Pular para o conteúdo principal

O que há em comum entre a compulsão alimentar e a toxicodependência ?

Segundo um estudo da responsabilidade de Ashley N. Gearhardt e publicado nos Archives of General Psychiatry as pessoas que têm um comportamento alimentar compulsivo apresentam uma actividade cerebral semelhante à dos toxicodependentes, incluindo uma elevada activação do circuito de recompensa em resposta ao estímulo da comida.

O estudo analisou 48 adolescentes saudáveis do sexo feminino, que variavam entre magras e obesas, a quem foram fornecidos alimentos muito saborosos (batido de chocolate) e uma solução de controlo sem sabor. Os investigadores da Universidade de Yale, nos EUA, analisaram a relação entre os sintomas de comportamento alimentar compulsivo, diagnosticados através da Yale Alimentar Addiction Scale (YFAS), e a actividade cerebral, medida através de ressonância magnética funcional, em resposta à alimentação.

O estudo revelou que as pontuações obtidas através da YFAS se correlacionavam com uma maior activação de determinadas áreas do cérebro, incluindo o córtex cingulado anterior, córtex orbitofrontal medial e amígdala, em resposta à entrega antecipada dos alimentos. As participantes com pontuações mais elevadas apresentaram maior activação no córtex pré-frontal dorso-lateral e caudado em antecipação a alimentos saborosos e menor activação no córtex orbitofrontal lateral durante a ingestão dos mesmos alimentos. Tal como os autores do estudo previam, as pontuações mais elevadas estavam associadas com regiões do cérebro envolvidas na motivação para comer. O córtex cingulado anterior e o córtex orbitofrontal medial têm sido associados à motivação para o consumo de drogas em toxicodependentes.

Em comunicado enviado à imprensa, os autores do estudo concluem que “estes resultados apoiam a teoria de que o comportamento alimentar compulsivo pode ser impulsionado, em parte, por uma antecipação aumentada das propriedades de recompensa da comida. De forma semelhante, os indivíduos viciados são mais propensos a serem fisiologicamente, psicologicamente e comportamentalmente mais reactivos a estímulos relacionados com drogas”.

Os investigadores acrescentam ainda que, se determinados alimentos são viciantes, isso poderia explicar, em parte, a dificuldade que as pessoas sentem quando tentam perder peso. Além disso, os autores do estudo chamam a atenção para o facto de a publicidade constante e a disponibilidade de alimentos saborosos e baratos dificultarem a adopção de uma dieta saudável por eles activarem o sistema de recompensa.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…