Pular para o conteúdo principal

RECEITAS DA NUTRICIONISTA - receitas com poucas despesas

A pedido de várias famílias vou tentar pôr todos os fim-de-semana uma receita que obedeça aos seguintes requisitos: à base de ingredientes naturais,de fácil execução, pouco dispendiosa, nutricionalmente interessante e caloricamente pouco agressiva. Começo com uma sobremesa para adoçar a boca dos leitores. Mas prometo que não vão faltar receitas de sopas, de pratos de peixe e variadíssimas sugestões para preparar legumes e saladas, ou não fosse este blogue o "Comer bem até aos 100", certo?
A receita de hoje é de uma tarte de frutas que aprendi a fazer em Itália e que leva muito pouco açúcar. Faço-a sempre com frutas diferentes de acordo com a época. A que está na imagem foi a que fiz mais recentemente, aproveitando o baixo preço das mangas.

TARTE DE FRUTAS

Ingredientes para a massa
250 g farinha trigo
100 g manteiga de vaca (não confundir com margarina)
1 ovo inteiro
1 colher chá de fermento
Misturam-se todos os ingredientes formando uma massa. Forra-se a forma e leva-se ao forno cerca de 20 minutos.

Ingredientes para o recheio
300 ml de leite
3 gemas de ovo
2 colheres de sopa de farinha
3 a 4 colheres de sopa de açúcar (menos ou mais doce, ao gosto de cada um)

Pôr o leite a aquecer menos meio copo. Bater as gemas com o açúcar, incorporar a farinha peneirada alternando com o leite frio. Juntar o leite quente mexendo sempre. Aquecer até levantar fervura e engrossar. Deita-se na forma a cobrir a massa já cozida e enfeita-se com a fruta. Vai ao frigorífico

Frutas: meia manga, 5 kiwis, mirtilos, uvas brancas no centro. Podem escolher-se outras frutas como morangos, nectarinas (com casca e tudo porque ficam óptimas e causam bonito efeito), uvas, frutos do bosque, etc.

Sugestão:antes de levar a tarte ao frigorífico pode preparar-se uma gelatina própria para tartes e deitar por cima da fruta para não oxidar, deixando a tarte com óptimo aspecto. Na imagem o pacote da referida gelatina que comprei em Itália. Estou certa que também se encontra, nos nossos supermercados, algum produto similar.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…