Pular para o conteúdo principal

Xarope de milho rico em frutose é pior do que açúcar?


Investigadores da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, concluíram que os açúcares não são todos iguais no que se refere ao ganho de peso e à obesidade. No estudo realizado, o grupo de ratinhos que teve acesso ao xarope de milho rico em frutose ganhou mais peso do que o grupo que teve acesso ao açúcar de mesa. O consumo excessivo de xarope de milho rico em frutose revelou, a longo prazo, um aumento anormal de gordura na região abdominal e dos triglicerídeos no sangue.

O xarope de milho rico em frutose tem vindo a substituir o açúcar utilizado pela indústria alimentar para adoçar refrigerantes, néctares, pães, iogurtes, bolachas, bolos, geleias, refeições congeladas, molhos de tomate, ketchup, etc. É uma indústria que envolve milhões de dólares, de modo que existe, actualmente, uma batalha de marketing entre produtores de açúcar e produtores de milho. O xarope de milho, apesar de ser mais processado do que o açúcar de cana ou beterraba, tem um custo mais baixo (cerca de 20% menos), o que influencia decisivamente a escolha da indústria alimentar.

Tenho dúvidas de que, em se tratando de obesidade, haja diferença entre o xarope de milho e o açúcar de cana ou beterraba. Afinal de contas, ambos, após a digestão, se convertem em glicose e ambos, em excesso, são viciantes, ambos fazem engordar e ambos podem fazer aumentar os triglicerídeos. É importante estarmos atentos aos rótulos dos alimentos, e verificar a existência de xarope de milho (ou qualquer outro xarope) porque não é tão valorizado pelos consumidores como agente potenciador de aumento de peso. Tanto o açúcar como o xarope de milho devem ser consumidos muito moderadamente, preferencialmente só em dias de festa.

Referência:
Miriam E. Bocarsly, Elyse S. Powell, Nicole M. Avena, Bartley G. Hoebel. High-fructose corn syrup causes characteristic of obesity in rats: Increased body weight, body fat and triglyceride levels. Pharmacology Biochemistry and Behavior, 2010;
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…