sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Esparguete com camarão e amêijoas em saco de papel

Do blogue cozinhacomtomates.blogspot.com transcrevo uma receita, para experimentarem no fim-de-semana, que me agradou por dois motivos: por ser de fácil execução e por ser baixa em calorias:

"Quando precisarem de uma receita simples mas impressionante - e com sabores a Verão e a mar que já começam a deixar saudades - esta é a opção ideal. Vi a receita na secção de receitas que a australiana Donna Hay publica na revista inglesa Living Etc., e a ideia de cozinhar o prato em saco de papel pareceu-me interessante. É uma bela ideia - as amêijoas e o camarão cozem no forno, devagar, sobre o esparguete, e libertam todo o aroma de mar sobre a massa, que fica extremamente aromática.

Ingredientes (2 pessoas):
200g de esparguete
cerca de 10 camarões descascados
400g de amêijoas
100ml de vinho branco seco
25g manteiga
2 dente de alho picados
2 limões
salsa
sal, pimenta
azeite

Preparação:
Lave bem as amêijoas, deixando-as em água salgada durante algum tempo, trocando a água algumas vezes para que larguem a areia.

Coza a pasta numa panela grande com água e sal abundante, até estar al dente. Escorra e reserve. Ligue o forno a 180º, e forre um recipiente de ir ao forno com papel vegetal (use bastante papel vegetal, visto que no final terá de o fechar para fazer o 'saco'). Deite a massa sobre o papel vegetal e cubra com os camarões e as amêijoas. Regue com o vinho branco, deite a manteiga cortada em pedaços pequenos, espalhe o alho picado por cima e tempere com sal e pimenta. Pegue nos cantos do papel e ate-os com fio de cozinha, fazendo assim uma espécie de saco.


Leve ao forno por cerca de 35 minutos (cuidado para que o papel não incendeie - se necessário corte um pouco das pontas). Retire, abra o saco, esprema o sumo de um limão e corte o outro em oitavos para servir junto com a massa. Pique a salsa, espalhe-a sobre a massa e sirva imediatamente."

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Tecnologia no Controlo da Diabetes

A Bayer lançou um dispositivo electrónico, o Contour® USB, semelhante a uma pen drive, para melhor controlo da Diabetes. O Contour® USB é o primeiro medidor de glicemia com software de gestão da Diabetes (Glucofacts® Deluxe da Bayer) incorporado para uma rápida e rigorosa gestão de dados. É simples de usar e capaz de armazenar até 2000 resultados dos testes de glicémia para além de dispor de uma memória de 512 MB que pode ser usada como pen drive. Se há um teste anormal e se o doente quiser pode anotar a causa (por exemplo, "stress", "actividade", "festa", "doença"...) indo à secção "Notas". O comentário poderá posteriormente ser analisado junto do médico. O dispositivo permite ainda colocar lembretes para o próximo teste de glicemia e marcar facilmente os resultados das glicemias antes e depois das refeições. o dispositivo está disponível em farmácias e é indicado para pessoas com Diabetes de todas as idades, especialmente para os utilizadores de novas tecnologias.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Identificados Mais Genes Ligados à Obesidade

Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina de Harvard (HMS) identificou 18 tipos de genes associados á obesidade e 13 associados à distribuição da gordura corporal. O estudo incluiu dados de quase um quarto de milhão de participantes, a maior investigação genética de características humanas até à data. Os resultados foram publicados na revista Nature Genetics.

"Diferentes pessoas têm diferentes sensibilidades à obesidade", disse Joel Hirschhorn, professor adjunto de genética no HMS. "Alguns não tomam atenção ao que comem nem quanto exercício fazem e mesmo assim resistem a ganhar peso, enquanto que outros lutam constantemente para manter o seu peso. Algumas destas variabilidades são genéticas e nosso objetivo era compreender porquê que as pessoas têm diferentes susceptibilidades hereditárias para a obesidade".

Como a maioria dos genes identificados neste estudo nunca tinham sido associados à obesidade os resultados vão começar a clarificar a biologia que lhe é subjacente, levando a uma melhor classificação e tratamento da obesidade, disse Hirschhorn.

sábado, 23 de outubro de 2010

JÀ SAIU "EMAGRECER É..."



O meu livro "Emagrecer É..." já saiu, publicado pela Gradiva. É o primeiro livro magro sobre emagrecimento! Os interessados poderão adquiri-lo "On-line" no sítio da Gradiva (aqui) ou nas melhores livrarias.

A DIETA DOS MINEIROS CHILENOS


Agora que os 33 mineiros chilenos estão à superfície, muita gente pergunta: como é que eles sobreviveram tantos dias num sítio tão inóspito e regressaram com uma aparência que se não é boa é, pelo menos, razoável?

De facto, passaram fome. Durante os 17 dias em que estiveram isolados do mundo a sua dieta limitou-se a duas colheres de atum por dia, meio copo de leite e um biscoito. Emagreceram necessariamente. Mas, a partir do momento, em que uma perfuradora de pequeno diâmetro (8 cm) chegou ao espaço onde estavam e eles colaram a famosa mensagem: "Estamos bem os 33 no refúgio" (tinham ouvido o barulho da escavadora e tinham preparado mensagens escritas para as colar na ponta da sonda), tudo mudou.

A primeira coisa que lhes deram de fora foi uma dose de 200 mL de um suplemento nutritivo médico à base de leite chamado Supportan. Como estavam desidratados, receberam imediatamente gels líquidos com proteínas e vitaminas e passaram a consumir o dobro da água do que antes, tudo enviado através do estreito tubo. A primeira refeição sólida foi cereais com papa de pêra e maçã. Lentamente (a mudança de regime alimentar não podia ser brusca, para evitar doenças conhecidas!) passaram para um menu normal, com 2300 quilocalorias por dia, em cinco refeições, pequeno-almoço, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde e jantar. Foi-lhes dito para fazerem exercício de pelo menos uma hora diária, o que era possível pois havia galerias extensas na mina (inclusivamente a "casa de banho" era longe!). Uma equipa da NASA, formada por dois médicos, um psicólogo e um engenheiro tinha chegado entretanto ao local e deu conselhos sobre a dieta, baseado naquilo que se sabe sobre o que é a melhor alimentação dos astronautas. Era importante que as comidas, sempre enviadas da superfície, devidamente aquecidas, tivessem bom aspecto. Um menu típico era constituído por:

- iogurte líquido, torrada e geleia ao pequeno-almoço.
- biscoitos proteicos a meio da manhã
- salmão assado com puré de batata ao almoço com sobremesa de ananás. Bebiam Gatorade.
- pão e arroz doce à tarde
- lombo de porco assado com milho ao jantar com sobremesa de tangerina.

Gostaram do menú, embora se tivessem queixado da falta de bebidas alcoólicas. Tinham de caber na cápsula Fénix, de modo que o controle de peso foi sempre devidamente assegurado. Nas últimas seis horas antes de subir à superfície, mudaram para uma dieta especial de líquidos, recomendada pela NASA, para evitar males cardíacos, enjoos, etc. durante a subida. Foi-lhes dada uma aspirina.

E, palmas!, eles já cá estão em cima connosco! Os nutricionistas ajudaram ao esforço de salvamento.

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Quer emagrecer na barriga?


A gordura abdominal é indesejada, quer por ser responsável pelo síndroma metabólica, quer por razões meramente estéticas. É possível emagrecer na barriga, isto é, diminuir a gordura abdominal através de cuidados alimentares específicos combinados com o exercício físico, que não tem de ser localizado. Qualquer exercício que aumente a frequência cardíaca até 140 pulsações por minuto é indicado para queimar calorias e reduzir a gordura corporal (esteja ela localizada na barriga, nas costas, nos braços ou nas coxas). Deve ser praticado diariamente ou, pelo menos, sempre que for possível. Quanto aos cuidados alimentares específicos o que há a fazer é abolir o açúcar e os doces da alimentação. Tenho verificado, nas minhas consultas, que a gordura da barriga aumenta sempre que as pessoas comem doces. Recentemente, um estudo publicado no American Journal of Clinical Nutrition dá conta que é possível diminuir em 10% o volume de gordura visceral substituindo os cereais refinados pelos integrais. Esta medida é válida para o pão, arroz, massa e bolachas.

Referência:
- N. M. McKeown, L. M. Troy, P. F. Jacques, U. Hoffmann, C. J. O'Donnell, C. S. Fox. Whole- and refined-grain intakes are differentially associated with abdominal visceral and subcutaneous adiposity in healthy adults: the Framingham Heart Study. American Journal of Clinical Nutrition, 2010

Campanha Contra as Infecções Hospitalares

Entre os dias 17 e 23 de Outubro decorre a semana internacional de prevenção de Infecções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS). A questão das IACS é de fundamental importância para todas as instalações de serviços de saúde e para todos os consumidores dos serviços de saúde.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, em breve 1,4 milhões de pessoas em todo o mundo vão sofrer de infecções adquiridas em hospitais.

O Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos (CDC) estimou em 98 987 o número de mortes por infecções associadas aos cuidados da saúde naquele país em 2002.

Atingindo milhares de pacientes por ano, as IACS prolongam o internamento, aumentam a possibilidade de retorno ao hospital e encarecem os custos de tratamento por doente.

O Programa Informativo de IACS é parte de uma campanha nacional de consciencialização para profissionais de saúde intitulada “Infecção Aqui Não”, a qual fornece às instituições de saúde um kit com folhetos informativos, dicas de protecção para os pacientes e cartazes. Para mais informações consulte o Programa Informativo de IACS.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Comer Melancia Ajuda no Tratamento da Hipertensão

A melancia é um fruto conhecido pelas sua propriedades diuréticas. Agora, um estudo realizado na Universidade da Flórida mostrou que a melancia pode ajudar no tratamento da hipertensão.

Verificou-se que a melancia é uma boa fonte L-citrulina, um aminoácido que pode ser convertido em L-arginina, que é precursor do óxido nítrico, uma substância vasodilatadora. Este efeito vasodilatador faz relaxar o músculo liso que reveste as paredes dos vasos sanguíneos fazendo a pressão arterial diminuir. Os vasodilatadores não curam a pressão alta, mas podem ajudar a controlá-la.

A melancia fornece ainda potássio, licopeno (fitoquímico da família dos carotenóides responsável pela cor vermelha da melancia) e vitaminas A, B6 e C. Os investigadores acreditam que a suplementação futura com L-citrulina será uma alternativa capaz de diminuir as dosagens dos fármacos antihipertensores. Até lá, se sofre de hipertensão, inclua já hoje a melancia na sua alimentação!

Fonte:
- Arturo Figueroa, Marcos A. Sanchez-Gonzalez, Penelope M. Perkins-Veazie, Bahram H. Arjmandi. Effects of Watermelon Supplementation on Aortic Blood Pressure and Wave Reflection in Individuals With Prehypertension: A Pilot Study. American Journal of Hypertension, 2010.

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

APN lança e-Book "Semana de Ementas Saudáveis e Económicas"

Informação recebida da Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN):


Na comemoração do Dia Mundial da Alimentação de 2010, a Associação Portuguesa dos Nutricionistas (APN) adopta o tema proposto pela FAO para este ano: “Unidos contra a Fome”, desenvolvendo assim as suas actividades de acordo com este tema, de forma a fomentar a consciencialização sobre a fome a desnutrição no mundo e promover a adopção de medidas de combate a estas situações.

Poderá juntar-se à APN e disseminar as estratégias/materiais que sugerimos para combater a fome no nosso país.

- Position Paper da APN sobre esta temática: clique aqui

- e-Book “Semana de Ementas Saudáveis e Económicas”, elaborado pela APN, como forma de demonstrar a possibilidade de se ter uma alimentação saudável por menos de 30€ por semana. Para aceder clique aqui.

Outra forma de participar é assinar a petição online, organizada pela FAO, a qual pede aos governos para definir como principal prioridade a erradicação da fome.
Pode aceder em: http://www.1billionhungry.org

Alexandra Bento
Presidente da Direcção da
Associação Portuguesa dos Nutricionistas
Rua João das Regras, nº284 R/C 3
4000-291 Porto
Tel: +351 22 208 59 81; Fax: +351 22 208 51 45
www.apn.org.pt

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Síndroma do Comedor Nocturno


O Síndroma do Comedor Nocturno, conhecido pelas suas siglas em inglês NES (Night Eating Syndrome), foi descrito pela primeira vez por Albert Stunkard, em 1955, num estudo que realizou para determinar o comportamento alimentar em pacientes com obesidade severa que apresentaram resistência ao tratamento de redução de peso. A prevalência deste transtorno varia segundo diversos estudos, mas pensa-se que afecta cerca de dois por cento da população. Atinge ambos os sexos, mas é mais frequente em mulheres (cerca de 66% dos casos). As pessoas com o NES apresentam normalmente maior tendência para a depressão e têm baixa auto-estima. Em termos endócrinos está provado que os níveis nocturnos das hormonas melatonina e leptina estão diminuídos.

O NES parece ser resultante de um desequilíbrio químico do cérebro. É caracterizado por anorexia de manhã e hiperfagia e insónia à noite com alterações neuroendócrinas. A exacerbação dos sintomas coincide com os períodos de ganho de peso e episódios de stresse. Os alimentos ingeridos depois da última refeição são aqueles que possuem mais hidratos de carbono como bolachas, bolos, biscoitos, chocolate e pão.

O que diferencia as pessoas que sofrem do NES das que que sofrem de bulimia é que nas primeiras a necessidade de comer compulsivamente acontece sempre à noite e não tentam nenhum acto de compensação como vomitar, tomar laxantes ou diuréticos.

A anorexia matinal é definida como jejum ou ingestão pouco abundante durante o horário da manhã. Este fenómeno explica-se como sendo uma consequência da alteração do ritmo biológico, o que retarda a aparição do apetite. É frequente que estas pessoas não sintam vontade de comer durante as primeiras horas do dia, inclusivamente podem deixar de almoçar ou sentir muito pouca fome até à tarde.

Quanto à hiperfagia nocturna, Stunkard refere que as pessoas com padrões alimentares adequados têm um consumo calórico depois do jantar menor do que 10% do total requerido para um dia, enquanto os que apresentam o NES ingerem cerca de 35% das suas calorias diárias depois do jantar.

Os ataques nocturnos ao frigorífico não são considerados transtorno alimentar se forem esporádicos, mas se forem frequentes devem ser encarados como um problema que tem que ser resolvido porque leva invariavelmente à obesidade. Neste caso o melhor é procurar a ajuda de um especialista em endocrinologia ou fazer uma consulta do sono por uma equipa de especialista que estudam, diagnosticam e tratam todas as patologias do sono, em todas as idades, desde a criança ao idoso.

Sítios e Bibliografia consultados
http://www.scielo.org.ve/scielo.php?pid=S0798-07522006000100006&script=sci_arttext
http://www.med.upenn.edu/ins/faculty/stunkard.htm

Gluck EM, Geliebter A, Satov T. Night eating syndrome is associated with depression, low self esteem, reduced daytime hunger and less weight loss in obese outpatients. Obes Res 2001;94:264-267.

Allison KC, Stunkard AJ, Thier SL. Overcoming night eating syndrome. Oakland, New Harbinger Publications, 1st edition. 2004

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Dia Internacional de Combate à Obesidade


Assinala-se hoje, dia 11 de Outubro, o Dia Mundial de Combate à Obesidade. A data foi instituída em 1997 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objectivo de incentivar as pessoas a optarem por acções preventivas e saudáveis. A obesidade é apontada pela OMS como um dos maiores problemas de saúde pública no mundo, por atingir um bilião de pessoas.

Previna a obesidade alimentando-se com alimentos naturais e fazendo exercício físico todos os dias!

sábado, 9 de outubro de 2010

Dia Mundial do Ovo


Há dias para tudo... Comemorou-se ontem o Dia Mundial do Ovo, uma iniciativa da International Egg Commission que instituiu a segunda sexta-feira do mês de Outubro, desde 1996, para lembrar que o ovo é um alimento perfeito para qualquer refeição.

Aproveito para desmistificar o conceito de que o consumo de ovos faz mal à saúde porque faz subir o colesterol. Inúmeros estudos têm demonstrado que comer um ou mais ovos por dia, como parte de uma alimentação equilibrada, tem pouco efeito nos níveis de colesterol do sangue não aumentando o risco de doenças cardiovasculares em adultos saudáveis. Está provado que são as gorduras saturadas e as gorduras hidrogenadas (gorduras trans) as principais responsáveis pelo aumento dos níveis de colesterol sanguíneo e há trabalhos a atribuir as culpas do colesterol elevado ao consumo exagerado de açúcar ou aos hidratos de carbono muito refinados que fazem engordar facilmente.

Nutricionalmente o ovo é um alimento precioso. Cada unidade de tamanho L fornece cerca de 75 quilocalorias e é boa fonte de tiamina, riboflavina, ácido fólico e vitaminas B12 e B6 (essenciais para a produção de energia). Tem proteínas de elevada qualidade devido ao perfil de aminoácidos essenciais, cerca de seis gramas por ovo, que correspondem a 13% da quantidade diária recomendada. As características nutricionais do ovo fazem dele um alimento a priveligiar pelos praticantes de desporto porque contribuem para o ganho de força muscular e para a regulação dos níveis glicémicos.

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

LIGA PORTUGUESA CONTRA O CANCRO: Cada Fã no Facebook Vale Um Euro


Outubro é o mês de Prevenção do Cancro da Mama. A Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) está a usar o Facebook para angariar fundos para o combate a esta terrível doença: por cada pessoa que se torne fã da LPCC no Facebook, a Roche Farmacêutica dá um euro. A campanha dura até ao final do mês de Outubro e tem como objectivo chegar aos oitenta mil fãs.

Bebés Amamentados Têm Menos Febre Após Vacinação

A amamentação protege os bebés da febre decorrente da vacinação, revela um estudo italiano publicado na revista “Pediatrics”.

Após a administração de uma vacina é comum a manifestação de sintomas tais como febre ligeira, perda de apetite e dor ou inflamação no local onde foi aplicada a vacina. Os bebés que recebem as vacinas durante o primeiro ano de vida apresentam sintomas leves e passageiros após a inoculação, mas entre 1 a 2% têm febre alta.

No estudo, da responsabilidade de Alfredo Pisacane, da Universidade de Nápoles Federico II, os cientistas verificaram que os bebés alimentados com leite materno respondem à vacinação de forma diferente dos alimentados com fórmulas infantis.

Segundo os cientistas, o leite materno tem a função antipirética dado que reduz a produção de proteínas inflamatórias que se libertam logo após a vacinação. O contacto com a pele da mãe também traz tranquilidade, fazendo com que os bebés, mesmo com febre, não percam tão facilmente o apetite.

Está a decorrer a "Semana Mundial Do Aleitamento Materno", 4 a 10 de Outubro de 2010, sob o tema "Apenas 10 passos - O caminho Amigo do Bebé" uma iniciativa conjunta da World Alliance for Breastfeeding Action da Organização Mundial da Saúde e, no nosso país, da Direcção Geral da Saúde.

Referência:
- Alfredo Pisacane, MDa, Paola Continisio, PhDa, Orsola Palma, RNb, Stefania Cataldo, RNa, Fabiola De Michele, MDb, Ugo Vairo, MDb. Breastfeeding and Risk for Fever After Immunization. Pediatrics Vol. 125 No. 6 June 2010, pp. e1448-e1452

terça-feira, 5 de outubro de 2010

As Alergias Alimentares Podem Ter os Dias Contados...


Um novo estudo conduzido por uma equipe de cientistas da Universidade Johns Hopkins sugere que o sistema imunológico pode ser treinado para tolerar amendoins, leite e outros alimentos que causam alergias. Os resultados, publicados na revista Nature Medicine, mostram como foi possível "desligar" a reação alérgica às proteínas de certos alimentos, em ratos. Os investigadores esperam confirmar se este processo promissor terá a mesma resposta nos seres humanos.

Na imagem sete alimentos susceptíveis de causar alergias.

Referência:
- Yufeng Zhou,Hirokazu Kawasaki,Shih-Chang Hsu,Reiko T Lee,Xu Yao,Beverly Plunkett,Jinrong Fu,Kuender Yang,Yuan C Lee& Shau-Ku Huang. Oral tolerance to food-induced systemic anaphylaxis mediated by the C-type lectin SIGNR1.Nature Medicine 2010

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

Prémio Nobel da Medicina para Robert Edwards


O Comité Nobel anunciou esta segunda-feira que o Prémio Nobel da Medicina deste ano foi atribuído ao britânico Robert Edwards, 85 anos, pai da fecundação in vitro. A partir de Estocolmo, o comité considerou que esta descoberta ajudou milhões de casais inférteis por todo o Mundo a ter filhos. Trata-se de uma técnica que Edwards desenvolveu com a colaboração de Patrick Steptoe, que morreu em 1988.

Na imagem Robert Edwards com Louise Joy Bronw e o seu filho. Louise, de 32 anos, foi o primeiro “bebé-proveta”.

Fonte
euronews.net

Documentario da BBC: 10 Coisas Que é Preciso Saber Sobre Perder Peso

Os links deste programa da BBC foram enviados por uma amiga com o seguinte comentario: Útil, científico e até com uma boa banda sonora!
Concordo plenamente! A duraçao total do programa sao sessenta minutos (dez minutos cada link):



http://www.youtube.com/watch?v=0QGgf0B0eQQ
http://www.youtube.com/watch?v=L9qnyqearME
http://www.youtube.com/watch?v=RfwNgvCcrUc
http://www.youtube.com/watch?v=IvT1HXxJs-0
http://www.youtube.com/watch?v=4BdtnxBXOs4

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

DUZENTOS MIL...


O contador de baixo não mente. Este blogue acaba de ultrapassar um número redondo e bonito de visitantes: duzentos mil. Muito obrigado a todos os que me têm honrado com a sua visita. Esforçar-me-ei por continuar a corresponder ao interesse das leitoras e leitores, que para mim representa um enorme incentivo.

Como "prenda" às leitoras e leitores que querem emagrecer, deixo aqui o cartoon que o José Souto, da empresa de design gráfico Olifante, fez para a capa do meu livro, que vai sair em Outubro na editora Gradiva. O título? "Emagrecer é...". Será o livro mais magro de todos os que há para emagrecer, mas estará cheio de boas sugestões baseadas na minha prática e nas informações que me têm feito chegar. Bem hajam!

Ana Carvalhas