Pular para o conteúdo principal

FUKUSHIMA: As crianças são quem mais poderá sofrer com a contaminação radioactiva

A ameaça de desastre nuclear na central de Fukushima é cada vez mais real. Segundo a Agência de Segurança Nuclear japonesa, as pessoas em Fukushima estão neste momento expostas a uma radiação superior a 8 milisieverts (mSv) por hora, o triplo da que uma pessoa poderá estar exposta no decorrer de um ano segundo as normas de segurança. A exposição a elementos radioativos poderá precipitar o aparecimento de diversos tipos de cancros designadamente da tiróide, pulmões, sangue e cólon, de gravidade proporcional à dose absorvida. Para proteger a saúde da população o governo japonês em conjunto com a Organização Mundial de Saúde tomaram, entre outras, duas medidas fundamentais: a evacuação do local num raio de vinte quilómetros em volta da central nuclear e distribuição de doses de iodo pela população.

Segundo o médico Manuel Sobrinho Simões, em entrevista publicada no jornal Público, as pastilhas de iodo servem para saturar a tiróide de iodo normal evitando assim a fixação do iodo radioactivo. Esta operação deve ser realizada, de preferência, uma hora antes da emissão de partículas contaminadas. Sobrinho Simões explica ainda porque é que as crianças são as mais afectadas:
"Quando acontece um acidente nuclear, é libertado iodo radioactivo, que é fixado, principalmente pelas chuva, nas pastagens, contaminando o gado e o leite produzido por esse gado. Trata-se de radiação beta que não penetra em grande profundidade no organismo, ao contrário da radiação gama libertada pela bomba atómica, como aconteceu em Hiroshima, e que provocou mais casos de leucemia e cancro do intestino. A principal consequência da contaminação com esta radiação é o desenvolvimento de cancro da tiróide. As crianças são as principais afectadas, uma vez que o iodo é fixado na tiróide, que só cresce até aos 15 anos. As crianças consomem também mais leite, o que aumenta o risco.”
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…