Pular para o conteúdo principal

A Origem do Bolo-Rei

O bolo-rei é o nosso bolo tradicional de Natal. Tem a forma de uma coroa enfeitada com frutas cristalizadas e simboliza os presentes que os três Reis Magos deram ao menino Jesus. Apesar de ser conhecido em todo o país e de estar presente nas mesas portuguesas nesta quadra, o bolo-rei teve a sua origem em França.

Segundo consta, a receita foi trazida de Paris pelo filho do fundador da Confeitaria Nacional de Lisboa, Baltazar Rodrigues Castanheiro Júnior, local onde foi vendido pela primeira vez em meados do século XIX.

Durante a quadra natalícia a Confeitaria Nacional oferecia aos lisboetas «uma exposição de doces, de grandes construções de açúcar e amêndoa, de bolos de ovos de entre os quais se destacava uma afinidade de estonteantes e bojudas lampreias, de prodigiosas fantasias enconfeitadas e de tudo quanto de mais delicado e original a arte dos doces podia então produzir. (...) E a exposição, diariamente renovada, durava até ao fim das festas, ou seja até ao dia de Reis, dia em que esta confeitaria fazia um negócio de mão cheia. É que ela fora a primeira em que o afamado Bolo Rei se vendeu em Lisboa, bolo sempre ali feito- até hoje - por uma receita que Baltazar Castanheiro Junior trouxera de Paris.» (Luís Pastor de Macedo in "Lisboa de Lés a Lés", 1940-41).

A pouco e pouco, outras confeitarias passaram a fabricar o bolo-rei que deu origem a várias versões que em comum tinham, muitas vezes, apenas a fava. A fava no interior do bolo-rei tem também uma explicação lendária, que a faz remontar aos Reis Magos. Quando estes viram a Estrela de Belém que anunciava o nascimento de Cristo, disputaram entre si qual iria ter a honra de ser o primeiro a entregar ao menino Jesus o presente que levava. Como não conseguiram chegar a acordo, um padeiro prometeu confeccionar um bolo escondendo no seu interior uma fava. O que tivesse a sorte de retirar a fatia com a fava seria o que entregaria em primeiro lugar o presente ao menino Jesus. O problema ficou resolvido, mas a lenda não revela a qual dos Reis Magos - Gaspar, Baltazar ou Belchior - calhou a fava.

Estamos quase no Natal, a época por excelência para comer bolo-rei. Do ponto de vista energético, segundo a "Tabela da Composição dos Alimentos Portugueses" (F. A. Gonçalves Ferreira, Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, 1985), uma fatia de bolo-rei (100 g) fornece 321 calorias. Há pior, muito pior, eu garanto!

Imagem:
http://experimentamos.blogs.sapo.pt/2937.html

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…