Pular para o conteúdo principal

Conclusões surpreendentes do estudo do genoma de dois supercentenários

Os supercentenários, pessoas que vivem mais de 110 anos, são muito raros: ocorrem a uma taxa de um por cada cinco milhões de pessoas, nos países desenvolvidos. Estes indivíduos apresentam os mesmos genes associados à doença que a população em geral, mas também têm genes que os ajudam a viver durante mais tempo. Estas são as conclusões de um estudo liderado por  Paola Sebastiani da Boston University Schools of Public Health, nos Estados Unidos.

Neste estudo, os investigadores analisaram a sequência total do genoma de um homem e de uma mulher, que tinham vivido mais de 114 anos. A arquitetura geral do genoma dos dois participantes era comparável à de outros genomas previamente sequenciados, em taxa de novas variantes, variantes funcionais e variantes associadas à predisposição para o desenvolvimento de cancro e de doenças associadas à idade. Apesar dos participantes apresentarem os mesmos genes ligados à doença que a população em geral, a sua longevidade sugere que existem outros mecanismos protetores.

Os investigadores verificaram que, por exemplo, o homem estudado tinha 37 mutações genéticas associadas ao risco de desenvolvimento de cancro do cólon. "Na verdade, no início da sua vida, ele tinha desenvolvido cancro de cólon que foi curado com uma cirurgia, por não ter metastizado. Perto da hora da sua morte, a sua função cognitiva e a sua forma física eram espantosas”, revelou, em comunicado de imprensa, um dos autores do estudo, Thomas Perls.

A centenária também apresentava variações genéticas associadas à idade, incluindo um maior risco de desenvolvimento de Alzheimer, cancro e doenças cardiovasculares. A mulher desenvolveu insuficiência cardíaca congestiva e leve comprometimento da função cognitiva. Contudo, estas doenças só se manifestaram depois dos 108 anos.

Thomas Perls acredita que “possivelmente os centenários têm variantes associadas à longevidade que anulam o efeito dos genes associadas às doenças. Este efeito pode ir até ao ponto de impedir a ocorrência da doença,  atenuar a severidade e atrasar o início do desenvolvimento da doença”.


Fonte:
ALERT Life Sciences Computing, S.A.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…