sábado, 30 de julho de 2011

Os miúdos engordam nas férias

As férias escolares de Verão, que são as maiores do ano, começaram há cerca  de um mês. Neste período de maior disponibilidade das crianças e dos adolescentes,  convoco aqueles que acompanho para virem à minha consulta de obesidade infantil no centro de saúde onde trabalho. Infelizmente, tenho verificado que a maioria destas crianças têm engordado desde que começaram as férias. A razão foi fácil de descobrir: passam demasiadas horas sentados em frente a um ecrã, enquanto comem e bebem, ao longo de todo o dia, sem regra nenhuma pois eles não têm auto-controlo e os pais estão a trabalhar. Entretêm-se horas a fio no computador e na televisão ao mesmo tempo que esvaziam a despensa recheada de bolachas, bolicaos, cereais de pequeno-almoço, "sumos" e batatas fritas. As crianças precisam de brincar ao ar livre, de correr, de esfolar os joelhos a cair das bicicletas ou dos carrinhos de rolamentos, de jogar futebol e outros jogos com as outras crianças do mesmo bairro.

quarta-feira, 27 de julho de 2011

Composto encontrado no pau de canela previne a doença de Alzheimer

Um extracto encontrado no pau de canela, denominado CEppt, contém propriedades que inibiram o desenvolvimento da doença de Alzheimer em ratos de laboratório, segundo o Professor Michael Ovadia, do Departamento de Zoologia da Universidade de Tel Aviv. Ver notícia aqui.

Referência:
- Frydman-Marom A, Levin A, Farfara D, Benromano T, Scherzer-Attali R, Peled S, Vassar R, Segal D, Gazit E, Frenkel D, and Ovadia M. Orally administrated cinnamon extract reduces [beta]-amyloid oligomerization and corrects cognitive impairment in Alzheimer's disease animal models. PLoS One. 2011 Jan 28;6(1):e16564.

terça-feira, 26 de julho de 2011

A minha homenagem a David Servan-Schreiber (1961-2011)

Ontem à noite fiquei triste quando soube, através do jornal Público, que o médico e neurocientista francês David Servan-Schreiber, conhecido pelo seu livro "Anticancro: um novo estilo de vida" (Caderno, 2008), que aqui recomendei, tinha morrido no Hospital Hauts Falaises em Fécamp, França. Tinha 50 anos e lutava há quase 20 contra um cancro muito agressivo no cérebro. Servan-Schreiber explicou incansavelmente a doença a centenas de milhares de pessoas em todo o mundo, desde o diagnóstico, a quimioterapia, a boa comida, até aos benefícios do yoga, do ciclismo e da meditação. Tornou-se um verdadeiro ícone da cura e, com uma  aparência jovial, ninguém conseguia imaginar que aquele homem lutava desde os 31 anos de idade contra um tumor maligno cerebral dos mais agressivos. Para espanto de todos, ele conseguiu parar a evolução da doença até ao ano 2000, altura que que teve uma recaída e se sujeitou a novos tratamentos de radioterapia e quimioterapia.  Mas, em 2010, uma ressonância magnética de rotina revelou que o cancro adormecido tinha despertado. Desta vez o prognóstico era: apenas 18 meses de sobrevivência. Esta recaída motivou a escrita do que viria a ser o seu último livro: "On peut se dire aurevoir plusieurs fois" ("Podemos dizer adeus várias vezes") editado pela Robert Laffont em Junho de 2011.
O Dr. Servan-Schreiber conhecia, melhor do que ninguém, o seu cancro e sabia que ele voltaria:
"Cedo ou tarde ele voltaria. Eu conheço o prognóstico do meu cancro. Podia retardar o prazo, ganhar anos, quase esquecê-lo, mas desta vez é o "Big One", como dizem os californianos quando temem um terramoto devastador. Esta recaída levou-me a colocar as questões mais importantes da minha vida: se a doença persiste apesar de pensar, comer, mexer-me, respirar e viver anticancro, então o que me resta de Anticancro? É para responder a esta pergunta que escrevo hoje. Este livro é também uma oportunidade para eu dizer adeus a todos aqueles que apreciaram os meus livros anteriores ou que vieram para me ouvir. Aconteça o que acontecer, tenho a firme esperança de que este adeus não será o último. Podemos dizer adeus várias vezes."
Adeus, Dr. Servan-Schreiber. Descanse em paz!


Sítios consultados:
Publico.pt
ParisMatch.com

Como combater a obesidade nacional?

Quando li a frase no post anterior de William Dietz, director da Divisão de Nutrição, Actividade Física e Obesidade do CDC: "devemos continuar a fazer esforços para fomentar estilos de vida saudáveis e activos entre os norte-americanos para poder fazer frente a esta epidemia”, lembrei-me logo dos concorrentes do Peso Pesado. 

 Como é que este senhor pensa convencer pessoas para quem fazer qualquer actividade física representa um esforço quase desumano a mudar o seu estilo de vida? A troco de quê? Por que iriam trocar o sofá com pipocas e coca-cola na mão, que lhes dá tanto prazer, por uma caminhada e uma sopa? Acontece que os concorrentes do Peso Pesado movem-se principalmente pelo prémio final...

Nunca fui aos Estados Unidos, mas dizem-me que se encontra comida rápida e refrigerantes por todo o lado. Nalguns sítios, pelo preço de uma coca-cola podem beber-se quantas se queiram. Parecem não saber que a água é a melhor bebida quando se tem sede.  A indústria dos refrigerantes sabe e inventa sucedâneos da água. Veja-se o sucesso de vendas da água vitaminada (VitaminWater) de várias cores e sabores, que já atravessou o Atlântico, e que encontrei pela primeira vez numa bomba de gasolina. Uma fantástica máquina de marketing a ilusão de que estas águas são um saudável e milagroso elixir, hidratante e rejuvenescedor. As garrafas são bonitas, com cores atractivas, parecendo-se com bebidas desportivas, e os rótulos contêm um texto bem-humorado e inteligente. Em cada sabor há um termo que ressalta como um objectivo que se atinge mal se engole o último trago: "resistência, "energia", "essencial", "ossos fortes", "equilíbrio"... Mas deixemos o reino da fantasia. A VitaminWater é apenas água fortificada com frutose, o açúcar que está na moda.





Apetecia-me dar mais exemplos acerca do que os "génios" do marketing conseguem fazer pelos produtos que lhes pagam para promover...

Mas vamos ao título deste post. Combater a obesidade não passa só por campanhas que fomentam estilos de vida activos. Elas são necessárias, mas não são suficientes. Os países que, tal como nós, têm o problema grave do aumento de peso da população deveriam rever urgentemente a legislação alimentar, colocando limites aos teores de açúcares, gorduras e ao valor calórico de determinados géneros alimentícios. Devia proibir-se a venda de comida, qualquer que fosse o sítio, através de vending machines. A comida só deveria ser vendida nos locais próprios, como supermercados, mercearias, restaurantes, padarias, cafés e pastelarias. As quantidades de alimentos por menu das cadeias de fast-food deviam ser reguladas para impedir doses cada vez maiores. Comer fora de casa só devia ser permitido em estabelecimentos adequados. Evitava-se, por exemplo, que nas salas de cinema se ingerissem em poucos minutos cerca de 1200 kcal (na melhor das hipóteses!) em pipocas e coca-cola. Que vício é este, o de comer no cinema, que nos impingem? O consumo exagerado e compulsivo de comida deve ser encarado como uma doença. Alguém imagina, por exemplo, como resistiria um viciado em álcool, em tratamento de desintoxicação, se por todo lado por onde passasse houvesse uma vending machine de bebidas alcoólicas?

segunda-feira, 25 de julho de 2011

ESTADOS UNIDOS: A OBESIDADE CONTINUA A ALASTRAR

Um estudo divulgado pelo Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americano mostra que a obesidade continua a prevalecer nos EUA e que não foi atingido o objectivo da campanha governamental "Gente Saudável" de reduzir para 15 por cento este nível até 2010. Nos Estados de Alabama, Arkansas, Kentucky, Louisiana, Mississipi, Missouri, Oklahoma, Tennessee, Virgínia Ocidental, Michigan, Carolina do Sul e Texas, 30 por cento ou mais dos adultos são obesos, revelou o estudo apresentado na sexta-feira. Em 2000 não havia nenhum Estado que tivesse alcançado este valor.

“Levará tempo e recursos a ganhar a batalha contra a obesidade”, declarou William Dietz, director da Divisão de Nutrição, Actividade Física e Obesidade do CDC, citado pela agência EFE. O mesmo responsável sublinhou que se “devem continuar a fazer esforços para fomentar estilos de vida saudáveis e activos entre os norte-americanos para poder fazer frente a esta ‘epidemia’”.

quinta-feira, 21 de julho de 2011

Festivais de Verão favorecem proliferação de sarampo

Uma notícia que não é sobre nutrição, mas soibre saúde:

A Organização Mundial da Saúde (OMS) avisou hoje que os eventos musicais e desportivos de Verão podem contribuir para agravar a proliferação do sarampo na Europa, a menos que as pessoas estejam vacinadas.

O sarampo é uma infecção causada por um vírus, altamente contagiosa, que se caracteriza por febre, dores de cabeça, inflamação das vias respiratórias e uma erupção cutânea característica. Atinge pessoas de todas as idades desde bebés com menos de doze meses a adultos com mais de 50 anos. É transmitida através de gotículas expelidas pelo nariz, boca ou garganta de pessoas infectadas

A OMS lembra que 99% das pessoas que recebem duas doses da vacina eficaz contra o sarampo desenvolvem imunidade à doença: “Ser vacinado a tempo é vital”.

Fonte
http://www.alert-online.com/

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Prevenção do Alzheimer é possível em mais de 50% dos casos

De acordo com um estudo publicado no jornal Lancet Neurology mudanças no estilo de vida, combinadas com o tratamento e prevenção de doenças crónicas como obesidade, diabetes e hipertensão podem evitar mais de 51% dos casos de doença de Alzheimer. No mundo inteiro existem actualmente cerca de 34 milhões de pessoas com doença de Alzheimer e é esperado que este número triplique nos próximos quarenta anos.

Deborah Barnes, coordenadora da investigação, após a análise de dados de centenas de milhares de pacientes em todo o mundo, concluiu que os maiores factores de risco modificáveis para a doença de Alzheimer são, por ordem: baixa escolaridade, tabagismo, sedentarismo, depressão, hipertensão na meia-idade, diabetes e obesidade na meia-idade.

Esta é uma boa notícia para os filhos de doentes de Alzheimer que têm normalmente a preocupação de poder vir a herdar a doença dos pais.


Referência
Deborah E. Barnes, Kristine Yaffe. The projected effect of risk factor reduction on Alzheimer's disease prevalence. Lancet Neurology, 2011

terça-feira, 19 de julho de 2011

A vitamina C é indispensável ao funcionamento das células nervosas do olho

As células nervosas do olho precisam de vitamina C para funcionarem correctamente. Esta descoberta surpreendente  foi realizada por cientistas da Oregon Health & Science University, publicada no The Journal of Neuroscience e pode significar que a vitamina C é indispensável não só para o funcionamento do olho como de outras partes do cérebro. 
"Descobrimos que as células da retina precisam ser ‘banhadas’ em doses relativamente altas de vitamina C, por dentro e por fora, para funcionarem adequadamente", diz Henrique von Gersdorff co-autor do estudo. Como a retina faz parte do sistema nervoso central, é previsível que a vitamina C tenha igualmente um papel decisivo no funcionamento de todo o cérebro.

As células nervosas possuem receptores específicos para o ácido gama-aminobutírico (GABA), o principal neurotransmissor inibidor do sistema nervoso central dos mamíferos. Os cientistas descobriram que os receptores GABA das células da retina pararam de funcionar adequadamente quando a vitamina C era removida. "Como as células da retina são uma espécie de célula cerebral muito acessível, é provável que os receptores GABA de outras partes do cérebro também precisem de vitamina C para funcionar adequadamente", diz von Gersdorff.  Uma vez que a vitamina C é um importante antioxidante natural, pode ser que ela preserve de forma essencial os receptores e as células de uma decomposição prematura.

A função exacta da vitamina C no cérebro ainda não é bem compreendida pela ciência. Quando o corpo humano sofre privação de vitamina C, esta fica no cérebro por mais tempo do que em qualquer outra parte do corpo.

A descoberta da equipe americana pode ainda fornecer pistas para melhor se conhecer o escorbuto, uma doença causada por carência grave de vitamina C, que tem como um dos sintomas a depressão. Será a depressão o resultado da falta de vitamina C no cérebro?
Há ainda uma possível relação entre a deficiência de vitamina C e outras doenças neurológicas, como glaucoma e epilepsia, duas condições causadas por disfunção de células nervosas que ficam excitadas em excesso, talvez porque os receptores GABA não estejam a funcionar adequadamente.

“Uma alimentação rica em vitamina C pode, muito provavelmente, ser neuroprotectora da retina, especialmente em pessoas propensas ao glaucoma, mas é preciso saber mais." concluiu von Gersdorff.

O blog Comer Bem Até aos 100 é visto em quatro continentes

Hoje quando estava a ver as estatísticas do Google sobre as visitas do meu blogue tive uma boa surpresa. Para além de aumentar diariamente o número de visitantes, verifiquei que o blogue é visto em quatro continentes. Ainda há bem pouco tempo o blogue só tinha visitantes de Portugal, Brasil, Estados Unidos e  França. Hoje é visto por pessoas dos quatro países referidos e ainda de Angola, Moçambique, Argentina, Alemanha,  Reino Unido, Itália, Japão, Canadá e Alasca (EUA). As várias manchas verdes no mapa acima indicam os países dos visistantes do blogue. A tonalidade de verde mais carregada indica maior número de visitas. Dos cinco continentes só falta conquistar a Oceania.

Estes dados dão-me força para continuar um trabalho que iniciei há quatro anos com o mesmo objectivo de sempre: divulgar pelo maior número de pessoas possível informação útil, rigorosa e acessível sobre alimentos, nutrição e saúde.
O meu agradecimento a todos os visitantes. Aproveitem a visita e voltem sempre!

English version:

"Eating Well Up to 100..." blog, seen on four continents

Today when I was looking to the Google statistics about my blog i had a nice surprise. In addition to increasing the number of daily visitors, I noticed that the blog is seen in four continents. Quite recently the blog had visitors only from Portugal, Brazil, USA and little else. Today is read by people from those three countries plus Angola, Argentina, France, Germany, Switzerland, United Kingdom, Italy, Japan, Canada and Alaska (USA). The green spots on the world map (above), show the countries of the blog visitors. The shade of green indicates more loaded highest number of visits. Just win over Oceania.

This gives me more strength to continue the work started four years ago, that aims to reach as many people as possible useful , accurate and accessible information about food, nutrition and health.
Thank you all. Enjoy your stay and come back soon!

segunda-feira, 18 de julho de 2011

O TELEFONE CELULAR

Estou a dividir-me, não posso ir almoçar. Nós dois vamos depois ter contigo!
-

Ovos têm compostos antioxidantes que previnem o cancro e as doenças cardiovasculares


Investigadores da Universidade de Alberta, nos Estados Unidos, descobriram recentemente que as gemas de ovos crus contêm dois aminoácidos, o triptofano e a tirosina, com fortes propriedades antioxidantes que ajudam na prevenção do cancro e das doenças cardiovasculares. O estudo,, liderado por Jianping Wu e Andreas Schieber, analisou as gemas de ovos produzidos por galinhas alimentadas com uma dieta típica, composta por milho. Verificaram, no entanto, que os ovos fritos ou cozidos, ficam com estas propriedades antioxidantes reduzidas a metade e perdem ainda mais se os ovos forem cozidos no microondas. "É uma grande redução, mas ainda assim deixa os ovos iguais às maçãs quanto ao seu valor antioxidante", observou Wu, em comunicado. O estudo foi publicado na revista “Food Chemistry”.

Num estudo anterior, do qual demos conta neste blog, Wu verificou que as proteínas do ovo são convertidas, pelas enzimas do estômago e do intestino delgado, em peptídeos que agem da mesma forma que os inibidores da enzima de conversão da angiotensina, isto é, agem do mesmo modo que os fármacos usados para baixar a pressão arterial.

Outro post que mostra que os ovos não são vilões, nem  relativamente ao colesterol, nem à hipertensão, nem às doenças cardiovasculares pode ser lido aqui.

Aproveito para lembrar que em época de crise, com o preço dos alimentos a aumentar e com os vencimentos a diminuir, os ovos são uma alternativa ao peixe e à carne que, nalguns casos, é muito mais barata. São óptimos tanto para crianças como para adultos.

Que saudades das gemadas que a minha avó me fazia!...

sexta-feira, 15 de julho de 2011

A DIETA DO FUTURO


A descodificação feita já nesta década dos cerca de 30 mil genes distribuídos por 23 pares de cromossomas que constituem o genoma humano traz a possibilidade de conhecer melhor não só todas as doenças originadas por alterações dos genes (como o cancro, por exemplo) mas também saber a probabilidade que temos de desenvolver doenças como, além do cancro, o Alzheimer, a obesidade, o diabetes, a hipertensão, doenças cardiovasculares, etc. Surgirão novas tecnologias clínicas baseadas em diagnósticos de DNA e terapias de substituição de genes defeituosos. Será dada cada vez maior ênfase à prevenção destas doenças actuando sobre as condições ambientais e de estilo de vida que podem desencadeá-las. É aqui que entra a dieta do futuro. O cruzamento da informação relativa ao genoma humano com a do genoma dos variadíssimos alimentos (plantas e animais) permitir-nos-á, brevemente (espera-se!), identificar os alimentos mais benéficos para cada pessoa a partir dos seus genes, de modo a melhor prevenir as doenças para as quais está predestinada.

A nutrigenómica e a nutrigenética, ciências das quais ouviremos falar cada vez mais, estudam as complexas interacções entre os genes, os nutrientes e o metabolismo humano. A nutrigenómica é a ciência que estuda o modo como as moléculas contidas nos alimentos podem agir sobre o DNA, activando alguns genes ou, de forma contrária, regulando-os negativamente (regulações up ou down, respectivamente). O termo nutrigenética, por sua vez, refere-se à identificação de possíveis variações genéticas (polimorfismos) que ocorrem no organismo humano como resposta à introdução de alimentos específicos.

A dieta do futuro está aí e será personalizada ao extremo do conhecimento do genoma de cada um de nós. A prática da nutrição clínica atingirá, certamente, um novo nível.

Sites consultados:
http://www.nugo.org
http://nutrimenti.simplicissimus.it/category/nutrigenetica-e-nutrigenomica/
http://blogs.estadao.com.br/herton-escobar/category/genetica-e-genomica/
http://junkfoodscience.blogspot.com/2006/12/newest-diet-science.html

terça-feira, 12 de julho de 2011

Verão é a melhor época do ano para emagrecer

Partilho com os meus leitores as respostas que dei às perguntas colocadas pela jornalista Joana Martins e que resultaram no artgo intitulado "Verão é a melhor época do ano para emagrecer" publicado no Diário de Coimbra no sábado, 09 de Julho de 2011:

DC - Quais os principais cuidados a ter com a alimentação durante o Verão?

AC - No que toca a alimentação, devemos ter particular cuidado com duas coisas: uma é evitar a desidratação, que incide principalmente em crianças e idosos, e a outra é a conservação adequada dos alimentos frescos de modo a prevenir intoxicações alimentares.

DC - Saladas e frutas são uma boa opção? Porquê?

AC - No Verão há maior quantidade e variedade de legumes e frutas. Como digo no meu livro “Emagrecer é...” trata-se da melhor época do ano para emagrecer. Apesar de ser um tempo quente, não há desculpas para não se comer sopa, o melhor alimento para uma boa saúde. As sopas devem ser mais leves no Verão. O gaspacho é uma sopa fria feita com base em alimentos com muito poucas calorias como o pepino e o tomate. O almoço e o jantar podem ser saladas nutritivas, isto é saladas contendo, além de vegetais, peixe, carne (de preferência grelhada) ou ovos cozidos. As melhores sobremesas são fruta e gelatina porque, apesar de doces, não o são tanto como os pudins e os gelados.

DC - A ingestão de água é fundamental? Porquê?

AC - Com o tempo quente transpiramos mais. Devemos então beber mais água ou outra bebida desde que não contenha açúcar, edulcorantes ou álcool. Quem preferir pode beber chá frio ou sumo de fruta. Pode também comer frutas da época, por exemplo melancias (a que os ingleses chamam “watermelon”, melão de água), uvas, pêssegos ou ameixas, pois todas elas contêm água em grande percentagem. As crianças pequenas necessitam de mais atenção porque podemos não dar conta da sua sede e o mesmo acontece com os idosos. Não esquecer de dar água às pessoas destes grupos. A desidratação pode ser fatal!

DC - Quais os alimentos recomendados?

AC - A “Roda dos Alimentos” dá uma boa noção dos alimentos de que precisamos e das respectivas proporções adequadas a uma vida saudável. Lacticínios, cereais, frutas, legumes são essenciais assim, como por outro lado, alimentos fornecedores de proteínas como o peixe, a carne e os ovos. A alimentação saudável deve ser feita com alimentos naturais, que devem ser confeccionados de forma simples em casa.

DC - Quais os alimentos a evitar?

AC - No Verão, como aliás em qualquer época do ano, não são nada recomendados os fritos, os molhos, as maioneses, as natas, as carnes gordas, os enchidos, os bolos, os doces, os vários tipos de guloseimas e as bebidas cheias de açúcar a que a maioria das pessoas chama “sumos”, mas que de sumos têm muito pouco. Os gelados devem ser comidos com moderação, sendo os de água os melhores por não conterem gorduras. Deve-se sobretudo evitar comer e beber em excesso. Doenças crónicas como a obesidade e a diabetes são o resultado de excessos alimentares ao longo de anos, agravados por uma vida sedentária.

segunda-feira, 11 de julho de 2011

O MELÃO NÃO ENGORDA

Todos os anos nesta época do ano, a época do melão, muitos dos que me procuram na consulta têm a ideia errada de que o melão engorda. Resolvi então escrever sobre este assunto para contrariar o mito.

O melão é um fruto muito rico em água e com um sabor doce suave muito agradável. Existem inúmeras variedades com casca de diferentes cores e texturas e polpas que vão do branco esverdeado até à cor de salmão. Nutricionalmente, o melão contém quantidades interessantes de caroteno, vitaminas A, C e do complexo B, potássio e magnésio. Tem propriedades diuréticas e antihipertensoras devido ao seu teor de potássio.

Como a maioria das frutas desta época, o melão tem uma densidade energética muito baixa, isto é, um grande volume de alimento tem poucas calorias. De facto, 100 g de melão fornecem apenas cerca de 27 kcal. Supondo que um apreciador de melão come no seu lanche meio quilo deste fruto, apenas ingeriu cerca de 135 kcal, o que é muito pouco comparativamente com os lanches comuns de pão ou, pior, de cereais e leite. Podemos concluir que o melão não só não engorda ecomo até pode dar uma boa ajuda para emagrecer.

Para que não restem dúvidas, transcrevo alguns dos valores que correspondem aos macronutrientes que constam na Tabela da Composição de Alimentos do Instituto Nacional de Saúde Dr Ricardo Jorge:

100 g de melão fornecem
27 kcal
91,8 g de água
0,6 g de proteínas
0,3 g de gorduras
5,7 g de hidratos de carbono
0,9 g de fibras

sexta-feira, 8 de julho de 2011

O cancro do pâncreas está a aumentar

O Dr. José Barros, director do Departamento Médico da Associação Académica de Coimbra-Organismo Autónomo de Futebol (AAC-OAF) do qual faço parte, e a Dr.ª Maria José Nogueira Pinto foram duas vítimas recentes do cancro do pâncreas.

A taxa de mortalidade por cancro de pâncreas é muito alta, pois é uma doença de difícil diagnóstico e extremamente agressiva. Os sintomas iniciais são vagos, predominando perda de peso e dor abdominal não-característica. O aparecimento de diabetes num paciente não-obeso com mais de 40 anos também pode ser um sinal de alerta.

Em Portugal é a sexta causa de morte por cancro em homens e a sétima em mulheres, sendo responsável por 4% e 5% das mortes por cancro, respectivamente. Estas taxas são relativamente baixas quando comparadas com as de outros países da União Europeia, à excepção da Espanha, que tem uma taxa inferior. Estes valores aumentaram significativamente nas últimas décadas (cerca de 0,9% ao ano nos homens e de 1,1% ao ano nas mulheres).

Dado ser um tipo de cancro extremamente fatal, os cientistas tentam identificar os factores desencadeantes da patologia. Um estudo recente publicado no American Journal of Epidemiology analisou a relação entre consumo de carne curada e o cancro do pâncreas, mas o aumento da probabilidade de ter essa doença nos consumidores de carnes curadas como o bacon, presunto ou salsicha foi tão pequeno que poderia ser atribuído ao acaso. Um estudo prévio já tinha associado o hábito de fumar e de consumir grandes quantidades de açúcar e de gordura ao desenvolvimento de cancro do pâncreas. "O melhor que podemos fazer para prevenir o cancro do pâncreas e outros tumores é encorajar as pessoas a evitar o tabagismo e a obesidade e a melhorar os seus hábitos alimentares", aconselham os cientistas.

Para saber mais sobre a doença vale a pena consultar o site "Radioterapia e Oncologia" da responsabilidade do Dr. Rui Rodrigues; aqui.

Sites consultados:
http://www.alert-online.com
http://ruirodrigues.net

Imagem
http://ruirodrigues.net

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Os dois extremos da obesidade infantil em Portugal


O Algarve e os Açores estão nos dois extremos da obesidade infantil em Portugal com uma incidência, respectivamente, de 19,4% e 42% de crianças com excesso de peso, revelou a investigadora Ana Rito (na imagem), nutricionista do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge. Os resultados do primeiro estudo com uma amostra representativa e comparável com a de outros países europeus foram apresentados ontem na Conferência Internacional de Obesidade Infantil (CIOI). Para a especialista, as diferenças encontradas a nível nacional poderão ser explicadas pelo bom funcionamento de algumas actividades de intervenção escolar e sensibilização, destacando o trabalho da Administração Regional de Saúde do Sul.

Portugal surge atrás de Itália com uma das maiores prevalências de excesso de peso em crianças na faixa etária analisada, dos seis aos nove anos, com os indicadores globais bastante acima da média europeia. De acordo com o estudo, em Portugal 32,2% das crianças têm peso a mais e 14,6% enquadram-se já num quadro clínico de obesidade, com o índice de massa corporal acima do percentil 95, explica a investigadora. A nível europeu os resultados preliminares apontam para uma incidência do excesso de peso, em crianças da mesma faixa etária, na ordem dos 24%.

O estudo foi realizado no ano lectivo 2008/2009 e contou com a participação de 3847 crianças do 1.º ciclo do Ensino Básico de 185 escolas, amostra que viria a juntar-se à de outros 13 países europeus que aceitaram o convite da Organização Mundial de Saúde para integrar o primeiro Sistema Europeu de Vigilância Nutricional Infantil. Ana Rito sublinha que a metodologia aplicada nesta primeira ronda da chamada iniciativa COSI veio pela primeira vez permitir que se analisasse todo o país, incluindo as regiões autónomas dos Açores e da Madeira até aqui excluídas dos estudos pontuais. A idade média dos jovens avaliados foi de 7,5 anos, com estaturas médias de 122,4 centímetros nas raparigas e de 124,3 nos rapazes. O peso médio foi neste ano de 26,6 quilos nas raparigas e de 27,3 kg nos rapazes, revela um artigo sobre o estudo publicado na Plataforma Contra a Obesidade da Direcção-Geral de Saúde.

Quanto aos hábitos alimentares, o estudo revela que a maioria toma o pequeno-almoço (95%) e mais de 57% vão de carro para a escola. Ao fim-de-semana estão o dobro do tempo em frente da televisão e do computador mas também brincam mais fora de casa.

Fonte
ionline.pt

Imagem
Visao.pt

Cientistas da Universidade do Porto desenvolveram uma vacina anti-obesidade que faz perder o apetite


Investigadores do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da Universidade do Porto desenvolveram uma vacina anti-obesidade que utiliza um vírus não infeccioso conjugado com a hormona grelina, estimulante do apetite, de modo a provocar uma resposta imune para suprimir esta hormona. Os ratos vacinados, com peso normal e obesos, desenvolveram quantidades crescentes de anticorpos anti-grelina, aumentaram o gasto de energia e diminuíram a ingestão de alimentos.

"No prazo de 24 horas após a primeira injecção, os ratos obesos comiam 82% do valor dos ratos de controle e, após as vacinações finais, eles comiam apenas 50%", relatou Mariana Monteiro responsável pela investigação.

O efeito da vacinação nos ratos utilizados como cobaias durou dois meses, correspondentes a quatro anos nos humanos. Não foram ainda relatados nem os efeitos tóxicos nem os efeitos biológicos resultantes deste procedimento. Serão, concerteza, necessários mais estudos que validem esta vacina para utilização humana.

Mariana Monteiro afirma que "a vacina anti-grelina pode tornar-se um tratamento alternativo para obesidade, para ser usado em combinação com dieta e exercício físico".

Os resultados da investigação do ICBAS foram apresentados na Reunião Anual da Sociedade de Endocrinologia, que decorreu em Boston, nos EUA, e deverão em breve ser publicados numa revista científica.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Refrigerantes "Zero" são isentos de calorias, mas não de consequências


Os refrigerantes zero ou diet ou light são normalmente adoçados com o edulcorante aspartame com o objectivo da redução do número de calorias que fornecem. Dois estudos realizados na University of Texas Health Science Center, San Antonio, nos Estados Unidos mostraram que existe uma associação entre o consumo de refrigerantes adoçados com aspartame e o aumento do perímetro abdominal. Os estudos mostram ainda que estes refrigerantes elevam o nível de glicose no sangue de ratinhos com predisposição para a diabetes.

Helen P. Hazuda, professora e chefe da Divisão de Epidemiologia Clínica da Faculdade de Medicina, refere que "os dados deste e doutros estudos prospectivos sugerem que a promoção dos refrigerantes "diet" e adoçantes artificiais como alternativa saudável pode ser um mau conselho", reforçando que "estes produtos podem ser isentos de calorias, mas não de consequências".

sábado, 2 de julho de 2011

ORIGEM EGÍPCIA DA CONTAMINAÇÃO COM E. COLI?

Segundo noticia o jornal Público (aqui) a origem do surto das graves contaminações - 4000 casos com 48 mortos até agora - registadas na Alemanha e em Franca com uma estirpe nova da bactéria Escherichia Coli, que de início foi erradamente atribuída a pepinos espanhóis, e depois atribuída a rebentos de soja alemães, pode, em última analise, dever-se a sementes de feno-grego (alforva), provenientes do Egipto. Pelo menos parece existir essa ligação em casos tanto na Alemanha como em França. O feno-grego (na figura) é uma planta que dá origem a uma especiaria que entra no caril indiano. Haverá razões para não comer caril? Não, de forma nenhuma, eu ainda ontem comi! Os alarmismos exagerados são sempre de evitar... Os estudos prosseguem e vai-se saber mais sobre a origem desta nova doença.

DIABETES CONTINUA A CRESCER


Número de diabéticos no mundo e em Portugal continua a aumentar! No mundo, o número de diabéticos, segundo estudo recente publicado na revista Lancet, duplicou nos últimos 30 anos. Em Portugal, quase duplicou em dez anos. Estima-se que, actualmente, cerca de dez por cento da população sofra de diabetes, isto é, cerca de um milhão de portugueses. É um problema não só para os próprios como para o sistema de saúde e a sociedade em geral, que poderia ter sido minorado se as pessoas tivesses mais cuidado com o que comem e dedicassem mais tempo a fazer exercício físico.

CRIANÇAS QUE COMEM NA ESCOLA SOFREM MENOS DE OBESIDADE DO QUE AS QUE COMEM EM CASA


Um estudo recente efectuado em Espanha pela Agência Espanhola de Segurança Alimentar, dependente do Ministério da Saúde, chegou à conclusão de que existe um problema de sobrepeso e obesidade entre as crianças espanholas de 6 a 9 anos. A percentagem de 45,2 por cento delas têm peso a mais, distinguindo-se o excesso de peso (26, 1 por cento) da obesidade propriamente dita (19, 1 por cento) comer na escola é melhor para a saúde do que comer em casa. Os rapazes mostram mais obesidade do que as raparigas. A Espanha está com a Itália entre os países da União Europeia com mais meninos gordos. O mais interessante do estudo é, porém, a aparente vantagem de comer na escola em vez de comer em casa: Entre os que comem (almoçam) na escola, 43,7 têm excesso de peso, mas entre os que comem usualmente em casa a percentagem sobre para 48,3 por cento. Faz-nos pensar...

Fonte: El Pais, 1/Julho /2011