Pular para o conteúdo principal

"Não há uma, mas várias formas de obesidade"


Com este título, a sempre interessante revista francesa "La Récherche" (LR) publica no seu número de Dezembro, que está nas bancas, uma entrevista com o Dr. Arnaud Basdevant (AB), professor na Universidade Pierre et Marie Curie e director do Serviço de Nutrição do famoso hospital da Pitié-Salpêtriêre, em Paris. Lembro que ainda há pouco houve um problema em França com um medicamento para emagrecer. Destaco um excerto:

LR - Não fala de medicamentos [para emagrecer]?

AB- Sejamos claros: nessa área é o deserto! Tem havido uma série de falhanços nos últimos anos, de tal modo que não há mais do que um só medicamento no mercado. É preciso absolutamente que nos interroguemos sobre estes falhanços sucessivos. Na minha opinião, isso tem a ver com o facto de se ter querido desenvolver medicamentos que servissem a toda a gente, quando o fenómeno da obesidade é muito heterogéneo. Algumas formas de obesidade são principalmente genéticas, outras estão ligadas a problemas comportamentais, a factores psicológicos ou sociais, a medicamentos prescritos para o tratamento de outras doenças... As próprias consequências são eminentemente variáveis. Alguns pacientes sofrem principalmente de complicações metabólicas, outros de complicações respiratórias, outros ainda de tensões psicológicas... Não é a mesma coisa atender um jovem que vem de aumentar 10 kg porque tem problemas familiares ou uma pessoa de 60 anos que tem uma obesidade maciça, uma apneia do sono, diabetes e hipertensão. É preciso ajustar estratégias e instrumentos terapêuticos "à medida", adaptados a cada paciente. estamos ainda muito longe disso.

LR- Então e não há pistas prometedoras?

AB- Se certas cirurgias são tão eficazes. é porque elas desencadeiam modificações mecânicas e biológicas; e pensa-se que essas modificações, uma vez identificadas, nos poderão fornecer pistas para novos tratamentos medicamentosos. Esse é o domínio da pesquisa clínica experimental realizada por várias equipas francesas sobre os mecanismos de acção da cirurgia. Mais globalmente, muitas esperanças sobre a pesquisa dos determinantes "não calóricos" da obesidade. É muito claro que a obesidade está ligada a um desequilíbrio energético, a um acréscimo calórico excessivo relativamente aos gastos. Mas nós não somos todos iguais perante essa situação Hoje em dia, interessamo-nos muito por tudo aquilo que possa explicar essas diferenças entre os indivíduos: decerto que a genética, e a interacção entre os genes e o ambiente; mas também tudo o que é epigenético, como a influência da alimentação materna durante a gravidez ou a influência da alimentação durante os primeiros meses de vida; ou ainda os sinais emitidos pelo intestino ou pela flora intestinal... Há aí uma possibilidade de compreender porque é que certas pessoas têm uma capacidade de armazenamento grande ao contrário de outras, porque é que certas pessoas resistem à obesidade e outras não."
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…