Pular para o conteúdo principal

"O CAOS NA ROTULAGEM ALIMENTAR"

A propósito da rotulagem dos alimentos: Saiu ontem no New York Times um artigo intitulado "Six Meaningless Claims on Food Labels" (Seis Frases Sem Sentido Nos Rótulos Alimentares) que, citando a coluna Consumer Ally” no AOL’s WalletPop site, alerta para a linguagem utilizada pelos fabricantes para levarem os consumidores a acreditar que os seus produtos são alimentos saudáveis. É cada vez mais comum encontrarmos rótulos com alegações sem sentido como "feito com boas matérias naturais" ou "aprovado pelas crianças". Por outro lado, algumas alegações regulamentadas como "saudável" ou "contém antioxidantes" têm sido de tal modo banalizadas que perderam a credibilidade.

O Centro para a Ciência no Interesse Público (Center for the Science in the Public Interest - CSIP) publicou recentemente um relatório disponível online, com 158 páginas, intitulado "O Caos na Rotulagem Alimentar", onde identifica as seis alegações enganosas mais comuns em alimentos consumidos pelos americanos, que não serão, certamente, muito diferentes dos nossos. Fica aqui, resumindo o que vem no "New York Times", o alerta para estarmos atentos e não nos deixarmos enganar:

1. "Ligeiramente adoçado". Os pacotes de cereais contêm muitas vezes a frase "levemente adoçado" para indicar ou sugerir que contêm menos açúcar. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA regulamentou a utilização dos termos "sem açúcar" e "sem adição de açúcares", mas não disse nada a respeito das afirmações "com pouco açúcar" ou "ligeiramente adoçado." Estas menções devem ser determinadas por regras nacionais e não pelo marketing, lembra o relatório do CSPI.

2. "Boa fonte de fibras". Cada vez mais alimentos têm escrito nos rótulos que são uma boa fonte de fibra, mas o CSPI observa que muitas vezes a fibra não provém de fontes tradicionais - grãos integrais, feijão, legumes ou frutas - reconhecidamente boas para a saúde. Em vez deste tipo de fibras, os fabricantes adicionam as chamadas "fibras isoladas" feitas de raiz de chicória ou de pós purificados de polidextrose e outras substâncias que ainda não demonstraram o seu efeito para fazer baixar a glicémia (o açúcar no sangue) ou o colesterol.

3. "Reforça o seu sistema imunitário". Este tipo de alegações leva o consumidor a pensar que ficam protegidos das doenças, o que está longe de ser verdade. É uma frase vaga e, por isso, sem muito sentido.

4. "Feito com fruta verdadeira". Muitas vezes a fruta está em baixíssima quantidade e não se trata, frequentemente, do mesmo tipo de fruta retratado na embalagem.

5. "Feito de cereais integrais". Muitos produtos têm no rótulo que provêm de grãos de cereais integrais embora, por vezes, eles contenham farinha refinada como primeiro ingrediente, sendo mínima a quantidade de cereais integrais.

6. "Só contém produtos naturais". O FDA já enviou cartas de advertência a várias empresas lembrando que este rótulo é enganador, mas não emitiu nenhuma regra formal sobre este termo.

Fonte: The New York Times.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…