Pular para o conteúdo principal

Os magros também sofrem

A notícia do post anterior deu-me o mote para tratar um tema que há muito tenho vontade de abordar:  a magreza. Os magros são, para muita gente, “sortudos que podem comer qualquer coisa em qualquer quantidade a qualquer hora e não engordam”. Mas quem diz isso não imagina quanto pode  sofrer uma pessoa que come, come... e não consegue engordar. Uma baixíssima percentagem das pessoas que me procuram na consulta fazem-no porque são muito magras e querem engordar. Mas as taxas de sucesso do tratamento são bastante baixas. Para estas pessoas é mesmo difícil ganhar peso. Faço-lhes um plano alimentar equilibrado contendo alguns alimentos de mais fácil assimilação, conseguindo que aumentem em média dois ou três quilos num mês, mas não mais. Conseguem-no à custa de grande esforço, mas qualquer alteração no seu ritmo de vida, com uma situação ou outra de maior stresse, deita logo, normalmente, tudo a perder. 

Há também o estigma da anorexia. Quando olhamos para um supermagro, a tendência imediata é para pensarmos que se trata de uma pessoa anoréctica e os magros sofrem com essa suposição. Fui  uma vez consultada por duas irmãs gémeas, bonitas, não muito altas e com uma idade  que rondava os trinta anos. Aparentavam ter muito menos idade, o que para elas era uma dificuldade, mas esse era apenas um dos problemas dos muitos que fui descobrindo durante  a consulta. Sofriam imenso por serem magras e queriam desesperadamente engordar. Não iam à praia para não expor os seus corpos e nem sequer  tiravam o casaco, mesmo em dias de muito calor, para que ninguém reparasse nos seus braços demasiado finos. Contaram-me que, um dia, uma delas foi parar à urgência do hospital após um desmaio. Tinha estado de cama com uma virose e sentia-se fraca, mas o maior problema foi, no hospital,  terem duvidado que não era anoréctica. De facto, não era. Ma esta desconfiança da equipa médica é perfeitamente legítima pois quem conhece a doença sabe que as anorécticas mentem...

Esta história que conto foi para mim marcante. No meu trabalho diário, em que ajudo os "gordinhos" a resolver o problema do excesso de peso,  em geral com boas taxas de sucesso, fui-me apercebendo que o mundo dos magros é também um mundo de sofrimento, por vezes de muito sofrimento incompreendido Como nutricionista sofro por não conseguir ajudar mais a resolver os problemas dos magros.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…