quinta-feira, 29 de julho de 2010

MAIOR NÍVEL DE ESCOLARIDADE, MENOR RISCO DE DEMÊNCIA

Investigadores britânicos e finlandeses num estudo em que foram examinados os cérebros de 872 pessoas, publicado na revista Brain do Oxford Journals dá-nos conta que o nível de escolaridade tem influência no maior ou menor risco de desenvolver demência. Os dados do estudo revelam que por cada ano adicional de escolaridade, há uma diminuição de 11% no risco de desenvolver demência.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

OMS DIVULGA FORMULÁRIO DE MEDICAMENTOS INFANTIS

Pela primeira vez, médicos de todo o mundo, têm acesso a informações padronizadas sobre prescrição, dosagem, efeitos colaterais e contraindicações de medicamentos para a população infantil. O Modelo de Formulário para Crianças agora divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) serve como guia de uso fornecendo orientações sobre como utilizar os mais de 240 medicamentos essenciais para crianças com idades entre os zero e os doze anos.

segunda-feira, 26 de julho de 2010

OBESOS RETÊM MAIOR QUANTIDADE DE POLUENTES AMBIENTAIS

Um grupo de cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, detectou níveis preocupantes de poluentes no tecido gordo de 20 pessoas com obesidade mórbida submetidas a cirurgia bariátrica (cirurgia de redução do estômago). A análise do tecido gordo, retirado dos doentes sujeitos à referida cirurgia, revelou altas concentrações de poluentes como dioxinas, dieldrina, DDT e DDE. Alguns deles foram proibidos há décadas, mas acumulam-se no ambiente contaminando a água e a cadeia alimentar, porque não se degradam.

A exposição prolongada a este poluentes tem sido relacionada com um maior risco de sofrer de carcinomas hormono-dependentes, como o cancro da mama, por exemplo. A Dra Conceição Calhau, investigadora responsável pelo estudo, explica que estes poluentes se encontram na carne e derivados do leite, sobretudo nos produtos gordos como as natas e o queijo, mas também se libertam dos recipientes plásticos, contaminando as bebidas e os alimentos embalados neste material.

Reduzir o consumo de carnes gordas e evitar consumir alimentos embalados em plástico são algumas das medidas possíveis para reduzir a acumulação destes poluentes no organismo.

Fonte
noticias.up.pt

sexta-feira, 23 de julho de 2010

DOENÇA CELÍACA - IDENTIFICADOS OS FRAGMENTOS DO GLÚTEN QUE SÃO TÓXICOS


A doença celíaca é uma doença autoimune caracterizada por uma intolerância permanente ao glúten, uma proteína existente em cereais como o trigo, o centeio, a cevada e a aveia. Os sintomas incluem diarreia, perda de peso, fadiga e dificuldades de desenvolvimento no caso das crianças, devido à má absorção dos nutrientes a nível intestinal. O único tratamento é uma dieta totalmente isenta de glúten, isto é, sem produtos de padaria, pastelaria, massas, croquetes, folhados, rissóis, cerveja, etc., para toda a vida.

Mas, hoje, há boas notícias para os celíacos. Cientistas australianos descobriram três fragmentos do glúten que são tóxicos para as pessoas que sofrem de doença celíaca. A descoberta abre caminho a uma nova geração de diagnósticos, tratamentos e estratégias de prevenção.

Fonte da Notícia
http://www.isaude.net

quinta-feira, 22 de julho de 2010

ALIMENTAÇÃO E CANCRO

Transcrevo parte de uma entrevista que o autor do livro "Anti Cancro-Um novo estilo de vida" (Caderno,2008), David Servan-Schreiber, concedeu à jornalista Ana Gerschenfeld do jornal Público. O excerto escolhido é sobre a importância da alimentação na prevenção e tratamento do cancro:

Afi rma que assistimos actualmente a uma epidemia de cancro, com maior incidência nos jovens do que no passado. Os médicos estão cientes disto, nomeadamente em relação ao cancro da mama. Quais são as causas desta epidemia?
Uma mistura de factores alteraram completamente o nosso estilo de vida a partir do fim da Segunda Guerra Mundial, em particular nas sociedades da Europa ocidental e da América do Norte. A nossa alimentação foi totalmente transformada, passámos a ter muito menos actividades físicas, as redes sociais e de amizade foram-se degradando – e reduzimos a nossa exposição ao sol (e, portanto, os níveis de vitamina D no organismo). Ao mesmo tempo, começámos a ser expostos a produtos químicos com uma intensidade sem precedentes. Juntos, todos estes factores criam um terreno propício à progressão do cancro no corpo humano. Não diria que provocam forçosamente o cancro, mas criam um terreno propício.

Fala-se muito da predisposição genética para o cancro e fica-se com a ideia de que há pessoas a quem calhou um “mau” número na lotaria genética. Um exemplo disso são os genes BRCA1 e 2, responsáveis pela maioria dos cancros hereditários da mama e do ovário. Mas, na sua opinião, o nosso destino não fica determinado à nascença. Acha mesmo que temos o poder de contrariar essa lotaria?
O que nos dizem estudos recentes é que, se as mulheres que têm mutações nesses genes não fizerem nada de particular, o seu risco de contrair cancro da mama é de 80 por cento. Mas também nos dizem que, quanto maior a quantidade de legumes na alimentação dessas mulheres, mais pequeno o risco.

E isso apesar das mutações: as participantes com mutações nesses genes que comiam as maiores quantidades de vegetais viram o seu risco de cancro da mama reduzido em 73 por cento em relação àquelas que comiam as quantidades mais pequenas. Cerca de 15 por cento dos cancros têm uma componente genética. Mas mesmo quando essa componente existe, os factores ligados ao estilo de vida desempenham um papel importantíssimo, tanto para fazer com que esses genes de cancro se expressem como para impedir a sua expressão.

Na alimentação, o que é que promove o cancro?
Para além do tabaco e do álcool, em primeiro lugar o açúcar e as farinhas brancas. É pena, porque as farinhas brancas são muito apetitosas. Mas no corpo elas transformamse imediatamente em açúcar. Depois temos os óleos de girassol, soja, milho; a carne e os produtos derivados de animais criados com rações à base de soja e de milho (em vez de pastagens). Do lado dos contaminantes químicos, certos pesticidas, certos produtos químicos presentes nos perfumes e nos cosméticos (parabenos e ftalatos), o tetracloroetileno (o solvente da limpeza a seco) ou o bisfenol A (BPA), que é libertado pelos plásticos duros quando são expostos a alimentos ou líquidos quentes.

É uma agressão permanente...
É. Mas isso não quer dizer que todas as pessoas que tenham bebido uma chávena de chá aquecido no microondas numa caneca de plástico duro vão morrer de cancro, porque existem imensos factores que podem compensar esse efeito. Também fazem parte da equação, do equilíbrio, o facto de ser fisicamente activo, de comer com frequência legumes anticancro, de ter bons níveis de vitamina D no organismo e uma rede social de qualidade. São os desequilíbrios que fazem aumentar as probabilidades de o cancro se desenvolver.


Mas, apesar de todas estas mudanças supostamente perigosas de dieta e outras, a esperança de vida – e de vida com qualidade – aumentou nitidamente nas sociedades ocidentais. Isso não é paradoxal?
A esperança de vida que aumentou foi a das pessoas que nasceram antes de 1950. A esperança de vida das crianças que nascem hoje nos Estados Unidos é inferior à dos seus pais. E é a primeira vez na História da humanidade que isso acontece.

Aquilo a que chama alimentos “anticancro” – biológicos, em particular – continuam a ser mais caros do que os outros. Como comer “anticancro” quando se tem uma família para alimentar?
Não é totalmente verdade que os alimentos biológicos sejam muito mais caros. Tem mesmo havido estudos sobre a questão. Mas, sobretudo, é preciso passar para uma alimentação de tipo mediterrânico, com quantidades muito mais pequenas de produtos de origem animal. Basta cortar na quantidade de carne que comemos para poupar dinheiro. Se substituirmos a carne por lentilhas e feijões, garanto que o orçamento alimentar da família diminui. E não somos obrigados a comer apenas alimentos biológicos. É melhor, mas não é vital. Mais vale comer brócolos, mesmo que tenham resíduos de pesticidas, do que não comer brócolos nenhuns.

A carne não é importante para o crescimento das crianças?
As crianças vegetarianas têm um crescimento tão saudável como o das outras. A alimentação tem de fornecer proteínas, mas uma mistura de feijão e de arroz, por exemplo, fornece a mesma quantidade de proteínas que um bife.

Há uns anos, um grande estudo sobre suplementos de betacaroteno revelou-se não só decepcionante mas sugeriu mesmo que os comprimidos de beta-caroteno faziam aumentar a incidência de certos cancros. Por que é que os especialistas insistem neste tipo de estudos se, como já referiu, um único ingrediente não chega para combater o cancro?
A medicina procura sempre extrair um agente activo. O que eu tento mostrar é que isso não faz sentido. O cancro é um desequilíbrio entre inúmeros factores que o promovem e inúmeros factores susceptíveis de o travar. Se pretendermos utilizar apenas um ingrediente, o mais provável é que não observemos qualquer efeito.

Isso também vale para os ómega-3 (gorduras essenciais, contidas nomeadamente no peixe)? Explica que os ómega 3 são gorduras anticancro cruciais, mas sozinhos também não chegam?
Não, não chegam. É óbvio.

E o que é melhor, tomar um comprimido de ómega 3 ou ir buscar o ómega 3 aos alimentos?
Ir buscá-lo aos alimentos. O peixe, por exemplo, que contém muito ómega 3, também tem outras coisas muito úteis, como o selénio, o iodo, para além de ser uma boa fonte de proteína animal sem muitos dos inconvenientes da carne.

Considera o álcool como um agente de cancro, mas o vinho tinto como uma excepção. Mais vale engolir um comprimido de resveratrol (o ingrediente “anticancro” responsável pelos benefícios do vinho tinto), beber vinho tinto ou comer uvas pretas?
Há menos resveratrol nas uvas do que no vinho tinto, porque a fermentação contribui para extrair o resveratrol das uvas. É difícil dar uma resposta, porque a vantagem dos comprimidos é que não contêm álcool. Mas é um facto que um pouco de vinho tinto (mesmo pouco!) parece contribuir para a eliminação do cancro e favorecer a saúde em geral. E não devemos esquecer que o vinho tinto é também benéfico para a saúde cardiovascular. Mas mal ultrapassamos certas doses, verifica-se o efeito contrário: o vinho torna-se promotor do cancro.


Diz que as margarinas que fazem baixar o colesterol contribuíram para fazer aumentar não apenas a incidência do cancro, mas também a das doenças cardiovasculares. Não é o que costumamos ouvir.
Acontece que podemos fazer diminuir o colesterol e ao mesmo tempo aumentar os riscos de doenças cardiovasculares – e é o que este tipo de margarina faz (contém ómega 6, uma outra gordura essencial que, em níveis excessivos, tem sido apontada como promotora de doenças cardiovasculares e de cancro).

A questão do colesterol é muito complexa, mas o nível de colesterol é de facto menos importante do que o equilíbrio ómega 3/ómega 6, porque não temos medicamentos para mudar este equilíbrio – que depende, portanto, unicamente da nossa dieta –, mas temos medicamentos para diminuir o colesterol. Fala-se muito do colesterol e não o sufi ciente do equilíbrio ómega 3/ómega 6.

Se não devemos pôr nem manteiga nem margarina na nossa torrada do pequeno-almoço, o que é que nos resta?
Azeite. É delicioso. Mas comer pão também não é uma grande ideia.

Mesmo pão integral?
O pão integral também não é a melhor escolha, tem de ser multicereais. E, mesmo assim, é muito mais aconselhável comer muesli (ou uma mistura de cereais e frutas) com um iogurte biológico ou de soja. Isso é que contém muitas coisas que vão estimular a saúde do nosso corpo, não o pão.

Só deveríamos comer produtos frescos?
O que é preciso evitar são os chamados ácidos gordos trans – que são gorduras que não ficam rançosas e, por isso, são muito utilizadas na indústria alimentar. Mas isso, toda a gente o diz. E se consumirmos conservas, é melhor escolher as que vêm em boiões de vidro. Também podemos comer alimentos congelados. (...)

Para ler entrevista completa clique aqui.

PORTUGAL, A COSTA OESTE DA EUROPA

Em tempo de férias, não resisti em partilhar convosco, este documentário da televisão espanhola sobre Portugal. Fica o convite a todos os brasileiros e a todas as pessoas espalhadas pelo mundo que seguem este blogue, para nos visitarem nas férias.
Clique para ver: http://www.rtve.es/alacarta/la2/ultimos/index.html#659940

Portugal é irresistível, não é?

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Programa Alimentação Saudável em Saúde Escolar

O departamento de Saúde Pública da ARS Norte desenvolveu um programa muito interessante de educação alimentar nas escolas. Ângela Salette, uma das promotoras do Programa de Alimentação Saudável em Saúde Escolar (PASSE) que iniciou no ano passado, explica que "a ideia é começar a trabalhar com as crianças, dizer–lhes o que devem ou não comer, ajudá-las a compreender a publicidade e como podem substituir alimentos por outros mais saudáveis". Com recurso a jogos e a divertimentos, os miudos aprendem a comer. Boa ideia!

A título de curiosidade, veja um dos spots que fazem parte do material de apoio, intitulado "Tem a certeza que sabe o que está a comer?"

domingo, 18 de julho de 2010

CUIDADO COM OS GREGOS!

Os iogurtes gregos estão a aparecer em força no mercado. Mas, cuidado, são autênticas bombas calóricas pois estão cheios de nata e açúcar, que fazem engordar. E se tiverem pedaços de fruta ainda são piores... Confirmem lendo a lista de ingredientes. O marketing, nada inocente, associa-os à alimentação mediterrânica, como convém. É mais um caso de "terrorismo alimentar". Estejam atentos, não sejam vítimas.

sábado, 17 de julho de 2010

MOCHILA COM COMIDA?

Sabíamos que a crise era grande. Mas agora há já quem diga que pode ser maior do que se pensa... O Ministro da Agricultura, António Serrano, surpreendeu toda a gente ao anunciar uma campanha, que passa por folhetos de supermercados, no sentido de encher a despensa (a "despensa que não se dispensa") e uma mochila ("a mochila de emergência") para situações de catástrofe. A mochila deve conter alimentos básicos para sobrevivência, tendo o Instituto Ricardo Jorge preparado listas com qualidade nutritiva.

O Ministro alega que se trata de uma imposição da União Europeia. Mas a verdade é que escolheu a pior altura para a anunciar!

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Consulta de Saúde do Viajante


Se vai de férias para fora da Europa deve, antes, dirigir-se a uma consulta de saúde do viajante. Consulte o Portal da Saúde , um site do Ministério da Saúde onde obtém todas as informações sobre os locais de consulta existentes de Norte a Sul do país. Pode ainda consultar quais as vacinas a tomar e que outras medidas preventivas deve ter em conta antes de partir de viajem para destinos que comportam risco para a saúde.

Fonte
http://internetparatodos.blogs.sapo.pt

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Mais Sopa e Menos Fast Food

A Ministra da Saúde, Ana Jorge, há dias no Porto, apelou às famílias portuguesas para fazerem sopa em casa em vez de gastarem em fast food, como forma de combater a obesidade e de fazer contenção económica. De facto, um prato de sopa é rico em nutrientes, pobre em calorias e ao mesmo tempo barato, o que em tempo de crise poderá ser a base do sustento das famílias. Uma sopa de feijão, ou grão ou ervilhas, por exemplo, pode constituir uma refeição porque tem hidratos de carbono, proteínas (vegetais) , gordura (azeite), vitaminas, minerais e fibras.

terça-feira, 13 de julho de 2010

CAFÉ PREVINE ALZHEIMER


Não param de surgir estudos que comprovam os benefícios para a saúde do consumo regular de café. Dois cientistas portugueses, Alexandre Mendonça e Rodrigo Cunha, concluiram que a cafeína pode prevenir ou atrasar doenças neurodegenerativas como o Alzheimer ou o Parkinson num trabalho ao qual é dedicado uma edição especial do Journal of Alzheimer's Disease (JAD), disponível para consulta gratuitamente. No estudo através do qual, os autores, tentaram perceber quais os hábitos de consumo de café que cada paciente teve durante os vinte anos anteriores ao aparecimento da doença de Alzheimer, concluiu-se que quem apresentava a doença tinha consumido menos cafeína do que quem não sofria de demência.

Alexandre de Mendonça, um dos autores, adverte, no entanto, que apesar de existir a relação entre a cafeína e memória, esta pode não ser linear. Pode haver outros factores desconhecidos ou difíceis de quantificar. Por exemplo, geralmente as pessoas mais activas também bebem mais café para melhorarem o seu desempenho pelo que não se sabe se o que ajuda a prevenir a degenerescência das células cerebrais é o exercício mental ou a cafeína. De qualquer modo é uma boa notícia para os apreciadores de café, como eu. Vou fazer uma pausa para café!

Imagem
http://espacodecorado.com/2009/04/maquina-de-cafe-expresso-portatil/

segunda-feira, 12 de julho de 2010

VEM AÍ O SALMÃO TRANSGÉNICO?


Transcrevo artigo de Carlos Fiolhais, acerca da polémica questão dos alimentos trangénicos, publicado no semanário Sol de sexta-feira, 09 de Julho de 2010:

Há quem lhe chame Frankensalmon, por analogia com Frankenstein. Mas talvez essa analogia seja exagerada. Facto é que, segundo informa o New York Times de 25/6/2010, uma empresa norte-americana, a AquaBounty Technologies, espera para breve a aprovação pela agência norte-americana do sector dos alimentos, a Food and Drug Administration – FDA, de um salmão transgénico. Esse peixe, baptizado de AquaAdvantage, não passa de um vulgar exemplar como há nas águas frias do Atlântico, pois tem o mesmo aspecto e o mesmo sabor. Mas oferece aos seus produtores uma enorme vantagem relativamente ao salmão comum: cresce em metade do tempo. O crescimento rápido do salmão consegue-se por adição de duas “peças” genéticas, provenientes de outros peixes, um é o gene de uma hormona de crescimento fornecido por um “primo” mais avantajado, e outra é um interruptor genético que vem de um “parente” mais afastado.

Já foram passadas as primeiras fases do processo de aprovação pela FDA, pelo que a chegada do novo salmão ao prato está mais próxima. Mas o tema dos transgénicos é controverso, não só nos Estados Unidos como em todo o mundo. No mercado existem vários transgénicos vegetais, que, nalguns casos, entram em rações de gado, mas o salmão é um dos primeiros transgénicos animais para consumo humano directo. A oposição a todos eles é liderada por movimentos ecologistas, que expressam alto e bom som os seus receios. Acentuam o desconhecimento que existe a respeito de espécies com elementos artificiais e invocam o princípio da precaução. A maioria da opinião pública está com eles, o que não admira dado ser normal o medo do que é invisível (os genes não se vêem a olho nu!) e do que é desconhecido (serão os organismos modificados danosos?). Na Europa a discussão sobre os transgénicos tem sido muito viva e a Comissão Europeia, depois há pouco tempo ter autorizado o cultivo de algumas novas espécies, como a batata da BASF, quer passar a “batata quente” para os estados membros, permitindo que cada um deles regule o assunto a seu bel-prazer.

Por seu lado, os defensores dos alimentos transgénicos sustentam que a qualidade do produto é rigorosamente a mesma (o novo salmão contém os mesmos nutrientes, como as gorduras ómega-3, que diminuem os riscos cardiovasculares). Que é possível evitar cruzamentos com outras espécies (os peixes transgénicos crescem em viveiros marinhos e as fêmeas são estéreis). E que, com as novas fontes de proteínas, será possível atender às necessidades cada vez maiores da população mundial sem afectar a ecologia dos mares nem aumentar as emissões de carbono (na Ásia os transgénicos têm maior receptividade do que nos Estados Unidos e na Europa). A discussão está aí para dar e durar...

quarta-feira, 7 de julho de 2010

O leite à noite e a obesidade infantil


Ainda a propósito do post anterior gostaria de acrescentar que no caso da criança apresentar excesso de peso, o leite da ceia deve ser mesmo abolido. Esta semana tive na consulta de obesidade infantil uma menina de quatro anos que apresentava uma obesidade gravíssima (percentil de IMC muito acima de 97). A mãe trouxe-a ao médico porque ela se queixava de dores nos ossos das pernas e pés o que não seria suposto numa criança de quatro anos. Obviamente que o médico de família a encaminhou imeditamente para a minha consulta. Fazendo a história alimentar desta criança, entre outros erros, verifiquei que a mãe lhe dava um biberon de 220 ml de leite quando ela ía para a cama, isto é, duas horas depois de ter jantado uma refeição completa.

Este caso vem ao encontro do que diz o Dr Paulo Oom na sua crónica. Tem que haver bom senso! Uma criança não pode comer tudo o que quer e nem comer tanto como um adulto. E os adultos não podem achar graça a uma criança que o faça. Longe vai o tempo em que se pensava que os meninos gordinhos são os mais saudáveis. Uma criança obesa pode apresentar hipertensão arterial, desenvolver diabetes e ter problemas osteoarticulares. Nós os profissionais que trabalhamos nesta área andamos assustados com o número cada vez maior de crianças pré-obesas e obesas. E estas crianças são filhas de pais que têm a obrigação de estar informados e limitar o consumo de determinados alimentos. Refiro-me aos cereais de pequeno-almoço, ao "sumo" à refeição, aos croissants ao lanche, aos gelados e guloseimas a toda a hora. Quanto mais tarde se introduzir o açúcar na alimentação das crianças melhor. Ele não é preciso para nada uma vez que existe naturalmente nas frutas e no leite.

Se ama os seus filhos cuide da saúde deles: alimente-os bem! Se for preciso consulte um nutricionista, o profissional mais habilitado para o ajudar.

terça-feira, 6 de julho de 2010

O Mito do Leite


Transcrevo crónica do pediatra Paulo Oom, publicada há uns meses no jornal i acerca de dar ou não dar o leite às crianças à ceia. O Dr Paulo Oom é autor do livro "O Plano de Saúde das Crianças - Guia Médico para Pais e Professores":


"A alimentação das crianças ocupa um lugar muito importante no dia-a-dia de todos os pais e mães. Mas não é tarefa fácil. Exige conhecimentos, força de vontade, persistência e muito carinho. E é uma tarefa complicada pelas mil opiniões que circulam sobre o que se deve e não deve dar de comer, quais os hábitos mais saudáveis ou as regras mais importantes. E se a avó diz "está tão magrinho...." parece que o mundo desaba e que está a passar aos pais um atestado de incompetência. A alimentação das crianças obedece a regras muito simples e ao uma quantidade enorme de bom senso. Apesar disto, existem ainda muitos mitos sobre alguns aspectos da alimentação das crianças.

Um deles diz respeito à ceia. No bebé mais pequeno, que come de três ou de quatro em quatro horas, não podemos falar de ceia. Após o nascimento da criança demora alguns meses até adquirir um horário de refeições semelhante ao dos adultos. Mas a partir dos seis meses, a ceia pode ser dispensada. Não quer dizer que seja proibida, apenas que só deve ser dada se a criança a pedir, e que esta não deve ser acordada de propósito para que possa beber um leitinho. Este esquema pode manter-se até cerca de um ano de idade. Nessa altura, já a criança come de tudo, com refeições completas. Os seus dentes estão na fase de erupção mais acelerada e devem ser cuidados com carinho, o que inclui a escovagem de manhã e à noite, antes de ir para a acama. Por esta altura, o mais correcto é abolir a ceia. A partir dos doze meses de idade, o leite à noite pouco acrescenta em termos de calorias. O que a criança deixa de ingerir à noite acaba por compensar durante o dia. E o leite à noite fica na superfície dos dentes acabando por facilitar o aparecimento de cáries."

Fonte de Imagem:
http://www.thinkvedic.com/2009/04/16/questions-answered-about-milk

segunda-feira, 5 de julho de 2010

TABELA DA COMPOSIÇÃO DE ALIMENTOS

O Instituto Nacional de Saúde Dr Ricardo Jorge (INSA) tem disponível no seu site A Tabela da Composição dos Alimentos (TCA), um documento de referência nacional que reúne informação sobre o teor de 42 componentes/nutrientes (Energia, Macroconstituintes, Ácidos Gordos, Colesterol, Vitaminas e Minerais) de 962 alimentos (crus, cozinhados e processados) consumidos em Portugal.

A consulta online da TCA está agora disponível através de pesquisa por Palavra-Chave, Grupo de alimentos, Componentes ou a partir de uma lista alfabética.
A publicação encontra-se, também, disponível para aquisição em livro e em CD, através da Biblioteca do INSA.

sábado, 3 de julho de 2010

BASES GENÉTICAS DA LONGEVIDADE


Um estudo recente do genoma de um grupo de centenários publicado pela "Science" e divulgado pelo "Público" esclarece as bases genéticas da longevidade: usando um modelo baseado no genoma de pessoas muito velhas cerca de três quartas partes dos casos podem ser explicados geneticamente. Resta uma quarta parte: nesses casos ou actuarão causas genéticas fora do modelo ou, o que é mais provável, o ambiente tem influência decisiva, isto é, o estilo de vida que se adoptou. Tenham ou não lido este blogue, são pessoas que viveram bem até aos cem!

sexta-feira, 2 de julho de 2010

Dez coisas sobre perder peso

Documentário da BBC (legendado em português) da autoria do jornalista Michael Mosley que nos revela as mais recentes descobertas sobre o modo de perder peso. São sessenta minutos divididos em seis partes. Partilho as duas primeiras partes e as restantes podem ser vistas no site do Youtube clicando aqui.


ENCICLOPÉDIA MÉDICA VISUAL

O site The Visual MD funciona como uma enciclopédia médica visual no qual podem ser visualizados vídeos sobre o funcionamento do corpo humano, bem como ser consultada gratuitamente uma extensa biblioteca interactiva sobre os mais variados tipos de doenças.

Fonte
http://internetparatodos.blogs.sapo.pt/

quinta-feira, 1 de julho de 2010

TERRORISMO ALIMENTAR 3

O Top 20 das Piores Bebidas da América
A revista Men's Health americana publicou uma lista das vinte piores bebidas da América. Os três primeiros lugares pertencem às bebidas na imagem, autênticas "bombas" calóricas, capazes de destruir qualquer regime alimentar num raio de vários meses. A título de curiosidade, apreciem as características nutricionais:

Cold Stone PB&C (copo grande = 710 ml)
2010 kcal
131 g gordura (das quais 68 g saturadas)
153 g açúcar

Smoothie King Peanut Power Plus Grape (copo grande = 1 litro)
1498 kcal
44 g gordura (das quais 8 g saturadas)
214 g açúcar

McDonald’s Triple Thick Chocolate Shake (copo grande = 950 ml)
1160 kcal
27 g gordura (das quais 16 g saturadas e 2 g trans)
168 g açúcar

Felizmente que não são comercializadas cá... (por enquanto!)
Mas não há um presidente Obama que impeça a existência destes alimentos, em nome da saúde pública?