Pular para o conteúdo principal

Emagrecer é...

Excluir a terapêutica medicamentosa para tratar a obesidade.

Alguns doentes com excesso de peso chegam à minha consulta de nutrição clínica e alimentação com esperança de que lhes dê não só uma dieta mas também mais "qualquer coisa" para ajudar. Perder peso fácil está geralmente associado à ideia de recurso a fármacos, embora a experiência das complicações resultantes da administração de vários medicamentos dietéticos, ao longo de décadas, coloque em dúvida a boa relação benefício/risco.

Actualmente, estão no mercado dois fármacos cujos princípios activos são a sibutramina e o orlistat, que podem ser receitados durante um certo período. Apesar de serem diferentes os respectivos mecanismos de acção, ambos têm efeitos adversos.

A sibutramina, um inibidor da recaptação de serotonina e norepinefrina, actua aumentando os níveis destas duas substâncias químicas do cérebro que ajudam a controlar o apetite. O aumento da pressão arterial é o seu principal efeito secundário, não devendo por isso ser tomada por pessoas com hipertensão não controlada.

Por seu lado, o orlistat é um inibidor da lipase, uma enzima produzida no pâncreas, que é bloqueada, impedindo que cerca de 30% da gordura alimentar seja digerida e absorvida no intestino. Os efeitos indesejáveis são a produção de fezes oleosas, o descontrolo das dejecções e a má absorção de vitaminas lipossolúveis (vitaminas A, D, E e K). Aconselha-se, então, quem esteja a tomar orlistat que compense essa falta com suplementos destas vitaminas e ainda a ter em atenção a falta de vitamina B12 e de ferro.

A prescrição de qualquer um destes medicamentos para emagrecer implica sempre a recomendação de dieta baixa em calorias e aumento de exercício físico. O medicamento por si só, sem orientação alimentar, não permite mais do que uma baixíssima redução de peso. O peso perdido é recuperado facilmente logo que termine a medicação.

Sabendo tudo isto, pergunto: Valerá mesmo a pena tomar medicamentos para emagrecer?

Emagrecer sem esforço é utópico. Mudar hábitos exige determinação e força de vontade, o primeiro passo para iniciar um programa de perda de peso naturalmente saudável e consistente. O segundo passo será procurar um nutricionista, o profissional de saúde mais habilitado para lhe dar acompanhamento durante todo o processo de emagrecimento e , depois, durante a fase de manutenção do peso.
2 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Leite sem lactose não é para diabéticos

Ontem de tarde, durante a consulta de atendimento a diabéticos, um dos utentes pôs-me a questão se o leite sem lactose seria o melhor para os diabéticos. A dúvida faz todo o sentido uma vez que a lactose é o açúcar natural do leite. No entanto, este leite foi criado para pessoas intolerantes à lactose, que não digerem bem o leite por deficiente produção de lactase, a enzima necessária ao desdobramento da lactose.

Então porque é que é que o leite com 0% lactose não é bom para diabéticos?

A lactose é um hidrato de carbono complexo (dissacárido) formada por duas moléculas de hidratos de carbono simples, a glicose e a galactose (monossacáridos). O leite com 0% lactose não tem, de facto lactose, mas tem os seus constituintes, a glicose e a galactose, que são açúcares simples que fazem subir a glicémia (glicose no sangue) mais facilmente. Quem prova este leite não tem dúvidas: ele é mais doce e foi por isso que o referido doente estranhou e me apareceu com o pacote de leite sem lactose na mão…

COUVE LOMBARDA SALTEADA

Ontem para o jantar fiz couve lombarda salteada com bifinhos de peru grelhados.  É um prato super fácil de fazer que se prepara em 15 minutos.

INGREDIENTES (para quatro pessoas)
Meia couve lombarda
1 cenoura
2 colheres de sopa de azeite
2 dentes de alho
sal marinho q.b.

Depois de lavar a couve, corte-a em juliana. Descasque e rale a cenoura. 
Numa frigideira coloque o azeite e os alhos picados até estes começarem a fritar. Junte a couve, a cenoura e um pouco de sal. Deixe cozinhar cerca de oito minutos mexendo com frequência (se gostar da couve mais cozida deixe cozinhar mais tempo). Está pronto! 

Acompanhei com bifinhos de peru grelhados, temperados com pimenta, pouquíssimo sal, mas com muito sumo de limão. 

Esta couve também fica bem a acompanhar qualquer tipo de peixe.
Experimentem!

O segredo de cozinhar bróculos verdes e nutritivos

Do livro "A cozinha é um laboratório" (Fonte da Palavra, 2009) transcrevo alguns conselhos para bem cozinhar os brócolos evitando, dentro do possível, perdas de nutrientes e o desenvolvimento de cores e aromas indesejáveis: "Corte-os apenas na altura de serem introduzidos na água quente. Além de os cortar em pedaços, dê um golpe longitudinal nos pedúnculos. Estes cortes têm como objectivo acelerar a cozedura, dado aumentarem a área de exposição à água quente. Adicione os brócolos à água a ferver, com o lume no máximo. Para minimizar a perda de nutrientes e ter a melhor cor final, não use muita água, nem pouca... no meio é que está a virtude! Deixe o recipiente destapado nos primeiros minutos. Cozinhe-os durante apenas cerca de 5 minutos (ficam mais estaladiços e com uma cor mais bonita). Se não os for consumir logo, passe-os por água muito fria mal sejam tirados do lume, para parar todo o processo. Como melhor alternativa, coza os brócolos em vapor. O resultado será ainda melh…