Pular para o conteúdo principal

A DIETA DOS MINEIROS CHILENOS


Agora que os 33 mineiros chilenos estão à superfície, muita gente pergunta: como é que eles sobreviveram tantos dias num sítio tão inóspito e regressaram com uma aparência que se não é boa é, pelo menos, razoável?

De facto, passaram fome. Durante os 17 dias em que estiveram isolados do mundo a sua dieta limitou-se a duas colheres de atum por dia, meio copo de leite e um biscoito. Emagreceram necessariamente. Mas, a partir do momento, em que uma perfuradora de pequeno diâmetro (8 cm) chegou ao espaço onde estavam e eles colaram a famosa mensagem: "Estamos bem os 33 no refúgio" (tinham ouvido o barulho da escavadora e tinham preparado mensagens escritas para as colar na ponta da sonda), tudo mudou.

A primeira coisa que lhes deram de fora foi uma dose de 200 mL de um suplemento nutritivo médico à base de leite chamado Supportan. Como estavam desidratados, receberam imediatamente gels líquidos com proteínas e vitaminas e passaram a consumir o dobro da água do que antes, tudo enviado através do estreito tubo. A primeira refeição sólida foi cereais com papa de pêra e maçã. Lentamente (a mudança de regime alimentar não podia ser brusca, para evitar doenças conhecidas!) passaram para um menu normal, com 2300 quilocalorias por dia, em cinco refeições, pequeno-almoço, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Foi-lhes dito para fazerem exercício de pelo menos uma hora diária, o que era possível pois havia galerias extensas na mina (inclusivamente a "casa de banho" era longe!). Uma equipa da NASA, formada por dois médicos, um psicólogo e um engenheiro tinha chegado entretanto ao local e deu conselhos sobre a dieta, baseado naquilo que se sabe sobre o que é a melhor alimentação dos astronautas. Era importante que as comidas, sempre enviadas da superfície, devidamente aquecidas, tivessem bom aspecto. Um menu típico era constituído por:

- iogurte líquido, torrada e geleia ao pequeno-almoço.
- biscoitos proteicos a meio da manhã
- salmão assado com puré de batata ao almoço com sobremesa de ananás. Bebiam Gatorade.
- pão e arroz doce à tarde
- lombo de porco assado com milho ao jantar com sobremesa de tangerina.

Gostaram do menú, embora se tivessem queixado da falta de bebidas alcoólicas. Tinham de caber na cápsula Fénix, de modo que o controle de peso foi sempre devidamente assegurado. Nas últimas seis horas antes de subir à superfície, mudaram para uma dieta especial de líquidos, recomendada pela NASA, para evitar males cardíacos, enjoos, etc. durante a subida. Foi-lhes dada uma aspirina.

E, palmas!, eles já cá estão em cima connosco! Os nutricionistas ajudaram ao esforço de salvamento.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…