Pular para o conteúdo principal

A OBESIDADE PODE CAUSAR DOR?

Um novo estudo realizado na Universidade de Stony Brook, Estados Unidos, mostrou que pessoas obesas ou com sobrepeso sentem mais dores do que que as pessoas com peso baixo ou normal. A pesquisa, publicada recentemente na versão online da revista médica Obesity, analisou dados de mais de um milhão de americanos com base em entrevistas feitas por telefone entre 2008 e 2010. Os participantes responderam a perguntas sobre o peso e a altura, a partir dos quais foi calculado o índice d emassa corporal (IMC), sobre condições de dor no ano anterior sobre a experiência de dor no dia anterior. Apenas 19,2% da amostra foi classificada como de baixo peso ou peso normal, 21,4% foi classificada como de sobrepeso, e a restante parte da amostra foi classificada nas três categorias de obesos de acordo com os parâmetros estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Obesos grau I são aqueles com IMC de 30 a 34,99 kg/m^2; de grau II de 35 a 39,99, e de grau III os que apresentam um IMC maior do que 40.

Resultados:
Na comparação com indivíduos com peso baixo ou normal, pessoas com sobrepeso ou obesidade mostraram sentir 20% mais dores. Esse número aumentou quando foram comparadas pessoas de peso baixo ou normal somente com obesos. Pessoas com obesidade grau I sentiam 68% mais dores; de grau II, 136%; e de grau III, 254%.

Os pesquisadores observaram que as maiores dores foram sentidas por pessoas com doenças que provocam dor corporal. No entanto, mesmo após essas doenças terem sido controladas, os indivíduos mais pesados continuavam a sentir dores. "Esta descoberta sugere que, além da presença de doenças dolorosas, a obesidade por si só pode causar dor", diz Joan E. Broderick, umas das autoras do estudo.

Outra conclusão é que as dores sentidas por pessoas obesas ou com sobrepeso aumentam à medida que elas ficam mais velhas. Os autores explicam que a relação entre dor e obesidade pode ser devido ao facto de a gordura corporal desencadear processos fisiológicos que geram inflamação e dor. Outras condições médicas que causam dor, como artrite, fazem com que o indivíduo pratique menos exercício e, consequentemente, ganhe mais peso.

Os autores reforçam a importância de mais investigações sobre as causas metabólicas da dor, bem como a necessidade de estudos mais profundos sobre a obesidade.

Referência
Stone,A.A., Broderick, J.E. Obesity and Pain Are Associated in the United States. Obesity (19 January 2012) doi:10.1038/oby.2011.397

Fonte
http://www.nature.com/oby/journal/vaop/ncurrent/full/oby2011397a.html

Imagem
http://www.scientificamerican.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…