Pular para o conteúdo principal

Gastroplastia e Nutricionistas

A concretização das duas últimas notícias publicadas neste blogue (ver aqui e aqui), ambas no sentido de combater a obesidade dos portugueses, permitirá, se for essa a intenção do governo, a coordenação dos serviços de modo a que os doentes operados beneficiem a seguir de acompanhamento por um nutricionista.

Pelo que me tenho apercebido, no meu e noutros serviços, este acompanhamento não existe para a maioria dos doentes operados nos hospitais públicos, já que não há nutricionistas colocados em número suficiente para fazer este trabalho. E é pena porque, como tenho dito neste espaço, não falta trabalho na área da nutrição clínica nem nutricionistas formados em boas universidades. Profissionais competentes deveriam ser colocados para responder às solicitações, cada vez maiores, que exigem a sua contribuição.

Os doentes que fazem gastroplastia (cirurgia de redução do estômago) são, na sua maioria, pessoas com obesidade mórbida (índice de massa corporal superior a 40), que se vêem "obrigadas", de um dia para o outro, a renunciar praticamente a todos os alimentos . Saem do hospital cheios de dúvidas, quando muito com um manual de instruções alimentares na mão, que não sabem bem como utilizar. De facto, após a alta hospitalar, os doentes estão sujeitos a novos riscos, não tendo a quem recorrer. No ano que vai começar, se houver um bom plano de coordenação entre os serviços hospitalares de cirurgia e os cuidados de saúde primários, necessariamente servidos por mais nutricionistas, os obesos que resolverem deixar de o ser sentir-se-ão mais acompanhados, alimentar-se-ão melhor e correrão menos riscos. Se assim for, no ano novo poderá haver muitas vidas novas!

Legenda da figura:

As imagens mostram um brasileiro de 36 anos que se sujeitou a gastroplastia, tendo emagrecido 103 quilogramas. Descobri-as na Web quando procurava imagens relativas a "cirurgia bariátrica" (que é sinónimo de gastroplastia). Vale a pena ler o texto acerca dos prós e contras desse tipo de cirurgia. O caso representado foi bem sucedido, pois a vida do doente mudou, como ele próprio refere, radicalmente: "É como se eu tivesse outra vida."

Fonte: aqui.

2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…