Pular para o conteúdo principal

INFORMAÇÕES SOBRE A DIABETES


A diabetes tipo 2 é um problema de saúde pública alarmante com consequências humanas, sociais e económicas graves. Em Portugal, segundo o Dr José Manuel Boavida, presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia, o número de diabéticos quadruplicou nos últimos 20 anos. Estima-se que existam cerca de 670 000 diabéticos (números de 2007) e poderemos atingir 1 000 000 até 2025. A prevenção da Diabetes tipo 2, passa pela manutenção de um peso corporal desejável que se consegue adoptando uma alimentação saudável e hábitos de exercício físico regulares.
Se já é diabético, lembre-se que a doença bem controlada não o impede de ter uma vida normal e previne ou atrasa a evolução das chamadas complicações da diabetes (ver abaixo).

O que é a Diabetes mellitus ?
A diabetes mellitus é uma doença crónica que se caracteriza por um aumento da quantidade de glicose no sangue (glicemia). Este aumento da glicemia acontece porque o organismo deixa de produzir insulina total ou parcialmente ou a insulina que produz não é reconhecida pelas células.

O que é a insulina ?
A insulina é uma hormona produzida no pâncreas. Actua como uma espécie de chave que abre a porta das células para a glicose poder entrar. Uma vez nas células, a glicose é transformada em energia.
Quando a glicose não pode entrar nas células, ela acumula-se no sangue, surgindo a hiperglicemia e os sintomas da diabetes.
Os valores normais de glicemia devem oscilar entre 80 e 120 mg/dl.

Quais são os sintomas da Diabetes?
• Aumento da sede
• Grande quantidade de urina (também durante a noite)
• Fadiga
• Irritabilidade
• Visão turva
• Cãibras nos pés e/ou nas mãos
• Úlceras ou infecções que cicatrizam com dificuldade

Quem está em risco de ser diabético?
• Pessoas com excesso de peso ou obesas (com gordura abdominal)
• Pessoas com familiares directos diabéticos
• Mulheres que tiveram diabetes gestacional
• Pessoas com doença endócrina

Complicações da Diabetes
• Hipoglicemia
• Hiperglicemia
• Hipertensão arterial
• Hipercolesterolemia
• Hipertrigliceridemia
• Doenças cardiovasculares
• Retinopatia
• Lesão do rim (nefropatia)
• Pé diabético
• Má circulação nas pernas e nos pés
• Dificuldade de cicatrização das feridas
• Impotência sexual
• Infecções repetidas e persistentes

Como se trata a Diabetes?
O tratamento da diabetes assenta em três pilares:
1-Fármacos antidiabéticos; 2-Alimentação; 3-Actividade física

Catorze regras que sugiro sejam adoptadas por TODOS, mas escrupulosamente por diabéticos:

  1. O açúcar e todos os alimentos que o contenham (bolos, doces, chocolates, rebuçados, mel, compotas, marmelada, frutas cristalizadas, frutas em calda, chocolate para o leite, bolachas, pão de forma ou pão branco, cereais de pequeno-almoço, sumos, refrigerantes, ice-tea ...) devem ser evitados a todo o custo pelo diabético
  2. Tomar o pequeno-almoço todos os dias, na primeira hora após levantar
  3. Preferir o pão escuro de mistura de cereais (pão de centeio, broa)
  4. Comer sopa todos os dias no início do almoço e do jantar
  5. Evitar a batata como acompanhamento de carne e peixe e substituir por legumes ou leguminosas: feijão, grão-de-bico, lentilhas, ervilhas feijão de soja, favas, chícharos, tremoços...
  6. Preferir arroz integral
  7. Preferir legumes crus ou pouco cozidos (ver receita "legumes estufados")
  8. Preferir peixe à carne ( 5 a 7 refeições de peixe por semana)
  9. Reduzir o consumo de carne de vaca e preferir as carnes de perú, frango, porco (partes magras)
  10. Cozinhar peixe e carne sem adição de gordura (cozidos, grelhados ou em papelote) Usar o azeite como única gordura para cozinhar e temperar, mas moderadamente
  11. A água ou uma infusão sem açúcar e a bebida que deve acompanhar o almoço e o jantar
  12. Não passar mais do que 3 horas e meia sem comer
  13. O jejum nocturno não deve ser superior a 10 horas
  14. Exercício físico diário: 45 a 60 minutos a caminhar, nadar, andar de bicicleta ou praticar outro desporto que o faça sentir bem
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…