Pular para o conteúdo principal

OS HIDRATOS DE CARBONO DE ALTO IG FAZEM PIOR ÀS MULHERES DO QUE AOS HOMENS

Consumir hidratos de carbono (HC) de alto índice glicémico (IG) parece estar associado com um maior risco de doença cardíaca coronária nas mulheres, de acordo com um estudo publicado no dia 12 de Abril de 2010 no Archives of Internal Medicine.

O Índice Glicémico (IG) dos alimentos é um parâmetro que permite avaliar o efeito que cada alimento fornecedor de HC tem sobre a glicemia (concentração de glicose no sangue).

A alimentação rica em HC aumenta os níveis de glicose no sangue que por sua vez pode fazer aumentar os níveis de triglicerídeos, um tipo de gordura constituída por uma molécula de glicerol e três ácidos gordos, que circula no sangue e que se deposita nas células gordas (adipócitos).

Duas das principais causas das doenças coronárias são precisamente os altos níveis de colesterol e de triglicerídeos séricos, mas enquanto que o colesterol sobe pelo consumo excessivo de gordura saturada, os triglicerídeos aumentam devido ao consumo frequente de açúcares rápidos (os tais HC de alto IG).

Os autores do estudo chegaram à conclusão que: "um alto consumo de alimentos com HC de alto índice glicémico (como açúcar, doces, bolos, pão branco, etc.) parece influenciar mais o risco de desenvolver doença cardíaca coronária, do que a quantidade total de HC consumidos".

Referência: Sabina Sieri; Vittorio Krogh; Franco Berrino; Alberto Evangelista; Claudia Agnoli; Furio Brighenti; Nicoletta Pellegrini; Domenico Palli; Giovanna Masala; Carlotta Sacerdote; Fabrizio Veglia; Rosario Tumino; Graziella Frasca; Sara Grioni; Valeria Pala; Amalia Mattiello; Paolo Chiodini; Salvatore Panico. Dietary Glycemic Load and Index and Risk of Coronary Heart Disease in a Large Italian Cohort: The EPICOR Study. Arch Intern Med, 2010; 170 (7): 640-647
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…