Pular para o conteúdo principal

O PINTOR DAS GORDAS


 Acaba de inaugurar na Cidade do México, no Palácio das Belas Artes, a maior exposição da já longa carreira do pintor colombiano (nascido em 1932) Fernando Botero, cuja arte se caracteriza pela redondez das formas humanas (curiosamente, o México é, depois dos Estados Unidos, o país americano com maiores índices de obesidade) . Para Botero as figuras que pinta e esculpe não são,porém, de pessoas gordas. Escreve o seu amigo Mario Vargas Llosa, o Nobel da Literatura, no catálogo da mostra: 

"Quando um crítico lhe perguntou porque pintava figuras gordas, Botero respondeu. 'Não são gordas. A mim parecem-me esbeltas.' "

Nem toda a gente é, porém, da mesma opinião. O repórter do El País (30/Março/2012), quando perguntou a uma jovem de 20 anos se achava bonita uma das mulheres representadas num quadro de Botero, obteve a seguinte resposta:

 "Não, não é estética, mentiria se dissesse que era bonita."

E o jornalista pediu-lhe então o seu peso e altura:

"Meço 1,63 m e peso 58 kg e sinto-me muito gorda, eu não quero ser bojuda."

Neste tempo que cultiva a magreza, neste tempo em que "gordura não é formosura", a exposição de Botero, intitulada "Botero: uma celebração",  pode ser vista como uma celebração das formas redondas, contrariando os cânones de beleza vigentes. A filha do pintor, Lina Botero, comissária da exposição, transmite assim o pensamento estético do seu pai:

"Ele diz que a arte está actualmente no seu pior momento de decadência, porque abandonou a figuração e a busca do prazer".


Pintar para Botero continua, ao fim de muitos anos de actividade, a ser um prazer.  Continua, aos 80 anos,  a trabalhar activamente nos vários estúdios que possui espalhados pelo mundo, de Medellin, onde nasceu, a Paris,  durante "pelo menos oito horas por dia". Ele próprio nada tem de gordo. Conta trabalhar até aos cem...
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…