segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

FELIZ NATAL


Este é o menino Jesus que está no centro da mesa de Natal cá de casa. A mesa , ou melhor, as mesas já estão postas porque somos trinta e três a almoçar no dia de Natal. O mais velho tem 86 anos e o mais novo tem vinte meses. O Natal cá em casa é cheio de vida e muito Feliz. Quem dera que fosse assim em todos os lares...
Aos seguidores, aos visitantes e aos que gostam e continuam a visitar-nos desejo um
FELIZ NATAL! 
Posted by Picasa

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

RECEITAS # 9 : A minha sopa de peixe

Recomendo muitas vezes sopa de peixe nas minhas consultas porque considero-a um alimento completo que favorece a saúde e que pode, por si só, constituir uma refeição. Reparei que algumas pessoas não sabem fazê-la. Esta é a receita da minha sopa de peixe:

Ingredientes
1 a 2 postas de salmão
uma dúzia de camarões congelados

Cozer as postas de salmão (ou outro peixe) em água com sal.
Fazer o mesmo aos camarões. Depois de cozidos, escolher o peixe e os camarões. Reservar ambas as águas de cozer o pescado.

Base da sopa 
Azeite
3 batatas do tamanho de um ovo de galinha
meio pimento
2 cebolas grandes
5 tomates
piri-piri triturado
sal
coentros picados

Picar as cebolas para uma panela de dois litros, adicionar um pouco de azeite e colocar ao lume até a cebola começar a ficar tranparente. Adicionar os tomates partidos aos cubinhos (não é preciso tirar a casca), o pimento, um pouco de sal e o piri-piri. Cozinhar até os tomates se desfazerem. Colocam-se nesta altura as batatas já partidas e acrescenta-se água a ferver até meio da panela. Deixa-se cozer tudo cerca de vinte minutos e no fim tritura-se com a varinha. Acrescentam-se as águas de cozer o salmão e os camarões. Acerta-se o sal e adiciona-se o peixe e o camarão. Serve-se num prato de sopa e adicionam-se os coentros picados.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 21: Testes de intolerâncias alimentares por biorressonância são completamente inúteis

Duas utentes que são amigas e trabalham no mesmo escritório,  vieram hoje à minha consulta, trazendo na mão, para me mostrarem, o resultado de testes de intolerâncias alimentares que tinham resolvido fazer aproveitando uma "promoção" de uma empresa de Guimarães. Os resultados, que tenho aqui comigo, consistem numa lista extensa de alimentos com percentagens de intolerância. Pretende ser um "exame de intolerâncias alimentares a 545 alimentos, efectuada através da técnica de biorressonância." Apesar da "promoção" cada uma delas pagou pelo ProNutri (assim se intitula o teste) 60 euros.

Quando tenho situações clínicas que justificam um teste de intolerâncias alimentares, recorro ou a um laboratório tradicional que, através da análise do sangue, detecta a presença de quantidades anormais de determinadas imunoglobulinas ou a um laboratório de genética médica sediado no Porto (CGC Genetics), que estuda os genes relacionados com intolerâncias alimentares frequentes (nomeadamente à lactose, frutose e glúten). 

Mas, voltando ao ProNutri, fiquei curiosa: um teste não invasivo que se faz colocando um eléctrodo em dois dedos? Se fosse bom, também queria um no meu consultório... Mas fui céptica. Fui logo à Net investigar o fundamento científico. Não foi preciso muito tempo para perceber que o teste não passa de uma fraude, que diz utilizar técnicas da física com nomes complicados como "biorressonância magnética que opera através da tecnologia de Biofeedback", palavras que apenas servem para enganar os incautos. Descobri também que os responsáveis pela empresa que faz os testes são um casal de freelancers sem qualquer formação na área da saúde.

Importa esclarecer os leitores deste blogue que as intolerâncias alimentares são, de um modo geral, devidas à falta de produção de uma enzima que ajuda na digestão de um determinado nutriente do alimento, causando perturbações gastrointestinais como gases, náuseas, diarreia ou outros problemas. São, portanto, fenómenos bioquímicos e fisiológicos e não tÊm nada a ver com fenómenos físicos relacionados com "energias" e  "vibrações dos alimentos" apregoadas pelos vendedores dos caríssimos testes, cujos resultados não têm por isso qualquer validade. Para ilustrar o que acabo de dizer, transcrevo um excerto da explicação do método Pronutri dada pelos referidos freelancers: 

"Trata-se aqui de estímulos enviados ao cérebro através de dois meridianos ou terminais nervosos situados na ponta de dois dedos e a consequente quantificação da energia de cada alimento, também chamada de frequência vibracional. Esta informação é guardada pelo hipotálamo, que ao ser estimulado responde."

Frequência vibracional dos alimentos? Informação guardada pelo hipotálamo? Como é possível alguém dizer tanto disparate...

Fica o alerta aos meus leitores. Fiquem atentos e informados para não se deixarem enganar, gastando dinheiro mal gasto. Se necessário, aconselhem-se com profissionais de saúde. Os testes credíveis de intolerâncias alimentares envolvem, em geral, a colheita de sangue para detecção de produção anormal de determinadas imunoglobulinas. Se não envolverem, o melhor é desconfiar.

Termino com um excerto de uma notícia publicada em Outubro do ano passado no Jornal de Notícias que refere a preocupação do presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia sobre este assunto:


"O presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia alerta que os testes múltiplos de intolerância para detectar alergias alimentares são inúteis e desaconselhou a sua recomendação e comparticipação pelos sistemas de saúde. O alerta da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia (SPAIC) surge porque os especialistas são constantemente abordados sobre o interesse da realização destes testes, que "estudam indiscriminadamente intolerâncias/ alergias alimentares".

"Cada vez mais assistimos a pessoas que, por iniciativa própria ou por profissionais que não estão habilitados, nos aparecem com análises que foram feitas para estudar eventuais intolerâncias ou alergias alimentares", conta à agência Lusa Mário Morais de Almeida.

O especialista adianta que esta situação já acontece há algum tempo, mas agora começa a ser mais frequente. "As pessoas tentam estudar os seus problemas por iniciativa própria, pedindo análises por indicações que não são médicas e que depois têm interpretações muito erradas, associadas a custos que não são justificados", disse.

"As pessoas, porque andam mais cansadas, porque andam mal dispostas, com queda de cabelo, dores de cabeça, pedem este tipo de análise sem qualquer tipo de orientação técnica", alertou.

Esta situação pode levar a "riscos muito importantes, nomeadamente em termos de saúde, devido ao tipo de dietas que começam a ser feitas, assim como as restrições alimentares feitas sem fundamento".

Mário Morais de Almeida dá como exemplo a alergia ou a intolerância ao leite de vaca, a mais frequente na população: "não é com este tipo de exames que as intolerâncias são estudadas. Carecem sempre da avaliação dos sintomas por um médico e depois então eventuais pedidos de alguns exames e uma dieta recomendada".

Salientou ainda que "estas análises não estão incluídas em qualquer sistema de reembolso, nem nunca podem vir a ser. Estamos a falar de análises que não têm validação científica e, segundo os doentes, podem custar centenas de euros".

"O alerta dos alergologistas é para tentar parar com esta tendência, em que já se fala em promoções nas análises", frisa.

A abordagem das doenças resultantes de mecanismo alérgico ou de intolerância a alimentos ou aditivos, deve ser realizada cumprindo os pressupostos da boa prática médica, dependendo de metodologias de diagnóstico clínico e laboratorial bem conhecidas pela comunidade científica nacional e internacional."

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

RECEITAS #8: Trouxas de bacalhau da Avó


A pedido de vários seguidores do comerbemateaos100 regresso hoje às receitas com trouxas de bacalhau que fiz hoje para o almoço. Esta receita muito simples de executar é da minha Avó Ana, de quem tenho muuuuuitas saudades. Ela ensinou-me a cozinhar e a aproveitar todas as sobras reciclando-as em óptimos pratos para toda a família. É uma boa sugestão para aproveitar o bacalhau cozido que sobra da consoada.

Ingredientes:
Duas postas de bacalhau cozido escolhido sem espinhas, em lascas

Polme
125 g de farinha
3 ovos
4 dL de leite
1 pitada de sal

Batem-se os ovos e a farinha e adiciona-se o leite pouco a pouco. A pitada de sal é opcional, uma vez que o bacalhau, normalmente, contém sal suficiente (eu não costumo adicionar sal).

Depois do polme feito coloca-se a frigideira ao lume com um pouco de azeite. Quando o azeite estiver quente adiciona-se, com a ajuda de uma concha, uma quantidade de polme suficiente para cobrir o fundo da frigideira. Deixa-se ao lume alguns minutos até o polme solidificar, colocam-se no meio algumas lascas do bacalhau e faz-se uma trouxa, como se fosse uma omelete. Está pronta! Repete-se este processo até terminar o polme ou o bacalhau.

Quem está em regime de emagrecimento deve acompanhar as trouxas de bacalhau com salada, legumes salteados ou couve. A restante família pode, além da salada, acompanhar as trouxas com arroz de bacalhau.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Dois terços dos homens portugueses têm peso a mais

Segundo os dados de um estudo publicado na revista PLOS One, mais de dois terços da população adulta portuguesa possui valores de índice de massa corporal acima do que é desejável.

A investigação sobre a prevalência da pré-obesidade e obesidade da população adulta em Portugal continental envolveu a avaliação de 9 447 pessoas com idades compreendidas entre os 18 e os 103 anos. Os resultados deste estudo, coordenado por Luís Bettencourt Sardinha, da Faculdade de Motricidade Humana, da Universidade Técnica de Lisboa, revelaram que 66,6 por cento dos homens adultos têm pré-obesidade e obesidade (índice de massa corporal superior a 25 e 30 kg/m2, respectivamente), enquanto para as mulheres o valor é ligeiramente inferior, com uma prevalência de 57,9 por cento.

Para ler mais clique aqui.

Homem mais velho do mundo tem 115 anos e é Japonês

Jiroemon Kimura, que já era reconhecido como o homem mais velho do planeta desde Abril de 2011, nasceu a 19 de Abril de 1897, quinze dias depois de Dina Manfredini, que morreu segunda-feira em Johnston, no estado do Iowa, EUA. Dina Manfredini tinha ‘herdado’ o título de pessoa mais velha do mundo há cerca de duas semanas, após a morte da também norte-americana Besse Cooper, de 116 anos, a 4 de Dezembro.

Kimura nasceu na antiga província de Tango – actual Quioto – no seio de uma família de agricultores e, após se reformar como empregado dos correios, dedicou parte do seu tempo a trabalhar na sua horta até pouco antes de cumprir o seu centésimo aniversário.

O idoso japonês partilha a dieta alimentar com a sua família, que inclui sete filhos (cinco dos quais ainda são vivos) 14 netos, 25 bisnetos e 13 trinetos, dois dos quais nasceram em 2011.

No Japão vivem mais de 30 milhões de pessoas - 24,1 por cento da população total - com idade superior a 65 anos e cerca de 50.000 com idade superior a 100 anos.

Fonte:
noticiasaominuto.com

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

A EUROPA E A SEGURANÇA ALIMENTAR


A Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA, European Food Safety Agency) comemora este ano a sua primeira dezena de anos. Criada pela União Europeia em 2002 na cidade italiana de Parma, essa Agência ganhou rapidamente jus ao reconhecimento dos cidadãos europeus e não só pela qualidade do seu trabalho. Muito em particular, distinguiu-se pela sua independência baseada na evidência científica, resistindo a pressões de todo o tipo da indústria alimentar e de diferentes interesses organizados em lóbis.

Dou só dois exemplos recentes. Por um lado, publicou em 2012 uma reduzida lista de nutrientes e suas propriedades benéficas que podem ser publicitadas em produtos alimentares, o que contrasta com a enormíssima lista que viria se juntássemos tudo aquilo que os fabricantes apregoam sobre os benefícios dos alimentos na saúde. Muitas marcas não gostaram. Por outro lado, há pouco  tempo fez rapidamente saber que um estudo francês muito publicitado sobre eventuais perigos de alimentos transgénicos em ratos (perigos materializados em desenvolvimentos de tumores) não tinha suficiente validade científica. Os grupos anti-transgénicos não gostaram.

A EFSA é uma das boas instituições que a Europa tem e desejamos-lhe outros dez anos de vida, pelo menos tão bons como os anteriores.


Árvore de Natal comestível

Do blog Ginger & Garlic uma Árvore de Natal que qualquer nutricionista aprova.

BOAS FESTAS!


Composto dos brócolos mata células da leucemia

A forma concentrada de um composto chamado sulforafano encontrado no brócolos e em outros vegetais crucíferos é capaz de reduzir o número de células de leucemia linfoblástica aguda em laboratório, de acordo com investigadores do Baylor College of Medicine, nos EUA. Os resultados aparecem na edição actual da revista PLoS ONE.

"A leucemia linfoblástica aguda é um tipo de cancro das células brancas do sangue comum em crianças. Há cerca de uma taxa de 80% de cura, mas algumas crianças não respondem ao tratamento. Para esses casos, precisamos de tratamentos alternativos", afirma Daniel Lacorazza, um dos responsáveis pelo estudo.

Lacorazza e colaboradores focaram o seu estudo no sulforafano puro, composto natural que se acredita ter propriedades tanto preventivas como terapêuticas em tumores sólidos. Estudos têm mostrado que pessoas que comem uma dieta rica em vegetais crucíferos têm menor risco de alguns cancros.

Para estudar como este composto age sobre a leucemia linfoblástica aguda, os cientistas, liderados por Koramit Suppipat, incubaram linhagens de células leucémicas de origem humana e linfoblastos primários de pacientes pediátricos com o composto. Os resultados mostraram que as células cancerosas morreram, enquanto as células sadias, obtidas de doadores saudáveis não foram afetadas. Estudos testados em modelos pré-clínicos de rato mostraram resultados similares.

Segundo Lacorazza, o composto funciona entrando nas células e reagindo com certas proteínas. Mais estudos serão necessários, mas os cientistas acreditam que este composto pode um dia ser usado como opção de tratamento combinado com terapias actuais.

Fonte: isaúde.net

Corrida/Caminhada de São Silvestre

Para os amantes da corrida ou caminhada, estão aí as corridas de São Silvestre por todo o país. Passe no sítio Run Portugal, aqui, e saiba quando se realiza a corrida de São Silvestre da sua zona. Em Braga é já hoje e conta com a organização do Regimento de Cavalaria nº 6 de Braga. Início da caminhada às 20h30 e da corrida às 21h30 respetivamente. Mais pormenores aqui.   

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O segredo da longevidade de Manoel de Oliveira

Completou ontem 104 anos o cineasta mais velho do mundo ainda em actividade. Natural do Porto, Manoel de Oliveira, ao fim de mais de 30 filmes, continua a sua actividade cinematográfica, pois essa é a maneira de se manter jovem. Numa entrevista dada em 2008 ao jornal Público, quando completou 100 anos, Manoel de Oliveira revelou o segredo da sua longevidade:

"Como sopa, de legumes. Porque um cientista, que fez um exame à nutrição dos americanos que deixaram de comer sopa às refeições, declarou que se eles retomassem a sopa diminuiriam o cancro em mais do que 50 por cento. Também gosto de sopa de peixe..."

Parabéns Manoel de Oliveira e obrigada pelo testemunho. Estas suas declarações fazem-me crer ainda mais que estou no caminho certo quando considero a sopa portuguesa o melhor alimento funcional do mundo. Quem me dera poder entrevista-lo...



SALA DE CONSULTA # 20: Alimentos permitidos em dieta

A Rita veio hoje à segunda consulta e trazia uma lista de alimentos na mão. Queria saber se podiam entrar no seu regime alimentar, tendo em vista a continuação do seu emagrecimento (ela perdeu quatro quilos no primeiro mês), e em que quantidades. Como imagino que a dúvida dela seja a dúvida de outros leitores e seguidores do comerbemateaos100, eis a resposta:

  • Milho: é permitido nos regimes de emagrecimento que faço e é um dos ingredientes possíveis numa salada. Pessoalmente utilizo milho cozido em lata, mas também há milho congelado;

  • Frutos secos: são permitidos, mas devem ser consumidos com moderação por serem gordos e bastante calóricos. Devem evitar-se os que têm excesso de sal.
    Nutricionalmente, os frutos secos possuem uma quantidade elevada de vitamina E, um poderoso antioxidante, e têm na sua constituição essencialmente ácidos gordos monoinsaturados e polinsaturados. Contêm ainda, entre outros micronutrientes, ácido fólico, que previne o aumento da concentração de homocisteína (um aminoácido presente no sangue, que é factor de risco de doença cardíaca) e magnésio, mineral envolvido no controlo da pressão sanguínea. 
    Para quem não quer engordar, os frutos secos devem ser consumidos numa quantidade diária que não ultrapasse os 30 gramas. A título informativo, de acordo com a Tabela de Composição de Alimentos do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), deixo o valor calórico de 100g de alguns dos frutos secos mais consumidos entre nós, por ordem crescente de calorias fornecidas: amendoim - 571 kcal; castanha de caju - 607 kcal; amêndoa - 619 kcal; avelã - 677 kcal; noz - 689 kcal.

     
  • Cenoura cozida ou cenoura crua?: O amido que entra na constituição de um grande número de alimentos amiláceos, como é o caso da cenoura, é assimilado de forma diferente consoante esteja cru ou cozido. Esta é a explicação para a qual  a cenoura crua tem um índice glicémico muito menor do que a cenoura cozida, daí que em regimes de emagrecimento se priveligie a cenoura crua ou mal cozida. Ler mais sobre as características nutricionais e medicinais da cenoura aqui:  http://comerbemateaos100.blogspot.pt/2010/12/propriedades-nutritivas-e-medicinais-da.html.

  • Cogumelos: têm um valor calórico muito baixo porque o nutriente que entra em maior percentagem na sua constituição é a água (cerca de 93%). Têm ainda proteínas e fibras em pequenas quantidades e valores quase residuais de hidratos de carbono e gordura. Aos cogumelos são atribuídas propriedades imunomodulatórias, antioxidantes, anti-inflamatórias e até anticancerígenas. Podem e devem fazer parte de qualquer regime de emagrecimento. Ter apenas em atenção a origem dos cogumelos selvagens apanhados em matas, campos ou pinhais. Os que se encontram à venda nos supermercados, frescos ou congelados, são produzidos em estufa e de consumo seguro. 

  • Gelatina: como expliquei à Rita, a gelatina é a única sobremesa doce permitida nos regimes alimentares que faço. É constituída maioritariamente por água, hidratos de carbono e proteínas. Como não tem gordura é relativamente baixa em calorias (100 g de gelatina fornecem 80 kcal).  A gelatina pode comer-se como sobremesa no final de uma refeição ou ao lanche em substituição de um iogurte.  

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 19: Trabalho nocturno

As dores lombares são um motivo frequente para uma consulta de emagrecimento. A Cláudia, de 28 anos, veio pela primeira vez à minha consulta há cerca de um ano por indicação do seu ortopedista. Ela recorreu ao médico numa situação de urgência devido a uma forte dor na região lombar que lhe provocou imobilidade dos membros inferiores. Pesava então 112 kg e foi, obviamente, aconselhada a perder peso. Quando iniciou as consultas comigo em Janeiro já tinha menos cinco quilos que perdera  sozinha eliminando alimentos que engordam, como fritos, doces, etc.

Não foi fácil preparar o programa alimentar para a Cláudia por causa do seu horário de trabalho, diferente do da maioria das pessoas. Acorda pelas 3h00, sem grande apetite, entra ao serviço às 4h00 da madrugada e sai às 13h00. Deita-se às 22h00, dormindo por isso apenas cinco horas (o que parece, no caso dela, ser suficiente).

A maioria das pessoas que trabalham de noite come mal, na medida em que abusa de refeições à base de pão, bolos, croissants, ou bolachas. Este tipo de refeições são desequilibradas, monótonas e muito calóricas. O melhor nestas situações é adaptar as refeições habituais ao horário nocturno.

Mas voltando à Cláudia: o caso dela é um pouco diferente do da maioria dos trabalhadores nocturnos, uma vez que ela entra no serviço a meio da madrugada e sai à hora do almoço. Não se deita quando chega a casa. Como passa uma grande parte do dia acordada, cerca de 19 horas, organizei as refeições dela, seis por dia, do seguinte modo:
  • 06h00, pequeno-almoço: 1 galão  sem açúcar + 1 pão escuro torrado com queijo magro ou fiambre
  • 09h00, lanche da manhã (1): 1 iogurte sólido de aromas
  • 12h00, lanche da manhã (2): 1 peça de fruta
  • 13h30, almoço: sopa de legumes + peixe ou carne com salada ou legumes + fruta
  • 17h00, lanche: 1 iogurte sólido de aromas + 1 peça de fruta ou, como alternativa, 1 chá sem açúcar + 6 minitostas integrais (destas)
  • 20h00, jantar: idêntico ao almoço
Substituiu o sofá pelo ginásio, três vezes por semana às 16 h, e faz natação duas vezes por semana. Resultado: perdeu 23 quilos e indiquei-lhe como objectivo para a próxima consulta, em Janeiro, atingir  85 kg. A Cláudia nunca mais sentiu dores na coluna. Além disso parece mais nova, ou melhor, agora aparenta a idade que realmente tem. Parabéns, Cláudia: um resultado assim só se consegue com grande determinação.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

SALA DE CONSULTA #18: Ser gordinho e ser saudável

Os dois homens mais pesados que ja passaram pela minha consulta, o Pedro e o Manuel, ambos com algumas dezenas de quilos acima dos 100 kg, deixaram-me surpreendida porque ao contrário do que seria de esperar estão com baixo risco relativamente ao índice aterogénico. O Índice Aterogénico calcula-se  dividindo o colesterol total pelo HDL-colesterol. O resultado deverá ser, idealmente, inferior a 5 e ambos estão bastante abaixo do valor referido.

Têm uma aparência saudável, não têm diabetes, nem hipertensão e apenas estão descontentes com o cansaço fácil e uma dor ou outra nas articulações dos membros inferiores.

Questionados por mim acerca dos seus hábitos alimentares verifiquei que tinham em comum preferirem o peixe à carne, não consumirem bebidas alcoólicas (apenas socialmente), nem refrigerantes e gostarem e comerem sopa diariamente em ambas as refeições principais. O principal erro, no entanto, que ambos cometiam era no número de refeições: o Pedro comia apenas duas vezes por dia: o almoço e o jantar, e o Manuel, menos mal, fazia três refeições por dia: pequeno-almoço, almoço e jantar.

Cheguei à conclusão que a obesidade destas dois homens devia-se, obviamente, a alguns excessos alimentares, mas principalmente à total inactividade física. Ambos na casa dos 40 anos, tinham praticado muito desporto quando mais jovens e ainda estudantes. O início da vida profissional, aos vinte e poucos anos, com uma paragem quase radical de praticar exercício físico, mas habituados a comer bem para sustentar a exigência do desporto, ditou o início do ganho de peso que os levou à obesidade.

 O tratamento prescrito foi simples e já está a dar resultados: organizamos as suas refeições em cinco por dia, reduzimos a quantidade nas refeições principais e ambos retomaram o exercício físico. Já experimentaram a redução do peso e, apesar de estarem longe da meta e de saberem que ainda terão que me "visitar" durante mais algum tempo, estão entusiasmados. O Pedro dizia-me na última consulta:"-Fazia falta na minha vida o desporto e eu não sabia. Sinto-me outro e com o dobro da energia!

Acredito que estes dois homens, graças aos seus hábitos e gostos alimentares, são, pelo menos do ponto de vista cardiovascular, mais saudáveis do que outros com menos peso. Lembro que o peixe, principalmente os chamados peixes gordos, fornecem ácidos gordos insaturados do tipo ómega-3, como o eicosapentanóico (EPA) e o docosahexanóico (DHA), que conferem protecção cardiovascular. São também boa fonte de vitamina D, que se encontra dissolvida na gordura, fundamental para a saúde dos ossos. Esta vitamina tem vindo, nos últimos anos, a ganhar relevância como factor fundamental na prevenção e tratamento de várias doenças como as cardiovasculares, hipertensão, cancro, diabetes e a obesidade.

Costumo dizer que é mais saudável um gordinho que se alimente correctamente e que faça exercício físico do que um magrinho que, por não engordar, come sem regra e nem se preocupa em fazer qualquer exercício fisico. Todos precisamos de cuidar da alimentação e de nos mexer mais.

A enxaqueca

A crise de enxaqueca que tive esta semana só terminou no hospital levando-me, pela primeira vez, a querer saber mais sobre esta doença que não tenho levado a sério apesar de sofrer com ela desde criança. Descobri, por exemplo, um artigo intitulado "A enxaqueca", revista Pro Teste nº141 de Outubro de 1994, que começa assim:
"O que é que há de comum entre Júlio César, Lincoln, Darwin, Chopin, Wagner e Tchaikovsky? Resposta: todos eles sofriam de enxaqueca."  

Apesar do artigo ter quase vinte anos, aprendi algumas coisas ao lê-lo partilhando aqui pequenos fragmentos. Uma das coisas que não sabia é que em determinadas alturas a dor já não passa com comprimidos, apenas com o medicamento injectável. Este foi o motivo que me fez ir ao hospital. Eram três e vinte da madrugada e o comprimido tomado à uma não tinha proporcionado nehuma melhoria. Eis a explicação:
"...o estômago fica quase em inactividade durante a crise. Esta é a razão que explica o facto de o tratamento oral ser muitas vezes ineficaz: ou porque o estômago inerte não absorve os comprimidos, ou porque os faz voltar à boca ."

Quanto aos alimentos que podem ser desencadeadores de uma crise de enxaqueca diz:
"Certos alimentos são apontados como causadores de enxaquecas. Ou seja, 15% das crises seriam devidas à ingestão de álcool (mesmo em pequenas quantidades), de chocolate ou de café. O queijo e os citrinos também são muitas vezes apontados. Se as pessoas sensíveis a estes alimentos os eliminarem do seu regime alimentar as crises talvez não desapareçam totalmente, mas serão, em todo o caso mais espaçadas." 

A wikipédia refere como factores dietéticos desencadeadores de uma crise de enxaqueca o glutamato monossódico (aditivo alimentar utilizado pela indústria alimentar como intensificador de sabor), os nitratos (presentes em salsichas e salames), o aspartame, a cafeína (presente no café, chá, Coca-Cola e bebidas energéticas), o álcool e o jejum.  

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Testemunho de um leitor

Um simpático seguidor deste blog deixou o seu testemunho na caixa de comentários do post "SALA DE CONSULTA XVII: Obeso, diabético, hipertenso e ex-fumador". Acredito que todas as histórias de sucesso são o melhor incentivo para os que querem mudar o seu estilo de vida. Ler uma história como a do Manuel pode ser o "clic" que lhe faltava. Vale a pena ler...

De volta...

Uma semana intensa de trabalho e uma enxaqueca fortíssima, que durou dois dias, justificam a minha ausência da blogosfera neste período. Mas, estou de volta...

Informação recebida da Europacolon Portugal, Associação de Luta Contra o Cancro do Intestino:

Vimos por este meio informar que já pode efectuar a sua PRÉ-INSCRIÇÃO nos Grupos Terapêuticos para Pacientes ou Sobreviventes de Cancro do Intestino.Os grupos terapêuticos são um método de psicoterapia onde são utilizadas técnicas de psicologia em grupo. Nestes grupos através da intervenção do terapeuta (psicólogo) e de todos os participantes pretende-se que a terapia de grupo promova a adaptação à doença oncológica através do recurso:- à psico-educação, - à partilha das experiências individuais da vivência da doença oncológica - e do ensino de diferentes estratégias psicológicas.  Basta aceder ao seguinte Link e preencher a ficha com os seus dados: https://docs.google.com/spreadsheet/embeddedform?formkey=dHlRVFNsNXlneTI5bGNfcDM4VGptV3c6MQOs

Grupos Terapêuticos de Apoio Psicológico terão lugar na sede da Europacolon Portugal. O horário e a data de início serão definidos logo que esteja terminado o período de pré-inscrições. Não perca esta oportunidade. A sua participação é gratuita! Para mais informações sobre os objetivos destes Grupos contacte-nos.

Europacolon Portugal,Associação de Luta Contra o Cancro do Intestino
Estrada Interior da Circunvalação, nº 6657-1º- sala 145
4200-177 Porto
Tel.: 22 540 0441
Fax.:22 540 0442
Tlm.:91 5785590
Email: europacolon@mail.telepac.pt
LINHA DE APOIO: 808 200 199

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 17: Obeso, diabético, hipertenso e ex-fumador

O senhor José Carlos, um homem de 45 anos, veio ontem à consulta de controlo de peso. Iniciou as consultas em Maio passado, por conselho do médico de família, com um quadro de obesidade mórbida (IMC>40 kg^m2) com diabetes e hipertensão associadas. Tomou a decisão de deixar de fumar em 2011 e fe-lo, com grande determinação, de um dia para o outro, mas foi ganhando peso o que agravou a sua obesidade.

A balança que tenho no consultório é um analisador da composição corporal que obriga os utentes a pesarem-se sem sapatos e sem meias. Recordo-me que o senhor José Carlos, quando veio pela primeira vez à consulta, ficou cansado e com respiração ofegante com o simples acto de apertar os sapatos e guardou as meias no bolso porque o esforço de as calçar era, para ele, muito grande.

A partir desse dia de Maio tem cumprido escrupulosamente as indicações alimentares que lhe dei e já perdeu 14 quilos. A actividade física que desenvolve é agricultura e criação de animais as quais se têm revelado mais do que suficientes para ajudar a reduzir o peso. O senhor José Carlos não pára um segundo e já começou a sentir  melhorias no controlo da sua diabetes tendo até, de acordo com a orientação do médico de família, suprimido um dos medicamentos que estava a tomar e a tensão arterial diminuiu. Contou-me que a principal alteração alimentar que fez foi comer  sopa nas duas principais refeições sendo o jantar, na maior parte dos dias da semana, constituído por dois pratos de sopa sempre com feijão ou grão de bico (porque as leguminosas têm proteína, como lhe expliquei) e fruta, como sobremesa. Disse-me ainda que antes de vir à consulta era impensável para ele passar sem comer pelo menos duas costeletas ou quantidade idêntica de outra carne. Agora come mais vezes peixe e até passou a preferi-lo à carne.

O senhor José Carlos está admirado como tem conseguido perder peso sem sentir fome e disse-me que sempre pensou que teria que passar muita fome e isso assustava-o, principalmente porque o seu trabalho é muito exigente fisicamente e tinha receio de sentir fraqueza.
Ele está feliz e eu dou-lhe a maior força para continuar. Levou como objectivo para a próxima consulta vir com um peso com apenas dois dígitos. Baixar a barreira dos 100 kg é uma vitória que faz bem ao ego.

NOTA: Os casos aqui contados na rubrica "Sala de Consulta" baseiam-se em casos reais, mas todos os nomes são trocados, assim como alguns pormenores são alterados, para garantir a absoluta privacidade dos doentes.

Relação entre bactérias intestinais e obesidade

A relação entre bactérias e obesidade começou a ser estudada em meados dos anos 2000, quando o microbiologista Fredrik Bäckhed, da Universidade Washington, em Saint Louis, observou que ratinhos criados em ambientes estéreis, ou seja, com pouco contacto com bactérias, tendiam a ser mais magros em relação às cobaias que se expunham aos microrganismos. Bäckhed fez então um transplante da flora intestinal entre os animais. Por meio de cápsulas, os ratos magros receberam as bactérias presentes nos intestinos dos ratos gordos, e vice-versa. O resultado foi surpreendente: os magros ganharam peso e os gordos emagreceram.

No início do ano, um estudo da Universidade Yale, nos Estados Unidos, ajudou a detalhar quais micróbios estão associados à obesidade. A flora intestinal é composta por triliões de bactérias, divididas em duas principais classes: firmicutes e bacteroidetes. As primeiras são mais resistentes à ação do sistema imunológico. As segundas, além de mais vulneráveis, estimulam as células de defesa a produzir substâncias anti-inflamatórias. Um organismo saudável contém os dois tipos em quantidades semelhantes. Por meio de biópsias intestinais feitas nas cobaias de laboratório, os investigadores de Yale mostraram que os ratos obesos apresentam uma quantidade maior de bactérias da família das firmicutes.

O mais recente Congresso Europeu de Diabetes, realizado há um mês em Berlim, na Alemanha, trouxe ainda mais novidades. Investigadores do Centro Médico Académico de Amsterdão, na Holanda, um dos principais centros de referência nos estudos sobre microbiologia, apresentaram os resultados de estudos sobre o assunto conduzidos em seres humanos. Nove homens com excesso de peso, portadores de diabetes tipo 2 e com a flora intestinal desequilibrada, receberam bactérias de nove homens magros e com os intestinos em equilíbrio. Outros nove voluntários, também acima do peso, serviram de grupo de controlo. Depois de seis semanas, os voluntários do primeiro grupo perderam cerca de 4 quilos, mantendo os hábitos de vida inalterados. Os outros não sofreram mudanças. Os organismos que emagreceram também melhoraram a sensibilidade à insulina, a hormona responsável por transportar glicose às células. Não houve mais intervenções. Um ano depois, os homens que emagreceram retomaram o peso inicial o que sugere que o tratamento com bactérias deverá ser contínuo.

Fonte
veja.abril.com.br
Imagem
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0004-27302009000200004&script=sci_arttext

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Fórmula matemática prevê o risco de obesidade infantil em bebés recém-nascidos

Com o objectivo de prevenir a obesidade o mais cedo possível na vida de um ser humano, uma equipa internacional de cientistas desenvolveu uma fórmula capaz de prever o risco de um bebé recém-nascido desenvolver obesidade ao longo da infância. A fórmula,  desenvolvida pela equipa coordenada por Philippe Froguel, investigador do Imperial College de Londres, tem em consideração o IMC dos pais antes da gravidez, o peso da mãe durante a gestação, o peso do bebé ao nascer, a profissão materna, o tabagismo durante a gravidez e o número de pessoas na família do recém-nascido para prever o risco do bebé ter obesidade na infância ou na adolescência.

O estudo foi publicado na revista PlosOne.

Pipocas com telemóvel e outras historias de falsa ciência

Pipocas com telemóvel e outras historias de falsa ciência, Gradiva 2012, é o novo livro da autoria do físico Carlos Fiolhais e do bioquímico David Marçal, dois cientistas que desmontam de forma séria e muito clara algumas informações de falsa ciência que circulam por todo o lado.

O capítulo três, "Falsa ciência no supermercado: uma vida melhor e com mais descontos", alerta especificamente para as alegações de saúde contidas nos rótulos de alguns alimentos que, segundo os autores, não têm fundamento científico. Por exemplo, os benefícios para a saúde na publicidade aos iogurtes que têm determinadas bactérias que alegadamente fortalecem o sistema imunitário ou que regulam o trânsito intestinal. Os autores sustentam que não há estudos suficientes que apoiem estas informações, tendo havido mesmo casos de marcas que foram multadas.

Transcrevo um excerto do sub-capitulo intitulado "Iogurtegate":
"Em Dezembro de 2010 a multinacional Danone concordou em pagar uma multa de 21 milhões de dólares no âmbito de um acordo com a Federal Trade Commission (FTC), a entidade norte-americana que regula questões de consumo. Em causa estavam afirmações publicitárias exageradas acerca dos benefícios para a saúde dos produtos Activia e Actimel que, segundo aquele regulador concluiu, não passariam de publicidade enganosa. Os iogurtes multados são aqueles que contêm bactérias especiais com direito a nome no rótulo, com alegados benefícios para a saúde, conhecidas como probióticos. Para além das duas bactérias tradicionais presentes nos iogurtes (Lactobacillus bulgaricus e de Streptococcus thermophilus), o Activia contém Bifidobacterium animalis lactis e o Actimel Lactobacillus casei. No âmbito do referido acordo a Danone reconheceu que não existe qualquer evidência científica de que um iogurte Activia por dia «regula o trânsito intestinal» ou de que a bebida Actimel previne gripes e constipações." 

Neste capítulo podemos ainda saber mais sobre se há ou não fundamento científico na eficácia apregoada pelo marketing da indústria alimentar acerca dos antioxidantes, dos multivitamínicos e dos ómega-3.

Mais pormenores sobre o livro e os seus autores, aqui.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A soja não tem qualquer efeito na redução dos sintomas da menopausa

Um estudo recentemente publicado no The Journal of The North American Menopause Society mostra que o consumo de soja ou produtos de soja, como tofu ou bebida de soja, ao contrário do que tem sido divulgado, não tem nenhum efeito clinicamente significativo na redução do aparecimento de ondas de calor e de suores noturnos, em mulheres na menopausa.

O estudo envolveu mais de 1600 mulheres de várias etnias, seguidas durante dez anos. O principal factor dietético estudado foram os fitoestrogénios. Predominantemente encontrados no tofu, bebida de soja (incorrectamente chamada leite de soja) e outros alimentos com soja, os fitoestrogénios têm uma estrutura química semelhante ao estrogénio acreditando-se que imitam os efeitos da hormona no corpo feminino. Como os níveis de estrogénio diminuem durante a menopausa, os investigadores acreditavam, até aqui, que uma dieta rica em fitoestrogénios poderia reduzir os sintomas da menopausa. Neste estudo, foi ainda avaliado o consumo de fibra, porque se pensa que estas aumentam a disponibilidade dos estrogénios no corpo.


O estudo não encontrou nenhuma correlação consistente entre o consumo de fitoestrogénios e fibra e a diminuição dos sintomas da menopausa, como ondas de calor e suores noturnos, em mulheres na menopausa.


Referência:
1.Ellen B. Gold, Katherine Leung, Sybil L. Crawford, Mei-Hua Huang, L. Elaine Waetjen, Gail A. Greendale. Phytoestrogen and fiber intakes in relation to incident vasomotor symptoms. Menopause: The Journal of The North American Menopause Society, 2012; : 1 DOI: 10.1097/gme.0b013e31826d2f43

Composto presente no alecrim protege contra a degeneração macular

Investigadores do Sanford-Burnham Medical Research Institute, nos EUA, descobriram que um componente do alecrim promove a saúde ocular. A equipa liderada por Stuart A. Lipton descobriu que o ácido carnósico protege a retina de degeneração e de toxicidade em culturas de células e em modelos de roedores com lesão na retina induzida pela luz. Este efeito deve-se à acção antioxidante do ácido carnósico presente no alecrim. 


Para ler a notícia completa clique aqui.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 16: Tratar a Obesidade Infantil

Em Portugal, o problema da obesidade infantil é muito preocupante já que  o nosso país apresenta uma das taxas mais elevadas da Europa, com maior incidência nas raparigas do que nos rapazes. As crianças que estão a frequentar o primeiro ciclo do ensino básico são as que têm maior risco de obesidade e deve ser nestas idades, entre os seis e os nove anos, que os pais de crianças com excesso de peso devem procurar ajuda profissional. O tratamento da obesidade infantil é muito difícil sendo elevadas as taxas de insucesso e é tanto mais difícil tratar quanto maior for o grau de obesidade e a idade da criança.

Ouço frequentemente os pais de crianças obesas na faixa etária dos 6 aos 10 anos  dizerem que não se preocupam porque quando ele ou ela crescer, emagrece. Mas não é bem assim. Para a grande maioria, o excesso de peso acompanha-os na adolescência e prolonga-se na idade adulta.

O número de crianças obesas que afluem à minha consulta é cada vez maior. O tratamento da obesidade infantil é um processo longo e penoso que exige muita persistência e no qual devem estar envolvidos ambos os pais e toda a família que mais de perto convive com a criança. Estas pessoas são, no seu conjunto, a chave do sucesso.

As crianças não necessitam de fazer dieta para perderem peso. Basta que os pais e a restante família estejam informados e façam cumprir as principais regras de alimentação saudável e equilibrada. Isto implica obviamente recusar-lhes um sem-número de alimentos processados, hipercalóricos e nutricionalmente muito pobres, pelos quais eles têm normalmente uma enorme apetência. Refiro-me aos cereais de pequeno-almoço, aos "sumos" (colas, ice-teas, laranjadas, gasosas, sumo de laranja feito à base de concentrado ou de pó, néctares de fruta, etc.), aos croissants, bolicaos, chipicaos, queques, batatas fritas e a todo o tipo de bolachas e guloseimas.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 15: A Fase de Manutenção

A fase de manutenção do peso é tão importante como a fase de emagrecimento e por isso, para um grande número de pessoas, manter a visita regular ao nutricionista é muito importante. O que costumo fazer, na maioria dos casos, é marcar duas consultas por ano e, pelo que me têm dito os que tenho tratado, este compromisso faz toda a diferença na manutenção do comportamento alimentar e nos hábitos de exercício físico recomendados.

A Sofia esteve ontem na consulta e anda cá desde 2010. Chegou com um quadro de obesidade no seu início (obesidade grau 1, IMC=30 kg^m2) e atingiu o que consideramos ser o seu peso ideal no espaço de nove meses (IMC=24 kg^m2). Entrou, por isso, na fase de manutenção. Ela tem-se aguentado com oscilações no peso na ordem dos dois, três quilos. Expliquei-lhe que era necessário controlar o peso e que sempre que aumentasse ela saberia porquê, saberia exactamente quais os alimentos que passou a comer que fizeram com que ganhasse peso. Disse-lhe também que o aumento de três quilos é o limite máximo. A partir daqui, nem mais uma grama, parando imediatamente de comer os alimentos responsáveis pelo ganho de peso e voltando a praticar exercício, para perder os quilos adquiridos. E é o que tem feito.

Ontem, quando a Sofia se pesou, tinha um quilo extra e disse-me que já tinha perdido um. Engordou porque andava com uma vontade imensa de comer pão na hora do lobo, acabando por ceder à sua vontade de forma continuada. Entretanto leu aqui no blog o exemplo da Cristina e passou também a comer sopa, em vez do pão, às seis da tarde quando chegava a casa. Depois calçava os ténis, pegava no cão, um labrador retriver, e ía correr. Resultado já perdeu peso e recuperou o ânimo. 

Nos meses de Outono e Inverno, quando está frio, é normal sentirmos necessidade de alimentos ricos em hidratos de carbono, como o pão, ou pior, os bolos, bolachas e doces, porque são estes que facilmente o organismo transforma em energia calorífica necessária para nos mantermos quentes. Podemos ceder de vez em quando, mas sempre atentos ao peso. Se estivermos a aumentar, o melhor é confortar-nos com um prato de sopa como fez a Cristina, a Sofia e até eu passei a fazer isso. Acreditem, sabe mesmo bem.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Loja Bebé Gourmet

Duas seguidoras do 'comer bem ate aos 100' enviaram-me um mail muito simpático a convidarem-me para visitar a loja Bebé Gourmet, especializada em alimentação infantil, que abriram no início do mês em Lisboa. Eis o que nos dizem acerca do conceito:

"A Bebé Gourmet é uma marca especializada em alimentação infantil. Oferecemos refeições de elevada qualidade, cozinhadas com ingredientes biológicos e de forma tradicional e caseira. Temos uma loja em Telheiras, aberta desde o início do mês, na qual vendemos as nossas refeições em regime de 'take away' e fornecemos almoços para creches e infantários."

Mais informações no site www.bebegourmet.pt e na página de facebook www.facebook.com/bebegourmetpt

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Muito além do peso #2

Veja mais algumas imagens do filme "Muito além do peso" e os comentários dos responsáveis pela direcção e produção do documentário. O que se passa no Brasil, passa-se aqui em Portugal e em todo o mundo. A indústria alimentar aproveita o desleixo dos pais para fazer "terrorismo" alimentar. É verdadeiramente preocupante!

Muito além do peso #1

"Muito além do peso" é o título do documentário, em estreia no Brasil, dirigido por Estela Renner que pretende promover a discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no Mundo. O filme alerta para as principais causas do aumento da obesidade infantil: a alta e precoce ingestão de açúcar, a mudança dos hábitos alimentares, a pouca informação dos pais, o bombardeio de propagandas e a clara predisposição das novas gerações serem ainda mais obesas.


Sinopse
Pela primeira vez na história da raça humana, as crianças apresentam sintomas de doenças de adultos. Problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2. Todos têm na sua base a obesidade. O documentário discute por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.


Trailer Oficial MUITO ALÉM DO PESO - em novembro nos cinemas from Maria Farinha Filmes on Vimeo.

Diretor: ESTELA RENNER Fotografia: Renata Ursaia Montagem: Jordana Berg Música: Jukebox Produtor: Marcos Nisti, Juliana Borges Produção: Maria Farinha Filmes

terça-feira, 20 de novembro de 2012

Crise leva pessoas a engordar e a dormir pior

O consumo de alimentos mais baratos por causa da crise está a provocar um aumento do número de pessoas obesas, que dormem cada vez pior devido a problemas respiratórios, afirmou Vítor Oliveira, presidente da Sociedade Portuguesa de Neurologia (SPN), a propósito do Congresso de Neurologia 2012.

A obesidade é, segundo Vítor Oliveira, um fator importante para as dificuldades no sono, nomeadamente a apneia obstrutiva do sono, pois "as pessoas mais gordas têm dificuldade em respirar".

Os especialistas recomendam, por isso, uma maior atenção aos alimentos que se ingerem e defendem a prática desportiva que "não precisa de ser em ginásios, pois quem corre na rua ainda não paga impostos".

Ler notícia completa em noticiasaominuto.com

SALA DE CONSULTA # 14: Cancro da mama e obesidade

O número de mulheres que me consultam e que foram vítimas do cancro da mama aumentou significativamente nos últimos tempos. Elas procuram-me porque têm peso a mais e porque querem saber a melhor alimentação para maximizar a eficácia do tratamento e prevenir a recidiva do cancro. Conto-vos o caso de uma delas que veio pela primeira vez à minha consulta no mês passado.

No dia 25 de agosto de 2011 a Catarina, de 42 anos, soube que tinha cancro da mama ao efectuar um exame de rotina. O seu choque foi grande, mas, com o apoio da família, não desanimou e partiu para a luta. Sujeitou-se a cirurgia para remoção do tumor a qual se seguiram tratamentos de quimioterapia.

Apareceu na minha consulta por indicação do seu médico de família, no passado mês de Outubro, para diminuir a sua obesidade. A Catarina já terminou os tratamentos de quimioterapia, mas toma o tamoxifeno, um medicamento utilizado para tratar alguns tipos de cancro da mama que tem como efeito adverso a osteoporose. Ela pensa que, talvez devido a esse medicamento, as dores nas articulações, principalmente nos joelhos, aumentaram e a médica disse-lhe que tinha toda a vantagem em diminuir o peso.  

Com quatro irmãos e muitos sobrinhos, toda a família a mimou durante os meses de tratamento. Segundo contou, um dos irmãos é chef de profissão e duas irmãs gostam de cozinhar, pelo que faziam  óptimas iguarias com o mesmo objectivo: agradar à Catarina. Resultado: ela engordou 12 quilos no último ano. Bastou-me pôr "ordem" na alimentação da Catarina, realçando a necessidade de aumentar o consumo de legumes, em particular de brócolos, e pedir-lhe que caminhasse todos os dias, para que os resultados aparecessem: em apenas um mês ela perdeu cinco quilos. Confessou-me que não lhe custou e disse-me que as dores nos joelhos, que atribuíra à toma do tamoxifeno, estavam a desaparecer.  

Sabe-se que o cancro da mama anda de braço dado com a obesidade, mas também pode ter uma origem genética. Quando essa componente genética existe, os factores ligados ao estilo de vida desempenham um papel importantíssimo, tanto para fazer com que os genes do cancro se expressem como para impedir ou atrasar essa expressão.

Vários estudos dizem-nos que, se as mulheres com mutações nos genes identificados como causadores do cancro da mama, não procurarem ter um estilo de vida saudável, o seu risco de contrair cancro da mama sera de 80 por cento. Pelo contrário, aquelas que cuidarem da sua alimentação, comendo maior quantidade de legumes e frutas, têm um risco menor.

Mas a pergunta impõe-se: o que é que os brócolos têm que os torna especiais na luta e prevenção do cancro da mama? Um estudo publicado por cientistas da Universidade de Michigan, na revista Clinical Cancer Research, mostra como o sulforafano, um composto presente nos brócolos e nos rebentos de brócolos, pode ajudar a prevenir e ate a tratar o cancro da mama. Este composto actua sobre as células-estaminais (células que possuem a capacidade de se dividir, dando origem a células semelhantes às progenitoras) cancerosas, destruindo-as, o que impede o crescimento de tumores.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Dinamarca retira imposto "anti-obesidade"

Em 2011, a Dinamarca foi notícia por se ter tornado no primeiro país do mundo a taxar os alimentos ricos em gordura como a manteiga, queijo, leite, azeite, óleo, carne, pizza, batatas fritas, bolachas, aperitivos, snacks, etc. O imposto especial incidia sobre todos os produtos que continham mais de 2,3 por cento de gorduras saturadas tendo, por exemplo, um pacote de manteiga sofrido um aumento de 14% e uma garrafa de azeite um aumento de 7%. O 'imposto anti-obesidade', como ficou conhecido, gerou grande polémica quer entre os consumidores, quer entre os produtores, porque inflaccionou os preços dos produtos. Na altura, a medida fez esgotar os stocks de queijo, manteiga e azeite antes de ser aplicado o imposto. Actualmente muitos dinamarqueses cruzam a fronteira para ir fazer as suas compras à Alemanha.

Afinal o imposto anti-obesidade não fez diminuir o consumo dos alimentos considerados "não saudáveis". Este e os outros motivos levaram o governo dinamarquês a recuar.

A taxa de obesidade na Dinamarca é de 13 por cento, número inferior ao da maioria dos países industrializados.

Fonte
cienciahoje.pt

quinta-feira, 15 de novembro de 2012

Cientistas americanos produziram uma molécula capaz de tratar a obesidade e a síndrome metabólica

Uma molécula produzida a partir da junção das hormonas estrogénio e GLP-1, que age no sistema digestivo, foi capaz de controlar factores associados à síndrome metabólica em ratinhos obesos. Os animais conseguiram perder peso e controlar os níveis de glicose no sangue sem apresentar efeitos colaterais relacionados com as doses de estrogénio.

O estudo publicado esta semana na edição da revista Nature Medicine sugere que a molécula pode ajudar a combater os problemas associados à sindrome metabólica. Os investigadores afirmaram que os estudos em torno dessa molécula vão continuar até que fique claro se a abordagem pode funcionar em seres humanos.

quarta-feira, 14 de novembro de 2012

e-Book: A criança e a diabetes: aqui aprendes a comer

A propósito do Dia Mundial da Diabetes, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas disponibiliza o e-Book intitulado "A criança e a Diabetes: Aqui aprendes a comer". Faça o download aqui.

terça-feira, 13 de novembro de 2012

Dia Mundial da Diabetes

Amanhã, dia 14 de Novembro, comemora-se o Dia Mundial da Diabetes. Este dia é assinalado desde 1991 e foi criado pela Federação Internacional da Diabetes e pela Organização Mundial de Saúde. A data escolhida assinala o aniversário de Frederick Banting (à direita na imagem) a quem é atribuída a descoberta da insulina.

A diabetes é uma doença crónica que afecta cada vez mais as populações dos países desenvolvidos e dos países em vias de desenvolvimento. Reflecte as consequências dos processos de industrialização, desenvolvimento económico e globalização alimentar responsáveis pelo aumento do sedentarismo e da modificação dos hábitos alimentares.

Em Portugal, segundo dados da Sociedade Portuguesa de Diabetologia, há cerca de meio milhão de diabéticos, o que corresponde a 5% da população.

Termino com uma frase que ouvi de um médico endocrinologista num dos últimos congressos sobre diabetes a que assisti e que me deixou a pensar:

"A diabetes tipo 2 é a doença dos ricos dos países pobres e a doença dos pobres dos países ricos".

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

SALA DA CONSULTA # 13: A Hora do Lobo

A Cristina soube, há um ano, que o filho de sete anos tem diabetes tipo 1. Desde então, com a angústia contínua que sente e as manhãs passadas no hospital pediátrico a aprender a viver com a diabetes do filho, engordou doze quilos. 

Quando arranjou um bocadinho para tratar de si, procurou-me para tentar emagrecer. "Não me sinto bem. Canso-me facilmente e tenho dores nos joelhos, pareço uma velha." Fiz-lhe o habitual questionário sobre os hábitos alimentares e detectei que a Cristina, como dezenas de outras pessoas, come de uma forma razoalvelmente equilibrada ao longo do dia nas horas do trabalho. O problema começa a partir do momento em que entra em casa ao fim da tarde.  

Alguém chamou "a hora do lobo" a este momento, quando se dá um descontrolo da ingestão alimentar, quando caímos numa cadeia de acções inconscientes sem discernimento nem sabedoria. O stress, a angústia e o sofrimento, juntos ou cada um por si, podem ser os responsáveis pela compensação que se procura então na comida. Se esta compensação for consciente, não será grave porque a pessoa saberá que passou os limites e voltará a curto prazo a uma alimentação equilibrada. Se a comida for usada como escape, de uma forma inconsciente e continuada, poderão surgir episódios frequentes de compulsão alimentar com perda do controlo voluntário da ingestão de alimentos que levam invariavelmente à obesidade. É o que se chama comer sem regra. Nesta situação o perigo está na instalação de um ciclo vicioso de frustração e carência que determina a compulsão alimentar e, portanto, mais frustração e carência. O que fazer para prevenir este quadro?

A ajuda do ou da  nutricionista é indispensável nestes casos porque ele ou ela coloca regras explicando quais são os alimentos que propiciam os episódios de compulsão alimentar. 

Quando chegamos a casa cheios de fome o que fazemos é procurar alimentos que nos saciem e nos proporcionem prazer. São os alimentos com mais sabor e paladar, que possuem mais gordura, sal, condimentos ou açúcar que reunem as características que procuramos inconscientemente. Não é à toa que os croissants, o pão, as bolachas, os queijos, os enchidos, a manteiga, o chocolate, os bolos e as sobremesas são os mais referidos e estão no top ten dos mais consumidos na "hora do lobo". 

Recomendei à Cristina que passasse a ter maçãs com bom aspecto no escritório e que, antes de sair, agarrasse numa e a comesse pelo caminho. Depois, quando chegasse a casa, iria lanchar. Podia optar por iogurte de aromas e mais uma peça de fruta ou, nos dias mais frios, um chá com minitostas integrais (normalmente recomendo as da marca Pingo Doce, que são muito agradáveis e só fornecem 80 quilocalorias, mas há outras marcas).

Nos dias em que chegasse a casa esfomeada e quase em cima da hora do jantar, o melhor seria aquecer um prato de sopa e comê-la. Expliquei-lhe que a sopa é um alimento nutricionalmente fantástico com a vantagem de ter poucas calorias. E foi o que passou a fazer. A Cristina disse-me que, nos dias frios, como os que têm estado, lhe sabe lindamente a sopa que toma às 18h30 quando chega a casa. Com esta e outras pequenas alterações, ja perdeu 5 kg em apenas um mês e meio. Sente-se melhor e prometeu continuar. E eu, claro, dou-lhe mais força para ela atingir o seu objectivo.

Ciclo de Conferências de Alimentação

Durante o mês de Novembro vai realizar-se no Centro de Saúde de Eiras, em Coimbra, um Ciclo de Conferências sobre Alimentação. As conferências têm lugar às 15h00 e os temas apresentados são:
  • "Alimentação e Diabetes" dia 15 de Novembro de 2012, tema que vem a propósito das comemorações do Dia Mundial da Diabetes
  • "Alimentação e colesterol elevado", dia 22 de Novembro de 2012
  • "Alimentação e hipertensão arterial", dia 29 de Novembro de 2012
Estas sessões têm como objectivo fornecer informação sobre as principais doenças que decorrem dos excessos e desequilíbrios alimentares tendo em vista a sua prevenção e controlo.

A entrada é livre.

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 12: Apneia do sono

A apneia obstrutiva do sono caracteriza-se pela existência, durante o sono, de paragens de respiração. As pessoas com esta doença, mais frequente nos homens do que nas mulheres, têm um ressonar intenso. As paragens da respiração durante o sono resultam de um colapso da faringe. As causas podem estar relacionadas com a  constituição anatómica da faringe, mas também existem causas externas, como o excesso de peso, consumo de bebidas alcoólicas, sobretudo à noite, tabaco, sobrealimentação ao jantar e consumo de medicamentos para dormir.

O Francisco apareceu na minha consulta em Março com o diagnóstico de apneia obstrutiva do sono. Tem 44 anos, apresentava obesidade grau 1, IMC = 32 kg/m^2, e vinha, por aconselhamento do pneumologista, determinado a reduzir peso a fim de evitar o uso diário e vitalício de um aparelho de ventilação nasal para dormir, idêntico ao da imagem.

Passaram oito meses desde a primeira consulta e o Francisco já diminuiu doze quilos devido aos hábitos alimentares que adquiriu e ao exercício físico. Conseguiu arranjar tempo para praticar natação três vezes por semana e faz jogging ao fim-de-semana. Já parece mais novo e não se sente cansado, nem adormece facilmente durante o dia, sintomas que o levaram ao médico quando lhe foi diagnosticada a apneia obstrutiva do sono. Ele irá em breve consultar o pneumologista e, tanto ele como eu, estamos ansiosos pela nova avaliação. Será que resolveu o problema? Vamos ver...   

Tal como ao Francisco, e independentemente da causa da apneia obstrutiva do sono, os médicos aconselham sempre os doentes com excesso de peso a reduzi-lo.  

NOTA: Os casos aqui contados na rubrica "Sala de Consulta" baseiam-se em casos reais, mas todos os nomes são trocados, assim como alguns pormenores são alterados, para garantir a absoluta privacidade dos doentes.

Actividade física de lazer aumenta esperança de vida independentemente do peso

Aproveitar os momentos de lazer para praticar alguma actividade física, como caminhar ou pedalar no parque, aumenta a esperança de vida independentemente da intensidade do exercício ou do peso do indivíduo, concluíram investigadores da Universidade de Harvard e do Instituto Nacional de Saúde (NIH, sigla em inglês) dos Estados Unidos. Os cientistas mostraram que a ligação do lazer a exercícios físicos poderá acrescentar até sete anos de vida a uma pessoa.

O estudo foi publicado na revista PLOS Medicine.

terça-feira, 6 de novembro de 2012

SALA DE CONSULTA # 11: Como resolver o problema da retenção de líquidos

A retenção de líquidos, um problema que afecta muitas mulheres,  provoca a indesejável sensação de inchaço e ganho de peso. Esta questão é frequente nas minhas consultas sendo as principais queixosas as mulheres e a fase de maior retenção o período pré-menstrual. Em geral têm em comum uma profissão sedentária e o facto de beberem muita água a fim de cumprirem o objectivo, tão divulgado, de ingerirem um litro e meio por dia. Nada mais errado.

Conto-vos a história da Isabel que fazia exactamente isso e que, no final do dia, sentia as pernas inchadas e pesadas. Veio à consulta para perder peso e queixou-se da retenção de líquidos. Disse-me: "Doutora, para a quantidade de água que bebo faço muito pouco chichi". Pois bem, como habitualmente, fiz-lhe o plano alimentar adequado aos seus horários e à sua actividade e proibi-lhe a ingestão de água ao longo do dia. Aconselhei-a, no caso de sentir sede, a beber chá ou outra infusão, sem açúcar, explicando-lhe que existe uma diferença entre beber água e beber chá ou infusão: estes últimos contêm minerais e iões que passaram das folhas ou de outras partes das plantas para a água, o que torna a bebida mais diurética do que a água (a diurese é a produção de urina pelos rins). Depois expliquei-lhe que no próximo mês conseguiria perder entre três e quatro quilos de peso à custa da redução de massa gorda e da redução da água retida nos tecidos, se cumprisse o plano prescrito. 

A maioria das pessoas com problemas de retenção de líquidos resolvem-no quando começam a cumprir o plano alimentar que prescrevo por várias razões: por um lado, aumentam o consumo de sopa, legumes e frutas, alimentos ricos em potássio que favorecem a diurese; por outro lado, deixam de consumir fritos, doces, bebidas alcoólicas, alimentos gordos e ricos em sódio (cereais, bolachas, enlatados, azeitonas, enchidos, etc.),  todos eles alimentos que favorecem a retenção de líquidos.  

A Isabel apareceu um mês depois na consulta com a felicidade estampada no rosto e desejosa de me contar as novidades. Tinha perdido, conforme medi, quatro quilos, dos quais três de massa gorda e um de água. E disse-me: "depois que passei a levar o chá para o trabalho, notei uma grande diferença, vou muito mais vezes à casa de banho. As pernas desincharam e até na barriga noto uma grande diferença." 

A sua infusão preferida é a de gengibre, que ela prepara com lascas de gengibre e água muito quente. Logo já vou passar no supermercado para comprar gengibre pois quero experimentar. Acho curioso o sabor do gengibre na comida, mas nunca bebi a infusão.

NOTA: Os casos aqui contados na rubrica "Sala de Consulta" baseiam-se em casos reais, mas todos os nomes são trocados, assim como alguns pormenores são alterados, para garantir a absoluta privacidade dos doentes.

Injecção de HDL-colesterol reduz incidência de ataque cardíaco

A infusão intravenosa de HDL-colesterol pode reduzir o risco de ataque cardíaco subsequente em grupos de risco, de acordo com um estudo relatado pela American Heart Associations Scientific Sessions 2012.

Os investigadores observaram que a infusão intravenosa da proteína principal da lipoproteína de alta densidade (HDL ou colesterol "bom") parece aumentar rapidamente a capacidade do corpo para retirar as placas de colesterol de artérias entupidas.

Nos dias e semanas após um ataque cardíaco ou dores no peito, os pacientes estão em alto risco de outro ataque. Medicamentos como aspirina e antiplaquetários, impedem a coagulação, mas não ajudam a eliminar a causa subjacente, o colesterol que se acumulou na artéria. Outros fármacos, como niacina e fibratos, que atacam a causa subjacente, gradualmente elevam o HDL e podem evitar ataques do coração anos após o início da terapia.

Ler notícia completa aqui.

Licopeno presente no tomate reduz risco de derrame cerebral

Investigadores da Universidade Leste da Finlândia acompanharam 1031 homens com idades entre 46 e 65 anos, durante 12 anos. Os níveis de licopeno foram medidos durante esse tempo, e o que se constatou foi que pessoas com níveis mais baixos da substância tiveram mais probabilidade de sofrer acidente vascular cerebral, também conhecido como derrame cerebral.

O mesmo estudo analisou os níveis de carotenos, vitamina E e vitamina A, e não foi encontrada nenhuma relação entre essas vitaminas e o risco de derrame.
Fonte: saude.terra.com.br

quarta-feira, 31 de outubro de 2012

SALA DE CONSULTA # 10: As castanhas têm açúcar?

"-Ó Doutora as castanhas têm açúcar?" Esta foi a pergunta que a Lígia, uma diabética tipo 1 adquirida recentemente, me fez quando entrou na minha sala. "-é que ontem comi castanhas ao jantar até ficar consoladinha, mas quando me fui deitar sentia-me esquisita e fui medir a glicémia. Assustei-me, porque estava muito aumentada, quase nos 400mg/dL."

As castanhas não têm açúcar, mas têm amido, muito amido. Chegam a ter duas vezes mais amido do que as batatas. Por isso os diabéticos têm que ter evitar comer muitas. Os diabéticos lucram em saber que, quanto ao teor de hidratos de carbono, seis castanhas equivalem a um pão. Não devem comê-las sem mais. Nem devem cozinhá-las demasiado para que o amido não fique todo pronto a ser assimilado. Por exemplo, as castanhas assadas que se vendem na rua, são mais encruadas e, portanto, têm um índice glicémico mais baixo, isto é, não fazem subir tanto a glicémia.

Foi isto que expliquei à Lígia, e ela ficou pensativa, certamente a fazer as contas a quantos pães, em equivalência, teria comido na véspera.

NOTA: Os casos aqui contados na rubrica "Sala de Consulta" baseiam-se em casos reais, mas todos os nomes são trocados, assim como alguns pormenores são alterados, para garantir a absoluta privacidade dos doentes.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Crianças obesas têm paladar menos sensível


Crianças obesas têm papilas gustativas menos sensíveis e é justamente a menor percepção dos cinco sabores que faz com que comam mais. A descoberta é da Universidade Charité Hospital de Berlim, na Alemanha. Os dados foram divulgados, entre outros, pelo jornal inglês Daily Mail.

Os cientistas analisaram cerca de duas centenas de voluntários com idades entre 6 e 18 anos, sendo 94 de peso normal e 99 obesos. Todos tinham saúde e não tomavam medicamentos que pudessem afectar o paladar e o olfacto. A sensibilidade ao gosto foi testada com tiras gustativas na língua, que abrangiam  cinco sabores em quatro intensidades.

Verificou-se que, apesar dos pequenos obesos terem uma capacidade semelhante aos outros de saborear o doce, apresentaram menor sensibilidade a outros tipos de gosto. Com o tempo, os participantes do grupo de controlo melhoraram a capacidade de diferenciar as sensações, o que não ocorreu nos obesos.

O motivo exacto para essas diferenças não foi identificado. Os investigadores acreditam que genes, hormonas, cultura e exposição a diferentes gostos no início da vida desempenham um papel importante.

Fonte: Saude.terra.br

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

COGUMELOS SILVESTRES: NÃO ARRISQUE!

A associação micológica EcoFungos alerta que "o consumo de cogumelos silvestres pode provocar a morte, ou consequências futuras de insuficiência renal ou hepática. Pode provocar gastroenterites graves e desidratações igualmente graves. Não arrisque!”. A associação dava assim um esclarecimento sobre a ingestão de cogumelos silvestres tóxicos.

Este esclarecimento surge após a recente morte de três elementos de uma família de Vila Real, os pais e um filho de 42 anos por ingestão de cogumelos do género amanita-phalloides (na imagem). O amanita-phalloides é uma espécie muito venenosa e normalmente fatal. Trata-se de um dos cogumelos que mais confunde quem os apanha porque possui cores muito comuns a outros fungos comestíveis. Este fungo venenoso possui um chapéu côncavo, de cor amarelado esverdeado, possui lâminas por baixo e tem um pé rectilíneo e direito e uma base redonda e grossa. 

Se gosta de apanhar cogumelos silvestres, abundantes nesta altura do ano em Portugal, mas não tem cem por cento de certeza de identificar a espécie que pretende consumir, não arrisque!

Consulte a lista de cogumelos mortais clicando aqui, na Wikipédia.

Pôr ou não no lixo um alimento fora de validade

Em Portugal, não encontramos nas lojas alimentos com o prazo de validade expirado. Mas em nossas casas acontece por vezes que não consumimos os alimentos dentro do prazo inscrito na embalagem, ficando com pena de pôr no lixo alguns que ainda parecem estar bons.  É importante então sabermos mais sobre a rotulagem alimentar: 

O prazo de validade inscrito nas embalagens é estabelecido pelo produtor e pode ser apresentado de duas formas:
  • Data limite de consumo, que é apenas utilizada para produtos que facilmente se deterioram, sendo a expressão utilizada "Consumir até…" seguida da indicação do dia e do mês;
  • Data de durabilidade mínima, que é aplicada as todos os outros géneros alimentícios através das expressões "Consumir de preferência antes de …" , indicando a data o dia (por exemplo: manteiga, leite UHT, …) ou "Consumir preferencialmente antes do fim de", seguida da indicação do mês e ano, para alimentos com uma duração entre 3 e 18 meses (por exemplo: congelados, arroz, feijão seco, côco ralado, etc.), ou, simplesmente, a indicação do ano para alimentos com uma duração superior a 18 meses (exemplo: enlatados, mel, etc.).
No primeiro caso, o consumo após a data indicada poderá trazer riscos para a saúde porque se trata de alimentos que se deterioram fácil e rapidamente como, por exemplo, peixe fresco, carne picada, salsichas frescas, queijo fresco, leite do dia, bolos com creme, etc. Ao comer estes alimentos fora do prazo corre-se o risco de toxinfecção alimentar. 

No segundo caso, pode haver alteração das características dos alimentos, como, por exemplo, alteração da cor ou da textura, mas tal não acarreta nenhum risco para a saúde.

Lembro que a data colocada na embalagem é definida pelo produtor e este, para não correr riscos que ponham em causa a qualidade do seu produto, coloca uma determinada data sabendo que o produto se manterá em perfeitas condições de consumo durante muito mais tempo sem se deteriorar. Para evitarmos o desperdício de alimentos que estão bons, mas que já estão fora do prazo de validade, aconselho a abrir a embalagem e verificar a cor, o aspecto, a existência de bolores e o cheiro. Segundo dados da FAO (Agência para a Alimentação e Agricultura das Nações Unidas), a quantidade de alimentos desperdiçados na Europa e nos Estados Unidos é de 95 a 115 quilos per capita por ano!

O leitor encontra mais informação sobre Legislação Alimentar, Rotulagem e Nutrição em: http://www.gpp.pt/RegAlimentar/Legis/RN.html