Pular para o conteúdo principal

A DIETA DOS ESTUDANTES


Daphne Oz, 24 anos, a filha de um dos médicos mais famosos do mundo, o Dr. Mehmet Oz (co-autor dos livros da série "You"), quando estudou na Universidade de Princeton, teve de lidar com os problemas de má nutrição nas universidades americanas. Conseguiu, porém, formar-se com 15 kg a menos do que quando entrou. O seu livro "A Dieta dos Estudantes", que acaba de ser publicado pela Lua de Papel, explica como fez. Ensinamentos, sem dúvidas, oportunos numa época em que os estudantes portugueses se preparam para a época das festas, normalmente caracterizadas por desregulações alimentares.

O pai escreveu o prefácio que começa assim:
"Sou cirurgião cardiovascular. Todos os dias abro um tórax e vejo os tubos ferrugentos de mais um paciente com as artérias obstruídas por causa dos maus hábitos alimentares. Eu e os meus colegas tratamos de pacientes cada vez mais jovens, porque os estragos provocados pelo envelhecimento atacam uma geração que cresceu com muitas tentações e pouca orientação prática para seguir um estilo de vida saudável. Quase todos estavam bem na adolescência, mas a maioria acabou por tomar decisões fatídicas que prejudicaram as suas vidas para sempre.

Começa com uma bolacha aqui e ali e mais um donut ao domingo e depois outro à segunda e mais dois ao sábado. Depois é mais uma barra de chocolate ou qualquer coisa do género, uma colher de geleado e três fatias de pizza em vez de duas. Na universidade, ter de estudar muito (e socializar ainda mais) implica saltar a parte do ginásio e poupar na boa alimentação. E quando chega a hora do American Idol, preferem sentar-se no sofá a desligar a televisão. A única parte do corpo que acabam por exercitar é o polegar direito. (Claro que carregar grades de refrigerantes não conta).

Rapidamente, a barriga cresce e a roupa fica demasiado apertada. E, de repente, um dia, vêem-se ao espelho, ou vêem uma fotografia vossa em fato de banho, ou são os botões das calças que começam a saltar e apercebem-se. Têm o corpo todo mole, que mais faz lembrar um gelado a derreter."
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…