Pular para o conteúdo principal

Anticancerígeno fez regredir rapidamente Doença de Alzheimer em ratos

Um estudo recente publicado na revista Science revelou que o bexaroteno, medicamento usado para tratar o cancro, restaurou rapidamente as funções cerebrais de ratos de laboratório que sofriam da doença de Alzheimer . O anticancerígeno fez desaparecer até 75% das placas beta-amiloides (na imagem), placas extracelulares formadas por fragmentos da clivagem incorreta da proteína precursora do amilóide (APP), uma das principais características patológicas do Alzheimer. As proteínas beta-amilóides são insolúveis juntando-se aos poucos, formando as placas. Além disso, o bexaroteno reverteu os sintomas da doença, como a perda de memória.

Apenas 72 horas após o início do tratamento com o bexaroteno, os ratos, geneticamente modificados para desenvolver o equivalente da doença de Alzheimer, começaram a exibir comportamentos normais, explicaram os investigadores. "Os animais também recuperaram a memória e o olfato", afirmou o Dr. Daniel Wesson, professor adjunto de neurociência na faculdade de Medicina Case Western, em Cleveland (Ohio), coautor do estudo. Ele notou que a perda de olfato é um dos sinais de Alzheimer nos humanos.
Este avanço não tem precedentes, uma vez que até agora, o melhor tratamento existente em ratos de laboratório demorava vários meses para eliminar as placas amiloides.

"O nosso próximo objectivo é verificar se o tratamento funciona da mesma maneira em humanos", acrescentou o Dr. Gary Landreth, professor de neurociência na mesma faculdade e principal autor do estudo. "Estamos ainda a dar os primeiros passos para transformar esta descoberta num tratamento", disse.

Esta pesquisa foi baseada na descoberta, em 2008, do Dr. Landreth, de que o principal veículo do colesterol no cérebro, uma proteína chamada apolipoproteína E (ApoE), também facilita a destruição das proteínas beta-amiloides. Um aumento dos níveis dessa proteína no cérebro acelera a "limpeza" das placas amiloides que se acumulam. A doença de Alzheimer desenvolve-se em grande parte quando o organismo, em processo de envelhecimento, perde a capacidade de eliminar a beta-amiloide que se forma naturalmente no cérebro. Aparentemente o bexaroteno reprograma células do cérebro para que elas "devorem" novamente os depósitos amiloides.

O bexaroteno, inicialmente desenvolvido pelo laboratório americano Ligand Pharmaceuticals com o nome de marca Targretin, foi aprovado em 1999 pela FDA, agência americana que regula os medicamentos. Ele trata um linfoma cutâneo raro.

Fonte
http://veja.abril.com.br/
Imagem
http://biobioalzheimer.blogspot.com/
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…