terça-feira, 31 de maio de 2011

HUMOR: A DIETA DO ABANAR A CABEÇA


(clicar para ver melhor)

DEZ MITOS DESMENTIDOS PELOS FACTOS

Traduzi deste sítio um top-ten de mitos alimentares que são desmentidos pelos factos.

Mito 1: Ingerir a maioria de suas calorias à noite promove o aumento de peso.

Mito 2: Sem gorduras (fat free) significa sem calorias (calory free).

Mito 3: Hidratos de carbono causam sempre aumento de peso.

Mito 4: Dietas fortes em proteínas causam cetose, o que reduz a fome.

Mito 5: O iogurte é o perfeito alimento da dieta. Muita gente pensa isso, mas certos iogurtes, como os gregos, têm de facto tantas gorduras como os gelados.

Mito 6: O exercício faz comer mais. Muitas vezes as pessoas evitam fazer exercício físico usando essa desculpa!

Mito 7: A ingestão adicional de proteínas deixa as pessoas mais fortes.

Mito 8: Comer alface torna as pessoas elegantes.

Mito 9: Pode queimar gordura comendo certos alimentos, como sopas de couve e uvas.

Mito 10: Os alimentos processados ​​não são tão nutritivos como os alimentos frescos.

SUBIDA DOS PREÇOS DOS ALIMENTOS NO MUNDO

É sempre útil consultar o sítio da Agência das Nações Unidas par a Alimentação e a Agricultura, FAO, para saber como vai a situação dos alimentos no mundo. Há motivos para preocupação pois os preços subiram ao longo dos últimos dois anos (ver gráfico da esquerda). Nos primeiros meses deste ano parece haver alguma estabilidade, mas ainda não há sinais de descida como houve em 2008. Se se escalpelizar os alimentos pelos respectivos tipos, os motivos de preocupação redobram (ver gráfico em baixo à direita): o açúcar e os óleos e gorduras, cujos perigos para a saúde são bem conhecidos, têm vindo a baixar os preços nos últimos tempos, o que já não acontece com os cereais, que estão a subir, os lacticíneos e a carne, que se têm mais ou menos mantido.

Havendo ainda tanta situação de fome no mundo, situação agravada pelo aumento dos preços dos bens alimentares, a FAO tem vindo a chamar a atenção para as situações de desperdício, que nos países em desenvolvimento ocorrem na fase de pós-colheita e processamento e nos países mais desenvolvidos ao nível da venda e do consumidor, em nossas casas portanto. Só para dar uma ideia do desperdício de alimentos, que obviamente custam dinheiro, o Expresso informava na última edição, com base em dados da FAO, que na Europa e na América do Norte há um desperdício de alimentos 95-115 kg per capita e por ano, mais de 10% da produção de comestíveis nessas regiões que é de cerca de 900 kg per capita e por ano. A mensagem é clara: ganha cada um de nós e ganhamos todos se evitarmos o mais possível o desperdício de bens alimentares!

segunda-feira, 30 de maio de 2011

"GORDOS POBRES, POBRES GORDOS"


É geral o coro de protestos contra o programa "Peso Pesado" da SIC. Por vezes é mais do que protesto, é indignação. Um dos textos mais bem pensados e escritos e que por isso mais gostei de ler foi o de Eduardo Cintra Torres, o crítico de televisão da SIC, com o título de cima. Deixo um excerto:

"(...) A dimensão pedagógica do programa é irrelevante. Trata-se de puro entretenimento à conta da obesidade. A gordura tem uma dimensão visual literalmente grande; em situações de esforço e jogos de entretenimento visual, torna os concorrentes figuras de circo. Os concorrentes fazem de animais que são treinados na arena mediática. Um programa destes com anorécticos não atrairia da mesma maneira, pois não só os magríssimos não se vêem bem (e simbolizam a morte), como os gordos significam um excesso pantagruélico feliz, apenas desregrado.

As histórias de vida dos concorrentes revelam como a obesidade é um problema social dos mais pobres. Os pobres não só comem mais quantidade do que os ricos como comem muito pior. Ao perfil de classe baixa dos concorrentes junta-se o aparente absurdo da obesidade sem saída, como se fosse uma fatalidade que não conseguem resolver sozinhos. O perfil de pobreza prolonga-se para a audiência, que engordou com classe D o padrão de espectadores da SIC, habitualmente desprovido do grupo com menos posses.

Os concorrentes dizem entregar-se ao sacrifício da exposição pública e do exercício físico no peso Pesado por não verem outra oportunidade de emagrecer. Gordos, pobres e humilhados, estão, porém, de livre vontade no circo da televisão. Esta aparece de novo como a santa casa da misericórdia que lhes providencia essa oportunidade. para isso expõem-se sacrificialmente, mostram os corpos grotescos, humilham-se na balança, nos "jogos" e nos exercícios simples para eles sobre-humanos. A humilhação é o preço. A televisão mascara-a com o discurso emocional e bem intencionado da apresentadora e dos treinadores. Estes fazem psicanálise de pacotilha, nas sessões individuais com os concorrentes e nos comentários posteriores para os espectadores. (...)" (Eduardo Cintra Torres)

MEXA O SEU CORPO


A cantora Beyonce criou um vídeo intitulado "Move your Body" para o programa "Let us move" de combate à obesidade infantil que foi criado nos Estados Unidos pela "primeira dama" Michele Obama. Veja-o aqui. E divirta-se!

domingo, 29 de maio de 2011

RANKING DA ESPERANÇA DE VIDA


Sabe em que lugar está o nosso país no "ranking" de esperança de vida (uma medida da longevidade) nas Nações Unidas?

Pois uma rápida consulta à Wikipedia informa-nos que está na posição 39, com 78,1 anos de esperança média de vida (75,0 para os homens e 81,2 para as mulheres). Podia ser melhor, pois muito antes de nós encontram-se o Japão, que está no primeiro lugar com 82,6 anos (78,0 nos homens e 86,1 nas mulheres), a Espanha, que está em 6.º lugar e primeiro da União Europeia com 80,9 anos (77,7 nos homens e 84,2 nas mulheres) e os Estados Unidos, que está quase igual a nós, no 36.º lugar (ex-aequo com Dinamarca e Cuba), com 78,3 anos (75,6 nos homens e 80,8 nas mulheres).

No fundo da lista, em penúltimo lugar, está Angola, com apenas 38,2 anos (37,2 para os homens e 39,2 para as mulheres). Pior que Angola só a Suazilândia, com 31,9 anos (31,6 para homens e 32,2 para mulheres).

Na foto: japonês da ilha de Okinawa, um sítio com muitas pessoas centenárias.

QUEBRA MITOS


O professor António Vaz Carneiro, director do Centro de Estudos de Medicina baseada na Evidência, em Lisboa, é autor do projecto "Quebra Mitos", que deu origem a pequenos vídeos que passam na RTPN no programa "Especial Saúde". Esse projecto resulta de uma colaboração com a Harvard Medical School. Pode ver aqui um desses vídeos, que desmonta a necessidade de beeber mais de dois litros de água por dia: aqui.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

NOVO TESTE DA IDADE BIOLÓGICA


Há pessoas que são mais velhas do que parecem e há outras que parecem mais velhas do que são. Há a idade do bilhete de identidade e há a verdadeira idade do organismo. Em breve, promete-nos uma bióloga molecular espanhola associada ao Centro Nacional de Pesquisa de Cancro e a uma empresa sugestivamente chamada Life Length, será possível com um simples teste de sangue saber a idade biológica. Como? Pois examinando o tamanho dos telómeros, as pontas dos cromossomas que se vão gastando à medida que o organismo funciona (ver imagem). Vai ser, prometem-nos, tão fácil como medir o colesterol...

O MELHOR PEIXE DO MUNDO


Que bom é ler, ouvir ou ver o engenheiro, vinicultor e gastrónomo José Bento dos Santos dizer que o peixe português é o melhor do mundo! Veja aqui a sua intervenção nas conferências TED realizadas na Casa da Música do Porto em Março passado. Ele informa-nos, com a sabedoria gastronómica, que os melhores restaurantes de Nova Iorque servem peixe português. A questão que fica é então: se os mares que banham as nossas costas nos prodigalizam com tão bom peixe, por que é que não conseguimos vender o nosso peixe tão bem como outros o fazem? Pela minha parte vou continuar a vender "o meu peixe": é preferível comer peixe a comer carne! E, tendo o melhor peixe à mão, não há que hesitar...

Na imagem: painel de azulejos na Póvoa do Varzim representando o leilão na lota do peixe.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Programa "Peso Pesado" dá lições erradas

Partilho da opinião do investigador Pedro Teixeira, responsável pelo projecto "Registo Nacional de Controlo de Peso" do Laboratório de Exercício e Saúde da Faculdade de Motricidade Humana da Universidade Técnica de Lisboa, que critica o programa por não falar sobre alimentação saudável e apresentar o exercício físico como algo doloroso:

"Do programa para a realidade vai um passo tão grande, que o que ali se passa terá pouca aplicação na vida da maior parte das pessoas", disse à Lusa Pedro Teixeira, responsável pelo programa da Faculdade de Motricidade Humana (FMH) para perceber quais os hábitos dos portugueses que conseguiram emagrecer e manter o peso. Até agora estão inscritos 230 portugueses no Registo Nacional de Controlo do Peso que perderam, em média, 18 quilos.

Os casos de sucesso investigados pela equipa da FMH revelam percursos que estão longe do que aparece na televisão. "Ninguém perdeu muitos quilos em pouco tempo, até porque, regra geral, perdas de peso agressivas não são mantidas", alertou o especialista em nutrição.

Os concorrentes do ‘Peso Pesado’ experimentam um contexto "irrealista", ao serem tratados como se fossem "atletas olímpicos de perda de peso". "Estão sob muita pressão e têm muito acompanhamento de pessoas diferentes", resumiu o professor.

Pedro Teixeira teme que o fim do programa televisivo signifique para muitos dos concorrentes o regresso gradual ao peso antigo, já que deverão ser poucos os que vão conseguir manter aquele estilo de vida. "Pelo menos, foi o que aconteceu com os concorrentes do programa norte-americano", recordou, referindo-se ao modelo norte-americano ‘The Biggest Loser’, que acompanha vários obesos na senda de perder peso através de dieta e ginástica intensiva.

Além dos casos pessoais dos concorrentes, o especialista teme que os telespectadores tirem conclusões erradas. A excessiva importância do peso para a felicidade das pessoas é uma mensagem subliminar que deve ser corrigida: "É possível ser-se feliz e saudável, mesmo com um pouco de peso a mais", defende o investigador.

Outras das críticas prende-se com a forma como o exercício físico é apresentada na televisão. "Há sofrimento, desconforto, gritos, com as pessoas sempre a suar muito", lamenta Pedro Teixeira, explicando que esta visão está longe do recomendado pelos especialistas para perder peso.

No programa existe um militar que humilha e castiga os concorrentes que tentam superar as provas. No entanto, "quem faz exercício para o resto da vida faz algo que lhe dá prazer, que gosta e que tem significado. Não anda a sofrer constantemente", diz. Quem sofre, desiste.

Finalmente, o especialista em nutrição lamenta que até agora o programa "desvalorize o papel da alimentação": "Não se fala nas refeições, porque é muito mais atraente do ponto de vista destes programas ver alguém a gritar e outros a suar do que ver alguém a cozinhar algo que demora 20 minutos a preparar".

Texto e imagem
http://www.destak.pt

"Comer bem é mais barato" em Faro

Informação recebida da Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN):

(clique na imagem para a aumentar)

terça-feira, 24 de maio de 2011

Vantagens Nutricionais do Leite de Cabra

Alimento com muita tradição na história da alimentação humana, o leite de cabra, após uma queda acentuada no seu consumo no início do século XX, recupera agora o prestígio perdido. As suas propriedades dietéticas e nutricionais são realmente dignas de nota, e fazem dele um bom substituto do leite de vaca tradicional.

O leite de cabra é um alimento natural e hipoalergénico com uma composição nutricional mais parecida com o leite humano do que o leite de vaca. Contém menos caseína alfa (proteína) do que o leite de vaca e menos lactose, ambos nutrientes responsáveis pela maioria das alergias, intolerâncias e má digestão. A fracção lipídica (gordura) do leite de cabra é caracterizado por glóbulos de gordura de menor tamanho, facilitando a acção das lipases (enzimas que digerem as gorduras) e pelo seu elevado conteúdo de ácidos gordos de cadeia curta e média (butírico, cáprico, caprílico, capróico, láurico). Este tipo de ácidos gordos são directamente absorvidos na mucosa intestinal e de lá transportado para o fígado, sem passar pelo percurso típico de ácidos gordos com mais átomos de carbono. Circulam sob a forma de agregados de lipoproteínas de muito baixa densidade chamados quilomícrons. Por este motivo, embora sejam ácidos gordos saturados, não têm qualquer efeito negativo sobre o colesterol no organismo.

Um grupo de investigação da Universidade de Granada, Espanha, tem vindo a demonstrar as vantagens nutricionais do leite de cabra considerando-o um autêntico alimento funcional que deve ser promovido e consumido regularmente. De acordo com os investigadores, o consumo regular de leite de cabra em pessoas com anemia por deficiência de ferro leva à aceleração da sua recuperação, potenciando a utilização nutritiva de ferro e a regeneração da hemoglobina.

Este leite é também mais rico em cálcio e fósforo altamente biodisponíveis, isto é, o seu depósito na matriz orgânica do osso é favorecida. Apresenta também maior quantidade de zinco e selénio, micronutrientes bons para a defesa antioxidante e prevenção de doenças neurodegenerativas.

Sites Consultados
http://www.my-personaltrainer.it
http://www.alert-online.com

Imagem
http://www.my-personaltrainer.it

sexta-feira, 20 de maio de 2011

"Comer Bem é mais barato" em Viana do Castelo

Informação recebida da Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN):

(clique na imagem para a aumentar)

quarta-feira, 18 de maio de 2011

SOPA PORTUGUESA: O MELHOR ALIMENTO FUNCIONAL DO MUNDO

O International Food Information Council (IFIC) define alimentos funcionais como "alimentos que proporcionam benefícios para a saúde para além da nutrição básica". Todos os alimentos são funcionais e têm valor nutritivo. Nos últimos dez anos foi adoptado o termo “alimentos funcionais” como sinónimo de “alimentos para a saúde” (foods for health). De facto, já foram identificados, principalmente nos alimentos vegetais, mais de cem mil compostos bioactivos com efeitos na saúde. É frequente ouvirmos falar dos compostos fenólicos das uvas ou dos frutos do bosque que possuem acção anti-cancro, da capsaicina da pimenta que ajuda a emagrecer, dos ácidos gordos ómega 3 do peixe que favorecem a saúde cardiovascular e por aí fora.

Mas vamos às razões que me levaram a eleger a sopa como o melhor alimento funcional. A sopa é um verdadeiro harmonizador metabólico porque é composta maioritariamente por nutrientes reguladores tais como água, fibras, vitaminas, minerais, compostos antioxidantes e outros fitoquímicos. Tem ainda hidratos de carbono, gordura (a melhor é o azeite) e poderá ter proteínas vegetais se incluir leguminosas (feijão, grão, ervilhas ou lentilhas) ou proteínas animais se for sopa de peixe, por exemplo. Os nutrientes reguladores promovem o funcionamento do intestino, ajudam a controlar o apetite favorecendo a perda de peso e melhoram os valores do colesterol e triglicerídeos. Os doentes diabéticos controlam melhor a glicémia. O organismo funciona melhor quando comemos sopa!

Por outro lado, o facto de a sopa ser um alimento com baixa densidade energética, isto é, um grande volume de alimento com poucas calorias (lembro que um prato de sopa tem, em média, menos calorias do que um iogurte!) promove o emagrecimento e também a longevidade. Comer sopa diariamente no início das duas principais refeições permite restringir calorias sem sacrifício e está provado que a restrição calórica aumenta a longevidade uma vez que há diminuição dos radicais livres, dos marcadores inflamatórios e dos danos no DNA o que proporciona um envelhecimento celular mais lento. Apesar de o tempo ter aquecido e de o Verão estar à porta, não há desculpas para não comer sopa, o melhor alimento funcional do mundo.

As sopas de Verão devem ser mais leves e menos calóricas, não deixando por isso de ser agradáveis. Podem não se aquecer tanto como no Inverno e existem também as receitas de sopas frias à base de alimentos campeões de baixas calorias como o pepino (o famoso gaspacho).
Se as leitoras ou leitores estão a pensar na linha por causa do tempo de praia que se avizinha sugiro que sigam o plano alimentar "O Método de Eiras" que vem no livro da minha autoria "Emagrecer é..." (Gradiva, 2010), que inclui, obviamente, sopa ao almoço e ao jantar e que tem permitido os seus seguidores emagrecer, em média, três quilos por mês. São seis quilos até Julho que farão, concerteza, toda a diferença!

terça-feira, 17 de maio de 2011

Café reduz risco de cancro da mama pós-menopausa

De acordo com o estudo realizado por investigadores suecos do Instituto Karolinska de Estocolmo e publicado na revista Breast Cancer Research as mulheres que têm o hábito de beber café correm menor risco de desenvolver um subtipo específico de cancro da mama.

Existem dois subtipos de cancro da mama: os sensíveis a estrogénios - receptores de estrogénio positivo (ER-positivo) e não sensíveis a estrogénio - receptores de estrogénio negativo (ER-negativo). Os tumores ER-positivo, ao contrário dos ER-negativo, dependem do estrogénio para se desenvolverem.

No estudo, participaram 5929 mulheres suecas, entre os 50 e os 74 anos, em que metade tinha cancro da mama. Foram avaliadas as características comportamentais e de saúde como hábitos tabágicos, de consumo de álcool, consumo alimentar, índice de massa corporal (IMC), rotinas de actividade física, histórico familiar de cancro da mama, protocolos de terapia hormonal, escolaridade e consumo de café. Os cientistas também tiveram em conta o subtipo e estado de desenvolvimento do cancro da mama.

A principal conclusão é que beber café está relacionado com uma forte redução do risco de cancro da mama ER-negativo. As mulheres que bebiam cerca de cinco chávenas de café por dia tinham um risco entre 33 e 57% mais baixo de ter cancro da mama ER-negativo do que aquelas que consumiam menos de um café diário.

Referência
Jingmei Li, Petra Seibold, Jenny Chang-Claude, Dieter Flesch-Janys, Jianjun Liu, Kamila Czene, Keith Humphreys, Per Hall. Coffee consumption modifies risk of estrogen-receptor negative breast cancer. Breast Cancer Research 2011, 13:R49

Imagem
http://www.psdgraphics.com/icons/psd-coffee-cup-icon/

sexta-feira, 6 de maio de 2011

VOLTO JÁ


As estimadas leitoras e leitoras poderão ter reparado que, por razões que tem a ver com uma temporária mudança de local de trabalho e exercício de nova actividade, estive ausente nos últimos dias. Vou estar ocupada mais uns dias, rareando os posts. Mas prometo voltar muito em breve com a frequência a que tinha habituado as leitoras e leitores, fornecendo informações actualizadas sobre nutrição, saúde e longevidade. Não é demais lembrar que esta é a melhor época do ano para emagrecer. O mercado fornece frutas da época bastante nutritivas e o tempo convida ao exercício físico...
Até breve!

PESO PESADO


Depois do "Peso Certo", made in USA, chegou o "Peso Pesado", made in Portugal, mas mais ou menos imitação do primeiro. Já está no ar numa das televisões privadas um espectáculo à volta da obesidade importado directamente de fora. Se o primeiro show tinha audiências, este audiências tem.

Programas como este, mostrando pessoas em situações extremas, não podem deixar de chocar. Até a mim, uma profissional da nutrição clínica que lido quase todos os dias com situações como as apresentadas, me chocam. Sei bem que estes casos de obesidade são reais e causam um tal sofrimento que os pacientes estão dispostos a tudo. Mas choca-me sobretudo que os profissionais do entretenimento façam da doença um espectáculo para fruição geral. Que mais doenças faltará mostrar?

FEIRA DO LIVRO


No domingo 15 de Maio pelas 15 horas estarei no Pavilhão da Gradiva na Feira do Livro de Lisboa, no Parque Eduardo VII, para uma sessão de autógrafos no meu livro "Emagrecer é..."

HUMOR: O EXERCÍCIO DO RATO