A revista da Tetra Pak publicou recentemente um número dedicado ao desperdício de alimentos e cita um estudo da Food Standards Agency britânica, segundo o qual “apenas 36% das pessoas sabem que os alimentos cujo prazo de validade expirou podem, na maior parte dos casos, ser consumidos”.

Até já!

HUMOR

Imagem enviada por um leitor do blog num mail intitulado: "Pela tua saúde, faz caminhadas". De facto, levar as chouriças e o vinho tinto a passear faz bem à saúde, não nego.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Hoje vou comer sopa ao Jardim

Fui convidada pelos meninos do Jardim de Infância de Eiras para ir comer uma sopa feita com os legumes da Roda dos Alimentos que eles construíram. Esta é uma iniciativa do projeto "Alimentação Saudável" que as educadoras desenvolvem ao longo do ano lectivo. 
Quero agradecer e saudar a responsável pelo Jardim de Infância de Eiras, a Educadora de Infância Albertina Albuquerque pelo seu dinamismo e interesse por estas questões. Ainda na semana passada, no âmbito do Dia Mundial da Alimentação, ela e todas as suas colegas educadoras do Jardim de Infância conseguiram mobilizar os pais das crianças e eu tive a sala cheia para abordar o tema "Comer bem em tempo de crise".
Lá estarei à hora marcada e podem contar comigo sempre para promover o consumo de sopa que é, quanto a mim, o melhor alimento funcional do mundo.

quinta-feira, 25 de outubro de 2012

Aspirina protege o coração e o cérebro


Já se sabia que a aspirina, ou melhor, o ácido acetilsalicílico protege contra as doenças cardíacas. Agora, num estudo realizado por cientistas suecos em que medicaram 129 mulheres, entre os 70 e os 92 anos, com ácido acetilsalicílico para a prevenção de doenças cardíacas, verificou-se que o medicamento também ajudou a proteger o cérebro.
As pacientes que tomaram aspirina tiveram menor perda das funções mentais.

Fonte
veja.com.abril.br

terça-feira, 23 de outubro de 2012

SALA DE CONSULTA # 9: Iogurtes em vez de medicamentos?

A Dona Felismina é uma senhora de 75 anos, com pouca instrução, que chegou à minha consulta por ter obesidade, colesterol elevado, hipertensão arterial e dores articulares. É, de facto, sabido que a hipercolesterolemia, a hipertensão e as dores nas articulações dos membros inferiores andam de braço dado com a obesidade, pelo que seria de todo vantajoso que a Dona Felismina perdesse peso.

Fiz-lhe o inquérito habitual sobre medicação, ficando a saber que ela estava a tomar medicamentos para baixar o colesterol sanguíneo e para baixar a tensão. Quando acabei de registar esta informação na ficha clínica, reparei que ela olhava para mim como uma criança que tinha descoberto uma coisa boa. E disse-me: "Sabe, doutora, na verdade já não estou a tomar  o medicamento para o colesterol. Ouvi na televisão o anúncio daqueles iogurtes que baixam o colesterol e troquei o medicamento pelos iogurtes." Perguntei-lhe se tinha dado conhecimento à médica que lhe receitara o medicamento, ao que respondeu negativamente. Então expliquei-lhe os perigos que corria por ter deixado de tomar a medicação para baixar o colesterol e expliquei-lhe também que os iogurtes não podem substituir os medicamentos. Bem sei que os fabricantes do tipo de iogurtes em causa publicitam que eles actuam no colesterol alimentar, recomendando que se tome o iogurte no final de uma das refeições principais, devido à ligação de alguns fitoquímicos presentes no iogurte ao colesterol dos alimentos, impedindo assim a aborção deste no organismo. Mas trata-se de pretensões às quais falta suficiente credibilidade científica. E, além do mais, ninguém toma os iogurtes às refeições principais, mas sim ao pequeno-almoço ou ao lanche.

A Dona Felismina, ao deixar de tomar os seus comprimidos para o colesterol, ficou em risco de ter um acidente vascular cerebral ou problemas cardíacos graves. Tudo isto devido a publicidade enganosa. Quantas pessoas por esse país fora não terão feito o mesmo que a Dona Felismina? E não há ninguém que seja responsabilizado?

NOTA: Os casos aqui contados na rubrica "Sala de Consulta", baseiam-se em casos reais, mas todos os nomes são trocados, assim como alguns pormenores alterados, para garantir a absoluta privacidade dos doentes.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Manual de Nutrição Infantil

Acaba de ser lançado o Manual de Nutrição Infantil, um guia prático com fichas de actividades para crianças do 1º ciclo do ensino básico, da autoria dos nutricionistas Ana Rito, Ana Lúcia Silva e João Breda. O livro é composto por actividades, fichas práticas, dicas, imagens apelativas e todas as informações que deve saber sobre nutrição infantil, sendo um instrumento útil para os vários públicos a que se destina: pais, professores e alunos. Facilita a tarefa de educadores e educandos e torna até divertido falar sobre nutrição infantil, um tema cada vez mais importante no crescimento das crianças durante o seu processo de aprendizagem.

Mais informações sobre o modo de utilizar o livro, os temas abordados e a biografia dos autores podem ser consultadas aqui.  


OBESIDADE INFANTIL: Os "Heróis da Fruta" estão de volta

Os “Heróis da fruta” estão de regresso, depois de, no ano lectivo passado, terem registado um consumo médio de 23 porções de fruta, por criança, ao longo de seis semanas consecutivas. Desta vez, o perigo aumentou, pelo que a iniciativa irá durar o dobro do tempo, três meses.

Esta é uma iniciativa da Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil (APCOI), que até 25 de Janeiro do próximo ano vai decorrer em vários estabelecimentos do 1.º ciclo do ensino básico e de jardins de infância. É a segunda edição de um programa educativo que, no ano passado, abrangeu 27 094 alunos, de 1377 turmas de 546 jardins de infância e escolas do 1.º ciclo.

Consulte o projecto aqui.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

É nas pequenas refeições que se pode poupar mais dinheiro

Ontem à tarde, ainda a propósito do Dia Mundial da Alimentação, fui convidada para ir a um Jardim de Infância falar com os pais das crianças sobre "Comer bem em tempo de crise" que é um tema cuja pertinência é indiscutível. Falei sobre a obesidade infantil, sobre a alimentação para a saúde, dei exemplos de refeições equilibradas e comparei-as com outras habituais à mesa de muita gente, mas que são desequilibradas e pouco recomendáveis para consumo diário. Consultei os preços dos dois tipos de refeições no sítio do Continente Online e fiz um quadro comparativo dos preços da alimentaçao (seis refeições) para uma pessoa e para um dia. A conclusão a que cheguei é que, nas pequenas refeições, se pode poupar mais dinheiro. Vejamos para as quatro refeições mais pequenas do dia: se se trocar leite com cereais por um copo de leite e um pão com manteiga ao pequeno-almoço, um bolo a meio da manhã por uma fruta, um iogurte grego e quatro bolachas por um iogurte de aromas e quatro tostas, um croissant e um sumo por um copo de leite e um pão, conseguimos obter uma poupança de cerca de três euros. Parece pouco, mas ao final de um mês representa uma poupança de 90 euros e ao final de um ano são 1080 euros. É significativo! E só estamos a falar da alimentação diária de uma pessoa. Pensem nisto na hora de ir às compras! 

Cinema sem pipocas

Ontem fui ao cinema ver um filme muito interessante, "Linhas de Welligton", de Valeria Sarmiento, sobre as invasões francesas, no Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) de Coimbra. O TAGV é uma daquelas salas de cinema à antiga, que está fora dos circuitos dos filmes comerciais. Mas como este blogue não é sobre cinema e não sou crítica cinematográfica, só quero partilhar aqui como é bom comprar os bilhetes sem ter uma funcionária a impingir-nos pipocas e coca-cola e como é bom ver o filme sem o som dos vizinhos do lado a trincar pipocas e chupar por uma palhinha.

A propósito de quê adquirimos o vício americanos de comer e beber enquanto vemos um filme?

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Na menopausa aumenta a gordura abdominal

Ao contrário do que muitos acreditam, a menopausa não causa aumento de peso, mas sim da gordura acumulada em torno da cintura, concluiu um estudo feito por especialistas da Sociedade Internacional da Menopausa (IMS, sigla em inglês). De acordo com esse estudo, as alterações hormonais que ocorrem na menopausa, ou seja, a queda dos níveis de estrogénio, alteram a forma como o corpo armazena gordura nos quadris e na cintura.

O estudo foi publicado esta semana no Climacteric e vem a propósito do Dia Internacional da Menopausa, que se comemora a 18 de outubro. Os resultados do trabalho sugerem que é falsa a crença de que a menopausa necessariamente provoca o ganho de peso.

"Na realidade, isso é apenas uma consequência dos fatores ambientais e do envelhecimento. Mas não há dúvida de que o aumento da massa abdominal do qual muitas mulheres se queixam na menopausa é real", diz Susan Davis, professora da Universidade de Monash, na Austrália e uma das autoras do estudo.

A imagem que escolhi para ilustrar este post não foi ao acaso. Para se contrariar esta acumulação de gordura abdominal que pode surgir na menopausa, o melhor é caminhar a passo acelerado ou mesmo correr todos os dias. Obviamente, os cuidados com a alimentação devem ser redobrados.

Fonte da notícia:
Veja.abril.com.br

terça-feira, 16 de outubro de 2012

Taça da Alimentação nas escolinhas de futebol do Porto

Notícia enviada por um leitor do blogue:

No próximo sábado, a Taça da Alimentação está de volta à Dragon Force, numa parceria com a Associação Empresarial de Portugal. Este é um torneio que integra as 14 escolas de futebol portistas e que pretende aliar a actividade física e desportiva a hábitos alimentares saudáveis. Todos os alunos estão convocados.

Ler mais aqui.

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO 2012

Hoje comemora-se o Dia Mundial da Alimentação. Este ano o tema é "Cooperativas Agrícolas: A Chave Para Alimentar o Mundo". Foi escolhido pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) com vista a promover a reflexão sobre o papel das cooperativas agrícolas na garantia da segurança alimentar e na redução da pobreza. 

Os números são significativos: com mais de 800 milhões de associados, as cooperativas operam em todos os sectores da economia mundial e garantem 100 milhões de empregos (mais 20% do que as empresas multinacionais). Só em 2008 as 300 maiores cooperativas mundiais movimentaram cerca de 1,1 biliões de dólares americanos, cifra equivalente ao PIB de muitas economias de grandes países.

O interesse em cooperativas e organizações rurais também se reflectiu na decisão da Assembleia Geral da ONU ao designar 2012 o "Ano Internacional das Cooperativas".   

Para saber mais consulte o sítio da FAO.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Sessão "Comer bem é mais barato"

Amanhã é o "Dia Mundial da Alimentação" e eu estarei de manhã no Mercado Abastecedor de Coimbra  (MAC) para junto com professoras e alunas da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, da Escola Superior Agrária de Coimbra e elementos do Departamento de Saúde Pública da ARS do Centro darmos início ao "Programa 5 ao Dia" para o ano lectivo 2012/2013. As escolas interessadas em participar ao longo do ano lectivo podem consultar informações e a ficha de inscrição aqui.

À tarde estão todos convidados para assistir à sessão "Comer bem é mais barato" que se realizará às 15h00 no Centro de Saúde de Eiras, em Coimbra. O filme é o resultado de uma campanha que juntou a Associação Portuguesa dos Nutricionistas, a Fundação Calouste Gulbenkian, a Fundação EDP, a estação de televisão SIC e a DECO e que tem como objectivo a promoção de uma alimentação mais saudável e equilibrada por menos dinheiro. 

A sessão conta com os comentários da nutricionista de serviço, que sou eu. Até amanhã!

Caminhar a maior ritmo reduz o risco de enfarte e de AVC

Um estudo realizado com mais de 10 mil pessoas, com idades compreendidas entre os 21 e os 98 anos, durante dez anos, na Dinamarca, sugere que é a intensidade e não a duração do exercício que beneficia o coração.

Caminhadas mais rápidas podem reduzir o risco de ter ataque cardíaco ou acidente vascular cerebral para metade. A informação foi revelada por investigadores do Bispebjerg University Hospital, na Suécia.

Fonte:
isaude.net


SALA DE CONSULTA # 8: Diabetes descontrolada

Uma senhora diabética entrou no meu consultório acompanhada pelo seu médico de família: "Precisamos da sua ajuda. A D. Augusta tem uma diabetes tipo 2 descontrolada e não percebemos porquê. O seu valor de hemoglobina glicosilada é de 9%".

A D. Augusta tem 60 anos, está reformada e vive sozinha. No breve inquérito alimentar que lhe fiz, não detectei nenhum alimento que pudesse ser o responsável pelos valores de hemoglobina glicosilada que apareciam nas análises. A hemoglobina glicosilada, hemoglobina glicada ou ainda hemoglobina  a1C permite avaliar o controlo das glicémias nos últimos três meses. O valor de 9% de hemoglobina a1C da D. Augusta corresponde a um valor médio diario de glicémia de 210 mg/dL, valor muito acima do desejado. Pareceu-me sincera no relato daquilo que comia pelo que lhe pedi que registasse, numa grelha fornecida por mim, tudo o que comia em cada refeição e medisse os valores da glicémia uma hora e meia após cada uma das refeições.

Uma semana depois a D. Augusta apareceu-me com um sorriso nos lábios e os registos alimentares e glicemicos, que eu lhe pedira, na mão. O seu sorriso revelava o seu alívio por algo que descobrira: "Doutora, são os cornflakes".

Peguei na folha e reparei que, à noite, pelas 19h30, a D.Augusta tomava uma taça de leite com cornflakes que lhe servia de jantar. Vivia sozinha e não lhe apetecia fazer comida só para ela. Uma hora e meia depois a sua glicemia disparava para valores sempre acima de 300 mg/mL.

Os cornflakes, aparentemente insuspeitos para diabéticos por não terem açúcar na sua composição, revelaram-se um alimento de alto índice glicemico que não pode ser consumido por estes doentes nem por qualquer pessoa que não queira engordar. A explicação é simples: os cereais são, de um modo geral, feitos com farinhas muito refinadas e os cornflakes, apesar de não terem açúcar, transformam-se em glicose rapidamente no nosso organismo. São, por este motivo, alimentos de alto índice glicémico.

Detectado o erro, foi só pedir à D.Augusta que trocasse aquela refeição de cereais com leite por um bom prato de sopa, de preferência contendo grão, feijão ou lentilhas e uma peça de fruta, ao jantar. Afinal, se a sopa já estiver feita, não é preciso estar a cozinhar à noite.

Leia mais sobre índice glicémico dos alimentos aqui.

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

CHOCOLATE E PRÉMIOS NOBEL

Mais uma notícia curiosa sobre o consumo de chocolate:
Um estudo recente realizado na Universidade de Columbia e publicado na quarta-feira no New England Journal of Medicine  revelou que os países onde se come mais chocolate têm mais vencedores do prémio Nobel. Os investigadores calcularam o número de prémios Nobel por cada 10 milhões de pessoas em 23 países e  comparou-o com dados fornecidos pelos principais fabricantes do produto.

Quanto mais chocolate consumir a população de um país, mais prémios Nobel este país conquista, o que prova que o cacau pode aumentar a capacidade intelectual dos seus consumidores.

Os flavonóides, poderosos antioxidantes presentes nos grãos de cacau, no chá verde e no vinho tinto, demonstraram a capacidade de reduzir o risco de demência e melhorar a função mental nos idosos, explica Franz Messerli, autor da pesquisa. Ele é médico na Universidade de Columbia, em Nova York, e no St. Luke's-Roosevelt Hospital. "Dado que o chocolate hipoteticamente pode melhorar a função cognitiva nos indivíduos e, por isso, a população no seu conjunto, perguntava-me se poderia existir uma correlação entre o consumo de cacau num país e a capacidade intelectual da sua gente."

Messerli afirma que é concebível que o número total de prémios Nobel per capita dê alguma medida da função cognitiva geral de um país. E, segundo as suas observações, "há uma correlação significativa surpreendente entre o consumo de chocolate per capita e o número de prémios Nobel por cada dez milhões de pessoas num total de 23 países".


A Suíça encabeça tanto o número de prémios Nobel como a quantidade consumida de chocolate, afirma Messerli, que diz ter utilizado as estatísticas de consumo fornecidas por diferentes fabricantes. Estados Unidos, França e Alemanha encontram-se no meio, enquanto a China, o Japão e o Brasil estão no final da classificação e precisariam aumentar o consumo de chocolate na dieta dos seus habitantes.

A Suécia é a excepção. Enquanto, segundo os cálculos, com 6,4 quilos de chocolate consumidos por habitante por ano os suecos deveriam ter conquistado cerca de 14 prémios Nobel, na realidade têm 32 ao todo. Há duas explicações possíveis, segundo o investigador: "O Comitê Nobel de Estocolmo pode ter favorecido os suecos, ou os suecos podem ser particularmente sensíveis aos efeitos do chocolate." 
No estudo foram considerados os vencedores do Nobel até 2011.

Fonte
Veja.abril.com.br

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Compre produtos portugueses

Recebi hoje um e-mail intitulado "Apelo Nacional" para protegermos a nossa economia. . Todos os dias me pergunto o que e que cada um nos, individualmente, pode fazer para ajudar a economia moribunda do nosso pais. Aqui esta a resposta (transcrevo apenas a parte do e-mail que me sensibilizou):

O desafio é durante seis meses a um ano evitar comprar produtos fabricados fora de Portugal. Fazer o esforço, em cada acto de compra, de verificar as etiquetas de origem e rejeitar comprar o que não tenha sido produzido em Portugal, sempre que existir alternativa.
Desta forma estaremos a substituir as importações que nos estão a arrastar para o fundo e apresentaremos resultados surpreendentes a nível de indicadores de crescimento económico e consequentemente de redução de desemprego. Há quem afirme que bastaria que, cada português, substituísse em somente 100 euros mensais as compras de produtos importados, por produtos fabricados no país, para que o nosso problema de falta de crescimento económico ficasse resolvido. 

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Qual o supermercado mais barato da sua região?

A DECO analisou os preços nos supermercados de todo país. Consulte aqui qual o supermercado mais barato da sua região. Tive uma supresa ao ver que aqui em Coimbra o LIDL é o mais caro.

sábado, 6 de outubro de 2012

SALA DE CONSULTA # 7: Os iogurtes gregos

A Beatriz tem 53 anos e é psicóloga clínica. Veio à minha consulta porque se sente a engordar desde que entrou na menopausa. Teve dois filhos e foi sempre elegante porque toda a vida cuidou da sua alimentação e fez exercício físico programado. Devido a um problema na coluna lombar foi obrigada a parar o exercício físico por uns tempos. Pesou-se e, de acordo com a minha balança de bioimpedância, a Beatriz tem apenas quatro quilos de gordura a mais.

Nestes casos não sei se conseguirei ajudar por dois motivos: primeiro, porque quando uma pessoa só tem três ou quatro quilos a mais, significa que já tem uma alimentação cuidada e, segundo, porque diminuir apenas dois ou três quilos pode ser penoso porque obriga a restringir em alimentação que já não é demasiada e/ou a aumentar a intensidade do exercício físico. Mas não desisti. Não gosto de desistir de nada e, muito menos, de desistir antes de tentar.

Fiz-lhe um inquérito exaustivo na tentativa de detectar algum erro alimentar que pudesse ser corrigido para a ajudar. Ela, de facto, alimentava-se correctamente. Comia sopa nas duas principais refeições do dia, comia sempre legumes ou saladas, frutas nos intervalos e iogurtes naturais. Achei tudo tão perfeito, o que não é de estranhar tratando-se de uma profissional de saúde bem informada, que resolvi perguntar-lhe a marca dos iogurtes naturais, ao que me respondeu: "são iogurtes gregos". Comia dois por dia o que corresponde do ponto de vista calórico a cerca de 600 kcal. Era o suficiente para fazer uma pessoa, que não gaste essas calorias, a ganhar três quilos de peso em um mês. Se fizermos as contas, ao final de um mês a Beatriz ingeria 18 000 kcal a mais sem fazer exercício físico. Qual menopausa? 
Convido-vos a ler (ou reler) um artigo curto que publiquei quando os iogurtes gregos começaram a surgirem força no mercado português: aqui. 

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

SALA DE CONSULTA # 6: Prefiro correr ao fim da tarde

O Carlos tem 51 anos, é gestor num grupo de empresas e há cinco meses atrás apanhou um susto quando, nas análises de rotina, viu os valores de colesterol, de triglicerídeos e a glicemia todos em alta. A conselho do médico, por estar em alto risco de um evento cardiovascular, procurou-me decidido a mudar de vida. De facto, tinha 18 quilos a mais, levava uma vida completamente sedentária e tinha alimentação descuidada. Fiz-lhe um plano alimentar e recomendei-lhe que caminhasse todos os dias 60 minutos. Um mês depois o Carlos apareceu com menos três quilos e com um aspecto menos inchado. Disse-me que lhe custou a primeira semana, mas que depressa se começou a sentir melhor, o que lhe deu motivação para continuar.

Aproveitei a segunda consulta para o convencer a correr. Começar por dois ou três minutos, de acordo com a sua resistência, aumentando os tempos de dia para dia à medida que fosse perdendo peso e ganhando resistência. Assim fez, voltando um mês e meio depois com menos 5 quilos e cada vez com melhor aspecto. Na semana passada voltou à consulta. Vinha feliz consigo mesmo, pois já consegue fazer dois ciclos de corrida de 20 minutos cada um intervalados por dez minutos de marcha. Disse-me que está viciado em corrida, que prefere correr ao fim da tarde e explicou-me porquê: "tenho muito stress no trabalho, temos empresas a fechar e não é fácil despedir pessoas e assistir ao drama familiar do desemprego. Se não vou correr ao fim da tarde vou para casa e só penso em comer o que não devo. Depois de correr apetecem-me "coisas leves" como sopa ou saladas ou fruta".   

Ainda lhe faltam seis quilos para o objectivo e o Carlos prometeu não parar. No final deste mês vai repetir as análises e tenho a certeza que os valores vão estar dentro do estabelecido como normal. Quando voltar ao médico ele nem o vai conhecer. O Carlos parece outro e eu já lhe dei os parabéns.

Aprender a gostar de vegetais

Se um bebé entre os quatro e sete meses de vida provar dez vezes uma sopa de brócolos, em dias diferentes, tem mais probabilidade de vir a gostar desse legume em idade pré-escolar, conclui um estudo europeu.


Dar uma sopa de brócolos ou de alho francês a um bebé entre os quatro e sete meses de vida com o sabor do legume o mais natural possível e fazer com que experimente entre oito a dez vezes é a «técnica» mais eficaz para que as crianças na idade pré-escolar admitam experimentar e comer legumes, contou à Lusa a responsável em Portugal pelo projeto europeu «Aprender a gostar de vegetais».

Para ler mais clique aqui.

terça-feira, 2 de outubro de 2012

Batatas fritas congeladas contêm produto cancerígeno

Muito práticas para serem servidas em restaurantes, cadeias de fast-food e bares, as batatas fritas congeladas podem causar cancro, de acordo com um estudo publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry. Os cientistas descobriram que a o alimento pré-cozinhado pode conter níveis elevados de acrilamida, um produto químico que tem provavelmente efeito cancerígeno.
Informação do Daily Mail.




segunda-feira, 1 de outubro de 2012

Correr não tem idade

O Professor Jorge Paiva (na imagem) é um exemplo de que correr não tem limite de idade. Tem 79 anos e corre dez quilómetros todos os dias. Está aposentado mas continua a fazer investigação em Botânica e a defender a preservação do ambiente através das palestras que faz pelas escolas do país. Estive a ouvi-lo na sexta-feira passada no centro Rómulo de Carvalho, em Coimbra, numa conversa sobre livros de divulgação de ciência, na Noite Europeia dos Investigadores, e está em grande forma!

Correr está na moda

Se anda a pensa mudar o seu estilo de vida começando a praticar exercício físico, leia os testemunhos de alguns portugueses que aderiram à corrida no artigo do Notícias Magazine deste fim-de-semana, "A moda da Corrida".   Eu, tal como já referi neste espaço, estou viciada e já consegui viciar algumas pessoas que andam nas minhas consultas. A corrida deixa-nos mais vigorosos, faz perder peso e obriga-nos a ter cuidado com a alimentação. Pode ajudar a resolver problemas do sono, de ansiedade e de depressão. Experimente e deixe-se viciar. Se tem muito peso a mais, procure um médico antes de começar. Ele avaliará o seu risco cardiovascular. Depois, veja na página do exercício físico, aqui, como começar. Corra connosco!