Pular para o conteúdo principal

A CONFUSÃO DAS CALORIAS


Tirando uma ou outra excepção, que só serve para confirmar a regra, os comentários dos leitores e leitoras têm sido sempre pertinentes e encorajadores. Um dos últimos que recebi chamava-me com toda a razão a atenção para destrinça que é preciso fazer entre calorias e quilocalorias.

A caloria é uma unidade histórica de energia: foi introduzida no século XIX para designar a energia que é necessária para aquecer um grama de água quando a sua temperatura aumenta de um grau Celsius, ou abreviadamente 1 ºC (ou 1 kelvin). Mas, como essa energia varia conforme a temperatura, foi necessário definir a temperatura de 15 graus (energia necessária para aquecer um grama de água de 14,5 ºC para 15,5 ºC) . Hoje em dia a unidade de energia no Sistema Internacional (SI) de unidades, que tem existência legal no nosso país tal como acontece em muitos outros, é o joule, unidade que tomou o nome do físico inglês James Joule, que realizou experiências sobre o aquecimento da água por processos mecânicos (a queda de um peso fazia girar um agitador dentro de um recipiente com água que a faz aquecer, sendo o trabalho mecânico equivalente a calor). A caloria de 15 graus, ou simplesmente caloria, vale 4,185 joules (foram definidas outras calorias, de valores parecidos, mas elas não interessam para aqui). O símbolo da caloria é cal e o do joule é J, pelo que se escreve

1 cal = 4,185 J

A utilização da caloria como unidade de energia é, em geral, desaconselhada, em favor do joule. Mas acontece que em nutrição o uso da unidade caloria tem uma longa tradição, que é difícil de terminar. A energia libertada pela combustão dos alimentos é, por isso, normalmente medida em calorias. Em vez de caloria, uma unidade mais adequada é a quilocaloria (escreve-se assim e não kilocaloria), que é igual a 1000 calorias, a energia necessária para elevar de 1 ºC a temperatura não de um grama mas de um quilograma de água (a 15 ºC, claro). O seu símbolo é kcal com k minúsculo e não maiúsculo (K maiúsculo é o símbolo do kelvin, o grau de temperatura absoluta que, como já disse, tem um tamanho igual ao do grau Celsius):

1 kcal = 1000 cal

Por vezes chama-se a esta unidade "grande caloria" para a distinguir da outra, e escreve-se para ela o símbolo Cal em vez de cal (claro que, se se escrever o símbolo à mão, difícil será distinguir!). Há quem escreva Caloria e diga, em linguagem oral, "caloria" quando se está a referir à "grande caloria" e não à "pequena". Ora isto pode causar a maior das confusões... Há até rótulos de produtos alimentares que aproveitam esta confusão para enganar o consumidor. Cuidado com os rótulos! O melhor é falar de quilocalorias e não de grandes calorias e, muito menos, de Calorias.

Uma boa fonte sobre o Sistema Internacional de Unidades é:

- Guilherme de Almeida, Sistema Internacional de Unidades (SI), Grandezas e unidades físicas. Terminologia, símbolos e recomendações. 3.ª edição, Plátano, 2002.

Quem consultar este livro fica a saber que os nomes das unidades, por extenso, se escrevem sempre com minúsculas (excepto a palavra Celsius, em graus Celsius), que esses nomes admitem plural (joules, por exemplo), mas que os símbolos das unidades, que se devem escrever sempre em redondo e não em itálico, são em minúsculas, excepto se o nome derivar de um nome próprio, caso em que a primeira letra é maiúscula (assim o símbolo do joule é J). Os símbolos não admitem plural, devendo sempre ser separados do valor numérico por um espaço: por exemplo, 15 ºC e 1 J. Nunca se devem misturar nomes com símbolos.

Também se aprende aí que grama é substantivo masculino e não feminino (deve escrever-se e dizer-se o grama) e que o quilograma é a única unidade de base do Sistema Internacional que tem um prefixo (quilo). Tal acontece porque o grama é historicamente anterior ao quilograma, que veio a ser adoptado como unidade de base do Sistema Internacional para medir a massa (e não o peso, que se mede cientificamente em newtons).

Vou tentar ter mais cuidado na aplicação destas regras!

Imagem: Rótulo de pão de forma (clicar para ver melhor). O valor em calorias está bem indicado para a porção (duas fatias), mas as quantidades por fatia estão erradas, pois devia-se simplesmente ter dividido por dois.
5 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…