Pular para o conteúdo principal

Diabetes, Hipertensão e Obesidade: Três doenças, uma epidemia

Excertos de uma entrevista que o Dr. Mário Espiga de Macedo, assessor da Coordenação Nacional para Doenças Cardiovasculares, concedeu à revista Mundo da Saúde:

(...) A nossa constatação - através de estudos epidemiológicos e de inquéritos de saúde, a nível nacional e mundial - demonstra que a diabetes está a aumentar de forma exponencial e porque está a aumentar igualmente a obesidade. E a obesidade exagerada significa uma probabilidade muito maior de ter diabetes. E o mais preocupante é que hoje em dia temos jovens cada vez mais gordos. Os inquéritos a nível nacional demonstram que mais de 30% dos nossos jovens sofrem de excesso de peso e obesidade e muitos deles com obesidade muito significativa. Para além disso, começamos a ver nas consultas algo que não víamos há 20 anos atrás, ou seja, diabetes do tipo 2 - a diabetes do adulto ou do obeso- em crianças de 14 ou 15 anos. E a principal preocupação é esta: associada à obesidade está a diabetes e associada a estas duas estão a hipertensão e as doenças cardiovasculares. Se não fizermos nada para contrariar esta tendência, daqui a 20 ou 30 anos teremos uma população adulta jovem cheia de problemas. E a melhor de o fazer é, não gastar muito dinheiro a tratar os doentes que já estão doentes- porque tiveram uma doença coronária ou um AVC (acidente vascular cerebral), ou insuficiência renal provocada pela diabetes - mas sim evitar que outros não cheguem a essa situação.(...)

(...) Os miúdos hoje brincam mais com computadores do que jogam futebol, ou andam às corridas ou às "caçadinhas" e isso contribui para o problema. Piores são os hábitos alimentares, os croissants, os bolos e o facto de ser muito mais fácil comer alimentos condicionados do que comer uma sopa ou um pão com fiambre.(...)

Sobre o impacto social que estas doenças provocam nas pessoas:

Desde logo o impacto no aspecto da pessoa e sobre a sua vida social. Estas pessoas cansam-se mais, transpiram mais, têm dificuldade em comprar roupa, etc. Mas o que é grave é que mais precocemente vão ter hipertensão, vão sofrer acidentes vasculares cerebrais, enfarte do miocárdio, insuficiência renal e todos os problemas da diabetes - perturbação da visão, perturbações neurológicas e perturbação da circulação periférica. Isto, muito provavelmente antes dos 50 anos. Portanto, na plena pujança de um adulto, já começam a estar doentes. E isto tem custos pessoais, sociais e para o Estado. Em vez de estarmos a tratar um indivíduo entre os 70 e os 90 anos, estamos a tratar um indivíduo entre os 45 e os 50 anos. São mais anos de despesa, mais anos de baixa, mais anos de subsídios e mais anos de incapacidade.
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…