Pular para o conteúdo principal

AGRADECIMENTOS NA APRESENTAÇÃO DO MEU LIVRO "EMAGRECER É"...

Palavras que proferi no final da sessão de apresentação do meu livro "Emagrecer É..." realizada na quarta-feira no Centro de Saúde de Eiras:

Não vou falar do livro já que ele fala por si. Fala pouco, mas espero que fale bem.

O livro "Emagrecer é..." é uma síntese que resultou de muitas horas de análise. Tentei concretizá-la numa escrita simples para ser entendido por todos (incluindo as crianças e os jovens).

Agradeço à Dr.ª Maria Augusta Mota e ao Dr. Alegre pela imediata cedência deste espaço, o meu local de trabalho, quando, um pouco a medo, lhes sugeri como o meu favorito para o lançamento do livro.

Uma palavra especial para o Dr. Alegre, que me recebeu calorosamente neste Centro de Saúde no dia em que aqui cheguei, já lá vão três anos. Valorizou sempre o meu trabalho e ajudou-me a obter o que ambos julgávamos impossível: a aquisição da balança de impedância bioeléctrica (caríssima!) que uso no meu consultório. Foi, no meu entender, o seu espírito dinâmico e empreendedor que nos permitiu avançar, escrevendo uma carta com uma argumentação que se revelou eficaz. Ele disse-me na altura: “Ana, se não a pedirmos, é que não a temos de certeza”. E conseguimos!

Agradeço também ao Doutor Luís Santiago. Em primeiro lugar, pela sua sábia revisão científica da obra (revisão realizada no Algarve em tempo de férias) e, em segundo lugar, pela eloquente apreciação que acaba de fazer. O modo como apresentou o livro representa para mim um estímulo, deixando-me orgulhosa de ter sido a autora. Tem sido para mim um verdadeiro privilégio trabalhar com um médico tão competente e dedicado.

Agradeço ainda ao editor da Gradiva, que também edita o consagrado José Rodrigues dos Santos (eu não consigo vender tanto... e daí não sei, a avaliar pela enorme procura que o livro teve aqui hoje). O meu editor acreditou logo de início neste projecto e a equipa da editora realizou-o com muito profissionalismo. Guilherme Valente, para quem “o livro é um instrumento único na transmissão do conhecimento”, procura sempre que os seus livros saiam aprimorados e este também saiu. Ele costuma dizer que os livros que edita não são para ele, mas sim para as pessoas. E este livro prova isso mesmo. Ele não precisaria dele porque é um homem magro, uma pessoa que cuida muito bem da sua alimentação!

Ao Professor Polybio Serra e Silva, director da Fundação Portuguesa de Cardiologia - Delegação do Centro, agradeço pela amabilidade do simpático prefácio com que me honrou. Aproveito para desfazer um erro involuntário: o terceto com que termina o prefácio afinal é uma quadra, que passo a ler:

"Pois, como a Ana bem prevê,
Quem “Emagrecer é...” ler

Fica a saber, já se vê,
O que é... emagrecer"

Esta forma de terminar o prefácio tem o cunho pessoal do Prof. Polybio, tanto do meu agrado. Bem haja!

Agradeço ao Zé Souto, pelo desenho da capa, que é a parte mais erudita do livro... O pintor e inventor Leonardo da Vinci tinha desenhado em 1490 o homem de Vitrúvio, baseado nas proporções clássicas, e o Zé, mais de 500 anos depois, desenhou a mulher de Vitrúvio. Só lhe pedi que a vestisse com um mínimo de decência, o que não acontecia na primeira versão que recebi...

O sucesso da minha consulta de nutrição clínica e alimentação e, portanto, a escrita deste livro não teriam sido possíveis sem as centenas de pessoas que procuraram a minha ajuda e a quem procurei ajudar. É-me muito grata a presença de algumas delas aqui hoje. O reconhecimento delas é o melhor testemunho da utilidade do meu trabalho.

A minha gratidão estende-se também a todos os que trabalham comigo, no dia-a-dia: os médicos (internos incluídos, claro), as enfermeiras, as administrativas e as auxiliares. Obrigada pelo óptimo ambiente de trabalho que proporcionam. Apetece-me dizer como no anúncio: "Aqui eu sou feliz!"

Agradeço também às pessoas que trabalham comigo em projectos tão diversos e tão gratificantes: a Cecília, a Alexandra (que são nutricionistas, tal como eu), a Marina, a Águeda, o chef Gil, a Dr.ª Ilídia, o Dr. Gabriel, todos os membros do departamento médico da Académica de Coimbra, o Eng.º Saavedra e a Isabel, do Mercado Abastecedor de Coimbra, e, finalmente, à Universidade de Aveiro, representada hoje aqui pela Margarida e pela Helena.

Agradeço ainda a todos os amigos que aqui estão hoje e a todos aqueles que, por diversos motivos, não puderam estar hoje connosco, mas que me enviaram amáveis mensagens de felicitações e votos de sucesso para o livro. Vou citar uma das frases, que recebi via e-mail de um dos nosso mais famosos chefs de cuisine, porque acertou em cheio no objectivo desta obra: “...desejo as melhores felicidades e sucessos para mais este projecto que abraçou, que estou certo, em muito vai ajudar a população portuguesa (cada vez mais gorda).

E, finalmente, seja-me permitido uma nota mais pessoal (os últimos são os primeiros!). Este livro é dedicado aos meus Pais que hoje estão aqui a partilhar comigo este momento de alegria. É no seu exemplo que procuro inspiração para o meu trabalho quotidiano e também para educar os meus filhos.

Agradeço ao Pedro e ao Vasco, que também estão aqui hoje comigo, porque compreenderam e cederam algum do meu tempo, que lhes estaria destinado, para a escrita deste livro.

Agradeço à minha família, em particular às minhas irmãs e irmãos, que hoje vejo aqui com grande contentamento meu. E ao Carlos, que veio “a correr” de Lisboa para poder estar aqui presente. A sua companhia em boa hora apareceu na minha vida. É o meu crítico de serviço, designadamente como revisor da minha prosa. Sinto que tenho o "caldo entornado” quando ele me diz: “Isso está uma boa bodega!” E lá volto eu para a frente do computador para limar mais umas arestas do texto... Obrigada Carlos, pela força que me tens dado.
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…