Pular para o conteúdo principal

SOPA PORTUGUESA: O MELHOR ALIMENTO FUNCIONAL DO MUNDO

O International Food Information Council (IFIC) define alimentos funcionais como "alimentos que proporcionam benefícios para a saúde para além da nutrição básica". Todos os alimentos são funcionais e têm valor nutritivo. Nos últimos dez anos foi adoptado o termo “alimentos funcionais” como sinónimo de “alimentos para a saúde” (foods for health). De facto, já foram identificados, principalmente nos alimentos vegetais, mais de cem mil compostos bioactivos com efeitos na saúde. É frequente ouvirmos falar dos compostos fenólicos das uvas ou dos frutos do bosque que possuem acção anti-cancro, da capsaicina da pimenta que ajuda a emagrecer, dos ácidos gordos ómega 3 do peixe que favorecem a saúde cardiovascular e por aí fora.

Mas vamos às razões que me levaram a eleger a sopa como o melhor alimento funcional. A sopa é um verdadeiro harmonizador metabólico porque é composta maioritariamente por nutrientes reguladores tais como água, fibras, vitaminas, minerais, compostos antioxidantes e outros fitoquímicos. Tem ainda hidratos de carbono, gordura (a melhor é o azeite) e poderá ter proteínas vegetais se incluir leguminosas (feijão, grão, ervilhas ou lentilhas) ou proteínas animais se for sopa de peixe, por exemplo. Os nutrientes reguladores promovem o funcionamento do intestino, ajudam a controlar o apetite favorecendo a perda de peso e melhoram os valores do colesterol e triglicerídeos. Os doentes diabéticos controlam melhor a glicémia. O organismo funciona melhor quando comemos sopa!

Por outro lado, o facto de a sopa ser um alimento com baixa densidade energética, isto é, um grande volume de alimento com poucas calorias (lembro que um prato de sopa tem, em média, menos calorias do que um iogurte!) promove o emagrecimento e também a longevidade. Comer sopa diariamente no início das duas principais refeições permite restringir calorias sem sacrifício e está provado que a restrição calórica aumenta a longevidade uma vez que há diminuição dos radicais livres, dos marcadores inflamatórios e dos danos no DNA o que proporciona um envelhecimento celular mais lento. Apesar de o tempo ter aquecido e de o Verão estar à porta, não há desculpas para não comer sopa, o melhor alimento funcional do mundo.

As sopas de Verão devem ser mais leves e menos calóricas, não deixando por isso de ser agradáveis. Podem não se aquecer tanto como no Inverno e existem também as receitas de sopas frias à base de alimentos campeões de baixas calorias como o pepino (o famoso gaspacho).
Se as leitoras ou leitores estão a pensar na linha por causa do tempo de praia que se avizinha sugiro que sigam o plano alimentar "O Método de Eiras" que vem no livro da minha autoria "Emagrecer é..." (Gradiva, 2010), que inclui, obviamente, sopa ao almoço e ao jantar e que tem permitido os seus seguidores emagrecer, em média, três quilos por mês. São seis quilos até Julho que farão, concerteza, toda a diferença!
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…