segunda-feira, 31 de maio de 2010

Diabetes, Hipertensão e Obesidade: Três doenças, uma epidemia

Excertos de uma entrevista que o Dr. Mário Espiga de Macedo, assessor da Coordenação Nacional para Doenças Cardiovasculares, concedeu à revista Mundo da Saúde:

(...) A nossa constatação - através de estudos epidemiológicos e de inquéritos de saúde, a nível nacional e mundial - demonstra que a diabetes está a aumentar de forma exponencial e porque está a aumentar igualmente a obesidade. E a obesidade exagerada significa uma probabilidade muito maior de ter diabetes. E o mais preocupante é que hoje em dia temos jovens cada vez mais gordos. Os inquéritos a nível nacional demonstram que mais de 30% dos nossos jovens sofrem de excesso de peso e obesidade e muitos deles com obesidade muito significativa. Para além disso, começamos a ver nas consultas algo que não víamos há 20 anos atrás, ou seja, diabetes do tipo 2 - a diabetes do adulto ou do obeso- em crianças de 14 ou 15 anos. E a principal preocupação é esta: associada à obesidade está a diabetes e associada a estas duas estão a hipertensão e as doenças cardiovasculares. Se não fizermos nada para contrariar esta tendência, daqui a 20 ou 30 anos teremos uma população adulta jovem cheia de problemas. E a melhor de o fazer é, não gastar muito dinheiro a tratar os doentes que já estão doentes- porque tiveram uma doença coronária ou um AVC (acidente vascular cerebral), ou insuficiência renal provocada pela diabetes - mas sim evitar que outros não cheguem a essa situação.(...)

(...) Os miúdos hoje brincam mais com computadores do que jogam futebol, ou andam às corridas ou às "caçadinhas" e isso contribui para o problema. Piores são os hábitos alimentares, os croissants, os bolos e o facto de ser muito mais fácil comer alimentos condicionados do que comer uma sopa ou um pão com fiambre.(...)

Sobre o impacto social que estas doenças provocam nas pessoas:

Desde logo o impacto no aspecto da pessoa e sobre a sua vida social. Estas pessoas cansam-se mais, transpiram mais, têm dificuldade em comprar roupa, etc. Mas o que é grave é que mais precocemente vão ter hipertensão, vão sofrer acidentes vasculares cerebrais, enfarte do miocárdio, insuficiência renal e todos os problemas da diabetes - perturbação da visão, perturbações neurológicas e perturbação da circulação periférica. Isto, muito provavelmente antes dos 50 anos. Portanto, na plena pujança de um adulto, já começam a estar doentes. E isto tem custos pessoais, sociais e para o Estado. Em vez de estarmos a tratar um indivíduo entre os 70 e os 90 anos, estamos a tratar um indivíduo entre os 45 e os 50 anos. São mais anos de despesa, mais anos de baixa, mais anos de subsídios e mais anos de incapacidade.

domingo, 30 de maio de 2010

VIVER BEM QUASE ATÉ AOS 100

A população mundial de idosos, isto é pessoas com mais de 65 anos, cresceu a uma taxa de 2,4% ao ano durante a última década, assumindo lugar importante nesse aumento o grupo com mais 85 anos de idade. Segundo um estudo publicado na revista Nature, o envelhecimento da população mundial vai aumentar nos próximos vinte anos até 2030, registando depois uma estabilização. Em Portugal, segundo dados divulgados recentemente pelo Instituto Nacional de Estatística, a esperança média de vida à nascença no triénio 2007-2009 foi de 75,80 para os homens e de 81,80 para as mulheres. Claro que estes são valores médios, porque há grandes diferenças individuais. Cada um de nós pode contribuir para a sua longevidade!

sábado, 29 de maio de 2010

HUMOR

A pesagem matinal...

Assim temos sempre uma boa relação com a balança!

sexta-feira, 28 de maio de 2010

ARROZ DE PORTUGAL

O arroz, nome científico Oryza sativa, é um cereal originário das regiões húmidas da Ásia e constitui a base da alimentação para mais de metade da população do mundo. Não é a base da alimentação dos portugueses, mas Portugal é o país da União Europeia com maior consumo de arroz per capita. Cada um de nós consome em média, por ano, cerca de 18 kg de arroz, mais do dobro do segundo classificado, a Espanha, que tem uma média de consumo por pessoa que não vai além dos 7 kg. Perdemos apenas para os asiáticos, que comem, em média, quantidades de arroz difíceis de bater: 150 kg per capita por ano. A boa notícia é que Portugal produz 60% do arroz que consome o que nos permite não depender exclusivamente da produção asiática. (fonte: Tabu,14/05/10) De facto o nosso arroz é de qualidade superior e tiro o meu chapéu à marca Saludães que lançou no mercado o "Arroz de Portugal". A gama é constituída por três referências de arroz carolino, oriundas de colheitas seleccionadas de três zonas demarcadas de produção – o Mondego, o Tejo e o Sado. Saber a origem portuguesa do arroz deixa-me tranquila, quando desconfio da qualidade de algum arroz asiático que nos chega e se encontra à venda nos supermercados.

quinta-feira, 27 de maio de 2010

DIA MUNDIAL SEM TABACO 2010

Informação recebida do Instituto Português de Oncologia de Coimbra - Francisco Gentil (IPOC-FG):

A Comissão de Trabalho de Tabagismo da Sociedade Portuguesa de Pneumologia vem convidar Vossas Excelências para estarem presentes nas comemorações do Dia Mundial Sem Tabaco - 31 de Maio 2010 - que se vão realizar no Instituto Português de Oncologia de Coimbra.

O evento consiste numa acção de sensibilização sobre os factores de risco do tabaco, realização de espirometrias e rastreio ao monóxido de carbono, dirigida ao público em geral, que ocorrerá no período da manhã, das 9h ás 13h na Entrada Principal do IPO (Piso 1).

No período da tarde, com início às 14h 30m, realizar - se – á, no Auditório do Centro de Formação, uma sessão sobre “A Mulher Fumadora”. Esta sessão/debate destina-se a todas as consultas de Cessação Tabágica da Região Centro, pelo que gostaríamos de contar com a vossa presença.
Com os melhores cumprimentos,

O Presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia

Prof. Doutor Carlos Robalo Cordeiro

GRANDES ENGANOS...


Através do blogue "Canibais e reis" fiquei a saber que o Pingo Doce nos propõe um prato mediterrânico "caçarola de seitan com legumes" que, de facto, não tem nada a ver com a alimentação tradicional dos povos mediterrânicos. Veja o post aqui.

A alimentação mediterrânica ainda hoje é seguida, como padrão, por algumas comunidades da bacia oriental do Mediterrâneo incluindo o Sul da Itália, França, Grécia, Catalunha e Portugal. Os traços comuns que caracterizam as variedades da alimentação mediterrânica podem resumir-se da seguinte forma:

- dia alimentar constituído por 4 a 5 refeições, ajustadas ao esforço físico a desempenhar;
- elevado consumo de pão, alimentos cerealíferos e leguminosas secas;
- produtos hortícolas e frutos em natureza sempre diferentes conforme a época;
- consumo moderado de carne, peixe e ovos;
- vinho traçado com água para acompanhar a refeição;
- consumo elevado de chá e infusões de ervas;
- um bom pequeno-almoço para começar o dia;
- o almoço 'maior' do que o jantar;
- refeições tranquilizantes e apaziguadoras;
- culinária simples e de pouco tempo de lume;
- azeite para temperar e, para cozinhar, também a banha;
- consumo modesto de lacticínios, mais frequente sob a forma de queijo e iogurte;
- durante todo o ano consumo de alhos, cebolas, frutos secos, azeitonas e sementes;
- dias de festa bem diferentes dos dias comuns, com muita variedade e fartura.

Este modelo alimentar nutricionalmente rico, completo e equilibrado contribuiu, desde há milénios, para propiciar uma velhice sadia. É essencial não trocar tais conceitos praticados desde sempre entre nós por novos padrões e estilos de vida importados de países com pouca ou nenhuma tradição de alimentação saudável.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

BRÓCULOS CONTRA O CANCRO DE MAMA

Mais uma amiga a quem foi diagnosticado cancro de mama... Acredito que a alimentação faz toda a diferença quer no plano da prevenção do cancro, quer nas fases do seu tratamento. Este post é-lhe dedicado a ela e a todas as mulheres que sofrem desta patologia.

Um trabalho recentemente publicado por cientistas da Universidade de Michigan, na revista científica Clinical Cancer Research, mostra como o sulforafano, um composto presente nos brócolos e nos rebentos de brócolos, pode ajudar a prevenir ou tratar o cancro da mama. Este composto actua sobre as células-tronco (células que possuem a melhor capacidade de se dividir dando origem a células semelhantes às progenitoras) cancerosas destruindo-as, o que impede o crescimento de novos tumores.

"O sulforafano foi estudado, anteriormente, devido à sua acção anti-cancro, mas esta investigação mostra que o benefício está na inibição das células-tronco do cancro de mama. Esta nova visão sugere o potencial do extracto de brócolos para prevenir ou tratar o cancro", explicou o autor do estudo, Duxin Sun.

Talvez a suplementação com sulforafano seja uma possível estratégia de tratamento e prevenção da doença baseada no extracto do vegetal. No entanto, os investigadores advertem: "o actual estudo ainda não foi testado em pacientes, e a população não deve adicionar os suplementos de sulforafano à sua dieta neste momento."

Mas podem comer brócolos!

Referência
Y. Li, T. Zhang, H. Korkaya, S. Liu, H. F. Lee, B. Newman, Y. Yu, S. G. Clouthier, S. J. Schwartz, M. S. Wicha, D. Sun. Sulforaphane, a Dietary Component of Broccoli/Broccoli Sprouts, Inhibits Breast Cancer Stem Cells. Clinical Cancer Research, 2010; 16 (9): 2580

MORTALIDADE INFANTIL DIMINUIU 61,7% EM VINTE ANOS


Segundo um artigo publicado no dia 24 de Maio de 2010 na revista científica The Lancet a mortalidade infantil no mundo diminuiu de 61,7% entre 1990 e 2010.

Os países que lideram o ranking com maior índice de mortalidade infantil são a Nigéria com 168,7 mortes por cada mil nascimentos, Guiné-Bissau com 158,6 e Niger e Máli, ambos com 161 mortes por mil nascimentos.

No mundo, estima-se que a mortalidade infantil atingirá 7,7 milhões de crianças em 2010. Um avanço quando comparado com os 11,9 milhões que morreram em 1990, mas que não deixa de ser arrepiante. Números, quanto a mim, evitáveis em pleno século XXI!

terça-feira, 25 de maio de 2010

FERRAMENTA INFORMÁTICA PARA ELABORAÇÃO DE EMENTAS ESCOLARES


A Plataforma Contra a Obesidade disponibiliza no seu sítio uma ferramenta informática que permite planear e avaliar ementas escolares. O Sistema de Planeamento e Avaliação de Refeições Escolares (SPARE) foi desenvolvido por docentes da Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto (FCNAUP) sob a coordenação da Dra Ada Rocha e pretende contribuir para uma alimentação escolar mais saudável e equilibrada. Está disponível gratuitamente para todos os profissionais, ou para qualquer outro interessado, bastando para isso aceder ao sítio da Plataforma Contra a Obesidade e registar-se: http://www.plataformacontraaobesidade.dgs.pt:8888/SPARE/apresentacao.php

segunda-feira, 24 de maio de 2010

"EM TELHADO DE ZINCO QUENTE"

Transcrevo a crónica desta semana do Dr José Pedro Lima-Reis (na imagem), médico endocrinologista, intitulada "Em Telhado de Zinco Quente", publicada na revista "Notícias Magazine" de 23 de Maio de 2010. O Dr Lima-Reis foi meu professor na Faculdade de Ciências da Nutrição e Alimentação da Universidade do Porto e é um excelente comunicador. Nesta crónica explica a importância do aporte de Zinco na alimentação para a saúde humana.


"O zinco, embora muito raramente alguém se lembre disto, é um dos muitos minerais necessários para uma saúde perfeita. Tanto assim que o colostro, aquele líquido esbranquiçado com que as mães brindam os filhos logo após o nascimento, é uma excelente fonte alimentar desse nutrimento. Quer dizer, ainda não sujamos a primeira fralda e já ele nos penetrou as entranhas por via oral para que nos desenvolvamos a preceito.

Essa pressa biológica de nos prover com ele tem variadíssimas razões entre as quais se contam a sua participação activa e insubstituível em múltiplos sistemas enzimáticos respiratórios e digestivos. Contudo, muitos outros órgãos e aparelhos dependem também da sua presença em quantidade bastante no mercado abastecedor interno para que ocorra desenvolvimento correcto, consolidação atempada, manutenção assegurada e até qualidade sexual para garantir a descendência e ampliar a obra.

De facto, a síntese das proteínas, a calcificação dos ossos, a estruturação da pele, das unhas e dos cabelos, a organização dos neurónios, a cicatrização dos neurónios, a cicatrização das feridas, a aquisição de competência procriadora, a secreção da insulina e a plena obtenção do sentido do gosto, entre outros menos populares, integram as realizações orgânicas que não dispensam os eu contributo para que a vida se processe com normalidade.

Agora, que vos obriguei a reflectir sobre o assunto, não se ponham em marcha acelerada a procurar suplementos nos locais de venda nem a estudar rótulos de alimentos prefabricados para seleccionar os que têm na lista de composição o mineral abençoado. Basta-vos saber que, por ordem decrescente de riqueza em zinco, têm à disposição nada mais nada menos do que ostras, fígado, carne de vaca, farelo e germe de trigo, carneiro, porco, criação, polvo, caranguejo, amendoins, queijo Cheddar e-imaginem-pipocas (Ensminger. Foods et Nutrition.CRC Press, 1995). Uma lista extensa a que poderia acrescentar outros comestíveis menos capazes, mas igualmente interessantes, para conseguir com alguma facilidade os 12 miligramas e meio diários que, em média, se recomendam para manter em níveis equilibrados as reservas orgânicas.

As carências graves deste elemento surgem habitualmente em situações de fome, pobreza extrema, alterações do comportamento alimentar ou restrição alimentar de qualquer origem, têm tradução clínica exuberante e prontamente reconhecível pelo exame clínico. As carências subliminares, pelo contrário, podem passar despercebidas por ausência de marcas distintas que as mostrem de imediato. Contudo, a longo prazo, podem causar alterações importantes na nossa fisiologia. Uma que agora se discute diz respeito à provável alteração da secreção de insulina e aumento do risco de diabetes tipo 2. por outras palavra, é mais fácil o surgimento desta doença numa população com inadequada ingestão de fornecedores de zinco do que noutra em que essa ingestão se situe dentro de níveis considerados satisfatórios.

Para não brincar com o fogo o melhor é incluir na dieta ao longo da semana alguns dos petiscos que, por força da moda ou da pressa, vamos esquecendo: umas iscas de fígado, um guisado de miúdos, uma cabidela de frango, um arroz malandro de polvo com filetes dele, um pires acogulado de amendoins para acompanhar a cerveja e, se nos pudermos dar a esse luxo das arábias, uma entrada de ostras com um branco fesquinho.

Também não nos ficaria nada mal passar a tolerar, a todos os cinéfilos que rilham pipocas enquanto o filme corre, o ruído e o cheiro com que nos apoquentam, porque afinal, esse poderá ser um truque de que se servem para que lhes goteje no depósito algum zinco de que carecem. "

sábado, 22 de maio de 2010

HUMOR

Nos anos 50 os americanos não eram obesos. Veja o vídeo e perceba porquê...



Rock and roll come back, please!!

quarta-feira, 19 de maio de 2010

"RAÇÃO HUMANA" REVOLUCIONA MERCADO DOS DIETÉTICOS


De acordo com a revista brasileira Veja, um composto alimentar feito com fibras, conhecido como "ração humana", está a revolucionar o mercado dos produtos dietéticos. A "ração humana" tem ganho milhares de adeptos que substituem as refeições tradicionais por ração. As vendas da "ração humana" têm tido um crescimento, desde o final do ano passado, na ordem dos 800%. Uma verdadeira oportunidade de negócio!

Ver notícia completa aqui.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Wii da Nintendo tem a aprovação da Associação Americana do Coração


A Associação Americana do Coração (AHA, na sigla em inglês) e a empresa japonesa Nintendo anunciaram ontem uma parceria para promover a luta contra a obesidade e as doenças cardiovasculares. O sistema foi considerado uma óptima ferramenta para promover a actividade física e um estilo de vida mais saudável. Ao contrário de outros jogos eletrónicos, em que só é necessária a habilidade com os dedos, o Wii faz com que o jogador mexa todo o corpo e muitos dos jogos são baseados em competições desportivas. Os modelos Wii, Wii Fit e Wii Sports Resort terão o selo de aprovação da AHA a partir deste ano.
O presidente da AHA, Clyde Yancy, afirmou que "o logotipo da AHA nas caixas dos Wii lembrará as pessoas sobre os benefícios de uma forma saudável de viver e de como os jogos podem ser parte integral desse estilo de vida".

Fonte
http://www2.esmas.com/noticierostelevisa/internacional/america/166236/nintendo-se-suma-lucha-contra-obesidad

segunda-feira, 17 de maio de 2010

COZINHAR EM VÁCUO

A técnica de cocção em vácuo tem vindo a ganhar adeptos por ser um método de confecção saudável que permite por um lado preservar as propriedades nutricionais dos alimentos, por outro reduzir 50% da quantidade de alguns temperos utilizados, nomeadamente o sal. Esta técnica consiste em cozinhar os alimentos embalados num recipiente hermético, em banho-maria, sem a presença de ar.
O cozimento é feito a baixa temperatura (entre 60 e 68ºC) e por um período de tempo mais longo do que o utilizado no método tradicional. Os alimentos cozidos deste modo conservam melhor o seu aroma, textura e sabor naturais com a vantagem de não perderem nem peso, nem volume, nem nutrientes.

Outra aplicação do vácuo na cozinha é na conservação dos alimentos,crus ou cozinhados, permitindo prolongar a sua validade porque impede o contacto destes com o oxigénio e o crescimento de bactérias e fungos aeróbicos (dependentes de oxigénio) responsáveis pela sua deterioração. Ver exemplos de aparelhos que embalam a vácuo aqui e aqui.
Do blogue http://nouvelle-cuisine.blogspot.com/ uma receita de:

Legumes Cozidos em Vácuo
8 espargos
12 tomates cereja
4 talos de aipo
Ervilhas de quebrar
Um pimento vermelho em tiras
Um pimento amarelo em tiras
8 cebolinhas

Coloque todos os legumes num saco, retire o ar e mergulhe-o dentro de água cozinhando-o durante trinta minutos a 65ºC. Pode utilizar o forno de cozinha para obter um maior controlo sobre a temperatura.
Caso não tenha uma máquina de vácuo, introduza o saco dentro de água e a pressão da água vai expelir a maior parte do ar de dentro deste. A técnica de cozedura em vácuo preserva o sabor dos alimentos, embora estes não fiquem muito quentes quando os servir.

domingo, 16 de maio de 2010

sexta-feira, 14 de maio de 2010

INFORMAÇÕES SOBRE A DIABETES


A diabetes tipo 2 é um problema de saúde pública alarmante com consequências humanas, sociais e económicas graves. Em Portugal, segundo o Dr José Manuel Boavida, presidente da Sociedade Portuguesa de Diabetologia, o número de diabéticos quadruplicou nos últimos 20 anos. Estima-se que existam cerca de 670 000 diabéticos (números de 2007) e poderemos atingir 1 000 000 até 2025. A prevenção da Diabetes tipo 2, passa pela manutenção de um peso corporal desejável que se consegue adoptando uma alimentação saudável e hábitos de exercício físico regulares.
Se já é diabético, lembre-se que a doença bem controlada não o impede de ter uma vida normal e previne ou atrasa a evolução das chamadas complicações da diabetes (ver abaixo).

O que é a Diabetes mellitus ?
A diabetes mellitus é uma doença crónica que se caracteriza por um aumento da quantidade de glicose no sangue (glicemia). Este aumento da glicemia acontece porque o organismo deixa de produzir insulina total ou parcialmente ou a insulina que produz não é reconhecida pelas células.

O que é a insulina ?
A insulina é uma hormona produzida no pâncreas. Actua como uma espécie de chave que abre a porta das células para a glicose poder entrar. Uma vez nas células, a glicose é transformada em energia.
Quando a glicose não pode entrar nas células, ela acumula-se no sangue, surgindo a hiperglicemia e os sintomas da diabetes.
Os valores normais de glicemia devem oscilar entre 80 e 120 mg/dl.

Quais são os sintomas da Diabetes?
• Aumento da sede
• Grande quantidade de urina (também durante a noite)
• Fadiga
• Irritabilidade
• Visão turva
• Cãibras nos pés e/ou nas mãos
• Úlceras ou infecções que cicatrizam com dificuldade

Quem está em risco de ser diabético?
• Pessoas com excesso de peso ou obesas (com gordura abdominal)
• Pessoas com familiares directos diabéticos
• Mulheres que tiveram diabetes gestacional
• Pessoas com doença endócrina

Complicações da Diabetes
• Hipoglicemia
• Hiperglicemia
• Hipertensão arterial
• Hipercolesterolemia
• Hipertrigliceridemia
• Doenças cardiovasculares
• Retinopatia
• Lesão do rim (nefropatia)
• Pé diabético
• Má circulação nas pernas e nos pés
• Dificuldade de cicatrização das feridas
• Impotência sexual
• Infecções repetidas e persistentes

Como se trata a Diabetes?
O tratamento da diabetes assenta em três pilares:
1-Fármacos antidiabéticos; 2-Alimentação; 3-Actividade física

Catorze regras que sugiro sejam adoptadas por TODOS, mas escrupulosamente por diabéticos:

  1. O açúcar e todos os alimentos que o contenham (bolos, doces, chocolates, rebuçados, mel, compotas, marmelada, frutas cristalizadas, frutas em calda, chocolate para o leite, bolachas, pão de forma ou pão branco, cereais de pequeno-almoço, sumos, refrigerantes, ice-tea ...) devem ser evitados a todo o custo pelo diabético
  2. Tomar o pequeno-almoço todos os dias, na primeira hora após levantar
  3. Preferir o pão escuro de mistura de cereais (pão de centeio, broa)
  4. Comer sopa todos os dias no início do almoço e do jantar
  5. Evitar a batata como acompanhamento de carne e peixe e substituir por legumes ou leguminosas: feijão, grão-de-bico, lentilhas, ervilhas feijão de soja, favas, chícharos, tremoços...
  6. Preferir arroz integral
  7. Preferir legumes crus ou pouco cozidos (ver receita "legumes estufados")
  8. Preferir peixe à carne ( 5 a 7 refeições de peixe por semana)
  9. Reduzir o consumo de carne de vaca e preferir as carnes de perú, frango, porco (partes magras)
  10. Cozinhar peixe e carne sem adição de gordura (cozidos, grelhados ou em papelote) Usar o azeite como única gordura para cozinhar e temperar, mas moderadamente
  11. A água ou uma infusão sem açúcar e a bebida que deve acompanhar o almoço e o jantar
  12. Não passar mais do que 3 horas e meia sem comer
  13. O jejum nocturno não deve ser superior a 10 horas
  14. Exercício físico diário: 45 a 60 minutos a caminhar, nadar, andar de bicicleta ou praticar outro desporto que o faça sentir bem

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Trabalho em excesso aumenta o risco de doença cardíaca


Quem trabalha mais do que a norma, geralmente homens jovens que ocupam postos de maior responsabilidade, tem risco aumentado de desenvolver problemas cardíacos segundo um estudo publicado no European Heart Journal. Neste estudo (baptizado Whitehall II) dirigido por Marianna Virtanen, foram acompanhados um total de 6014 trabalhadores londrinos com idades entre 39 e 61 anos (4262 homens e 1752 mulheres) e sem patologia cardíaca, durante onze anos. Segundo os autores, a relação entre as horas adicionais de trabalho e as enfermidades cardiovasculares parece clara, mas as causas nem tanto. Existe a possibilidade de que o stresse crónico, geralmente associado às longas horas de trabalho, afecte o organismo encobrindo os estados depressivos, de ansiedade ou de falta de sono. Por outro lado o pouco tempo que resta do dia para praticar exercício físico e ter hábitos alimentares saudáveis poderá dar um contributo decisivo para o problema.

Imagem
http://stanford.wellsphere.com/general-medicine-article/introduction-to-stress/413212

Indiano não come nem bebe há 70 anos ?

Prahlad Jani é um líder religioso da tradição Jainista que diz ter vivido sem comida e sem água ao longo dos últimos 70 anos. Este indiano de 83 anos está a ser vigiado por médicos e cientistas, na cidade indiana de Ahmedabad, que afirmam que nas 108 horas que já se passaram, ele ainda não comeu nem bebeu nada.

Prahlad Jani diz que sobrevive graças à meditação e ao poder da sua mente. Apesar deste tipo de caso não ser totalmente inédito na Índia, ele tornou-se mais célebre por estar a ser estudado pelos cientistas.

Fontes da notícia aqui e aqui.

terça-feira, 11 de maio de 2010

FRUTOS SECOS MELHORAM OS NÍVEIS DE COLESTEROL

As nozes, avelãs, amêndoas e outros frutos secos têm sido alvo de inúmeros estudos devido ao seu potencial de redução do risco de doenças cardiovasculares. De acordo com uma análise de 25 trabalhos realizados em sete países, publicada na edição de 10 de Maio da revista Archives of Internal Medicine, um dos jornais do JAMA/Archives, sobre os efeitos do consumo de frutos secos nos níveis lipídicos do sangue de pessoas com colesterol elevado, consumi-los regularmente parece melhorar os níveis de colesterol. Os participantes nos ensaios consumiram uma média de 67 gramas de frutos secos por dia e tiveram uma redução média de 5,1 por cento na concentração de colesterol total e de 7,4 por cento na concentração de LDL (o "mau" colesterol). Por outro lado, melhoraram a concentração de HDL (o colesterol "bom") e os níveis de triglicerídeos.

Nutricionalmente, os frutos secos possuem uma quantidade elevada de vitamina E, um poderoso antioxidante, e têm na sua constituição essencialmente ácidos gordos monoinsaturados e polinsaturados. Contêm ainda, entre outros micronutrientes, ácido fólico, que previne o aumento da concentração de homocisteína (um aminoácido presente no sangue, que é factor de risco de doença cardíaca) e magnésio, mineral envolvido no controlo da pressão sanguínea.

Os resultados dos estudos reforçam a necessidade de incluir frutos secos na alimentação como medida de prevenção, mas também terapêutica para melhorar os níveis de colesterol no sangue e prevenir as doenças cardiovasculares. No entanto, como são bastante calóricos, os frutos secos devem ser consumidos com moderação e devem evitar-se os que têm excesso de sal. Que tal colocá-los nas suas saladas?

Referência
Joan Sabate; Keiji Oda; Emilio Ros. Nut Consumption and Blood Lipid Levels: A Pooled Analysis of 25 Intervention Trials. Arch Intern Med, 2010; 170 (9): 821-827

segunda-feira, 10 de maio de 2010

"FREE RICE": UM JOGO QUE COMBATE A FOME



Ajudar a combater a fome no mundo está mais ao nosso alcance do que imaginamos. Em FreeRice.com troca-se o significado das palavras (em inglês) por grãos de arroz. Cada resposta certa equivale a 10 grãos, cinco respostas certas equivalem a 50 grãos.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

BEBIDAS COM GÁS ACELERAM ENVELHECIMENTO


Um novo estudo mostra que os elevados níveis de fosfatos presentes nas bebidas com gás aceleram o processo de envelhecimento. Os fosfatos podem aumentar a prevalência e a severidade das complicações relacionadas com a idade, tais como a doença renal crónica, a calcificação cardiovascular e pode também induzir atrofia muscular severa e atrofia da pele.
Para além de fazerem engordar, este é mais um bom motivo para acabarmos com o hábito de consumir diariamente refrigerantes.

Referência
M. Ohnishi, M. S. Razzaque. Dietary and genetic evidence for phosphate toxicity accelerating mammalian aging. The FASEB Journal, 2010; DOI: 10.1096/fj.09-152488

Grávidas: Nem uma gota de álcool!

De acordo com um estudo publicado no Cancer Epidemiology, Biomarkers & Prevention, um jornal da American Association for Cancer Research, beber álcool durante a gravidez aumenta o risco da criança desenvolver Leucemia Mielóide Aguda (LMA). Apesar de a LMA ser uma forma de leucemia rara, o risco de a desenvolverem está aumentado 56% nas crianças cujas mães consomem álcool durante a gravidez. O risco de LMA é mais elevado em crianças com idades compreendidas entre os 0 e os 4 anos.
Prevenir nunca é demais. Se está grávida, nem uma gota de álcool!

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Dormir faz bem


Um estudo de investigadores da Universidade de Warwick, na Inglaterra, chegou à conclusão que as pessoas que dormem menos de seis horas por noite têm uma probabilidade acrescida de morte prematura! Ler aqui.

Medicina Anti-envelhecimento


Informação recebida da Organização do Congresso:

Realiza-se a 21 e 22 de Maio, no Hotel Miragem em Cascais, o "Third Annual Congress in the Iberian Peninsula on Anti-Aging Medicine and Biomedical Technologies" (link aqui).

Um dos eventos associado ao Congresso é um Serão com a participação especial de David Servan-Schreiber, autor do best-seller traduzido em português “AntiCancer: A New Way of Life” sobre prevenir e vencer o cancro, usando as nossas defesas naturais.

David Servan-Schreiber (na imagem) nasceu em França em 1961. Estudou e trabalhou nos Estados Unidos e no Canadá, onde foi um dos fundadores, e depois director, do Centro de Medicina Complementar da Universidade de Pittsburgh. Doutorado em Ciências Neurocognitivas pela Universidade Carnegie Mellon, sob orientação de Herbert Simon, pai da inteligência artificial e Nobel de Economia, e de James McClelland, pioneiro da teoria das redes neuronais, David Servan-Schreiber viu-se confrontado com um diagnóstico de cancro. A luta pessoal contra a doença mudou a sua vida para sempre. Hoje partilha essa notável experiência e conhecimento nas suas obras e conferências. Seguro de que somos responsáveis pela nossa própria saúde e processo de cura, David Servan-Schreiber é convidado do 3º Congresso Anual Ibérico de Medicina Anti-Envelhecimento e Tecnologias Biomédicas, onde vai falar da sua experiência e mostrar de que modo as técnicas e instrumentos anti-envelhecimento, como a dieta alimentar ou o estilo de vida, são poderosas e eficazes armas contra a doença.

Um outro convidado do congresso falará sobre o potencial da Dieta do Paleolítico na prevenção e tratamento do excesso de peso, diabetes e doenças cardiovasculares. O autor da recente obra, “Food and Western Disease”, o investigador Staffan Lindeberg apresenta no 3º Congresso Anual da Península Ibérica de Medicina Anti-Envelhecimento o conceito de dieta do Paleolítico (dieta da Idade da Pedra) enquanto regime alimentar capaz de prevenir o excesso de peso, diabetes e doenças cardiovasculares.

Staffan Lindeberg é Professor Associado no Departamento de Medicina da Universidade de Lund, Suécia. Durante a sua formação em Medicina Geral e Familiar interessou-se pelos aspectos evolutivos da alimentação. Na passada década de 90, dedicou-se ao estudo da população nativa de Kitava, nas Ilhas Trobriand em Papua Nova Guiné, Pacífico Ocidental, a qual não sofre de AVC, doença coronária, diabetes, excesso de peso ou hipertensão. O estudo permitiu constatar que a dieta Kitavan tem a capacidade de proporcionar um estado de saúde notável. Como muitos outros grupos não industriais, os Kitavans comem alimentos inteiros, naturais, amplamente consistentes com a dieta dos nossos ancestrais. Em contrapartida, somente nas populações ocidentais, o envelhecimento é predominantemente acompanhado pelo aumento de peso e da pressão arterial, bem como de várias outras alterações.

Staffan Lindeberg descobriu no passado importantes pistas para a resolução de alguns dos problemas de saúde mais actuais, associados ao envelhecimento: a incidência de doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, excesso de peso.

quarta-feira, 5 de maio de 2010

ACTIVIDADES AO AR LIVRE


A Trans Serrano, empresa especializada em desporto, aventura e animação turística, propõe para o mês de Maio várias actividades ao ar livre. Veja-as aqui.

Imagem

http://www.transserrano.com/fotos

terça-feira, 4 de maio de 2010

AS UVAS NA PREVENÇÃO CARDIOVASCULAR E DE DIABETES


Cientistas da University of Michigan Health System realizaram um estudo com ratinhos para avaliar o efeito que uma dieta, tipicamente americana, mas rica em uvas, tem na prevenção dos factores de risco de síndroma metabólica, uma condição que afecta 50 milhões de americanos.
Os animais que receberam uvas na dieta tiveram pressão arterial mais baixa, melhor função cardíaca, indicadores sanguíneos de redução da inflamação no coração, níveis mais baixos de triglicerídeos e melhor tolerância à glicose. Estes resultados foram observados apesar dos animais não terem tido nenhuma mudança no peso corporal.

"A redução destes fatores de risco pode retardar o aparecimento de diabetes ou de doença cardíaca, ou diminuir a severidade das doenças", diz E. Mitchell Seymour, Ph.D., o investigador responsável pelo estudo.

As uvas contêm altos níveis de fitoquímicos antioxidantes, como o resveratrol, por exemplo, provavelmente os responsáveis por estes efeitos cardioprotectores e de prevenção da diabetes.

Não custa nada apostarmos numa alimentação com mais fruta rica em fitoquímicos, como as uvas, para estarmos mais protegidos das doenças que são responsáveis pelo maior número de mortes nas civilizações ocidentais.

Fonte
Sciencedaily.com

segunda-feira, 3 de maio de 2010

VITAMINAS DO COMPLEXO B PREVINEM DOENÇAS CARDIOVASCULARES


As vitaminas B6, B12 e o ácido fólico (vitamina B9) baixam os níveis de homocisteína, um aminoácido sulfurado associado às doenças cardiovasculares. O interesse pelo estudo da homocisteína aumentou quando se demonstrou que a elevação de seu teor plasmático estava associado a um maior risco de doença coronária, bem como a deficiência de ácido fólico ou de vitamina B12. Elevadas quantidades deste aminoácido podem danificar as artérias e promover a formação de coágulos. De acordo com um estudo conduzido pelo cientista japonês Hiroyasu Iso da Universidade de Osaka, que envolveu como voluntários cerca de 23 119 homens e 35 611 mulheres, com idades entre os 40 e os 79 anos, as pessoas que seguem uma alimentação rica nestas vitaminas do complexo B, correm menos risco de morrer por doenças cardiovasculares.

O ácido fólico ou vitamina B9 encontra-se nos vegetais de folha verde escura, fruta, cereais integrais e leguminosas. A vitamina B6 e B12 existem em maiores quantidades no peixe, fígado, carne leite, ovos e cereais integrais.

O estudo foi publicado na revista Stroke da American Heart Association (AHA).


Referência

Renzhe Cui, Hiroyasu Iso, Chigusa Date, Shogo Kikuchi, Akiko Tamakoshi for the Japan Collaborative Cohort Study Group. “Dietary Folate and Vitamin B6 and B12 Intake in Relation to Mortality From Cardiovascular Diseases. Japan Collaborative Cohort Study.” Stroke, Apr 2010; doi:10.1161/STROKEAHA.110.578906.

domingo, 2 de maio de 2010

HOSPITAIS SEM CONSULTAS DE OBESIDADE


O "Público" de sexta feira num artigo intitulado "Mais de metadae dos hospitais nãp têm consultas de obesidade" (escrito por Alexandra Campos) dá conta e um estudo da Inspecção-Geral das Actividades de saúde, segundo o qual "menos de metade dos hospitais públicos inquiridos assegura o acesso a consultas de obesidade e ainda há uma percentagem significatiova (quase 30%) de agrupamentos de centros de saúde (ACES) que não tem nutricionistas ou dietistas e não faz consultas de nutrição".

Sendo a obesidade um grave problema de saúde pública (segundo o mesmo artigo mais de metade, "cerca de 55% dos adultos, têm excesso de peso, e destes 15% são obesos"), fica sem se perceber porque é que as autoridades de saúde não corrigem rapidamente esta situação!

NERVOS COM "FAST FOOD"


Transcrevo notícia publicada na última edição da revista "Focus":

"Comer "fast food" torna as pessoas mais impacientes, revelou um estudo publicado no jornal "Psychological Science". De acordo com os investigadores, a preocupação passa a ser a busca por uma gratificação imediata, não importa a que preço. os cientistas monitorizaram o comportamento de voluntários, aos quais foram mostrados os logotipos de redes de "fast food" numa velocidade tão rápida que não podiam ser reconhecidas. A exposição estimulou o que eles definiram como um "comportamento primitivo", que é o facto de se ter pressa sem necessidade".