Pular para o conteúdo principal

O cancro do pâncreas está a aumentar

O Dr. José Barros, director do Departamento Médico da Associação Académica de Coimbra-Organismo Autónomo de Futebol (AAC-OAF) do qual faço parte, e a Dr.ª Maria José Nogueira Pinto foram duas vítimas recentes do cancro do pâncreas.

A taxa de mortalidade por cancro de pâncreas é muito alta, pois é uma doença de difícil diagnóstico e extremamente agressiva. Os sintomas iniciais são vagos, predominando perda de peso e dor abdominal não-característica. O aparecimento de diabetes num paciente não-obeso com mais de 40 anos também pode ser um sinal de alerta.

Em Portugal é a sexta causa de morte por cancro em homens e a sétima em mulheres, sendo responsável por 4% e 5% das mortes por cancro, respectivamente. Estas taxas são relativamente baixas quando comparadas com as de outros países da União Europeia, à excepção da Espanha, que tem uma taxa inferior. Estes valores aumentaram significativamente nas últimas décadas (cerca de 0,9% ao ano nos homens e de 1,1% ao ano nas mulheres).

Dado ser um tipo de cancro extremamente fatal, os cientistas tentam identificar os factores desencadeantes da patologia. Um estudo recente publicado no American Journal of Epidemiology analisou a relação entre consumo de carne curada e o cancro do pâncreas, mas o aumento da probabilidade de ter essa doença nos consumidores de carnes curadas como o bacon, presunto ou salsicha foi tão pequeno que poderia ser atribuído ao acaso. Um estudo prévio já tinha associado o hábito de fumar e de consumir grandes quantidades de açúcar e de gordura ao desenvolvimento de cancro do pâncreas. "O melhor que podemos fazer para prevenir o cancro do pâncreas e outros tumores é encorajar as pessoas a evitar o tabagismo e a obesidade e a melhorar os seus hábitos alimentares", aconselham os cientistas.

Para saber mais sobre a doença vale a pena consultar o site "Radioterapia e Oncologia" da responsabilidade do Dr. Rui Rodrigues; aqui.

Sites consultados:
http://www.alert-online.com
http://ruirodrigues.net

Imagem
http://ruirodrigues.net
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…